VIOMUNDO

Diário da Resistência


Celso Amorim: Teria feito “tudo” diferente numa pandemia; hoje nem os capitalistas querem saber do Brasil
Reprodução
Entrevistas YouTube

Celso Amorim: Teria feito “tudo” diferente numa pandemia; hoje nem os capitalistas querem saber do Brasil


18/05/2021 - 17h30

Da Redação

O ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse hoje que não assistiu ao depoimento de seu sucessor Ernesto Araújo à CPI da Pandemia.

Teria sido “perda de tempo”, disse à equipe do Viomundo quando negociávamos com ele a entrevista.

Amorim disse que à diplomacia cabe resolver problemas e, portanto, ele teria conversado com seus congêneres da Rússia, China, Índia e Estados Unidos em busca de doses para a imunização dos brasileiros ainda em 2021.

Hoje, tanto o premiê da China, Xi Jinpeng, quando o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aceitam a proposta da Índia de quebrar patentes das vacinas para acelerar a vacinação global. Curiosamente, o Brasil se mantém contra.

Amorim lembra que esta posição foi primeiro manifestada pelo ex-ministro da Saúde, José Serra, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, e mantida ao longo dos governos Lula e Dilma.

Para ele, o Brasil passou de líder em defesa da propriedade intelectual relativa para alinhamento completo aos interesses da indústria farmacêutica, que nem nacional é.

Pelo comportamento bizarro do presidente Bolsonaro e seu governo quanto à pandemia e, especialmente, quanto à legislação ambiental e desmonte de órgãos de defesa da Amazônia, Amorim afirma que hoje o Brasil não tem parceiros, nem mesmo entre países capitalistas.

Ele sustenta que princípios longevos do Itamaraty sempre foram mantidos por governos brasileiros, independentemente da extração ideológica, mas hoje alguns dos melhores diplomatas do país foram encostados e o Brasil ficou “sem parceiros”.

Tradicionalmente, o Brasil tinha grande amizade com um de seus maiores parceiros comerciais, a Argentina, além de ser ouvido em todas as capitais da América Latina, de Caracas a Santiago.

Além disso, China e Estados Unidos sempre foram considerados importantes parceiros do Brasil, o que já não acontece depois de insultos a autoridades chinesas e à preferência descarada do bolsonarismo por Donald Trump.

Amorim condena com veemência a tentativa de Israel de avançar sobre Jerusalém Oriental, repetindo na prática a política de bantustões que já prevalece na Cisjordânia.

A posição subalterna do governo Bolsonaro em relação a Israel não rendeu frutos de qualquer espécie ao Brasil, pelo contrário, acabou com o protagonismo do país e ofendeu parceiros históricos no mundo árabe.

Para Amorim, se Lula for eleito em 2022, por sua experiência em política externa o ex-presidente será capaz de representar uma guinada imediata no respeito devido ao Brasil na arena externa, mas sempre com uma desconfiança.

E se os Estados Unidos voltarem a eleger Trump? E se o bolsonarismo sobreviver na oposição? Para Celso Amorim, por causa destas dúvidas o dano causado pelo atual governo terá um aspecto permanente.





6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique martins

19 de maio de 2021 às 00h22

https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/na-gestao-de-pazuello-ministerio-da-saude-fechou-contratos-sem-licitacao-com-empresa-sediada-em-area-da-milicia

Pergunta que nao quer calar:
Então acontece uma coisa dessas justamente no Rio de Janeiro onde estão as milícias cujo chefao oculto e informal é um terrorista de quartéis?

Responder

Zé Maria

18 de maio de 2021 às 21h44

Covid-19:
“Brasil irá receber mil litros a menos de IFA vindo da China”
Quantidade suficiente para produzir 2 Milhões de Doses de Coronavac.

Uma reportagem da CNN afirma que o país irá receber 3 mil litros
ao invés dos 4 mil litros de insumos prometidos ao Butantan.

Com isso, o Instituto Butantan produzirá 5 milhões de doses
ao invés das 7 milhões projetadas.

Responder

Henrique martins

18 de maio de 2021 às 20h42

https://www.brasil247.com/brasil/ernesto-tenta-se-safar-na-cpi-culpando-pazuello

Não me admira a postura de Ernesto Araújo em relação a Pazuelo, pois a turma ideológica radical bolsanarista não é chegada nos ministros militares. Por eles todos os ministros seriam da laia deles.

Responder

Zé Maria

18 de maio de 2021 às 20h38

https://twitter.com/cartacapital/status/1394783036940640263
‘Ernesto Araújo deveria ser preso’, diz à CartaCapital
presidente da Frente Parlamentar Brasil-China:
(https://youtu.be/2PTKQ4lr_Y8)

Responder

Henrique martins

18 de maio de 2021 às 18h37

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/pazuello-usara-farda-em-seu-depoimento-a-cpi/

É uma forma de usar as Forças Armadas como escudo e ameaçar os senadores com um golpe militar que NUNCA SERÁ DADO.
Portanto, não se deixem intimidar senadores.

Responder

Henrique martins

18 de maio de 2021 às 17h56

https://www.brasil247.com/cpicovid/randolfe-pazuello-esta-sendo-entregue-aos-leoes-como-o-bode-expiatorio

Se for preciso sacrificar Pazuelo para se manter no poder nao tenham dúvidas que Bolsonaro o fará sem o menor escrúpulo.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding