VIOMUNDO

Diário da Resistência


Sindicato: Governo Covas só tem powerpoint para ‘provar’ que mudanças melhorariam SAMU
Prefeitura SP e Elineudo Meira/Sindsep
Blog da Saúde

Sindicato: Governo Covas só tem powerpoint para ‘provar’ que mudanças melhorariam SAMU


28/04/2019 - 12h07

por Conceição Lemes

Nesse sábado, 27 de abril, em todo o Brasil, o SAMU 192 fez aniversário.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência completou 15 anos, salvando vidas pelo País afora.

Em 27 de abril de 2004, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por meio do decreto nº 5.055, criou

em Municípios e regiões do território nacional, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU, visando a implementação de ações com maior grau de eficácia e efetividade na prestação de serviço de atendimento à saúde de caráter emergencial e urgente.

Na cidade de São Paulo, porém, o SAMU enfrenta o seu momento mais difícil.

A portaria 190/2019, de 22 de fevereiro de 2019, do governo do prefeito Bruno Covas (PSDB), fechou 31 bases modulares do SAMU, deslocando as equipes para ‘’pontos de assistência’’ em unidades básicas de saúde e hospitais.

Muitos desses locais não funcionam à noite nem aos finais de semana.

Além disso, a maioria é inapropriado para serviço de salvamento de urgência.

Em entrevista ao Blog da Saúde, o doutor Gerson Salvador, diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) denunciou o desmonte do SAMU e o discurso enganoso do prefeito:

 ‘’As mudanças vão aumentar o tempo de resposta aos chamados. Portanto, as ambulâncias vão demorar mais para chegar às emergências, o que vai custar mais vidas humanas’’.

“Infelizmente, o prefeito Bruno Covas não está sendo transparente com a população de São Paulo; essas mudanças são para poupar recursos”.

‘’O prefeito Bruno Covas está sendo absolutamente irresponsável ao retirar recursos de onde jamais deveria retirar, ainda mais do serviço de emergência; isso vai custar vidas humanas’’.

“Ele será o grande responsável pelas mortes que vierem a ocorrer’’.

Desde 23 de março, os trabalhadores estão mobilizados contra a portaria, em defesa do SAMU.

Os samuzeiros integram o Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep), cujo presidente é Sergio Antiqueira.

Nós o entrevistamos sobre o movimento e a situação.

Blog da Saúde –Os trabalhadores do SAMU entraram em greve na terça-feira,23 de abril, por tempo indeterminado.  Mas ela foi suspensa a partir das 7h do dia seguinte, 24 de abril. Por quê?

Sergio Antiqueira – Os trabalhadores, em assembleia, decidiram suspender a paralisação porque a Prefeitura aceitou a proposta de uma comissão paritária, integrada por servidores e governo, visitar as novas unidades do SAMU, para avaliar as condições de trabalho em cada uma delas.

Blog da Saúde – E o fechamento das 31 bases modulares como fica, já que é a principal reivindicação dos samuzeiros?

Sergio Antiqueira — A Prefeitura continua intransigente. Afirma que as mudanças – fechamento das bases modulares e deslocamento das equipes para pontos de assistência em unidades básicas de saúde e prontos-socorros de hospitais — vão melhorar os atendimentos.

Só que, desde a implantação das mudanças, diariamente vemos o contrário.

Por isso, insistimos na realização das visitas com um questionário que aponte os problemas que a Secretaria Municipal de Saúde insiste em negar.

Blog da Saúde — O Sindicato já tinha proposto uma comissão para avaliar os pontos de assistência, não tinha?

Sergio Antiqueira — Sim. Mas o governo não aceitou os prazos, as equipes, a metodologia que apresentamos nem a composição da comissão.

Blog da Saúde – O que mudou?

Sergio Antiqueira – Na última segunda-feira (22/04), o Sindsep teve  uma audiência no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) com a promotora Dora Martins Strilicherk, da Promotoria de Justiça dos Direitos Humanos – Saúde Pública.

A convite da doutora Dora, a Prefeitura, representada pelo dr. Marcelo Takano, também participou. Takano é o diretor do SAMU e responsável pela portaria 190/2019, que desmonta o serviço.

Na reunião, a doutora Dora pediu à Prefeitura que aceitasse a comissão. Insistiu também que buscássemos um acordo em relação às visitas aos pontos de assistência.

Blog da Saúde – Na audiência, vocês tiveram condições mostrar à promotora a situação?

Sergio Antiqueira – Nós lhe entregamos um dossiê. Tentamos fazer uma apresentação das denúncias e questionamentos em powerpoint, mas não foi possível.

Blog da Saúde – E o doutor Takano?

Sergio Antiqueira – Ele fez uma apresentação em powerpoint.

Blog da Saúde – O que ficou decidido nessa reunião?
Sergio Antiqueira
– Nada de concreto, mas proposta da comissão começou a ser consensuada aí. No dia seguinte, quando iniciamos a paralisação, foi batido o martelo. Foi um dos pontos da negociação.

Blog da Saúde – Como será essa comissão?

Sergio Antiqueira – Será, como já disse, paritária, com quatro representantes dos trabalhadores e quatro do governo. Ela vai realizar uma pesquisa nos pontos de assistência do SAMU para apontar falhas e irregularidades na assistência à população, no prazo de 20 dias.

Blog da Saúde — Vocês vão vistoriar quantos unidades?

Sergio Antiqueira — A princípio, visitaremos os 46 pontos de assistência onde foram improvisadas as novas  unidades do SAMU. Também algumas unidades instaladas desde 2017, antes da portaria 190/2019.

A comissão reúne-se nesta segunda-feira, 28/04. Até terça, as visitas devem começar. Uma vez encerradas, a comissão elaborará um relatório em 5 dias.

Blog da Saúde –Em que a Prefeitura se baseia pra dizer que as mudanças não vão causar problemas à população?

Sergio Antiqueira — Eles simplesmente afirmam que as mudanças melhorariam o atendimento. Nós pedimos que mostrassem ao Sindicato os estudos que justificassem as mudanças. Eles não responderam o nosso ofício.  No MP, confessaram que não há estudo, somente o powerpoint que apresentaram na ocasião.

O governo trata as denúncias dos trabalhadores como fossem exceções, casos isolados.

Blog da Saúde — Que outras reivindicações dos samuzeiros a Prefeitura atendeu?

Sergio Antiqueira —  A Prefeitura concordou em rever as novas escalas e plantões que desorganizaram as vidas dos trabalhadores do SAMU, além de não efetuar nenhum desconto dos dias parados.

Blog da Saúde – Na semana passada, o secretário da Saúde da cidade,  Edson Aparecido dos Santos, afirmou que o fechamento e devolução das bases modulares eram exigências do Tribunal de Contas do Município (TCM-SP). É isso mesmo?

Sergio Antiqueira –Ele afirmou isso em mais de uma ocasião. Nós vamos agendar uma conversa no TCM-SP, para ter mais detalhes.

Agora, nossas fontes  no TCM e no MP afirmam que não há nenhuma exigência que justificasse o fechamento das bases modulares.

Blog da Saúde – A propósito, a presidente da Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores tentou mesmo dar um chapéu em vocês?

Sergio Antiqueira — Lamentavelmente, sim. A Comissão de Saúde da Câmara Municipal decidiu fazer visitas às unidades do SAMU para averiguar nossas denúncias.

Só que a presidente da Comissão,  vereadora Edir Salles, que é da base do governo, mudou os  locais de visita indicados por nós, escolhendo unidades com menores problemas. Também suspendeu a decisão da Comissão de convocar o responsável técnico pelas mudanças no SAMU, o dr. Takano, e de convidar o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido.

Blog da Saúde – Então, a presidente da comissão escolheu os locais de visitas a dedo?

Sergio Antiqueira —  Sim.

Blog da Saúde – Por quê?

Sergio Antiqueira — Para esconder a situação dramática dos locais em que as equipes do SAMU foram jogadas com a ”reestruturação” imposta pela Prefeitura. E o pior. Ela mentiu, dizendo a mudança tinha sido sugerida pelos trabalhadores do SAMU.

Blog da Saúde – Como assim?

Sergio Antiqueira — Ela fixou um aviso dizendo exatamente isto:

“Por sugestão de funcionários do SAMU estamos alterando as visitas de amanhã para…”

Blog da Saúde – Quando começou a desativação das bases modulares?

Sergio Antiqueira – A partir de 1° de abril já com as mudanças de equipes para as novas unidades improvisadas.

Blog da Saúde — Trata-se de um processo de desmonte com vistas à terceirização, à entrega do serviço a alguma OSs [Organização social de saúde]?

Sergio Antiqueira — Com certeza. A portaria 190/2019 é  o princípio do processo  de acabar com o SAMU. A Prefeitura se desfez das bases equipadas, planejadas e dispostas estrategicamente para o atendimento rápido nas regiões para distribuir equipes em unidades com condições precárias para o SAMU, muitas geridas por OSs.

A portaria também dá margens para que o controle hierárquico do serviço possa ser terceirizado, descaracterizando o sistema e descumprindo a legislação.

Blog da Saúde – Como fica a situação das bases fechadas? Os trabalhadores vão deixar por isso mesmo?

Sergio Antiqueira — O movimento dos trabalhadores para salvar o SAMU vai prosseguir durante os 20 dias das visitas e da elaboração  do relatório.

Mas uma coisa é certa: só com o apoio da sociedade vamos reverter essa situação que, de imediato,  prejudica toda a população.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.