VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rogério Correia desmascara o golpe: Anastasia, relator do impeachment no Senado, deu pedaladas de R$ 63,3 bi quando governador de Minas
Denúncias Falatório

Rogério Correia desmascara o golpe: Anastasia, relator do impeachment no Senado, deu pedaladas de R$ 63,3 bi quando governador de Minas


27/04/2016 - 19h51

Captura de Tela 2016-04-27 às 19.50.28

Minas desmascarando o golpe: As pedaladas de Anastasia

por Rogério Correia*

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi posto em um dilema ao ser escolhido relator da comissão de impeachment no Senado.

Encarregado de analisar as acusações que pesam contra a presidenta Dilma Rousseff sobre as chamadas “pedaladas fiscais”, o tucano corre o risco de admitir que cometeu crime durante o período em que foi governador de Minas Gerais.

Pois, nesse período, praticou atos idênticos aos que constam na peça acusatória da presidenta.

Entre 2011 e 2014, foram editados 972 decretos de suplementação orçamentária.

É o que atestam relatórios do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG).

Segundo os documentos, mesmo sem cumprir as metas fiscais estabelecidas nas Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDOs) de 2011, 2012 e 2013, o então governador editou decretos de suplementações orçamentárias para aumento de despesas primárias. Exatamente o mesmo expediente adotado pelo governo federal.

É o que o líder do bloco Minas Melhor da Assembleia de Minas Gerais, deputado Rogério Correia (PT), apresentará ao senador Lindbergh Farias (PT-RJ), em reunião no Senado às 11h desta quinta-feira (28). No encontro, o parlamentar mineiro apresentará documentos.

Pedaladas gerais

A diferença primordial entre as medidas adotadas pelo governo federal e o Executivo mineiro na gestão de Antonio Anastasia fica por conta dos valores.

Enquanto a acusação contra a presidente Dilma Rousseff se refere a seis decretos de 2015 que somam R$ 2,5 bilhões, os de Anastasia somam, em apenas três anos, R$ 63,3 bilhões.

Apenas as suplementações orçamentárias que levam em conta o “excesso de arrecadação”, mesmo com o descumprimento das metas fiscais, somaram R$ 6,4 bilhões.

Em 2011, o orçamento previsto era de R$ 44,9 bilhões, com autorização para aumento de gastos até 18,5% a partir de outubro (10% antes disso).

Segundo relatório do TCE-MG, neste ano “os créditos suplementares totalizaram, em valores brutos, R$ 18,285 bilhões”. “Desse montante, R$ 6,221 bilhões oneraram o percentual de 18,5%. O restante dos créditos suplementares – R$ 12,063 bilhões – foi aberto para atender os créditos excluídos do percentual autorizado”, acrescenta o documento.

O mesmo ocorre nos anos seguintes. Em 2012, com orçamento previsto de R$ 51,4 bilhões e autorização para suplementações que onerem os gastos em até 10%, o Executivo estadual editou decretos que somam R$ 22,5 bilhões. Valor quase igual aos R$ 22,4 bilhões de 2013, quando foram previstas receitas de R$ 68,1 bilhões – e os mesmos 10% de possibilidade de suplementações que aumentassem gastos.

Vale ressaltar que os limites foram ultrapassados em todos estes anos mesmo com as leis orçamentárias excluindo do aumento de gastos as despesas com pessoal e encargos sociais, dotações referentes ao pagamento da dívida pública, gastos com recursos vinculados e diretamente arrecadados, despesas com precatórios e sentenças judiciais, créditos para reserva de contingência e contrapartidas de convênios e recursos constitucionalmente vinculados aos municípios.

Apropriação de recursos previdenciários

Enquanto Dilma é acusada de ter atrasado repasses a bancos federais, o governo mineiro, sob a gestão do hoje senador Antonio Anastasia se apropriou definitivamente de recursos previdenciários dos servidores públicos estaduais. Isto foi feito por meio da Lei Complementar 131, sancionada pelo então governador em 6 de dezembro de 2013.

Por meio do texto, o Executivo extinguiu o superavitário Fundo de Previdência do Estado de Minas Gerais (Funpemg) e se apropriou dos mais de R$ 3 bilhões que estavam em suas contas.

Os recursos foram usados para integrar o deficitário Fundo Financeiro de Previdência (Funfip), no qual o governo era obrigado a fazer aportes mensais de R$ 700 milhões. O deficit do Funfip, na ocasião, ultrapassava R$ 8 bilhões.

Investimentos mínimos constitucionais

As “pedaladas” cometidas pelo relator da comissão de impeachment do Senado vão além.

Em abril de 2012, o então governador de Minas firmou com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG) o chamado Termo de Ajustamento de Gestão (TAG), por meio do qual a corte de contas admitiu que o Executivo aumentasse gradativamente os investimentos em Saúde e Educação, já que não estavam sendo cumpridos os mínimos constitucionais de 12% e 25%, respectivamente.

O acordo levou o Ministério Público Estadual (MPE) de Minas a entrar, ainda em 2012, com ação na Justiça para anular o TAG. “Importante destacar que, em exercícios anteriores, o mesmo Tribunal de Contas do Estado, nos processos anuais de aprovação de contas de Governadores, já apontava para a necessidade de cumprimento dos índices constitucionais”, afirma a ação civil pública, citando documentos da corte de contas.

“Determinadas despesas, como repasses financeiros para a COPASA (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) ou pagamentos de natureza previdenciária, são comumente relacionados, anualmente, como se fossem gastos com saúde ou educação, respectivamente, gerando inevitável discussão jurídica a respeito de tal possibilidade”, acrescenta o MPE.

Suspeição

O senador Anastasia é membro do partido derrotado nas últimas eleições. Mais que isso, um partido que desde o primeiro momento se mostrou inconformado.

Apenas quatro dias depois do segundo turno das eleições presidenciais de 2014, o PSDB solicitou uma auditoria das urnas. Este foi o primeiro ato do PSDB de contestação e inconformidade ao resultado do pleito. Um ano depois o partido admitiu que não houve fraude.

Em dezembro de 2014, a sigla protocolou no TSE um pedido de cassação do registro da candidatura e da diplomação de Dilma Rousseff e, do seu vice, Michel Temer. Foram além, pediram também que o tribunal diplomasse os candidatos derrotados, Aécio Neves e Aloysio Nunes.

Sem sucesso, os derrotados passaram a apostar no quanto pior melhor. Dificultaram o andamento dos trabalhos legislativos no Congresso Nacional e, mais tarde, quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, declarou que não fazia mais parte da base do Governo, membros do partido apoiaram as pautas-bombas de Cunha com o nítido interesse de prejudicar o Executivo.

Flávio Henrique Costa Pereira, advogado do PSDB, é um dos que assinam o pedido de impeachment com os juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Junior, e a advogada Janaina Paschoal.

O PSDB sempre teve posição pública e prévia sobre o processo de impeachment, é adversário declarado da presidenta e tem evidente interesse no desfecho da votação.

Lava Jato

Além dos vícios mencionados, há de se levar em conta também o interesse no fim da Operação Lava Jato e do combate à corrupção. O desejo no impeachment da presidenta Dilma também é o desejo, por parte de muitos políticos investigados por corrupção, de que as investigações sejam paralisados e diversos inquéritos sejam arquivados para salvar corruptos e corruptores.

O senador Antonio Anastasia recebeu, na eleição de 2014, doações de empreiteiras e de um banco citados na Operação Lava Jato. Foi dele a campanha mais cara do país entre todos os candidatos ao Senado em 2014, com R$ 18,1 milhões em doações.

A campanha de Anastasia arrecadou R$ 2 milhões das empreiteiras Andrade Gutierrez, UTC, OAS, Odebrecht, Queiroz Galvão e do banco BTG Pactual, todos citados na Lava Jato. Só o BTG Pactual doou R$ 1 milhão diretamente ao seu comitê.

Outra coincidência também é que quatro das empreiteiras citadas acima construíram a Cidade Administrativa do governo de Minas Gerais, com o custo de mais de R$ 1 bilhão.

Anastasia chegou a ser incluído em um dos inquéritos da operação, por suspeita de lavagem de dinheiro. A investigação foi aberta em março de 2015 porque o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho havia dito em depoimento que entregara, em 2010, a mando do doleiro Alberto Youssef, R$ 1 milhão a uma pessoa que parecia ser o senador.

Sete meses depois, o inquérito foi arquivado pelo ministro Teori Zavascki, do STF. O magistrado acolheu pedido da Procuradoria Geral da República, que avaliou não haver elementos suficientes para manter a investigação.

A Polícia Federal pediu a reabertura da investigação com base em documentos que poderiam envolver Anastasia em supostos pagamentos feitos pelo governo de Minas às construtoras OAS e UTC, mas Zavascki manteve o arquivamento.

*Rogério Correia é deputado estadual e líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa de Minas Gerais

Leia também:

Ciro Gomes, demolidor, sobre Cunha e seus 250 ladrões





14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

josivan

04 de maio de 2016 às 19h06

Não sou a favor do PSDB. Acho um partido de oportunistas. Mas, achei essa página tendenciosa. primeiro, parem com essa tolice de “presidenta” a expressão é presidente tanto para homem quanto para mulher. segundo eu espero que Dilma, seja tirada, depois Temer seja levado a impeachment, depois Cunha seja preso, depois Renan seja preso, São todos farinha do mesmo saco. Quando vejo o povo nas rus brigando com o perigo de morte para defender esse porcos, aí sim fico triste. Ah, sem esquecer do pior de todos o Tal Lula! esse cara é o chefe podre da corrupção. há uma música do antiga: “quero só vê quem vai ficar de fora para passar a chave no cadeado”

Responder

Cleonice Pereira Rodrigue

03 de maio de 2016 às 11h20

Gente eles podem dar quantas pedaladas quiserem e fazerem o que bem entender com nosso país? A presidenta Dilma não, é inadmissível colocarem para governar nosso país alguém que não escolhemos e não queremos, eu tenho muita vontade de gritar , eu tenho muita vontade de ir até Brasília e colocar todos para correr. Mais não tenho condições financeiras e sozinha sei que não faço nada. Então é duro ter que conviver com tudo isto. Este país o Brasil é deprimente, não tem lei para os ricos , somente para os pobres, e realmente quem se importava conosco irão tirar na marra. É nada podemos fazer? A não ser assistir.

Responder

Urbano

02 de maio de 2016 às 14h37

Essa sucessiva prática da ‘destreza’ é como chamar o estuprador para fazer o parto do próprio filho decorrente…

Responder

FrancoAtirador

29 de abril de 2016 às 20h32

.
.
JUSTIÇA SEJA FEITA
.
Lindbergh , Vanessa, Gleisi, Telmário, Pimentel e Fátima
.
sairão de todo este Processo como Verdadeiros Mártires
.
da Resistência Democrática Contra o Golpe de Estado.
.
É Impressionante a Convicção com que Expõem os Fatos
.
E a Certeza com que Empunham a Espada da Verdade.
.
(https://twitter.com/j_livres/status/726156528009404418)
.
.

Responder

Cvilela

28 de abril de 2016 às 19h13

Parabéns ao combativo (rara exceção no PT de hoje) parlamentar mineiro Rogério Correa. Por esta coragem que o Aécio tentou cassar o seu mandato. Sem falar de outro exemplo da “democracia” durante a era deste golpista mau perdedor: a prisão do jornalista Carone, dono do Novo Jornal fechado pela polícia política a serviço da tucanos enxotados de MG.

Responder

Urbano

28 de abril de 2016 às 18h52

Descendo por aquela faixa de terra, a coisa é na base do manete e não do pedal…

Responder

Rapaz

28 de abril de 2016 às 16h16

Pfff, acreditam mesmo que vai dar algo? Se brincar, o site do TCE-MG “pode tirar, se achar melhor”, que nem fizeram com as contas do Aécio durante as eleições de 2014.
Se ser hipócrita fosse suficiente pra derrubar o golpe entre os próprios parlamentares, a votação na câmara tinha sido devidamente anulada.

Responder

Bacellar

28 de abril de 2016 às 12h34

Tanta avacalhação e despudor que é chato mas temos que chover no molhado…Os caras acham que o Brasil decente, que todos os estratos sociais comprometidos com a democracia, vão acatar esse golpe assim de barato?

Responder

FrancoAtirador

28 de abril de 2016 às 05h44

.
.
Já que estão em Voga na Mídia Jabáculê
as Prévias para Escolha [email protected] [email protected]
a [email protected] Imperador/Imperatriz do Mundo,
.
e aproveitando o fato de que no Brasil
não vigora mais a Constituição de 1988,
diante do que é crescente no País o Apoio
à Realização de Eleições Gerais em 2016,
.
propõe-se estas Alterações na Lei Eleitoral,
quanto ao Voto Proporcional para a Escolha
dos Membros da Câmara [email protected] [email protected]:
.
1) Antes das Eleições Propriamente Ditas,
far-se-á, nacionalmente, um Escrutínio Prévio
no qual @s [email protected] Votarão só na Legenda,
para determinar o Número de [email protected]
a que cada Partido terá Direito na Câmara.
.
2) Nessa Fase, as Coligações Serão Proibidas.
.
3) Concorrerão, em Igualdade de Condições,
os Partidos Políticos, Regularizados no País,
que tenham Antecipadamente Registrado,
na Íntegra, um Programa de Governo no TSE.
.
.

Responder

Cláudio

28 de abril de 2016 às 04h13

.:.

Vídeo muito interessante, pois vale cada minuto de atenção:

https://www.youtube.com/watch?v=V0z_kbn08ts

.:.

Responder

Alan

27 de abril de 2016 às 23h15

Só a titulo de clareza, pq essa informação sobre 2,5 bilhões é um desserviço, foram 57 bilhões da parte de Dilma.

Aos extremistas, peço calma, não quero justificar o golpe com isso.

Responder

    FrancoAtirador

    28 de abril de 2016 às 05h50

    .
    .
    Negativo!
    .
    R$ 54,5 Bilhões foram Liberados
    .
    por Remanejamento Orçamentário.
    .
    Não Houve Acréscimo de Despesas.
    .
    .

John Jahnes

27 de abril de 2016 às 22h56

Enquanto isso, nosso SUPREMO, o Superior Tribunal Federal (STF), está cada dia mais frequentando as páginas de humor do Brasil e do Exterior. O SUPREMO PIADA PRONTA.

STF ‘NÃO TEM TEMPO’ PARA JULGAR CUNHA, MAS JULGARÁ SE NÓS PODEREMOS OU NÃO ENTRAR NO CINEMA COM PIPOCA COMPRADA FORA.
http://www.sensacionalista.com.br/2016/04/27/stf-nao-tem-tempo-para-julgar-cunha-mas-julgara-se-voce-pode-entrar-no-cinema-com-pipoca-comprada-fora-pode-rir-a-piada-e-essa/
Supremo Tribunal Federal julgará se é crime o cidadão entrar no cinema portando um saco de pipocas comprando em outro lugar.
De acordo com o portal de direito JOTA: A Abraplex entra com “com pedido de liminar, a fim de que seja constitucionalmente garantido aos cinemas vedar o ingresso, nas salas de exibição, de bebidas e alimentos que não tenham sido adquiridos em suas bombonières.
Como foram derrotados no Superior Tribunal de Justiça, os donos de cinema recorreram ao SUPREMO (STF). O processo foi enviado aos ministros ontem e deverá ser julgado nos próximos dias.
Enquanto isso, o pedido de afastamento de EDUARDO CUNHA entregue ao STF em 16 DE DEZEMBRO DE 2015, pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot ainda não foi apreciado. Recentemente, Janot enviou ao STF um documento com onze razões por que CUNHA deveria ser afastado. PODE RIR, A PIADA É ESSA.
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=315176&tip=UN

Responder

Tiago Tobias

27 de abril de 2016 às 22h42

“Alguém certamente havia caluniado Josef K., pois certa manhã ele foi detido sem ter feito mal algum”

Se Kafka estivesse vivo, trocaria Josef K. por Dilma Rousseff.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding