VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Professora desaparecida na ditadura: USP fez como a Folha


12/06/2013 - 17h59

“Ao Deputado Estadual

Sr. Adriano Diogo
Comissão da Verdade do Estado de São Paulo Rubens Paiva

Prezado deputado e demais membros da Comissão de Verdade da ALESP,

Lamento que a Reitoria da Universidade de São Paulo tenha considerado “inoportuna” a iniciativa dessa comissão de esclarecer as circunstâncias da demissão por abandono de função de minha irmã Ana Rosa Kucinski, “presa e desaparecida política”.

Considero subterfúgio a justificativa do magnífico reitor João Grandino Rodas de que foi instituída uma comissão da verdade na USP. Essa comissão não iniciou suas sessões, não possui regimento interno e nem cronograma de trabalho.

E o tempo urge. Meu irmão Wulf Kucinski, que tanto batalhou pela localização de minha irmã, faleceu ao ano passado aos 80 anos de idade, sem conhecer a verdade dos fatos. Eu já estou na casa dos 76 anos.

Lamento igualmente os inaceitáveis termos da declaração da Congregação do Instituto de Química, de 27 de setembro do ano passado, nos quais também se apoia o Magnífico Reitor, para justificar o seu não comparecimento. Diz a Congregação a certa altura que “se solidariza com a família, amigos de colegas que, na época, não souberam das reais circunstância do seu desaparecimento.

Ora, senhor deputado, o inusitado e escandaloso desse caso, sem paralelo na história da USP, está justamente no fato de que se sabia, sim, na época, e sobejamente, do caráter forçado e involuntário de seu não comparecimento ao trabalho.

Quando a Comissão Processante da Reitoria e a Congregação da Química decidiram pela demissão, em janeiro-fevereiro de 1975, já era amplamente conhecida a condição de desaparecida política de minha irmã, conforme documentos, testemunhos e até notícias de jornal, tudo isso juntado em apelo à comissão processante pelo nosso advogado, o falecido Dr. Aldo Lins e Silva, em 24 de janeiro de 1975, e denegado pela comissão (processo 17.499/74/RUSP).

Enquanto entidades como a Anistia Internacional e a Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo já se empenhavam em denunciar a repressão política no Brasil, a Congregação da Química e a Reitoria dessa universidade optaram pelo caminho oposto de legitimar e dar cobertura ao ato criminoso do sequestro e desaparecimento de minha irmã. É disso que se trata.

Ao se fiar nessa declaração falsa do ano passado da Congregação da Química, penso que não iniciou bem o Magnífico Reitor sua participação no esforço nacional de busca da verdade. Anoto também que o longo parecer da Assessoria Jurídica da Universidade, emitido em julho de 95 em resposta ao meu pedido de anulação da demissão (Processo 74.1.17459.1.7), embora recomendasse ao Magnífico Reitor a aceitação do meu pedido, camufla e absolve por trás de uma obscura linguagem jurídica o nefasto papel de coadjuvantes de um crime, desempenhado pela instituição USP nesse episódio, em especial por essa mesma Assessoria Jurídica à época. Não há uma palavra de autocrítica.

Senhor Deputado e demais membros da comissão da Verdade Rubens Paiva: os procedimentos que culminaram na demissão de minha irmã não resultaram do colaboracionismo ou conivência isolada ou medo ou fraqueza de um ou outro funcionário ou professor. Constituíram um processo coletivo da USP como organismo social, envolvendo servidores e professores e instituições e formalismos de todos os escalões da Universidade desde sua assessoria jurídica até a Congregação da Química.

Entendo o constrangimento de ver tudo isso posto a nu, mas, sem o exame profundo de todos as etapas que levaram à lamentável decisão da Congregação da Química e do reitor à época, não mudará a cultura que permitiu que isso acontecesse.

Quando o magnífico reitor Flávio Fava de Moraes, atendendo requerimento meu e ao parecer acima mencionado da Assessoria Jurídica, emitiu, em 20 de julho de 1995, ordem para que fosse cancelada a demissão, e “restaurada a verdade histórica no prontuário e no processo de minha irmã”, ficou faltando a mesma restauração da verdade histórica no âmbito da burocracia e do sistema de poder universidade em si.

Se isso tivesse sido feito, a Congregação da Química não teria emitido mais de sete anos depois a lamentável declaração de que na época da demissão “ignorava as circunstâncias”. Termino reiterando minha disposição de comparecer a essa comissão, desde que assim o façam os dirigentes dos setores da USP envolvidos no caso e/ou com conhecimentos dos fatos.

Atenciosamente,

Bernardo Kucinski”

*Grifos do autor

PS do Viomundo: A USP age como o Grupo Folha no caso da jornalista Rose Nogueira.

Leia também:

Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Adrián Fanjul: A USP depois dos duros tapas que o poder vem sentindo - Viomundo - O que você não vê na mídia

27 de julho de 2013 às 21h53

[…] Professora desaparecida na ditadura: USP fez como a Folha […]

Responder

JOTACE

13 de junho de 2013 às 16h12

Revestem-se do mais puro cinismo os comportamentos que tiveram a Reitoria da USP e a Congregação do Instituto de Química. Infelizmente é marcante a sabujice com que defendem pela omissão os mais sórdidos crimes da Ditadura como o foi o sequestro, provável tortura, e o assassinato da Profa. Ana Rosa.

Responder

Caio Toledo: Por uma Comissão da Verdade e Memória na Unicamp - Viomundo - O que você não vê na mídia

13 de junho de 2013 às 09h14

[…] Professora desaparecida na ditadura: USP fez como a Folha com jornalista […]

Responder

AlvaroTadeu

13 de junho de 2013 às 00h04

Para se ter noção de quão repugnantes foram a Congregação do Instituto de Química e a Reitoria da USP, leiam o livro do irmão da Professora Ana Rosa, Bernardo Kucinski. “K”, é o nome do livro. Fininho, dá para ler em poucas horas. Mas descreve com crueza o sofrimento da família no sequestro e assassinato da professora.

Responder

Professora desaparecida na ditadura: USP fez como a Folha com jornalista | Jornal A Verdade

12 de junho de 2013 às 21h19

[…] Considero subterfúgio a justificativa do magnífico reitor João Grandino Rodas de que foi instituída uma comissão da verdade na USP. Essa comissão não iniciou suas sessões, não possui regimento interno e nem cronograma de trabalho. […]

Responder

renato

12 de junho de 2013 às 20h28

Eu chego a engasgar.
É muita falta de hombridade.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.