VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Fenaj e Sindicato dos Jornalistas do DF denunciam: EBC quer obrigar repórteres a mentir ou omitir a verdade
Denúncias

Fenaj e Sindicato dos Jornalistas do DF denunciam: EBC quer obrigar repórteres a mentir ou omitir a verdade


24/06/2021 - 11h40

FENAJ e Sindicato dos Jornalistas do DF denunciam assédio e perseguição a jornalistas da EBC

Barão de Itararé

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF) denunciam assédio moral e perseguição da atual direção da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) sobre os repórteres da Rádio Nacional e dirigentes sindicais do DF Victor Ribeiro e Gésio Passos.

Victor Ribeiro foi ameaçado de se tornar alvo de sindicância caso se negasse a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

O TAC foi proposto de forma unilateral pela Diretoria de Jornalismo, por ele ter se negado a gravar a versão censurada de uma reportagem sobre a CPI da Pandemia.

A censura transgride a Declaração Universal de Direitos Humanos, a Constituição Federal, a Lei de Criação da EBC e os códigos de Ética dos Servidores da EBC e dos Jornalistas Brasileiros, ao omitir a verdade e sonegar à população o direito à informação correta sobre os perigos de participar de aglomerações e apostar em remédios ineficazes.

Os alertas foram feitos pelo próprio presidente da Anvisa, Barra Torres.

Mesmo respaldado pela Lei de Criação da EBC e pelos códigos de Ética da EBC e dos Jornalistas, o repórter e dirigente sindical foi constrangido a assinar o TAC – mas não assinou.

Já Gésio Passos, também repórter da Rádio Nacional, diretor do SJPDF e vice-presidente regional da FENAJ, foi informado que seria transferido de setor de forma intransigente e sem quaisquer motivo, mostrando grave perseguição.

O assédio moral que vem sofrendo o dirigente e as práticas antissindicais são recorrentes dentro da EBC, inclusive na Rádio Nacional.

Gésio vem enfrentando diversas retaliações a seu trabalho, inclusive com a sua retirada da cobertura do Ministério da Saúde em 2020 após enviar uma pergunta em coletiva, que sequer foi lida, questionando a experiência dos então gestores militares no enfrentamento a pandemia.

O jornalista, inclusive, já foi alvo de sindicância, que está judicializada, durante uma greve da categoria em 2017 por interceder para evitar uma prática assediosa ocorrida dentro da empresa.

Os dois casos mostram a tentativa da direção da EBC de perseguir quem defende o caráter público previsto na Lei de Criação da empresa e luta para que seu jornalismo seja capaz de garantir o direito à informação da sociedade.

As perseguições refletem as práticas antissindicais da diretoria da empresa pública, ameaçando e assediando dirigentes que lutam pelos direitos dos profissionais da empresa e na defesa da Comunicação Pública.

O SJPDF e a Fenaj tomarão todas as medidas cabíveis para responsabilizar os assediadores, proteger os jornalistas e impedir as ameaças ilegais na empresa pública.

Não nos intimidaremos por essa postura autoritária.

Continuaremos firmes na defesa dos jornalistas e da Comunicação Pública como direito de todos os brasileiros.





6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de junho de 2021 às 13h54

A Ditadura Militar fazia isso com a Rede Globo,
que era praticamente a Emissora Oficial.
Não foi só o “Movimento das Diretas Já” que
foi Omitido do Noticiário da Globo durante
principalmente nas Décadas de 1970 e 1980,
Período sob o Comando dos Ditadores Médici,
Geisel e Figueiredo.

Responder

Zé Maria

24 de junho de 2021 às 13h28

“O Brasil nunca fez Lockdown”
“Quatro em Cada Cinco Óbitos por Covid-19
ocorridos no Brasil poderiam ter sido Evitados,
se o País estivesse na Média Mundial.”
“A Responsabilidade Direta é do Presidente da República”

Professor e Pesquisador Pedro Hallal,
na CPI do Genocídio, no Senado Federal.

(https://youtu.be/7BsmifsZLDc)

Responder

Zé Maria

24 de junho de 2021 às 13h09

.
Um dos Fatos Verdadeiros de ontem (23) a ser destacado
é o de que houve 114.139 Novos Casos de COVID-19 no Brasil,
em meio ao Processo, ainda Precário, de Vacinação.
Portanto, há a Perspectiva de que, daqui a Duas ou Três Semanas,
haverá um Aumento Drástico do Número de Óbitos *
causados pela Infecção, cujo Contágio,
no momento, é Generalizado no País.

* O Professor e Pesquisador Pedro Hallal, da UFPEL,
acaba de afirmar essa Previsão na CPI do Genocídio no Senado Federal
(https://youtu.be/7BsmifsZLDc)

https://www.worldometers.info/coronavirus/country/brazil/
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding