VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


OAB Paraná repara injustiça contra Tânia Mandarino e desagrava a advogada; vídeos
Fotos: Arquivo pessoal e reprodução de vídeo
Denúncias

OAB Paraná repara injustiça contra Tânia Mandarino e desagrava a advogada; vídeos


20/05/2021 - 13h38

Por Conceição Lemes

Em 11 de março de 2021, a Câmara de Direitos e Prerrogativas da Ordem dos Advogados Brasil – Seção Paraná desagravou publicamente Ramon Prestes Bentivenha.

A notícia foi publicada no dia seguinte no portal da OAB-PR.

Em 7 e 8 de fevereiro de 2017, os advogados Ramon Bentivenha e Tânia Mandarino foram alvo de ataques caluniosos e injuriosos por partes dos jornalistas Paulo Roberto Galo e Ricardo Vilches (foto abaixo), que apresentavam um programa sensacionalista na chamada Rede Massa de Televisão, retransmissora do SBT no Paraná.

“Motivo”: os dois advogados defendiam voluntariamente estudantes em luta contra o aumento da tarifa de ônibus em Curitiba.

Contra Mandarino, os apresentadores ainda insinuaram que a atuação dela como advogada e os atos de protesto de seus clientes estariam sendo “financiados” pelo PT.

Porém, estranhamente, no desagravo de 11 de março, ela foi “apagada”, deixando surpresos advogados, jornalistas, integrantes de movimentos sociais e de mulheres que acompanhavam o caso e as ações da mídia no Paraná.

Resolvi fazer uma reportagem para saber o que havia acontecido.

O primeiro passo foi, claro, contatar a OAB-PR.

Via e-mail, contatei a Câmara de Prerrogativas, responsável pela decisão do desagravo.

Relatei o acontecido, apresentei os documentos disponíveis (vídeos, reportagens, abaixo-assinado) e questionei o seu coordenador, o advogado Rodrigo Sánchez Rios.

Fiz apenas duas perguntas:

— Por que a advogada Tânia Mandarino não foi desagravada também?

— Em que medida o fato de ser mulher contribuiu para o “apagamento” dela?

A primeira mensagem foi no dia 23 de março.

Como não houve retorno, reiterei a demanda no dia seguinte.

Em 26 de março, a Câmara dos Órgãos Colegiados da OAB-PR, respondeu:

A Secretaria informa que, seu pedido foi protocolado sob nº 33.532/2021 para análise do Presidente da Câmara de Direitos e Prerrogativas, Dr. Rodrigo Sánchez Rios.

Informo mais, que, o Presidente se manifestou conforme anexo despacho no processo de desagravo do Adv. Ramon Prestes Bentivenha, para notificar a Adv. Tânia Mandarino indagando a se tem interesse no cumprimento do desagravo público, no qual a Secretaria irá cumprir.

Em termos práticos o que significava esse retorno, já que não esclarecia as minhas questões?

Em 31 de março, voltei a indagar.

Em pouquíssimas horas, veio a resposta. Em anexo, o comunicado abaixo.

No mesmo dia, uma ótima notícia: a advogada Tânia Mandarino seria comunicada pela OAB-PR do seu desagravo.

Mas, eu continuava sem as respostas às minhas duas perguntas:

— Por que a advogada Tânia Mandarino não foi desagravada também?

— Em que medida o fato de ser mulher contribuiu para o “apagamento” dela?

Eu só fui saber as razões no dia 13 maio, durante a sessão virtual do desagravo.

Em gesto louvável, o presidente da Câmara de Prerrogativas, Rodrigo Sánchez Rios, e o advogado-relator Daniel Augusto Glomb, assumiram o erro e fizeram um pedido sincero de desculpas a Tânia Mandarino.

Na sequência, ela fez um discurso emocionante, homenageando todas as mulheres. Confira no vídeo abaixo.

O presidente Rodrigo Rios retomou a palavra.

Falou do seu inconformismo com a injustiça cometida pela Câmara de Prerrogativas da OAB/PR contra Tânia Mandarino e agradeceu o trabalho da imprensa autônoma. Vale a pena ouvi-lo.

A jornalista Lara Sfair estava presente à sessão de desagravo.

Ela é voluntária de Comunicação do Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia (CAAD).

No texto que se segue, Lara destaca os principais momentos do evento, como as falas das advogadas Giuliana Alboneti e Ivete Caribé da Rocha, integrantes do CAAD, e do ex-professor de Processo Civil de Tânia, o conselheiro Luiz Fernando Casagrande Pereira, que a levou às lagrimas.

“Foi tudo muito emocionante, lindo demais”, relembra Lara Sfair. Ao final, o vídeo com a íntegra da sessão.

ADVOGADA OFENDIDA EM PROGRAMA SENSACIONALISTA RECEBE APOIO PÚBLICO DA OAB/PR 

Após omissão de advogado que recebeu o apoio sozinho, jornalista questiona e OAB PR corrige a injustiça em evento que enaltece a participação das mulheres combativas na defesa de direitos.

Por Lara Sfair, voluntária de comunicação do CAAD

A advogada Tânia Mandarino, integrante do CAAD Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia, foi desagravada publicamente em sessão realizada na quinta-feira, dia 13 de maio, pela Câmara de Prerrogativas da OAB Paraná.

O Desagravo Público é uma medida em defesa de advogados ofendidos no exercício da profissão – ou em razão dela. Um instrumento de defesa dos direitos e das prerrogativas da advocacia.

No caso de Tânia, o desagravo se deu em razão de comentários depreciativos e acusações caluniosas que os apresentadores de TV Paulo Roberto Galo e Ricardo Vilches cometeram, em programa sensacionalista veiculado na Rede Massa, em fevereiro de 2017.

A sessão online por causa da pandemia contou com a presença de advogadas e advogados de todo o país, magistrados, representantes de movimentos sociais e movimentos de mulheres e jornalistas.

Na cerimônia, as advogadas Giuliana Alboneti e Ivete Caribé da Rocha, integrantes do CAAD, falaram sobre o verdadeiro Direito, lembrando Esperança Garcia e Sobral Pinto.

O advogado Fernando Tozi, que participou da fundação do Coletivo, representando a advocacia iniciante, ressaltou a importância da mulher na justiça.

Pela OAB/PR, o Presidente da Câmara de Prerrogativas, Rodrigo Sánchez Rios,  e o o advogado Daniel Augusto Glomb fizeram uso da palavra e se desculparam pelo erro cometido.

Também se manifestaram os conselheiros Alexandre Salomão e Luiz Fernando Casagrande Pereira e as advogadas Sabrina Maria Fadel Becue e Maíra Marques da Fonseca, que parabenizaram Tânia Mandarino por sua atuação e coragem e falaram sobre as mulheres no Direito.

O conselheiro Luiz Fernando, ex-professor de Processo Civil de Tânia, a levou às lagrimas ao dizer que deseja que a própria filha, estudante de direito, seja uma advogada inspirada na ex-aluna que admira desde as primeiras aulas, quando percebeu seus dons e talentos.

Segundo Desagravo

Paulo Roberto Galo e Ricardo Vilches usaram seus microfones para atacar a advogada Tânia Mandarino, o Partido dos Trabalhadores (insinuando que a atuação da advogada e a ação de seus clientes teria sido “financiada” pelo PT) e o advogado Ramon Prestes Bentivenha, quando defendiam voluntariamente estudantes em luta por direitos.

Ramon foi desagravado em 11 de marco, o que causou estranheza nos meios jurídicos e na imprensa, pois as ofensas a ambos foram públicas e eram conhecidas.

A jornalista Conceição Lemes, do site Viomundo, questionou a Câmara de Prerrogativas da OAB/PR sobre a exclusão de Tânia Mandarino.

Ao perceber a injustiça cometida, o presidente da Câmara de Prerrogativas da OAB/PR, Rodrigo Sánchez Rios tomou as providencias para corrigir o erro. No início da sessão, ele explica o que aconteceu e pede desculpas, e em seguida o relator, Daniel Augusto Glomb também se desculpa.

O vídeo das matérias com as ofensas dos apresentadores pode ser conferido aqui >>>> encurtador.com.br/ptuAI.

O CAAD – Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia – reúne advogadas e advogados com diferentes filiações partidárias no campo progressista – o que não é vedado na advocacia, e reitera sua independência e autonomia. O CAAD tem atuação 100% voluntária. Jamais recebeu diretrizes ou honorários de qualquer pessoa ou partido político.

Confira a íntegra da emocionante sessão que concedeu o desagravo à advogada.

Está no vídeo abaixo, disponibilizado pela Câmara de Prerrogativas da OAB/PR. 

Abaixo, a nota de Desagravo Público

A leitura da nota de desagravo público pode ser acompanhada no vídeo abaixo.





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

21 de maio de 2021 às 18h38

Cumprimentos à ilustre Jurista Tânia Mandarino
e à Brilhante Jornalista Conceição Lemes.
Mulheres Batalhadoras, Guerreiras da Liberdade.

Responder

Zé Maria

21 de maio de 2021 às 05h48

Ex-presidentes sul-americanos pedem respeito
ao direito de manifestação e protesto popular
e de monitorar a situação dos Direitos Humanos
na Colômbia.

(https://t.co/qoMy0zIxPi)

Por meio de uma carta, vários ex-presidentes progressistas latino-americanos indicam que “é urgente que as garantias sejam preservadas” para garantir o protesto, “protegendo os direitos humanos dos cidadãos, garantindo a segurança, a democracia e a paz”.

A carta é assinada pelos ex-presidentes José Mujica, do Uruguai, Luiz Inácio Lula Da Silva e Dilma Rousseff, do Brasil, Fernando Lugo, do Paraguai, Evo Morales Ayma, da Bolívia, Rafael Correa, do Equador; José Mel Zelaya, de Honduras.
Ao mesmo tempo, também conta com a assinatura de legisladores e altos cargos governamentais de todo o continente.

O comunicado expressa “solidariedade com o povo colombiano”, além de fazer “um apelo para que as profundas divergências que levaram à violência nos últimos dias sejam resolvidas num marco de diálogo e negociação, buscando um rápido retorno à paz neste amado. nação.

“O protesto é um direito consagrado nas convenções internacionais e a mobilização social é uma expressão legítima da participação cidadã.
Diante dos graves incidentes de violência contra seres humanos indefesos que acarretam a perda de vidas humanas, que nos afetam como povos irmãos dos colombianos, é urgente que sejam preservadas as garantias para quem faz uso de tais direitos, salvaguardando os direitos humanos dos cidadãos. , ao mesmo tempo que garantem segurança, democracia e paz ”, recordam os signatários.

Em outra seção, assinalam que “os povos da América Latina e do Caribe não podem comparecer impassíveis enquanto a vida de nossos jovens se esvai.
Condenamos a morte de dezenas de jovens no âmbito dessas manifestações e expressamos nossa solidariedade com suas famílias e com o povo colombiano. Apelamos a todos os esforços para que, no mais curto espaço de tempo, se forme uma comissão internacional independente para verificar a situação dos direitos humanos e, se for o caso, apoiar o acompanhamento dos acordos parciais que ponham fim à violência.

“Expressamos nossa solidariedade aos jovens colombianos profundamente comprometidos com o futuro de seu país, cujas preocupações são justificáveis ​​e refletem uma consciência social alinhada aos valores constitutivos da democracia participativa”, concluiu o comunicado.

https://twitter.com/DCaggiani/status/1394636615541268481

https://www.m24.com.uy/expresidentes-piden-respeto-al-derecho-de-protesta-y-monitoreo-de-la-situacion-de-los-derechos-humanos

Responder

Zé Maria

20 de maio de 2021 às 20h14

Essa Rede Massa de Ratazanas Fascistas é de Propriedade
do Ratinho – Pai do Governador do Paraná – retransmissora
do SBT, do Silvio Santos, todos Bolsonaristas.

O tal Programa local Tribuna da Massa, além de ser
um veículo de Propaganda de Extrema-Direita, é
ligado às Polícias Estaduais (PM e Civil) Paranaenses,
às quais apóia na Repressão Policial Violenta contra
Manifestantes em todos os Protestos de rua no Paraná.

Procedimentos, aliás, característicos das TVs nos Estados
Afiliadas das Grandes Redes de Comunicação do País
que ditam o Modus Operandi das Emissoras Locais.

https://jornalistaslivres.org/advogados-vao-processar-rede-massa-apos-reportagem-que-fez-insinuacoes-sobre-sua-atuacao-profissional/

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding