VIOMUNDO

Diário da Resistência


Lelê Teles: Cadê os yanomami?  Sumiram ou foram sumidos? Por quê?; vídeos
Fotos: Reprodução de vídeos
Denúncias

Lelê Teles: Cadê os yanomami? Sumiram ou foram sumidos? Por quê?; vídeos


04/05/2022 - 19h42

CADÊ OS YANOMAMI?

Por Lelê Teles*

em roraima, na região de waikás, um grupo de 24 indígenas desapareceu na floresta, deixando pra trás a comunidade em chamas.

pra onde foram, por quê foram; sumiram ou foram sumidos?

tudo aconteceu no último dia 25, logo após a comunidade ser invadida e atacada por garimpeiros.

os sujeitos violentaram brutalmente uma menina de 12 anos, levando a pequena à morte.

em seguida, os violadores sequestraram uma mulher, com o seu filho de três anos de idade; a criança, veja que brutalidade, foi jogada no rio, segundo relato de júnior hekurari yanomami, liderança indígena que publicou um vídeo nas redes sociais denunciando o crime.

pode ser que a comunidade tenha fugido em desespero para não ser exterminada.

são muitos, e cada vez maiores, os relatos de ataques brutais contra indígenas.

o terror, o pavor, o pânico e o medo são armas psicológicas utilizadas pelo macho branco desde que este câncer da terra aportou por estas paragens.

há mais de 500 anos temos visto essa cena se repetir, ininterruptamente, e se alastrar como uma metástase: de forma brutal e covarde, homens fortemente armados, com armas de fogo, matam os povos originários sem piedade, ou obrigam indígenas a se esconderem nas regiões mais profundas da floresta para não serem assassinados.

os exploradores gananciosos não têm escrúpulos: mandam e desmandam, matam e desmatam.

as terras, e isso parece um imperativo, deve estar apenas nas mãos do macho branco.

por isso, os quilombos estão sempre sob vigilância, por isso os quilombolas lutam, por séculos, para terem a posse de um pequeno pedaço de chão.

é por isso que morrem tantas lideranças comunitárias, por esse motivo matam os que defendem a floresta, é por essa razão que as mulheres quebradeiras de coco babaçu vivem sob a ameaça constante de fazendeiros e grileiros.

é por essas e outras que os brancos gananciosos odeiam tanto os indígenas: “eles têm terras demais e são preguiçosos”, dizem os preguiçosos que parasitam crianças, animais e máquinas para trabalharem pra eles.

mesmo as terras demarcadas estão sob a mira dos assassinos.

e agora eles têm um governo que os apoia, têm parlamentares que incentivam a brutalidade, têm instituições que fazem vista grossa às agressões que os povos da floresta, e a própria floresta, vêm sofrendo cotidianamente.

o macho branco, quando invade uma terra, antes de colocar uma cerca, ele destrói tudo o que encontra: toca fogo nas matas, polui os rios, mata tudo o que nada, voa, rasteja, fornece sombra e garante a vida.

a morte do “outro”, o assassínio, é a cachaça do macho branco.

em seguida eles vão a uma igreja, fazem um teatro místico, depositam umas moedas na sacola de espórtulas e dormem com os bolsos cheios e a consciência tranquila.

estupraram uma menina de 12 anos, jogaram uma criança de 3 anos dentro de um rio…

dói, cara, isso dói pra caralho!

isso fode a alma de quem tem alma; dilacera o coração de quem tem coração!

lembro-me da pequena madeleine mccann, uma criança de 4 anos, branca e britânica, que desapareceu em portugal no ano de 2007.

o mundo ficou em pânico: será que estupraram a pequena, será que está viva, será que passa frio e fome, será…

o planeta terra se mobilizou para procurar a criança, os principais meios de comunicação do mundo, fizeram desta a sua notícia principal.

ilze scamparini, do alto de um telhado, chorava a perda da infante.

é triste o que aconteceu com madeleine, mas por que diabos é menos triste o que aconteceu com os yanomami, por que diabos a comoção é menor?

cadê os yanomami?

desapareceram ou foram desaparecidos; por quê?

é preciso gritar com todas as forças e gritar sempre: vidas indígenas importam, porra!

palavra da salvação.

*Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário

Segunda-feira à noite, 25 de abril de 2022. Júnior Hekurari Yanomami, presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kwana (Condisi-YY), denunciou no vídeo acima, postado em rede social, que uma menina de 12 anos foi estuprada e morta por garimpeiros na comunidade Aracaçá, na Terra Yanomami.

Terça-feira pela manhã, 26-04. O Condisi-YY enviou ofícios à Polícia Federal, Ministério Público Federal, Funai e Ministério da Saúde, pedindo investigação do caso.

Quarta-feira pela manhã, 27-04. Integrantes da PF, MPF, Funai e Condisi-YY — Júnior Hekurari Yanomami é um deles — viajaram de helicóptero de Boa Vista até a comunidade Aracaçá para apurar o caso.

Quinta-feira pela manhã, 28-04. Integrantes da PF, MPF, Funai e Condisi-YY retornam à comunidade Aracaçá para tentar aprofundar as investigações.

Para facilitar a compreensão, o Viomundo editou quatro vídeos enviados por Cláudia Ferreira, ativista de direitos humanos e da causa indígena, em um só. Eles foram usados na íntegra, sem qualquer corte (veja no vídeo abaixo).





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

robertoAP

04 de maio de 2022 às 22h43

O que a ONU está esperando para declarar o genocida Jair de Tal, como autor de crime contra a Humanidade?

Responder

    Claudio Nunes

    05 de maio de 2022 às 16h56

    Isso que não tem lógica amigo, vc querer culpa alguém que provavelmente não tem nada aver com isso…
    Acho que vc não sabe nem o que é ONU e nem para que isso serve.

Maria Carvalho

04 de maio de 2022 às 21h30

Cadê os yanomami?
Qual órgão público está interessado nesse assunto?
Precisamos de uma resposta urgente!

Responder

Afrânio Costa

04 de maio de 2022 às 21h23

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/video-globonews-interrompe-jornalista-que-explicava-ao-inves-de-detonar-fala-de-lula-sobre-zelensky/

Não se preocupem com as coincidências da platinada.
O Brasil vai se ferrar se Bolsonaro for reeleito, mais ela também vai, simplesmente porque perderá o sinal e seus jornalistas podem tratar jeito de deixar seus currículos em ordem já que nestas circunstâncias todos vão perder os empregos. Quando a cabeça nao. pensa o corpo padece. É isso aí…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding