VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política de preços da Petrobras arranca dinheiro do bolso do brasileiro e repassa a oito importadores de derivados
A manifestante contra o preço da gasolina sumiu!
Denúncias

Política de preços da Petrobras arranca dinheiro do bolso do brasileiro e repassa a oito importadores de derivados


28/04/2021 - 11h55

PELO FIM DA POLÍTICA DE PARIDADE COM OS PREÇOS DE IMPORTAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS

Por Ricardo Maranhão*

A política foi iniciada, em 2016 por PEDRO PARENTE, praticando preços de paridade internacional.

Mantida por PARENTE, IVAN MONTEIRO e CASTELLO BRANCO, evoluiu para os PREÇOS DE PARIDADE DE IMPORTAÇÃO, também PPI.

A paridade de importação é, ainda, mais nociva, pois inclui os custos de saída do mercado norte-americano, até um porto, carregamento dos navios, taxas portuárias, frete, seguro, descarga e taxas portuárias no Brasil. Custo de internação no Brasil.

Esta política faz os preços praticados pela PETROBRAS dependerem, fundamentalmente, dos preços do óleo, dos derivados e da taxa de câmbio.

O mercado do petróleo é, sabidamente, imperfeito.

Os 13/14 países componentes da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) mais a Rússia, a eles associada, produzem cerca de 40% do petróleo mundial.

Periodicamente esses países se reúnem na Sede da OPEP (Viena) combinando restringir cotas de produção, para gerar escassez artificial, elevando os preços.

O Brasil nada pode fazer, pois não integra a OPEP.

O mercado do petróleo e, obviamente, o dos derivados, também sofre influências de fatores geopolíticos e climáticos.

Os furacões, tufões, tsunamis e as nevascas com baixíssimas temperaturas, comuns no Golfo do México e nos Estados Unidos, paralisando plataformas e refinarias elevam os preços.

O mesmo ocorre com os preços do gás e derivados utilizados para aquecimento residencial.

No Brasil, praticamente, não temos estes transtornos.

A região do Golfo Pérsico e o Estreito de Ormuz, por onde passam milhões de barris de petróleo diariamente, é caracterizada por conflitos permanentes envolvendo Irã, Israel, Arábia Saudita, etc.

Outros conflitos na Síria, na Ucrânia, desentendimentos com a China, Coréia do Norte, tudo contribui para a instabilidade nos preços do petróleo.

Também a taxa de câmbio sofre a influência de fatores múltiplos.

Tudo isto gera uma enorme volatilidade / instabilidade / variação nos preços do petróleo e dos derivados.

Nós brasileiros, milhões de consumidores, não temos qualquer controle ou influência sobre esses fatores de instabilidade.

Cabe a pergunta. Por que preços internacionais se não temos renda per capita, PIB per capita, IDH, internacionais?

Desta política de preços de importação se prevalece a ABICOM – Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis somente fundada em 2016 após adoção desta política de preços para acusar a PETROBRAS de praticar “preços predatórios”, quando inferiores aos de importação.

OU SEJA, A ABICOM EXIGE PREÇOS DA PETROBRAS MAIS ELEVADOS PARA QUE AS SETE OU OITO EMPRESAS QUE A INTEGRAM POSSAM IMPORTAR DERIVADOS…

Veja o leitor, a propósito, Artigo VENDER MAIS BARATO É CRIME do ex-presidente da AEPET, Engenheiro DIOMEDES CESÁRIO DA SILVA.

Registre-se aqui a pouca representatividade da ABICOM, com menos de dez associadas, quando há centenas de importadores de combustíveis registrados na ANP.

A prática de preços elevados só favorece aos importadores e às refinarias estrangeiras, sobretudo as norte-americanas.

RESUMINDO

A política de paridade com os valores de importação têm muitos inconvenientes.

Os consumidores brasileiros pagam mais caro.

Energia cara provoca inflação e faz a economia nacional perder a competitividade.

Com preços elevados a PETROBRAS perde mercado, suas refinarias ficam ociosas. Empresarialmente é melhor vender mais a preços módicos.

Aliás, a modicidade dos preços é um dos princípios legais da política energética brasileira.

Os caminhoneiros desesperados com os elevados preços e constantes reajustes do diesel (na gestão PARENTE, mais de cem em um ano) fizeram greve que, embora justa, com apoio popular, paralisou o país.

Milhões de donas de casa, sobretudo as mais humildes, não podendo pagar preços exorbitantes pelos botijões de GLP, são obrigadas a usar lenha e carvão, com prejuízos para o meio ambiente e queimaduras.

O AGRONEGÓCIO perde competitividade, pois o preço do diesel eleva os fretes em um país onde o escoamento das safras é feito em grande parte pelo transporte rodoviário.

O país importa derivados de petróleo desnecessariamente, enquanto seu Parque de Refino fica subutilizado. A ociosidade das refinarias aumenta o custo unitário dos derivados.

O petróleo não refinado é exportado, sem agregar valor e importamos derivados mais caros.

Esta política nefanda e entreguista desconsidera a vantagem competitiva da PETROBRÁS, grande produtora, de cru, com um dos maiores Parques de Refino do mundo, moderno e com custos de processamento inferiores aos das refinarias americanas.

Diante de tantos malefícios, por que a insistência na manutenção desta política?

Sua continuidade é necessária para viabilizar a venda das refinarias da PETROBRAS.

Esta operação, que se pretende efetivar a preços vis, como no caso escandaloso da RLAM, ensejará o surgimento de MONOPÓLIOS PRIVADOS ESTRANGEIROS, como indicados em estudos recentes do Departamento de Engenharia Industrial da PUC-RJ e do CBIE ADVISORY — Estudo sobre a Indústria Brasileira de Combustíveis.

O Estado Brasileiro ficará inerme, sem condições de influir nos preços dos derivados e os consumidores indefesos.

*Ricardo Maranhão, engenheiro, é Conselheiro Vitalício do Clube de Engenharia.





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abelardo

28 de abril de 2021 às 20h39

Vejo um festival de deboches, de humilhações, de preconceito, de submissão ao mercado, de antipatriotismo explícito, de ganância e de indecorosos abusos de poder. Vejo algumas empresas raiz, que integram as riquezas nacionais e as estruturas da nossa soberania soberania nacional, sendo traiçoeiramente desmontadas e depreciadas covardemente, para serem servidas sub avaliadas ao capital estrangeiro.

Responder

Huillian Mendes

28 de abril de 2021 às 17h08

Infelizmente os coxinhas não aceitam que fizeram uma cacá grande.
Tira emprego de brasileiro para dar a americano. Americano ganha em dólar. Brasileiro em real. Saia mais barato contratar o brazuca mesmo.
E essa gente se acha mais inteligente que o faxineiro pq tem um curso superior.
Precisa dizer mais. Não, né !

Responder

Febem

28 de abril de 2021 às 15h22

Manda o currículo vitae para a refinaria nos EUA e tá tudo certo.
O cavalo é burro.
O burro é inteligente. Assim me falou meu chefe.
Veinho, arruma uma vaga aí pra mim. Tô precisando treinar minhas habilidades manuais naquele servicinho lá.
Esses humanos são uma dor de cabeça sem fim. As máquinas são menos problemáticas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding