VIOMUNDO

Diário da Resistência


Reagan, Trump, Bolsonaro e a “missão divina”
Blog do Azenha

Reagan, Trump, Bolsonaro e a “missão divina”


12/10/2018 - 16h36

Numa sociedade com as hierarquias colocadas em xeque por mulheres, gays e negros — dentro de casa, no trabalho e nos papéis sociais  — o ressentimento dos que se acreditavam “passados para trás” (maridos, colegas de trabalho, homens incertos sobre sua própria sexualidade, brancos que tinham de competir com negros), o ressentimento foi canalizado eleitoralmente. Sempre achei que este foi um dos motivos importantes, no Brasil, para a contestação quase irracional dos governos Lula-Dilma: mudanças bruscas na hierarquia social de um povo profundamente conservador.

por Luiz Carlos Azenha

Um colega evangélico justificou o voto em Bolsonaro: “Ele tem uma missão”.

Quis entender melhor. “Os sinais do Apocalipse estão todos aí. Famílias desfeitas, crime, crise econômica”, argumentou.

Ele balançou quando falei sobre a reforma trabalhista, pela qual o colega foi prejudicado e Bolsonaro apoiou.

“Se sobreviveu ao atentado, é que tem uma missão. O que passou, passou”, respondeu.

A conversa me remeteu aos anos 80, quando eu era correspondente da TV Manchete em Nova York e cobri a tentativa bem sucedida de Ronald Reagan de eleger seu candidato à Casa Branca, George Bush pai.

Reagan elegeu-se em 1980 num quadro de decadência industrial dos Estados Unidos.

Grandes centros urbanos tinham bairros dilapidados, que pareciam zonas de guerra, fruto da fuga de empresas em busca de mão-de-obra barata na Ásia e na América Latina.

A base de arrecadação das metrópoles também tinha sido destroçada pela migração da classe média em direção aos subúrbios, para se afastar dos negros, dos pobres e da criminalidade resultante da pobreza.

Era o período dos televangelistas. O segredo eleitoral de Reagan foi formar uma coalizão de evangélicos que pretendiam resgatar o sonho de ouro de um passado mítico — o da bonança do pós-guerra.

O ator de cinema conseguiu deslocar o debate das questões econômicas para os “moral values”, os valores morais.

A decadência teria sido causada fundamentalmente pela falta de fé dos eleitores, pela “desagregação” das famílias, pelo afastamento dos valores cristãos.

Numa sociedade em transformação, quando mulheres, negros e gays requisitavam seus direitos sociais, Reagan conseguiu operar o milagre de transformá-los em bodes expiatórios.

Eram eles, e não as mudanças causadas pelo início da globalização capitalista, os culpados pela crise.

Numa sociedade com as hierarquias colocadas em xeque por mulheres, gays e negros — dentro de casa, no trabalho e nos papéis sociais  — o ressentimento dos que se acreditavam “passados para trás” (maridos, colegas de trabalho, homens incertos sobre sua própria sexualidade, brancos que tinham de competir com negros), o ressentimento foi canalizado eleitoralmente.

Sempre achei que este foi um dos motivos importantes, no Brasil, para a contestação dos governos Lula-Dilma: mudanças bruscas na hierarquia social de um povo profundamente conservador (o cartão do Bolsa Família e os títulos de propriedade do Minha Casa, Minha Vida na mão de mulheres tiveram consequências sociais).

Nos subúrbios do interior dos Estados Unidos, naquele 1988, acompanhei de perto ações de campanha dos evangélicos conservadores.

Finalmente o Partido Republicano tinha conseguido “mão-de-obra” militante para bater de porta em porta e enfrentar sindicalistas e ativistas sociais que faziam o trabalho de formiguinha do Partido Democrata.

Reagan, vestido de caubói ao lado de um fardo de feno, vendeu a ideia do resgate de uma prosperidade baseada na fé e na superação individual. “Tirar o Estado das costas do povo” era uma de suas frases favoritas.

A promessa da “trickle down economics” foi um lance de genialidade marqueteira: dê dinheiro aos ricos, eles vão produzir riqueza e ela vai escorrer, o mel e o leite vão chegar a todos — é só virar a página bíblica.

Vem de então e nunca mais cessou a decadência da classe média dos Estados Unidos e a acumulação da riqueza no topo.

Mesmo sob governos democratas, a política estadunidense guinou mais e mais à direita.

Bill Clinton trouxe Wall Street para dentro do governo, Barack Obama bateu o recorde de matar inocentes com ataques de drone e, com Donald Trump, os gastos militares seguem rumo ao infinito.

Naquela primeira sucessão que acompanhei como correspondente, em 1988, George Bush pai era muito elitista para ser engolido integralmente pela coalizão evangélica, que com seu anti-intelectualismo interiorano repudiava a elite da Costa Leste.

Originário da Nova Inglaterra, Bush pai tinha se formado em Yale e era muito almofadinha.

Mesmo a mudança física da família Bush para o Texas não deu a George o ar de “true believer”, crente de verdade, que a coalizão evangélica queria ver na Casa Branca.

Graças ao carisma de Reagan, George se elegeu, mas foi presidente de um mandato só.

Mais tarde, o filho dele, George W. Bush, teria mais sucesso com os eleitores guiados pela religião: ele assumiu tomar decisões orientado diretamente pela palavra divina (Deus, aparentemente, autorizou a ocupação do Iraque, que causou milhões de mortos, feridos e deslocados, segundo Bush).

Seus marqueteiros foram eficazes: venderam Bush filho como um alcoólatra que foi tirado do mau caminho por Deus.

As tramoias sórdidas de Reagan como porta-voz dos grandes interesses econômicos e as pilantragens de Bush filho para fugir do serviço militar — e mais tarde posar de jaqueta das Forças Armadas, como se tivesse acabado de descer de um caça –, foi tudo varrido para debaixo do tapete.

Em nome da política, Reagan sugeriu que a AIDS era maldição divina — tendo em casa uma filha homossexual.

Bush filho bebeu no fundamentalismo quando falou em fazer uma “cruzada” em terras muçulmanas.

Ao mesmo tempo, ambos dilapidaram os direitos sociais, fomentaram a indústria armamentista da morte e aprofundaram a decadência relativa da classe média que os elegeu — fundamentalista evangélica ou não.

Para Reagan, mais tarde Bush filho e agora Donald Trump, a ideia de que estão numa missão de “resgate” os coloca numa plano quase espiritual, difícil de contestar politicamente.

Se de fato os erros do passado importassem, afinal, eles não teriam sido escolhidos por Deus. E agora, que foram, não é possível que errem de novo.

Afinal, quem é que vai contestar de peito aberto uma decisão divina?

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

JACQUES

14 de outubro de 2018 às 10h12

Um dos motivos importantes, no Brasil, para a contestação dos governos Lula-Dilma: o modus operandi extremamente desgastado, irresponsável, incompetente, e corrupto. Votei em Lula e Dilma todas as vezes, mas agora, democraticamente, não o farei! A alternância de poder é extremamente saudável para a democracia. Votarei em Bolsonaro e, podem estar certos, serei um grande crítico e fiscalizador de sua gestão!

Responder

Luiz A M

13 de outubro de 2018 às 06h47

Estou nos EUA e venho aqui pelo menos uma vez por ano há 20 anos. Com toda a extraordinaria riqueza do país, a sensação é de empobrecimento da maioria das pessoas e de uma leve, mas continua, decadência do país.

Responder

    lulipe

    14 de outubro de 2018 às 13h33

    Bom mesmo tá na Venezuela, não é Luiz??

Eu

13 de outubro de 2018 às 04h06

Interessante comentário, sr. Azenha. Mas não devemos atribuir ao papel dos EUA mais do que um exemplo muito recente. A exploração do ressentimento é algo muito, mas muito mais antigo dentro do ideário autoritário, todos os modelos fascistas e autoritários da história moderna demonstram a participação desta exploração como pré-requisito para sua instalação e tomada de poder. Stalinismo soviético, fascismo italiano, nacional-socialismo alemão, franquismo espanhol, salazarismo português, sem contar todas as “nossas” ditaduras civis-militares na América Latina e as “revanches” étnicas na África e nos Balcãs. Mudam os participantes, o manual de instruções permanece o mesmo. O pior é que funciona como um relógio. Quer um modelo autoritário estabelecido? Junte um grupo de membros da elite que se julgue prejudicado em seus interesses (para elaborar e dar suporte material à tomada do poder), associe-o a membros do Judiciário sequiosos do exercício do poder real (para dar a cobertura legal necessária na fase inicial), coopte os membros da mídia ávidos pelo amparo dos dois primeiros grupos (para manipulação e convencimento de massas) e escolha um subgrupo de pessoas que se sinta rancoroso em relação ao modelo social vigente (quanto mais desajustado e numeroso, melhor; se detiver domínio da violência paramilitar, melhor ainda). O resto é história, e sempre a mesma.

Responder

racional mc

13 de outubro de 2018 às 00h24

Prezado Azenha,

Sempre acompanho suas reportagens. Sou cristão. E não voto Bolsonaro. Motivo: sua prática de mentir e desdizer como é natural da maioria dos políticos. Convido a ler um artigo que escrevi abaixo.

https://jornalggn.com.br/blog/racional-mc/apocalipse-capitulo-13

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!