VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Pai de vereador foi apontado em CPI das Milícias como líder da “Liga da Justiça”
Reprodução
Denúncias

Pai de vereador foi apontado em CPI das Milícias como líder da “Liga da Justiça”


09/04/2021 - 18h11

Família de Jairinho é influente no Rio e acusada de envolvimento com a milícia

Do Jornal da Band

A família do vereador suspeito de matar o menino Henry é uma das mais influentes da política do Rio. Uma relação que envolve a milícia que domina grande parte da cidade. As informações são do Jornal da Band.

Com quase duas décadas de vida pública, Doutor Jairinho, principal suspeito de matar o enteado Henry, trilhou um caminho conhecido na política.

O médico, que nunca exerceu a profissão, chegou à Câmara Municipal do Rio de Janeiro em 2004, aos 27 anos, sob a influência do pai, coronel Jairo. Policial militar e deputado estadual até 2018, ele é um dos políticos mais poderosos da cidade.

Uma influência que envolve relações estreitas com a milícia que domina a zona oeste carioca.

Coronel Jairo foi um dos parlamentares investigados na CPI das milícias em 2008, que pediu o indiciamento de mais de 200 pessoas acusadas de envolvimento com as milícias do Rio — entre PMs, militares do exército e policiais civis.

No documento final da CPI, o coronel Jairo foi citado como um dos líderes da maior milícia do Rio na época, a “Liga da Justiça”. O grupo começou a expandir seu domínio da zona oeste para outras partes do Rio, como a região metropolitana e baixada fluminense.

Atualmente conhecida como “Bonde do Ecko”, a antiga Liga domina em quase 60% da cidade. As milícias tomam territórios, exploram os moradores com taxas, como luz e internet, e cria as próprias leis.

“Boa parte desses territórios foram urbanizados pelos próprios milicianos, que não só grilaram [ocupação de área] aquelas terras loteadas, mas construíram, cobram taxas sobre os moradores, sobre os comércios e impõe um mando naqueles territórios quem envolvem homicídios, ameaça, tortura e toda sorte de violações dos direitos civis e humanos”, explica a socióloga Carolina Grillo.

Em seu primeiro mandato como vereador do Rio, em 2004, o filho do então deputado coronel Jairo foi o mais votado do partido, o PSC. No ano passado, Jairinho foi um dos mais votados na Câmara Municipal. Em 17 anos de parlamento, já passou pela comissão de educação e foi vice-presidente da comissão de saúde.

Além da ligação com grupos paramilitares, a família de Jairinho também manteve laços estreitos com outros políticos, como os ex-governadores Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, em esquemas criminosos.

Em 2018, coronel Jairo foi um dos deputados presos na operação Furna da Onça, que investigou o esquema de propinas pagas por Cabral a deputados aliados.

O relatório do do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou movimentação atípica de cerca de R$ 10 milhões em contas de servidores do gabinete do coronel.

Depois da morte de Henry, Jairinho fez ligações para políticos para acelerar burocracias no Instituto Médico Legal.

O parlamentar queria que a tese de que a criança passou mal e morreu fosse confirmada.

Uma dessas ligações foi para o governador em exercício Cláudio Castro, que teria informado ao vereador que a delegacia responsável iria investigar o caso.

Suplente de Doutor Jairinho, Marcelo Diniz Anastácio, é presidente da Associação de Moradores da Muzema. Ele também é investigado por ligação com a milícia que atua na zona oeste do Rio.

Preso junto com a mãe de Henry, Monique Medeiros, Jairinho ainda não perdeu o mandato, mas já teve o salário de cerca de R$ 20 mil suspenso e foi afastado do Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores do Rio, em decisão unânime. A partir do 31º dia de afastamento, a Câmara pode dar início ao processo de cassação do mandato de Jairinho.





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding