VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Vídeo desmascara Bolsonaro: ‘Preço de combustíveis no Brasil é uma grande mentira’, denuncia Observatório
Preço registrado em uma cidade de Mato Grosso do Sul. Redes sociais
Denúncias

Vídeo desmascara Bolsonaro: ‘Preço de combustíveis no Brasil é uma grande mentira’, denuncia Observatório


01/04/2021 - 11h18

Por Observatório Social da Petrobrás*

No Brasil governado por Bolsonaro, todo dia é dia da mentira.

E hoje queremos denunciar essa grande conversa fiada que é o preço dos combustíveis no Brasil.

A atual política de preços da Petrobrás é baseada no PPI (Preço de Paridade de Importação), o que significa que são agregadas ao valor dos combustíveis taxas como se esse produto fosse importado.

Ou seja, pagamos preço de combustível importado mesmo consumindo produto nacional. Não faz sentido, né?

Segundo pesquisa do Observatório Social da Petrobrás, se a companhia acabar com o PPI o preço da gasolina, por exemplo, poderia ser reduzido para, pelo menos, R$ 3,60.

Neste dia 1º de abril estamos convocando o Twittaço com a hashtag.

#EssePreçoÉUmaMentira, pedindo #FimdoPPI e #PreçoJustoJá. Vamos denunciar essa grande sabotagem que é o valor de combustíveis no Brasil.

 

PREÇO JUSTO: ESTUDO PROPÕE GASOLINA NO BRASIL A  R$ 3,60

Vender a gasolina a um preço justo no Brasil é possível e depende, principalmente, da mudança na política de precificação da Petrobrás.

Estudo realizado pelo novo Observatório Social da Petrobrás, que será lançado neste 1º de abril, junto com a campanha “Preço Justo Já!”, demonstra que é viável comercializar o litro da gasolina a R$ 3,60, um valor bem abaixo do praticado hoje no mercado nacional.

Esse novo valor traria benefícios à população, que tem sofrido com os reajustes sucessivos da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, sem colocar em risco a lucratividade da companhia, dos distribuidores e revendedores de combustível.

A pesquisa parte de uma análise da estrutura de custos da Petrobrás, eliminando a política de Preço de Paridade de Importação (PPI), modelo que a estatal utiliza desde 2016 para definir os valores dos combustíveis em suas refinarias.

Apesar de cerca de 80% dos derivados do petróleo serem produzidos hoje no Brasil, o PPI segue o mercado internacional e usa a cotação do barril de petróleo e do dólar, mais os custos da importação, que incluem transporte e taxas portuárias, como principais referências para o cálculo da gasolina, criando preços fictícios para o consumidor brasileiro.

“Essa formulação de preço faz com que a Petrobrás venda combustíveis produzidos no país como se fossem importados, privilegiando grandes acionistas e multinacionais com o reajuste dos valores. Os acionistas são beneficiados pelo crescimento do lucro e as empresas estrangeiras pela oferta de preços favoráveis, que lhes permitem ampliar as suas fatias do mercado nacional”, afirma o economista Eric Gil Dantas, do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps).

O estudo é fundamentado nos relatórios financeiros publicados pela Petrobrás e aponta que, mesmo com a disparada do dólar, os gastos com extração (lifting cost) e refino caíram e, em 2020, ficaram abaixo da média real dos últimos 16 anos.

Graças à descoberta do pré-sal, a estatal registrou em dezembro passado um custo de extração de petróleo por barril na ordem de R$ 67,60 e de refino, de R$ 8,67.

É importante salientar que a maior parte do gasto em dólar da companhia concentra-se na extração, onde há maior demanda de serviços de empresas estrangeiras, como, por exemplo, o aluguel de plataformas.

Para chegar ao valor de R$ 3,60, a pesquisa se baseou em variáveis reais e não nas do mercado financeiro internacional.

O cálculo considerou o valor que a Petrobrás gasta para extrair petróleo no Brasil, mais os custos da importação de derivados e do refino e outros gastos, como custos de exploração e desenvolvimento, que não são divulgados pela empresa.

O resultado é um preço justo e praticável, que assegura à Petrobrás 100% de lucro operacional para a extração e o refino da gasolina.

Veja os números:

Realização Petrobrás – R$1,17

Etanol – R$ 0,78

ICMS – R$ 0,90

Impostos federais – R$ 0,44

Distribuição e transporte – R$ 0,30

Total – R$ 3,60

*Observatório Social da Petrobrás

Um tuitaço em defesa do preço da gasolina justo e verdadeiro vai marcar o lançamento do Observatório Social da Petrobrás (OSP), nesta quinta-feira, dia 1° de abril, ÀS 12h

As hashtags levantadas serão #EssePreçoÉUmaMentira, #FimdoPPI #PreçoJustoJá.

Uma organização da sociedade civil, o Observatório surge pelo esforço e parceria de vários trabalhadores e pesquisadores brasileiros que defendem uma Petrobrás pública, atuando em prol da população e desempenhando seu verdadeiro papel de protagonista no desenvolvimento do país.

O OSP vai monitorar, fiscalizar e divulgar estudos sobre a empresa e as consequências do seu desmonte e da sua privatização.

O Observatório vai mostrar ainda que é possível ter uma Petrobrás a serviço dos interesses nacionais, uma Petrobrás para os Brasileiros.





8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

01 de abril de 2021 às 20h18

Excertos

“Estudo realizado pelo novo Observatório Social da Petrobrás, que lançado neste
1º de abril, junto com a campanha
“Preço Justo Já!”, demonstra que é
viável comercializar o litro da gasolina
a R$ 3,60”

“O resultado é um preço justo e praticável,
que assegura à Petrobrás 100% de lucro
operacional para a extração e o refino da
gasolina.”

“Veja os números:

Realização Petrobrás – R$1,17
Etanol – R$ 0,78
ICMS – R$ 0,90
Impostos federais – R$ 0,44
Distribuição e transporte – R$ 0,30
Total – R$ 3,60 ”

https://twitter.com/i/status/1376954644124024835

Responder

Henrique Martins

01 de abril de 2021 às 16h07

https://noticias.uol.com.br/colunas/juliana-dal-piva/2021/04/01/defesa-bolsonaro-general-paulo-sergio-exercito-mudancas.htm

Hummm. O General nem bem foi nomeado e o sujeito já está o ameaçando de demissão se não atender a seus delírios golpistas e, é claro, os interesses dos generais de pijama?
Então tá…

Responder

Henrique Martins

01 de abril de 2021 às 14h48

Complementando comentário anterior:

Esqueci de um elemento: a mobilização popular, já que 70 por cento é uma porcentagem muito mais alta que 30 por cento.
Nao podemos aceitar que a minoria da população com a mente lavada por pastores evangélicos e extremistas nos façam engolir um governo a autoritário comandado por um cidadão insano.
Ou seja, a equação fica assim:
Paranóia, movimentação popular e renúncia = manutenção do estado de direito.

Responder

marcio gaúcho

01 de abril de 2021 às 14h42

Juntando uma besteira a mais no festival, penso que 1 litro de gasolina no tanque do carro, que nos leva (5 pessoas) por mais de 10 km, até que não está tão caro em comparação com o que se paga por outros produtos de consumo. Vejamos: garrafa de refrigerante-2 litros (água, açúcar, saborizante e gás), em toro de R$ 8. Um litro de uísque rastaquera sai por R$ 60. Uma garrafa de vinho não sai por menos de R$ 30. Então, comparado ao complicado processo de extração, transporte, refino e comercialização da gasolina a esses produtos mencionados está muito barato, quando analisamos o custo e benefício dos produtos. Se estamos sendo roubados com a gasolina, imaginem o assalto promovido pela cadeia que envolve a comercialização de qualquer produto à venda num modesto supermercado. Hoje, compra-se 180 litros de gasolina com um salário mínimo, que rende 2.300 Km andando de carro. Com um SM, compra-se 18 kg de carne de primeira, 18 litros de uísque nacional e 300 latinhas de cerveja. O que, realmente, custa mais caro?

Responder

    baader

    02 de abril de 2021 às 09h14

    vinho, cerveja, soda e… gasolina: a cesta do delírio. é cada uma…

Henrique Martins

01 de abril de 2021 às 14h24

Li num livro uma passagem interessante que veio a calhar em relação ao senhor Jair – que de messias não tem nada:
“Alguns governos sofrem de um problema recorrente: o Poder atrai as personalidades patológicas. Não que o Poder corrompa; ele é magnético aos corruptíveis. Essas pessoas tendem a se embriagar com a violencia, uma condição de que logo ficam dependentes”.

A propósito, soube que Nixon era paranóico e que sua paranóia levou ao escândalo Watergate e à sua renúncia para evitar um impeachment.
Acontece que Nixon foi o único presidente americano a renunciar.
Bolsonaro é paranóico. Qualquer junta psiquiátrica competente, honesta e corajosa pode atestar isso.
Dito isso, para quem saber ler, na atual conjuntura, paranóia e renúncia são palavras muito interessantes.

Responder

Lucas

01 de abril de 2021 às 12h47

Se a Miriam Leitão e os coxinhas não reclamaram e pq está certo o preço.
Se chegar a 10 reais vai tá bom ainda o preço pra eles.
Eles só reclamam se aumentar 10 centavos na passagem de ônibus. Pois é, coxinha anda de ônibus.
Aqui é assim e não vai mudar.
Mesmo que se mostre o erro eles dizem que não há erro e que tudo está certo. Por isso só falo eh, eh e eh. Concordo com tudo e olho a paisagem na janela do carro ou da casa.
Tem pessoa que não adianta dialogar com ela. Dá razão para escapar logo da chatice, do monólogo.
De fato, é até arriscado discutir política com gente FUNDAMENTALISTA POLITICA. Não duvide ele puxar um 38 e te balear por causa de política. FUNDAMENTALISTA.
Fala eh e sai fora. Não perde seu tempo tentando tirar o chifre da cabeça de cavalo.
O cara tá vendo a coisa errada, fora da lei, e tá teimando que a coisa tá certa.
É uma lei pra todos ou cada um tem sua lei particular e personalíssima.
O FUNDAMENTALISTA em qualquer área, de qualquer área é perigoso.
Os caras põe a bitolinha na cabeça e vai e vai e vai nunca se cansa.

Responder

Ed.

01 de abril de 2021 às 12h23

Evidentemente, esta criminosa farsa do preço “PPI” contra o amplo interesses da sociedade brasileira (que pagou pela constituição da Petrobrás) é para beneficiar acionistas estrangeiros e, como declarou publicamente Castelo Branco em sua posse como presidente da Petrobrás, “incentivar a concorrência”! Um escândalo bizarro e inaceitável em qualquer empresa.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding