VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Em 99, Bolsonaro prometeu que “ia sonegar tudo”, lembra colunista

08 de janeiro de 2018 às 09h13

Da Redação

Diminuir Jair Bolsonaro e abrir espaço para a ascensão do tucano Geraldo Alckmin passa a ser, agora, um dos principais objetivos da mídia — além de, logicamente, justificar a exclusão de Lula do pleito de 2018.

É nesse contexto que se deve entender a ação da Folha de S. Paulo, que foi aos cartórios em busca dos bens da família Bolsonaro (nunca fez o mesmo com Fernando Henrique Cardoso, por motivos óbvios).

Descobriu que o deputado federal e os três filhos controlam imóveis avaliados em R$ 15 milhões em bairros nobres do Rio.

“Em um dos casos, a ex-proprietária vendeu uma casa em condomínio à beira-mar na Barra a Bolsonaro com prejuízo – pelo menos no papel – de R$ 180 mil em relação ao que havia pago quatro meses antes. O filho mais velho do presidenciável, Flávio, deputado estadual no Rio de Janeiro, negociou 19 imóveis nos últimos 13 anos. Os bens dos Bolsonaro incluem ainda carros que vão de R$ 45 mil a R$ 105 mil, um jet-ski e aplicações financeiras, em um total de R$ 1,7 milhão, como consta na Justiça Eleitoral e em cartórios. Quando entrou na política, em 1988, Bolsonaro declarava ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes de pequeno valor em Resende, no interior do Rio – valendo pouco mais de R$ 10 mil em dinheiro atual. Desde então, a sua única profissão é a política. Já são sete mandatos como deputado federal”, resumiu o diário conservador paulistano.

Hoje, no mesmo jornal, o colunista Leandro Colon escreve que “é corriqueira no país a prática de um comprador de um imóvel registrar na escritura um valor abaixo do que realmente pagou. A trapaça permite dar um olé na cifra correta do imposto de transmissão do bem, esconder o lucro imobiliário ou omitir a evolução de um patrimônio”.

Lembrou que em 1999, numa entrevista à TV Bandeirantes, Bolsonaro afirmou: “Conselho meu e eu faço: eu sonego tudo que for possível. Se puder, não pago, porque o dinheiro vai pro ralo, pra sacanagem. Prego sobrevivência. Se pagar tudo o que o governo pede, você não sobrevive”.

Os apoiadores de Bolsonaro dizem que ele representa “o novo” e o deputado federal faz campanha como campeão da luta contra a corrupção dos outros.

A mídia só não mencionará a presença do nome do deputado moralista na lista de Furnas (R$ 50 mil do esquema de propinas montado por Aécio Neves em Minas Gerais, a partir do dinheiro de empresas fornecedoras da estatal), porque a própria mídia espalhou a mentira de que a lista era forjada — quando foi periciada pela Polícia Federal e declarada autêntica, o que não implica que os valores ali declarados tenham de fato sido pagos.

O petebista Roberto Jefferson confirmou que recebeu os R$ 75 mil atribuídos a ele na lista. O deputado estadual mineiro Antonio Júlio, também listado, foi outro que confirmou ter recebido doações pelo esquema de Furnas. “Quem está falando que não recebeu, está mentindo. Eu recebi, sim. Mas o dinheiro não ficou comigo”, afirmou

Além disso, Bolsonaro recebeu R$ 200 mil da JBS para sua campanha de 2014. Ele disse que devolveu o dinheiro a seu partido da época, o PP. Mas, em seguida, o PP remeteu o mesmo valor ao deputado a partir do fundo partidário. Em entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro admitiu que o PP recebeu propina. “Qual partido não recebe?”, afirmou.

Leia também:

Altamiro Borges: Família Bolsonaro mama no Estado

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

Um comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

08/01/2018 - 18h33

Se não fossem tão sordidos eu diria que deveria ser dificil para os seguidores do hidrofobo serem confrontados com o que seu idolo tenta esconder, mas, como são o que são, certamente dirão que a culpa são das informações e dos informadores. Rsrsrs.
Também deveria estar cada vez mais dificil para os coxinhas imbecis desnacionalizados, que defenderam o golpe, se olharem no espelho sem sentir remorso ou vergonha pelo nivel de ignorancia multipla que demonstraram quando escolheram apoiar demolidores sordidos antigos dos direitos da soberania popular. Mas, como são o que são, imbecis desnacionalizados, preconceituosos, como sempre, culpam e culparão as vitimas pela propria estupidez.

Responder

Deixe uma resposta