VIOMUNDO

Diário da Resistência


Nocaute: Maior autoridade científica em drogas do País é intimado a depor por apologia ao crime: “Dá pena de o Brasil estar nessa situação”, diz
Denúncias Falatório

Nocaute: Maior autoridade científica em drogas do País é intimado a depor por apologia ao crime: “Dá pena de o Brasil estar nessa situação”, diz


22/02/2018 - 18h57

Maior especialista em entorpecentes do Brasil é intimado a depor por apologia ao crime

O psicofarmacologista Elisaldo Carlini prestou depoimento à polícia de São Paulo. É pesquisador da Unifesp e estuda os efeitos medicinais da maconha há 50 anos

por Nocaute 

Um dos maiores especialistas em entorpecentes do Brasil, o psicofarmacologista Elisaldo Carlini foi intimado a depor à polícia de São Paulo nesta quarta-feira (21), acusado de fazer apologia ao crime.

Dr. Carlini, hoje com 88 anos, é professor emérito da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid).

Ele foi um dos pioneiros no Brasil na pesquisa sobre o efeito da maconha no organismo humano, tema ao qual se dedica há 50 anos.

Nas décadas de 1970 e 1980, liderou na Unifesp um grupo de pesquisa que, junto a outros estudos internacionais, possibilitou o desenvolvimento de medicamentos à base de Cannabis sativa, utilizados em vários países para tratamento de epilepsia e esclerose múltipla, por exemplo.

Pelo seu trabalho como pesquisador, foi condecorado duas vezes pela Presidência da República durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

Está no sétimo mandato como membro do Expert Advisory Panel on Drug Dependence and Alcohol Problems, da Organização Mundial da Saúde (OMS), e é ex-membro do Conselho Internacional de Controle de Narcóticos (INCB), eleito pelo Conselho Econômico Social das Nações Unidas.

Contrário ao uso recreativo da maconha, é defensor ferrenho da aplicação medicinal da planta.

“Bom, por tudo isso não parece que eu seja um criminoso, né? Mas ontem eu fui prestar declarações à polícia por apologia ao crime. (…) Fiz a declaração, não tenho medo nenhum, mas me dá pena, fico sentido que o Brasil esteja nessa situação. Não sou eu que não mereço, é a ciência brasileira que não merece, porque tem outros que estão em igualdade comigo. É um trabalho seríssimo”, disse Carlini em entrevista ao Nocaute.

Leia também:

Por que a Folha escondeu o Paulo Preto





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

23 de fevereiro de 2018 às 09h08

Não é novidade nenhuma. Para um país poder descer moralmente tão baixo só mesmo se juntando as forças do atraso, em peso, para recuperar seu status e retroceder o país ao nivel dos piores da Africa.

Responder

a.ali

22 de fevereiro de 2018 às 23h14

incrivel o retrocesso a que estamos sendo submetidos!

Responder

    lulipe

    24 de fevereiro de 2018 às 22h11

    Retrocesso é convidar um criminoso pra falar em um evento público, não confunda as coisas. Apesar de não ser estranho ver esquerdopatas enaltecendo a bandidagem!!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding