VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Ikaro Chaves: Maior golpe da História do Brasil está em andamento; comprador da Eletrobras terá mina de ouro em caso de apagão elétrico
Reproduçãp
Entrevistas YouTube

Ikaro Chaves: Maior golpe da História do Brasil está em andamento; comprador da Eletrobras terá mina de ouro em caso de apagão elétrico


04/06/2021 - 16h08

Da Redação

O maior golpe já dado no consumidor de eletricidade e no patrimônio do povo brasileiro está em andamento, segundo Ikaro Chaves, dirigente da  Associação dos Engenheiros e Técnicos do Sistema Eletrobras (Aesel).

E ele não está sendo dramático.

Afirma que a privatização da Vale do Rio Doce, um crime de lesa-Pátria consumado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, que simplesmente desconsiderou as imensas reservas de minérios da empresa ao privatizá-la, vai parecer um conto infantil diante da venda da Eletrobras pelo governo de Jair Bolsonaro.

A MP foi aprovada pela Câmara e está no Senado, que decidiu por audiências públicas antes de 22 de junho, quando a medida provisória caduca se não for apreciada.

Diante da crise hídrica que o Brasil já está enfrentando e que pode culminar com racionamento de energia em novembro ou dezembro, se os reservatórios permanecerem baixos e a economia brasileira acelerar, Ícaro diz que o comprador da Eletrobras vai fazer rios de dinheiro, uma verdadeira mina de ouro, se a empresa for privatizada agora.

Segundo ele, a ideia de acelerar a privatização foi da empresa onde trabalhava o ministro da Economia Paulo Guedes, a BGT Pactual.

Pelo modelo proposto, as hidrelétricas que já se pagaram e, por isso, precisam vender a energia abaixo do preço do chamado “mercado livre”, ficarão livres dos limites impostos pelo governo Dilma.

O óbvio impacto disso, na opinião de Ikaro, será um aumento das tarifas para o consumidor, que na opinião dele pode chegar a 35%.

A União passará ser minoritária no controle dos reservatórios e do fluxo dos rios, o que é considerado estratégico em qualquer lugar do planeta — nos Estados Unidos, o sistema elétrico é privado mas as hidrelétricas são controladas em sua maioria pelo Exército, justamente por envolverem variáveis decisivas para a Nação.

Ikaro usa dois exemplos dos Estados Unidos, aliás, para demonstrar os danos que poderiam ocorrer no Brasil: a Enron, empresa de energia que faliu, promovia manutenções de maneira a restringir o fluxo de energia e, com isso, aumentar o preço especialmente para os consumidores da Califórnia; no Texas, a empresa de energia que não fez o devido trabalho de manutenção acabou pega de surpresa por uma tempestade de frio que… a beneficiou, já que os preços subiram.

O dirigente da Aesel diz que o preço estimado da Eletrobras, de R$ 25 bilhões que seriam recolhidos ao Tesouro, é um verdadeiro escândalo, considerando que a Eletrobras é lucrativa, tem quase R$ 15 bilhões em caixa e dívidas e receber de R$ 44 bilhões.

Ou seja, ao fim e ao cabo o Brasil perderia R$ 34 bi a longo prazo ao entregar o controle da estatal, sem considerar que o aumento dos preços da energia impactaria toda a pequena e média indústria nacional, além dos consumidores do dia-a-dia.

Mas, quem seriam os ganhadores? Os banqueiros que promovem a privatização, o governo Bolsonaro, em tese o pequeno número de grandes consumidores que hoje compram no chamado “mercado livre” e tem poder de barganha e os donos de termelétricas privadas, a gás ou a óleo diesel, que hoje são acionados sempre que há risco de apagão.

Ikaro teme, ao citar os exemplos da Califórnia e do Texas, que se crie um estado de escassez permanente no Brasil, que justifique tarifas maiores para sugar dinheiro direto da carteira dos consumidores domiciliares.





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding