VIOMUNDO

Diário da Resistência


Fiocruz alerta para aumento de ocupação de leitos de UTI Covid: Pernambuco, Fortaleza, BH e Goiânia acima de 80%; íntegra
Foto: Bruno Cecim
Blog da Saúde

Fiocruz alerta para aumento de ocupação de leitos de UTI Covid: Pernambuco, Fortaleza, BH e Goiânia acima de 80%; íntegra


13/01/2022 - 15h47

Observatório Covid-19: aumento de ocupação de leitos de UTI demanda atenção

Por Regina Castro, Agência Fiocruz de Notícias

Em Nota Técnica divulgada nesta quarta-feira (12/1), o Observatório Covid-19 Fiocruz traz um alerta, divulgando os novos dados sobre a ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Apresenta ainda um histórico desde que o Boletim passou a utilizar esse indicador para monitorar a pandemia no país.

Pelas taxas observadas no dia 10 de janeiro e em comparação com a série histórica, o documento mostra que um terço das Unidades Federativas e dez capitais encontram-se nas zonas de alerta intermediário e crítico.

Segundo a análise, o estado de Pernambuco (82%) está na zona de alerta crítico; e Pará (71%), Tocantins (61%), Piauí (66%), Ceará (68%), Bahia (63%), Espírito Santo (71%), Goiás (67%) e o Distrito Federal (74%) na zona de alerta intermediário.

Entre as capitais, Fortaleza (88%), Recife (80%), Belo Horizonte (84%) e Goiânia (94%) figuram na zona de alerta crítico; e Porto Velho (76%), Macapá (60%), Maceió (68%), Salvador (68%), Vitória (77%) e Brasília (74%) na zona e alerta intermediário.

A análise também indica que, até o momento, o patamar de leitos é diferente do verificado em 2021.

A nota alerta para o novo crescimento nas taxas de ocupação de leitos de UTI diante da ampla e rápida proliferação da variante Ômicron no Brasil.

Ao mesmo tempo, destaca que “menções a um possível colapso no sistema de saúde, neste momento, são incomparáveis com o que foi vivenciado em 2021”.

Segundo os pesquisadores do Observatório, responsáveis pelo Boletim, o número de internações em UTI hoje ainda é “predominantemente muito menor” do que aquele observado em 2 de agosto, por exemplo, quando já no quadro de arrefecimento da pandemia leitos começavam a ser retirados.

O documento ressalta ainda que o grande volume de casos já está demandando de gestores atenção e o acionamento de planos de contingência.

“Sem minimizar preocupações com o novo momento da pandemia, consideramos fundamental ratificar a ideia de que temos um outro cenário com a vacinação e as próprias características das manifestações da Covid-19 pela Ômicron. Por outro lado, não podemos deixar de considerar o fato de a ocupação de leitos de UTI hoje também refletir o uso de serviços complexos requeridos por casos da variante Delta e casos de Influenza”, ressaltam os pesquisadores.

Eles destacam ainda que tão importante quanto estar atendo à necessidade de reabertura de leitos, é reorganizar a rede de serviços de saúde no sentido de dar conta dos desfalques de profissionais afastados por contrair a infecção, garantir a atuação eficiente da atenção primária em saúde no atendimento a pacientes empregando, por exemplo, teleatendimento, e prosseguir na vacinação da população.

Veja a nota na íntegra.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

14 de janeiro de 2022 às 15h40

FluRona
Co-Infecção por InFluenza A (H3N2) + CoRonavírus (SARS-COV-2)
está se tornando cada vez mais comum em vários estados do País.

Responder

Zé Maria

14 de janeiro de 2022 às 15h12

E não há mais Dados Disponíveis no Ministério do Queidroga,
porque o Sistema foi [auto]hackeado.

“Hacker que derrubou ConecteSUS tinha Senha de Acesso”

O invasor, ou organização por trás do ataque, utilizou senhas legítimas
para acessar primeiro o banco de dados salvo na nuvem em que ficam
armazenados os dados da pandemia e outros registros relevantes do SUS.

Uma vez dentro desse banco de dados, os envolvidos no ataque
obtiveram acesso a outros sistemas do ministério e apagaram dados
sobre vacinação, registros de casos e óbitos decorrentes da pandemia
de Covid-19.

Íntegra da Reportagem no Tecmundo:

https://www.tecmundo.com.br/seguranca/231995-invasor-derrubou-conectesus-tinha-senha-acesso.htm

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding