VIOMUNDO

Diário da Resistência


Para combater a fome, a miséria e a violência, Bolsonaro defende castração cirúrgica de homens e mulheres aos 21 anos e grupos de extermínio
Foto Fernando Frazão/Agencia Brasil
Blog da Saúde

Para combater a fome, a miséria e a violência, Bolsonaro defende castração cirúrgica de homens e mulheres aos 21 anos e grupos de extermínio


19/10/2018 - 11h07

por Conceição Lemes

‘’O relógio apontava 14h54 do dia 12 de agosto de 2003 quando Jair Bolsonaro, então obscuro parlamentar apesar de estar no quarto mandato na ocasião, foi ao microfone do plenário da Câmara dos Deputados e fez veemente defesa dos crimes de extermínio. Exaltados como política de segurança a ser adotada no Rio de Janeiro’’.

Assim o jornalista Lúcio de Castro começa a sua reportagem, publicada na semana passada pela Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo, que revelou:  o capitão-deputado [na época, pelo PTB/RJ], fomentou grupo de extermínio que cobrava R$ 50 a R$ 100 para matar jovens da periferia.

O motivo para a louvação era um esquadrão da morte que atemorizava a Bahia, desde o início dos anos 2000:

“Quero dizer aos companheiros da Bahia — há pouco ouvi um Parlamentar criticar os grupos de extermínio — que enquanto o Estado não tiver coragem de adotar a pena de morte, o crime de extermínio, no meu entender, será muito bem-vindo.

Se não houver espaço para ele na Bahia, pode ir para o Rio de Janeiro.

Se depender de mim, terão todo o meu apoio, porque no meu Estado só as pessoas inocentes são dizimadas. Na Bahia, pelas informações que tenho — lógico que são grupos ilegais —, a marginalidade tem decrescido. Meus parabéns”!

Bolsonaro omitiu a motivação econômica dos grupos de extermínio.

”Um grande negócio travestido de combate ao crime”, denunciou Lúcio de Castro.

O discurso de Bolsonaro está registrado nos anais da Casa, como mostra a imagem abaixo.

Os destaques em laranja são desta repórter.

Atente ao que está escrito neles.

Pois esse discurso é um retrato nu e cru das propostas do capitão-deputado para combater a violência, a fome e miséria no País.

De um lado, Bolsonaro defendeu o crime de extermínio, ”enquanto o Estado não tiver coragem de adotar a pena de morte’’: ”Pode ir para o Rio de Janeiro; terão todo o meu apoio”.

Do outro lado, contra a fome, a miséria e a violência, propôs a liberação da laqueadura e vasectomia para todos os maiores de 18 anos:

‘’Não pode discutir a diminuição da fome, da miséria e da violência se não discutirmos antes uma rígida política de controle da natalidade. Chega de vaselina, de baboseira, de falar em educação, em saúde, porque esta não é a nossa realidade primeira. Não vamos atingir nossos objetivos se não atacarmos o descontrole da natalidade’’.

(…)

Temos de adotar urgentemente, sim, contra tudo e contra todos os defensores de direitos humanos, uma rígida política de controle da natalidade.

 

Oito meses antes, em 5 de dezembro de 2002, Bolsonaro havia apresentado à Câmara a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 584/2002, liberando a laqueadura e a vasectomia em maiores de 21 anos.

‘’Não coloquei 18 anos porque, à época da sua apresentação [PEC 584/dezembro de 2002], o Código Civil falava em maioridade plena apenas aos 21 anos’’, comentou depois.

Na prática, higienismo na veia.

O higienismo não apenas exclui, estigmatiza e debilita os ‘’fracos’’.  Também os ataca e os extermina.

Quem no Brasil são as maiores vítimas da violência, inclusive policial?

Homens jovens pobres, negros, das periferias.

Que homens e mulheres aos 21 anos, como prevê a PEC do Bolsonaro, seriam ‘’orientados’’ a fazer a castração cirúrgica?

Certamente, os das camadas mais pobres da população.

Ou alguém acha que jovens mais abastados vão se submeter à laqueadura ou à vasectomia aos 21 anos?

A vasectomia e laqueadura visam à esterilização definitiva. São castração cirúrgica.

Ambas de reversão difícil, na maioria dos casos a fertilidade não é recuperada.

Por isso, existem regras rígidas para realizá-las pelo Sistema Único de Saúde (SUS):

*Homens e mulheres devem ter mais de 25 anos e pelo menos dois filhos vivos.

*A laqueadura, especificamente, não pode ser feita durante o parto; para realizá-lo nessa ocasião, é preciso que a mulher manifeste o desejo, por escrito, 90 dias antes no parto.

*Como é tratamento definitivo, é vital  passar antes por avaliação de profissionais de saúde para verificar se a pessoa quer mesmo, esclarecer sobre a cirurgia, mas, fundamentalmente, sobre a decisão de não ter mais filhos.

Ou seja, o que Bolsonaro defendeu no seu discurso em agosto de 2003 foi uma política de eliminação dos mais pobres nas duas pontas:

*Dizimando os jovens e adultos, via crime de extermínio.

* Impedindo novos nascimentos, via laqueadura e vasectomia.

Uma prática de eugenia, implantada em 1939 na Alemanha nazista, através do Aktion T 4, programa de eliminação de recém-nascidos e crianças até 3 anos, que tinham uma “vida que não merecia ser vivida”.

Depois, o programa se estendeu para adultos e velhos.

Os alvos foram os indivíduos carimbados como “indignos de viver”, entre os quais: criminosos, ‘’degenerados’’,  dissidentes, deficientes mentais, homossexuais, ‘’vadios’’, ‘’insanos’’ e ‘’fracos’’, que deveriam ser eliminados da cadeia de hereditariedade.

O Aktion T4 funcionou até 1941 e esterilizou mais de 400 mil pessoas; 70 mil foram mortas.

Depois, a tecnologia de extermínio desenvolvida nesse programa foi utilizada nos campos de concentração para a eliminação em massa, não mais de ”doentes”, mas com finalidade de “purificação racial”.

— Mas esse discurso de Bolsonaro foi em agosto de 2003, não é de agora! – alguns devem estar rebatendo, para deslegitimar o que discutimos até aqui.

Lamentavelmente, as propostas defendidas por Bolsonaro, no discurso de agosto de 2003 (ouça-o acima), não ficaram no passado.

Em entrevista ao Jornal Nacional, em 28 de agosto de 2018, o candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), disse que um criminoso não pode ser tratado como “um ser humano normal” :

“Temos que fazer o quê? Em local que você possa deixar livre da linha de tiro as pessoas de bem da comunidade, ir com tudo para cima deles.

E dar para o agente de segurança pública o excludente de ilicitude. Ele entra, resolve o problema. Se matar 10, 15 ou 20, com 10 ou 30 tiros cada um, ele tem que ser condecorado [o policial] e não processado.”

A defesa da laqueadura e vasectomia em jovens pobres é recorrente nos seus discursos na Câmara, como mostra o vídeo abaixo com fragmentos de vários momentos.

Destacamos alguns trechos para ilustrar:

48s

No caso da nossa proposta, pessoas com mais 21 anos de idade que quiserem fazer a laqueadura ou vasectomia, assim o façam, não fiquem apenas, cada vez mais, botando gente no mundo, que, infelizmente a sua grande maioria não servirá para o futuro de nosso País.

1min8s

Só tem uma utilidade o pobre no nosso país aqui. Votar. Título de eleitor na mão e com diploma de burro no bolso para votar no governo que está aí (novembro de 2013).

2min9s

Já está mais do que na hora de nós discutirmos uma política de conter essa explosão demográfica. Caso contrário ficaremos apenas votando nessa casa Bolsa Família, empréstimo para pobre vale gás, etc (dezembro de 2003)

2min25s

A nossa missão aqui é gerar felicidade, e não podemos gerar felicidade, com o crescimento da população que aí está.

Não adianta nem falarmos em educação porque a maioria do povo  [não] está preparada receber educação, e não vai se educar. Só o controle da natalidade pode nos salvar do caos (julho de 2008).

Thai, após assistir ao vídeo acima, ironiza o discurso de Bolsonaro:  ‘’’Nós sabemos controlar nossa prole’.  Falou o homem que tem 5 filhos …’’

Neudo Antonio, que também assistiu-o no canal do You Tube onde foi postado originalmente, lacra: ‘’Concordo com o controle de natalidade, porém, Bolsonaro criou sua prole, mamando nas tetas dos governos. Custaram à população, muito mais do que uma família que recebe bolsa família’’.

Leia também:

Zapgate: Flávio Bolsonaro banido da plataforma

 

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Cris

20 de outubro de 2018 às 10h12

Ele diz ser contra o aborto, mas e a favor da cirurgias para evitar filhos. Para mim isso e pior. Pois e brincar de Deus e querer o controle da humanidade. Exterminio pode gerar morte de inocentes. Que podem estar no lugar errado na hora errada e morrer de graca. Não apoio isso.

Responder

Nelson

19 de outubro de 2018 às 22h49

Na década de 1970, a média de filhos por mulher era superior a 5. Essa média veio caindo vertiginosamente de lá para cá, tanto que o último dado que vi, já há alguns anos, apontava para 1,86 filhos por mulher.

Portanto, a “explosão da natalidade” já deixou de ser problema para o nosso país. Pelo contrário. Conforme mostram alguns estudos, já passamos a viver um déficit de natalidade; nem mesmo o casal está se reproduzindo. Este déficit vai levar a população brasileira a começar a diminuir a partir da década de 2030.

Assim, temos aqui, mais uma mentira plantada pelo Nazi e reverberada por milhões de seus fanáticos seguidores. Temos aqui mais um de tantos pitacos dados pelo Nazi sem base concreta alguma.

Responder

Bel

19 de outubro de 2018 às 22h07

Hoje, com o controle remoto em mãos, propaganda tecnológica sobre 4g na platinada. Soou estranho aos meus ouvidos ouvir ¨é movimento…¨, como se fosse uma mensagem subliminar, entenderam? Será que seria para migrar do whatsApp para…? Eu duvido de tudo o que ouço, leio e vejo. Tem propagandas de agro, celular, colchões, loja de departamentos e outros, que me levam a pensar em muita coincidência em época eleitoral. Ai quando muitos se elegem logo no primeiro turno, ou estão muito à frente nas pesquisas, com votos demais mesmo sendo candidatos de primeira vez, isso me deixa muito mais desconfiada.

Responder

Damásio Brito

19 de outubro de 2018 às 17h34

Esperam um 38 na mão. O conto da carochinha de arma para todo mundo. Coitados pensam que arma segura ladrão. Bolsonaro é um débio mental que seduz com seu discurso de violência. Para um asno desses entrar em guerra com um país estrangeiro custa bem pouco.
Tem 4 ou 5 filhos ? E quer pregar controle de natalidade, para os outros.
Defende o extermínio dos pobres via esquadrões da morte. Mas será que ele defende a pena de morte para policiais que matam inocentes ?
Se Bolsonaro defende a pena de morte como ele pode defender o direito à vida, a família e ainda ser crente e seguidor de Jesus Cristo. Não tem algo de errado nessa estória. Só tem direito à vida o feto rico para o Bolsonaro. Tá aí um fariseu igual o Mala faia.
Por que Bolsonaro foi expulso do exército ?
Só é mais um politico que não gosta de pobre.

Responder

Renata

19 de outubro de 2018 às 16h14

Parece um suicídio coletivo, um suicídio social. As pessoas estão muito bravas, chutando o pau da barra, prestando-se a fake news, a qualquer coisa. Bolsonaro não é grosseiro, é sincero. Bolsonaro não vai matar pra valer, é modo de dizer. Bolsonaro não é homofóbico, só quis defender crianças contra o kit gay. Não há mais lógica que dê conta da coisa, é meio delirante.

Responder

Carla

19 de outubro de 2018 às 11h10

É espantoso que tanto pobre e tanto negro e tanta mulher vote neste monstro. É alto inexplicável, para mim… Um povo que aprovou os dois mandatos do Lula ao 87%, agora se vira para o inimigo. Não dá pra entender: o que esperam dele?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!