VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ivan Valente vê como tarefa central da CPI “tirar Carlos Bolsonaro das sombras”
Reprodução
Entrevistas YouTube

Ivan Valente vê como tarefa central da CPI “tirar Carlos Bolsonaro das sombras”


20/05/2021 - 10h11

Da Redação

Para o deputado federal Ivan Valente (Psol-SP), as investigações sobre o clã Bolsonaro já deixaram claro que o pai manda e os filhos agem em uma estrutura paralela e informal às instituições para fazer com que as ordens emanadas do Planalto sejam cumpridas.

Hoje, o senador Flávio Bolsonaro atua pessoalmente como uma espécie de “miliciano em chefe” na CPI da Pandemia, para intimidar questionadores e moldar depoimentos sem que o pai seja incriminado.

Eduardo Bolsonaro, o deputado federal, articula na Câmara, além de permanecer no papel de chanceler particular do pai, como ficou demonstrado na viagem a Israel supostamente para tratar de um spray nasal que poderia combater a covid.

Finalmente, há Carlos Bolsonaro, já apelidado de “vereador federal”. Dos filhos, é o que age quase totalmente nas sombras. Suspeito pelo STF de ter organizado o Gabinete do Ódio, ele teria articulado a compra de um sistema de espionagem fabricado por empresa israelense que é capaz de monitorar aparelhos celulares sem deixar qualquer rastro.

Este é um dos motivos pelos quais Ivan quer ver Carlos Bolsonaro completamente exposto na CPI da Pandemia, que pretende quebrar o sigilo fiscal, bancário, telemático e de todas as plataformas sociais do vereador do Rio de Janeiro.

Para o deputado, Jair Bolsonaro ficará extremamente nervoso com o depoimento do filho, que pode atingí-lo diretamente.

De acordo com o psolista, que está sendo processado por Flávio Bolsonaro por ter questionado a compra pelo senador de uma mansão de R$ 6 milhões em Brasília, a família infiltra pessoas de sua absoluta confiança em cargos chave e, através dela, atropela até generais da ativa como Eduardo Pazzuelo, ex-ministro da Saúde.

Um dos casos mais óbvios é o de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e Educação no Ministério da Saúde, a “Capitã Cloroquina” — que lançou em Manaus, dias antes da crise do oxigênio, um aplicativo que receitava cloroquina até para bebês.

Ivan Valente diz que o Centrão está deitando e rolando neste momento, como se viu na votação para privatizar a Eletrobras, que tem o potencial de atender a muitos interesses financeiros e gerar recompensas.

Porém, o parlamentar acredita que vai chegar o momento em que Jair Bolsonaro se tornará um peso eleitoral difícil de carregar e o Centrão poderá abandoná-lo, especialmente no Nordeste.

Veja no topo a íntegra da entrevista de Ivan Valente.





1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique martins

20 de maio de 2021 às 12h00

https://www.brasil247.com/cpicovid/so-piora-flavio-bolsonaro-revela-que-silas-malafaia-foi-o-grande-conselheiro-de-seu-pai-na-pandemia

RISOS.

Trata-se de uma retaliação porque a igreja universal está dando sinais que vai pular do barco. Então, agora querem a contribuição da outra ala da igreja evangélica. A fala de Carlos obviamente vai obrigar Silas Malafaia a defender o pai dele,
além de soar como ameaça e acusação se ele nao o fizer. Carlos simplesmente acusou a igreja evangélica de orientar mal seu pai.

Está aí senhores pastores evangélicos o governo que vocês apoiam e ajudaram a eleger.
Vocês merecem essa ferrada.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding