VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Covid-19: Entidades de saúde propõem pacote urgente para enfrentamento da epidemia
Blog da Saúde

Covid-19: Entidades de saúde propõem pacote urgente para enfrentamento da epidemia


24/03/2020 - 23h28

Entidades se posicionam sobre decisões urgentes no enfrentamento da epidemia da COVID-19

Sociedade Brasileira de Bioética (SBB)

Posicionamento das entidades sobre a necessidade de decisões imediatas no enfrentamento da epidemia do coronavírus

llmo. Presidente da República,

Ilmos. Ministros de Estado,

Ilmos. Governadores das 27 Unidades Federadas do Estado Brasileiro,

Ilmos. Parlamentares integrantes do Congresso Nacional,

As entidades abaixo nomeadas vêm, por meio desta, sustentar que o Governo Federal, em parceria com Estado, Municípios e Empresas, implemente para os próximos dois meses (abril e maio), um pacote de medidas emergenciais de âmbito econômico e social visando mitigar a transmissão comunitária da COVID-19.

Considerando:

1.Que a Organização Mundial de Saúde caracterizou a COVID-19 como uma pandemia em 11 de março de 2020;

2.Que a velocidade da transmissão deve ser reduzida para que os serviços de saúde disponíveis nos países consigam ser capazes de atender as pessoas com sintomas graves da doença;

3.Que o Brasil confirmou a primeira morte na manhã deste 17 de março, em São Paulo, e já contabiliza 290 casos confirmados, e que diversas capitais e grandes cidades já passaram a divulgar orientações ou mesmo decretar ações para reduzir o contágio da doença, incluindo medidas relacionadas à aglomeração de pessoas, grandes eventos, pessoas que retornam de viagens internacionais, suspensão de aulas, cumprimentar evitando apertos de mão e beijos, entre outras;

4.Que o achatamento da curva de transmissão será mais efetivo quanto mais as pessoas sejam capazes de se manterem em casa durante o período de circulação da COVID-19.

Observando a realidade brasileira e as experiências internacionais em que o Estado vem oferecendo garantias ao conjunto da população, para que esta possa se manter em isolamento social, propomos um pacote emergencial (abril e maio de 2020) que envolva:

I. Incentivos fiscais (deduções ou outros) para empregadores, de modo a evitar demissões nem cortes nos salários de trabalhadores domésticos, de pequenas, médias e grandes empresas durante a incidência da pandemia no país;

II. Pelo estabelecimento de rede nacional para mitigar o esperado impacto social e econômico para as pessoas em situação de maior vulnerabilidade (por exemplo, idosos, pessoas institucionalizadas, privadas de liberdade, pobres, negros) que serão imediatamente afetados com as medidas de quarentena já implementadas.

Esta incluirá a disponibilização de benefícios sociais para os brasileiros de baixa renda (incluindo pensionistas e demais beneficiários de previdência social, titulares do Bolsa Família, pessoas em situação de rua e de vulnerabilidade, privadas de liberdade e seus familiares, moradores de bolsões de pobreza e de regiões afetadas por desastres recentes – último semestre), durante, pelo menos, os próximos dois meses;

III. Assistência financeira direta em resposta ao coronavírus (no mínimo, dobrando o valor depositado mensalmente pelo Programa Bolsa Família, sem desconto posterior; repasse a instituições de abrigo voltadas a pessoas em situação de rua, que comprovem estar ativas há mais de um ano, considerando-se o número de leitos, no mesmo valor depositado aos titulares do Bolsa Família; voucher ou cheque diretamente para aqueles/aquelas em atividade autônoma);

– Isenção nas taxas de água e luz (com apoio de estados e municípios) e desconto de 50% nas contas telefônicas;

–  Fornecimento gratuito de itens de higiene como sabonetes e álcool gel;

– Distribuição gratuita de alimentos, por meio de cesta básica com itens de primeira necessidade e não perecíveis (no mínimo, arroz, feijão, macarrão, farinha de mandioca, farinha de trigo, fubá, óleo, sal, açúcar, café e leite), além da manutenção de fornecimento de alimentação via restaurantes populares;

– Para isso, o Governo Federal necessitará coordenar, com estados e municípios, uma ampla rede de distribuição gratuita dos itens de higiene e alimentos acima referidos.

IV. Disponibilização de toda a capacidade instalada dos serviços de saúde do país, pública e privada, para tratamento dos casos graves da COVID-19.

Utilização temporária pelo SUS da capacidade privada, com a criação de um estoque comum de leitos de CTI para pacientes graves com regulação pelo SUS de vagas ociosas de hospitais privados e filantrópicos para internação de pacientes agravados pelo coronavírus.

Vale enfatizar que a capacidade atual de leitos de CTI se mantém acima de 70% ocupada com outros pacientes que dela necessitam – todo cuidado deve ser mantido para que esta população não tenha seu risco aumentado;

V. Para os brasileiros que fazem uso de planos de saúde, que estes disponibilizem não apenas os exames, mas também custeio de tratamento nos hospitais privados credenciados;

VI. Proteção aos profissionais de saúde e limpeza hospitalar envolvidos no atendimento a esses pacientes, por meio da disponibilização de equipamentos de proteção individual (EPI) adequados.

Preparar também plano de apoio e proteção dos/das profissionais de saúde para mitigar a exaustão (“burn out”); aos que apresentarem quadro de infecção pelo coronavírus, que seja garantida dispensa das atividades laborais, afastamento e tratamento adequados;

VII. Assistência especial para regiões e comunidades gravemente ou intensamente afetadas, com a adaptação de hotéis e outros locais para atendimento aos pacientes agravados pelo coronavírus. Manter comunicação adequada com características diferenciadas para as diversas regiões de risco do país;

VIII. Com apoio de Estados e Municípios, contratação de profissionais de saúde e de limpeza para atendimento, inclusive, em locais adaptados para funcionarem como hospitais durante a incidência da epidemia da COVID-19;

IX. Com o apoio do congresso nacional e do sistema judiciário adotar medidas urgentes e definitivas para financiamento adequado e fortalecimento do sistema público de saúde, incluindo a revogação imediata da EC 95, do teto dos gastos para saúde e educação;

X. Disponibilizar financiamento adequado para a pesquisa brasileira relacionada aos diversos aspectos da pandemia, incluindo epidemiológicos, clínicos, virológicos, farmacológicos e para o desenvolvimento de vacinas.

Essas medidas certamente permitirão que o Estado brasileiro, bem como toda a sociedade – envolvida e motivada pelo exemplo oferecido pelas medidas aqui listadas, sejam exitosos na campanha de isolamento social, respeitando a dignidade e os direitos humanos, para o achatamento da curva de crescimento do novo coronavírus, garantindo que os serviços de saúde operantes no país deem conta de atender à demanda diante da pandemia.

Atenciosamente,

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO

Sociedade Brasileira de Bioética – SBB

Associação Brasileira de Economia de Saúde – ABRES

Associação Brasileira Rede Unida – REDE UNIDA

Centro Brasileiro de Estudos de Saúde – CEBES

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

25 de março de 2020 às 16h13

Guerra Híbrida [ou seria Biológica?]

Bastou a OMS elogiar a Rússia pelas Medidas Eficazes
recomendadas e adotadas no País contra a Epidemia (*),
e o Serviço Geológico dos Estados Unidos da América
alertou para um Sismo de 7,5 de magnitude na escala
Richter. no Oceano Pacífico, a leste de umas tais Ilhas Curias – um arquipélago vulcânico administrado pela Rússia – onde diariamente ocorrem terremotos.

O sismo ocorreu a uma profundidade de 56,7 Km,
e o epicentro localizou-se no Oceano Pacífico,
a 229 Km a sudeste da cidade de Severo-Kurilsk,
capital da ilha vulcânica Paramushir, onde vivem
cerca de 2.500 pessoas. Não houve vítimas.

O chamado Arco Curilas-Kamchatka, que se estende
por cerca de 2.100 km de Hokkaido, Japão, ao longo
das Ilhas Curilas e da costa pacífica da península de
Kamchatka, na Rússia, é uma das regiões mais sismicamente ativas do mundo.

Segundo a RTP (*), os EUA emitiram e logo após
suspenderam um alerta de Tsunami para o Havaí.

De acordo com a Dra. Melita Vujnovic, representante
da Organização Mundial de Saúde (OMS) na Rússia,
o país entendeu muito bem a recomendação da OMS
quanto à necessidade de testes, e começou a realizá-los
no final de janeiro.
Além disso, a Rússia tomou um conjunto mais amplo
de medidas, além dos testes.
“O diretor-geral da OMS disse ‘teste, teste, teste'”, disse
a Dra. Vujnovic à CNN News.
“Bem, a Rússia começou isso literalmente no final de janeiro. Testes e identificação de casos, rastreamento
de contatos, isolamento, essas são todas as medidas
que a OMS propõe e recomenda, e estavam em vigor
o tempo todo”, disse ela.
“E o distanciamento social é o segundo componente que
também começou relativamente cedo”.

A Rússia tem uma População de 146 Milhões de Habitantes
e até agora houve apenas 253 Pessoas Infectadas no País.

As medidas de resposta antecipada da Rússia – como o
fechamento de sua fronteira de 2.600 milhas com a China
em 30 de janeiro e a criação de zonas de quarentena –
podem ter contribuído para o atraso de um surto total,
dizem especialistas.

O órgão de controle estatal da Rússia (Rospotrebnadzor),
disse no sábado que realizou mais de 156.000 testes de
coronavírus no total.
Em comparação, de acordo com dados do CDC , os EUA
só aceleraram os testes no início de março, enquanto a
Rússia diz que vem testando em massa desde o início
de fevereiro, inclusive nos aeroportos, concentrando-se
em viajantes do Irã, China e Coreia do Sul.
A Rússia não começou a testar imediatamente aqueles que chegavam da Itália ou de outros países afetados da UE, limitando seus controles para chegadas da Europa a temperaturas mais baixas e impondo quarentenas de
duas semanas.
A maioria dos casos de coronavírus relatados na Rússia
foram trazidos da Itália, segundo autoridades de saúde.

*(https://jornalggn.com.br/a-grande-crise/por-que-a-russia-populacao-146-milhoes-de-habitantes-tem-menos-casos-de-coronavirus-que-luxemburgo)
**(https://www.rtp.pt/noticias/covid-19/sismo-de-75-a-leste-das-ilhas-curilas-na-russia_n1215140)

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!