VIOMUNDO

Diário da Resistência


Sócio de empresa investigada por envio de fake news anti-PT por whatsapp integra equipe de transição de Bolsonaro
Foto: Fernando Frazão/Agencia Brasil
Denúncias

Sócio de empresa investigada por envio de fake news anti-PT por whatsapp integra equipe de transição de Bolsonaro


06/11/2018 - 10h27

Sócio de agência ligada a disparos em massa via WhatsApp integra time de Bolsonaro

por Leandro Prazeres, Gustavo Maia, Aiuri Rebello e Flávio Costa, do UOL

O empresário Marcos Aurélio Carvalho, sócio de uma empresa ligada à investigação sobre envio em massa de mensagens via WhatsApp durante as eleições deste ano, foi nomeado nesta segunda-feira (5) para integrar a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Carvalho, que é sócio da maior fornecedora da campanha de Bolsonaro, diz que vai cuidar da área de comunicação da equipe de transição. Seu salário como membro da equipe será de R$ 9,9 mil.

O empresário é sócio da AM4 Brasil Inteligência Digital. A empresa está envolvida
no caso investigado pela Polícia Federal e pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

No dia 18 de outubro, uma reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo revelou que empresários teriam comprado pacotes de disparos de mensagens de WhatsApp com conteúdo anti-PT durante o primeiro turno das eleições presidenciais.

Essa prática é considerada ilegal.

No dia 26 de outubro, uma reportagem do UOL mostrou que a AM4 contratou disparos de mensagens junto a outra empresa investigada, a Yacows.

Inicialmente, a AM4 havia dito que não tinha contratado esse tipo de serviço.

A reportagem também mostrou que, no mesmo dia em que a matéria da Folha foi publicada, dados das campanhas contratadas pela AM4 junto à Yacows foram apagados. Procurada, a AM4 disse que não foram seus funcionários que apagaram os dados do sistema.

Segundo dados da Justiça Eleitoral, a AM4 é a maior fornecedora da campanha de Jair Bolsonaro. Ela recebeu R$ 650 mil para conduzir a campanha do então presidenciável na internet. Esses valores podem ser ainda maiores porque o prazo final para a prestação de contas de quem disputou o segundo turno termina no dia 17 de novembro.

Nomeado diz que se afastou do comando da empresa

Segundo o cadastro de pessoas jurídicas da Receita Federal, Marcos Aurélio é um dos três sócios da AM4, que tem sede no município de Barra Mansa (RJ). Nesse cadastro, ele aparece como “sócio-administrador” da empresa ao lado do seu irmão, Magno Carvalho, e do amigo Alexandre José Martins.

Na condição de sócio-administrador, Marcos Aurélio estaria, em tese, impedido de assumir o cargo para o qual foi nomeado.

Isso porque a legislação impede que servidores públicos federais atuem como gestores ou administradores de empresas privadas.

Procurado, o empresário informou que continua sócio da empresa, mas se afastou da sua direção. “Não há impeditivo em ser sócio”, disse.

Sobre seu afastamento da direção da empresa, ele afirmou que recebeu o convite para integrar o grupo de transição na quinta-feira da semana passada (1º) e que, como a sexta-feira (2) foi feriado, ele ainda aguarda a atualização dos dados da empresa na Junta Comercial do Rio de Janeiro.

Segundo Carvalho, o convite para integrar a equipe de transição foi feito pelo deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), apontado como futuro ministro da Casa Civil de Bolsonaro.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da equipe de transição de Bolsonaro para questionar os termos nos quais a nomeação de Marcos Aurélio Carvalho foi feita e se o fato de sua empresa estar vinculada à investigação sobre o uso em massa de mensagens via WhatsApp durante as eleições não criaria conflito de interesse.

Até a última atualização desta matéria, a equipe não respondeu as questões.

Leia também:

Membro da equipe de transição de Bolsonaro já foi condenado, preso e 3 vezes alvo da Lei Maria da Penha

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Adyneusa

24 de novembro de 2018 às 23h45

Essa empresa AM4 tbm está envolvida nu pagamento de uma empresa fantasma de nome Mosqueteiros filmes, que recebeu da campanha de bolsonaro 240 mil, localizada em Petrolina-PE, Mas quem faz o serviço é a 9Ideia localizada em JP, quem aprensentou ao bolsonaro foi o deputado do PSL Julian Lemos.
A AM4 centraliza a distribuição de conteúdo digital mas quem recebe é a Mosqueteiros fantasma.

Responder

Jardel

07 de novembro de 2018 às 01h25

Estão evoluindo, do fascismo ao fraudescismo.
Parabéns coxinhas, Bolsonazi vai salvar o País, com mentiras, fraudes e autoritarismo.
A combinação perfeita para levar o País ao abismo.
Eu diria que, Bolsonaro pegou o comando de um País à beira de um abismo. Agora ele há de dar um passo à frente.

Responder

Bel

06 de novembro de 2018 às 11h38

Se isso for verdade, está inaugurada era do ¨dá cá, toma lá¨.

Responder

Julio Silveira

06 de novembro de 2018 às 10h38

Com a justi$$a conivente que o país possui, com a procuração entregue pelas urnas, tudo se reduz apenas a vontade pessoal de se conduzir dentro ou fora da lei, tendo a certeza de não ter consequencias.

Responder

Deixe uma resposta