VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Ex-ministros da Saúde assinam nota pela proibição da internação de adolescentes em comunidades terapêuticas; íntegra
Blog da Saúde

Ex-ministros da Saúde assinam nota pela proibição da internação de adolescentes em comunidades terapêuticas; íntegra


04/08/2021 - 11h57

Pela proibição da internação de adolescentes em comunidades terapêuticas

A construção de uma política pública de atendimento à saúde mental de crianças e adolescentes desafiou diversas gestões do Ministério da Saúde, preocupadas com a necessária intersetorialidade das ações e o respeito aos direitos humanos.

O cuidado em liberdade e a convivência familiar sempre estiveram no centro das interlocuções e das preocupações de gestores, trabalhadores e movimentos sociais, possibilitando a criação de serviços construídos de maneira democrática e participativa.

O respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente e à Lei Federal nº 10.216 são centrais para a atenção integral à saúde de crianças e adolescentes, inclusive em casos de uso de álcool e outras drogas. Não é possível retornar ao confinamento que afasta crianças e adolescentes das suas famílias, da escola e da comunidade.

O SUS oferece uma rede de cuidados organizada em diferentes modalidades de serviços, fomentada pelo Ministério da Saúde e implementada por estados e Municípios.

São unidades básicas de saúde, equipes de consultório na rua, CAPS infantojuvenis, CAPS 24 horas, unidades de acolhimento infantojuvenis, serviços de urgência e emergência e leitos em hospital geral.

Trata-se de serviços que se relacionam e trabalham em conjunto com as escolas, com os CRAS, CREAS e demais serviços socioassistenciais pelo contínuo respeito da condição de sujeito de direitos, nessa etapa tão relevante de desenvolvimento das crianças e dos adolescentes.

A proposta de confinar crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas desorganiza o financiamento público do SUS, voltando-se a entidades privadas, sem articulação com a rede de educação, saúde e assistência, e muitas vezes ofertando apenas orientação religiosa.

Mantém-se crianças e adolescentes fora da escola, em locais sem fiscalização, sem atendimento técnico adequado e sem contato constante com seus familiares e responsáveis, essencial para seu desenvolvimento saudável.

Como gestores e ex-Ministros da Saúde, entendemos primordial focar a atenção e cuidado de meninos e meninas nos equipamentos públicos e dispositivos comunitários de atenção psicossocial, que atuem de maneira intersetorial e privilegiem o cuidado em liberdade, formando cidadãos e respeitando os direitos humanos de crianças e adolescentes.

Assinam os ex-ministros da Saúde:

Humberto Costa (2003-2005)

José Saraiva Felipe (2005-2006)

Jose Agenor Alvarez da Silva (2006-2007)

José Gomes Temporão (2007-2011)

Alexandre Padilha (2011-2014)

Arthur Chioro (2014-2015)

Nelson Teich (2020-2020)





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Airton C

05 de agosto de 2021 às 05h20

Nunca vivi uma situação de problemas de drogas com algum familiar mas acho que só quem viveu é que sabe que há momentos que seria melhor o internamento.
Por exemplo, conheço um caso de um jovem abandonado pelos pais e que os avós assumiram. Esse adolescente se envolveu com drogas, está ameaçado de morte, os avós já fizeram de tudo para ajudá-lo mas ele sempre recusa.
A situação deve ser tão ruim para os avós ao pontos deles acharem melhor eles serem internados ou presos para sair de perto do convívio.

Responder

Airton Brum

04 de agosto de 2021 às 12h55

Essas internações sao ruins.
É melhor a pessoa ficar com a família.
Sentam o braço nos internos, o ambiente não é bom.
É a família que cuida da pessoa e que tem que levá-la ao médico.
Esses lugares maltratam as pessoas e revoltam os doentes. Ao sair de uma boca de porco dessas aí que o doente não segue mesmo o tratamento e ainda fica revoltado e não toma os remédios.
Com a família o doente tem mais chances de recuperar a saúde mental.
Internar adolescente irá marcar negativamente a memória do menino ou menina e ele levará essas marcas negativas por toda a vida.
Enfim, esses lugares de internação mental é uma boca de porco.
Mais prejudica a pessoa e não recupera pó.rra nenhuma, pois os maus tratos são frequentes. E são lugares sem o menor conforto.
São mais um depósito de “loucos”.
O convívio com a família e com pessoas que respeitem e gostem do doente recuperam bem mais a pessoa do que ficar jogado por aí.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding