VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Cuba denuncia carro da embaixada dos EUA em operação da polícia boliviana que prendeu médicos cubanos em La Paz; vídeo
Reprodução de redes sociais
Blog da Saúde

Cuba denuncia carro da embaixada dos EUA em operação da polícia boliviana que prendeu médicos cubanos em La Paz; vídeo


16/11/2019 - 10h16

Bruno Rodríguez Parrilla, autor do tweet acima, é o ministro de Relações Exteriores de Cuba

por Conceição Lemes

No mundo inteiro, por onde passam, os médicos cubanos deixam rastro de gratidão, humanidade e saudade gigantes.

Afinal, eles atuam onde frequentemente os profissionais locais não querem ir por distância, falta de estrutura, riscos, entre outras razões.

“Nós não oferecemos o que temos de sobra. Nós compartilhamos o que temos”, dizem com orgulho.

Com toda a razão.

Não é da boca para fora. Nem para inglês ver. Faz parte da cultura médica de Cuba.

As distantes comunidades indígenas e ribeirinhas do Norte e Nordeste do Brasil são testemunhas disso.

Antes do advento do Programa Mais Médicos, em 2013, os seus habitantes nunca tinham visto um médico na vida.

Assim como as periferias das grandes capitais brasileiras, que padecem cronicamente da falta de médicos, pois os nossos fogem por receio da violência.

Não é só.

Sempre que há grandes desastres,  lá estão como voluntários os  profissionais de saúde cubanos.

É o que aconteceu em janeiro de 2010, quando um terremoto devastou o Haiti.

Ou quando, em 2014, houve na África Ocidental (principalmente em Serra Leoa, Guiné e Libéria) o pior surto do vírus Ebola na história.

Em outubro daquele ano, o governo cubano enviou 165 médicos e enfermeiros para Serra Leoa e 91, para Libéria e Guiné.

Àquela altura (de março a outubro de 2014),  o Ebola já havia matado na África Ocidental mais de 4.500 pessoas, entre as quais de 200 trabalhadores da saúde.

Mesmo sabendo dos riscos, eles foram solidariamente prestar ajuda humanitária ao povo africano.

Por tudo isso, os ataques injustos e desonestos aos médicos cubanos nos causam profunda indignação.

No Brasil, em 2018, assistimos à agudização dessa selvageria contra quem atende realmente com respeito, dignidade, ética e competência o povo.

Jair Bolsonaro, na campanha e após eleito presidente, desferiu reiteradas grosserias e ameaças contra os médicos cubanos.

Em 14 de novembro de 2018, até por questões de segurança física dos seus profissionais, o Ministério da Saúde Pública de Cuba decidiu interromper sua participação no Programa Mais Médicos e retirar os 8.500 médicos que aqui estavam.

Exatamente um ano depois os médicos cubanos são alvo dos golpistas na Bolívia, por coincidência apoiados por Bolsonaro.

Nas redes sociais, campanhas difamatórias fomentam o ódio e a violência contra os profissionais cubanos.

Chegam a dizer que eles participam, organizam e estão envolvidos nos protestos na Bolívia.

Nas últimas horas diferentes autoridades do governo golpista têm apresentado discurso semelhante ao das redes sociais.

Nesse contexto, pelo menos seis médicos cubanos foram presos desde quarta-feira, 13 de novembro.

A prisão mais recente foi a da chefe da Brigada Médica Cubana na Bolívia, dra. Yoandra Muro Valle, nessa quinta-feira, 14 de novembro, em La Paz. Detido junto, o responsável pela logística da Brigada, Alfonso Pérez.

Além de negar enfaticamente a participação dos colaboradores cubanos, Eugenio Martínez Enriquez, diretor geral da América Latina e Caribe do Ministério de Relações Exteriores de Cuba, denunciou as prisões arbitrárias.

(...) nesses momentos em que estamos falando, a coordenadora da Brigada Médica Cubana na Bolívia, companheira Yoandra Muro Valle, foi detida injustamente, juntamente com a Logística da Brigada, camarada Jacinto Alfonso Pérez.

As autoridades da Interpol Bolívia foram à casa do chefe da brigada médica cubana e, sem qualquer motivo, sem justificativa legal ou real, a detiveram no momento em que estamos conversando.

Curiosamente, um carro da Embaixada dos Estados Unidos cujo registro confirma que também está estacionado nas proximidades da casa.

Estamos denunciando esta situação agora.

As autoridades bolivianas ainda não nos deram uma resposta, e isso está acontecendo no momento em que estamos conversando, mas a Embaixada de Cuba está envolvida no esclarecimento dessa situação.

Esses incidentes estão ocorrendo nas últimas horas.

Isso aconteceu ontem [quarta-feira] em Santa Cruz, quando um coronel da Interpol em frente às câmeras de televisão foi às casas de colaboradores cubanos naquela cidade sob o pretexto de responder a uma queixa dos vizinhos de que havia armas.

Em frente às câmeras de televisão e sem ordem judicial, eles entraram em uma das casas, revistaram o que quiseram, verificaram os pertences de cada um dos colaboradores, inclusive das companheiras que ali estavam.

Eles não encontraram nada e assim mesmo disseram isso diante das câmeras de televisão aos que assistiam este espetáculo contra os colaboradores cubanos.

No twitter, o ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, Bruno Rodríguez [email protected]

Vehículo de la Embajada de #EEUU placa 28-CD-17 participa en operativo de policía de #Bolivia detuvo médicos cubanos en Ave Enrique Herzog, Achumany, Zona Sur, La Paz (veja no topo)

QUATRO PRESOS QUANDO VOLTAVAM PARA CASA COM DINHEIRO PARA PAGAR ALUGUEL

Na quarta-feira, em 13 de novembro, quatro membros da Brigada Médica em El Alto foram presos pela polícia quando voltavam para casa com dinheiro retirado de um banco para pagar os serviços básicos e o aluguel dos 107 membros da Brigada Médica nessa região.

Em nota publicada no Granma, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba denunciou as quatro prisões e exigiu a libertação imediata deles:

(…) A prisão veio sob a presunção caluniosa de que o dinheiro era dedicado ao financiamento dos protestos.

Os representantes da polícia e do Ministério Público visitaram a sede da Brigada Médica em El Alto e La Paz e confirmaram, a partir de documentos, folhas de pagamento e dados bancários, que a quantia em dinheiro coincidia com a quantia extraída regularmente todos os meses.

Os quatro colaboradores presos são:

Amparo Lourdes García Buchaca, Licenciada em Eletromedicina. Em Cuba, ela trabalhou no Centro Provincial de Eletromedicina na província de Cienfuegos antes de iniciar a missão na Bolívia, em março deste ano.

Idalberto Delgado Baró, Licenciado em Economia pelo município especial Isla de la Juventud, que trabalhou no Centro Municipal de Eletromedicina da Isla de la Juventud até que ingressou na missão na Bolívia, em março passado.

Ramón Emilio Álvarez Cepero, especialista em Cuidados Intensivos e Endocrinologia, que trabalhou em Cuba no Hospital Geral Gustavo Aldereguía, na província de Cienfuegos, até o início de sua missão na Bolívia, em julho de 2017.

Alexander Torres Enriquez, especialista em Medicina Geral Integral que trabalhou em Cuba na Policlínica Carlos Verdugo, na província de Matanzas, quando saiu para completar uma missão, em 3 de fevereiro de 2019.

(…)

Os quatro colaboradores cubanos têm uma trajetória reconhecida de acordo com seu perfil ocupacional e, tal como os demais que prestam uma missão na Bolívia, aderem estrita e rigorosamente ao trabalho humanitário e cooperativo que os motivou a viajar para o país sob acordos intergovernamentais.

APELO ÀS AUTORIDADES BOLIVIANAS PARA QUE PAREM ESTÍMULO À VIOLÊNCIA

Na mesma nota, o Ministério das Relações Exteriores exige a libertação imediata dos quatro profissionais de saúde cubanos detidos na Bolívia sob acusações difamatórias.

Também exige que as autoridades bolivianas garantam a integridade física de cada um dos colaboradores cubanos, que  “deram sua contribuição solidária à saúde daquele povo irmão”:

O ministério das Relações Exteriores rejeita as falsas acusações de que esses companheiros incentivam ou financiam protestos baseados em mentiras deliberadas e sem fundamento.

O Ministério das Relações Exteriores exige que os colaboradores detidos sejam libertados imediatamente e que as autoridades bolivianas garantam a integridade física de cada um dos colaboradores cubanos, de acordo com as responsabilidades adquiridas pelo Estado boliviano com a segurança e a proteção dos funcionários correspondentes aos acordos intergovernamentais assinados.

O Ministério das Relações Exteriores apela às autoridades bolivianas para que interrompam a exacerbação de expressões irresponsáveis anticubanas e odiosas, difamações e instigações à violência contra cooperadores cubanos, que deram sua contribuição solidária à saúde daquele povo irmão boliviano.

Os milhões de bolivianos que receberam a atenção altruísta das centenas de médicos cubanos sabem perfeitamente que as mentiras não podem esconder a contribuição meritória e o nobre propósito de nossos profissionais de saúde.

Por volta das 22h (horário de Cuba), o ministro da Saúde Pública de Cuba informou pelo twitter que “ a chefe da Brigada Médica Cubana na Bolívia,  Dra. Yoandra Muro Valle, depois  de ter sido submetida a injustificada detenção e interrogatória por parte da polícia, regressou à sede da coordenação cubana.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

a.ali

16 de novembro de 2019 às 22h07

parece que abriram as portas do inferno e soltaram os reacionários por todo o mundo…

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 20h38

Comissão Interamericana de Direitos Humanos
se manifesta condenando Decreto Genocida
da autoproclamada ‘cristã’ Fascista e Racista

https://pbs.twimg.com/media/EJhlyDGW4AEBtf7.jpg
https://pbs.twimg.com/media/EJhlyDPXUAAQHrD.jpg
https://pbs.twimg.com/media/EJhlyDMX0AUv1Do.jpg

La @CIDH alerta para el Decreto Supremo No. 4078 sobre actuación de FF.AA. en #Bolivia, de fecha 15 de nov 2019.
El Decreto pretende eximir de responsabilidad penal al personal de FF.AA. que participe en los operativos para reestablecimiento y estabilidad del orden interno. (1/3)

El grave decreto de #Bolívia desconoce los estándares internacionales de DDHH y por su estilo estimula la represión violenta. Los alcances de este tipo de decretos contravienen la obligación de los Estados de investigar, procesar, juzgar y sancionar las violaciones de DDHH. (2/3)

La CIDH condena cualquier acto administrativo del gobierno de #Bolívia que atente contra el derecho a la verdad, la justicia y al derecho internacional de los DDHH, particularmente en el contexto de actuaciones de Fuerzas Armadas en las protestas sociales. (3/3)

https://twitter.com/CIDH/status/1195817630533390336
https://twitter.com/CIDH/status/1195817634169790471
https://twitter.com/CIDH/status/1195817637445545984

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 19h35

https://pbs.twimg.com/media/EJgb2qdXsAAUQoL.jpg

O desgoverno golpista isentou, por Decreto, a Polícia e as Forças Armadas
de qualquer Responsabilidade Penal contra manifestantes [email protected] que
protestam nas ruas.
Está ocorrendo na a Bolívia um Golpe Tosco, Bruto, Bárbaro.

https://twitter.com/juan_amorin/status/1195754503343091712

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 18h51

Por falar em médico, em 1967, Che Guevara foi capturado no Altiplano Boliviano
e levado para a Região de Santa Cruz onde foi executado durante o Governo Militar Fascista de René Barrientos, com a ajuda do espião nazista Klaus Barbie
e apoio logístico da CIA. Aliás, deceparam as mãos de Che e enviaram para
os EUA, a fim de de que fosse confirmada a identidade do “principal inimigo
do imperialismo norte-americano nas Américas”.
Por sinal, foi a Elite Econômica de Santa Cruz, a mesma que derrubou Evo,
que patrocinou o Governo de Barrientos.

Responder

Jardel

16 de novembro de 2019 às 18h35

A ONU precisa mandar imediatamente uma delegação, inclusive, acompanhada de tropas militares para dar total proteção aos médicos cubanos.
Caso seja interesse do governo golpista da Bolívia, não mais utilizar os préstimos médicos dos cubamos, DEVE INFORMAR ISSO OFICIALMENTE.

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 15h27

Filha de Donald Trump (Ivanka) esteve em cidade fronteiriça da
Argentina com a Bolívia, no “Triângulo do Lítio”, antes das eleições

Ivanka Trump em Purmamarca, na Província argentina de Jujui,
de olho no Lítio boliviano, argentino e chileno: https://youtu.be/adp3EvLDpNo
Na mesma época a Filha de Trump também esteve na Colômbia e no Paraguai:
(https://www.youtube.com/results?search_query=Ivanka+Trump+September+5++Argentine)

Denuncia Evo Morales cómo Estados Unidos dirigió el golpe en Bolivia

México, 16 nov (Prensa Latina) El expresidente de Bolivia Evo Morales detalló aquí cómo la embajada de Estados Unidos urdió el golpe de Estado que lo derrocó y provocó el derramamiento de sangre.

Según una entrevista que publica hoy La Jornada bajo el título: Caí en la trampa; el golpe se urdió en la embajada de EU: Evo, explica que todo empezó con las discusiones para modificar la constitución para una nueva reelección con lo que él no estaba de acuerdo.

Ahí empezó una guerra sucia con base en la mentira, la encabezó la embajada
de Estados Unidos, aseguró. Dijo que faltando casi dos meses para las elecciones,
convoqué al encargado de Negocios de la embajada de Estados Unidos,
y le mostré cómo personas con cargos de la embajada iban a algunas regiones
a chantajear a los compañeros del campo.

Les decían: No voten por Evo, no apoyen, si no apoyan, si no votan ni apoyan a Evo,
les vamos a hacer calles pavimentadas, y el encargado de Negocios me prometió
que no se iban a meter en la política.

Pero siguieron metidos y gastaron mucho dinero para chantajear en todos los
sectores sociales, trabajadores y estudiantes, para que no votaran por él, explicó Morales.

Dijo que han demostrado con documentos las nuevas habilidades de
Estados Unidos para actuar en Bolivia donde no está la agencia antidrogas DEA,
porque la expulsaron, ni otras de intervención y espionaje, pero implementan
otras alternativas.

Para Evo Morales está claro que la razón del golpe está en el “litio”.

Si el nombre del golpe está en la embajada de Estados Unidos,
el apellido es “litio”, aseguró.

Reveló que poco antes de las elecciones presidenciales, Ivanka Trump visitó la localidad de Purmamarca, en el noroeste de Argentina, en los límites con Bolivia, parte conocida como el triángulo del litio, porque también abarca a Chile.
El triángulo del oro blanco concentra 75 por ciento del total de ese elemento en el mundo.

No obstante, Bolivia concentra casi la totalidad del metal que parece ser unos
de los elementos más importantes para el futuro del mundo.

Nosotros hemos empezado a desarrollar la industria del litio, pero hay políticas
de privatización, asegura.
También hay conspiraciones de los grandes monopolios que quieren adueñarse
del metal.

Considera que el golpe fue preparado con anticipación.
Fue un golpe totalmente diferente.
En verdad espero que no sean todas las fuerzas armadas las que hayan
participado, sino los comandantes.

Usan a las fuerzas armadas para meter balas al pueblo, denunció.

Dijo que después de que llegó a México escuchó todo mediante mensajes,
videos, redes sociales.
Vi cómo el pueblo va organizándose, y a los ponchos rojos, su trayectoria
de lucha contra el colonialismo, contra el intervencionismo, contra el
militarismo, es histórica.

En Bolivia lo que hemos visto, lo que hemos vivido es que instituciones
como la Policía está sólo al servicio de grupos oligárquicos.

Hugo Chávez tenía en su Policía, sus Fuerzas Armadas y organizó las milicias armadas.
Quién sabe si algunas fuerzas sociales sean la base para convertirse en milicias,
o que el pueblo también tenga su grupo organizado, armado, legal.

El pueblo no quiere a las fuerzas armadas en la ciudad, por que son cómplices
del golpismo, enfatizó.

Mi peor delito es liberarnos, no solamente en la parte social y cultural,
no solamente en la parte ideológica, política, sino también en la parte económica.
El crecimiento de Bolivia sorprende a todo el mundo.
Ese es el pecado que tiene Evo.

https://www.prensa-latina.cu/index.php?o=rn&id=321503&SEO=denuncia-evo-morales-como-estados-unidos-dirigio-el-golpe-en-bolivia

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.