VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Conselhos nacionais são contra internar jovens em clínicas terapêuticas: ‘Ilegal, viola direitos, retrocesso’; íntegra
Monitoramento por câmeras dentro de comunidade terapêutica. Foto: Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas -2017
Blog da Saúde

Conselhos nacionais são contra internar jovens em clínicas terapêuticas: ‘Ilegal, viola direitos, retrocesso’; íntegra


06/08/2020 - 20h15

CNDH, CNS e Conanda assinam Recomendação contra acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas

CNDH, em perfil de rede social

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos – CNDH, o Conselho Nacional de Saúde – CNS e o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda aprovaram Recomendação contrária à regulamentação do acolhimento de adolescentes em Comunidades Terapêuticas (CTs), ocorrida em 6 de julho em reunião extraordinária do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas – Conad.

O documento recomenda ao Ministério da Cidadania que não acate a regulamentação proposta pelo Conad acerca do acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas; e que amplie o financiamento aos equipamentos e serviços do Serviço Único da Assistência Social – SUAS, promotor de cuidado em liberdade e promoção de direitos humanos de adolescentes em situação de uso abusivo de álcool e outras drogas.

Ao Ministério da Saúde, CNDH, CNS e Conanda recomendam que apresente dados relacionados aos investimentos realizados no Sistema Único de Saúde – SUS nos últimos dez anos na política de atenção à saúde mental de adolescentes; que torne públicos os dados sobre a implantação da Rede de Atenção Psicossocial – Raps nos diferentes estados brasileiros e amplie o financiamento aos serviços e equipamentos públicos do SUS, além de fortalecer as ações da Raps.

Já ao Ministério Público Federal, os conselhos recomendam que ofereça denúncia questionando a legalidade e constitucionalidade do acolhimento de adolescentes em Comunidades Terapêuticas aprovada pelo Conad.

Quarto e armário com medicamentos. Foto: Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas -2017

CNS é contra a regulamentação do acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas 

Recomendação construída de forma conjunta com Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) define medida como “retrocesso manicomial que viola os princípios e fundamentos do ECA”

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) aprovou nesta segunda-feira (3/08) uma recomendação contrária à regulamentação do acolhimento de adolescentes em Comunidades Terapêuticas (CTs). O documento é destinado ao Ministérios da Saúde, Ministério da Cidadania e Ministério Público Federal.

A regulamentação do acolhimento de jovens, com idade entre 12 e 18 anos incompletos em comunidades terapêuticas, ocorreu no dia 6 de julho, em pleno período crítico da pandemia da Covid-19 no Brasil, durante uma reunião extraordinária do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad).

As comunidades são residências coletivas para pessoas que fazem uso problemático de álcool e outras drogas de longa permanência (em geral de 9 a 12 meses).

A maioria destes espaços impõe algum tipo de restrição ao contato externo e isolamento para os residentes, sendo compreendidos como instituições fechadas.

Em 2017, uma inspeção nacional realizada em comunidades terapêuticas, pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT) e Conselho Federal de Psicologia (CFP), apontou que os jovens sofriam a violações de direitos como a realização de trabalhos forçados, contenções físicas, castigos, discriminação, intolerância religiosa e de orientação sexual.

Para o CNS, que construiu a recomendação de maneira conjunta com o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), trata-se de um retrocesso manicomial que viola os princípios e fundamentos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

“Entendemos que a comunidade terapêutica é um lugar de exclusão, privação de liberdade e violação de direitos. Não é um lugar saudável para receber o adolescente, que precisa ser visto na sua individualidade, no seu processo de formação”, afirmou a conselheira nacional de saúde e coordenadora da Comissão Intersetorial de Saúde Mental (Cism) do CNS, Marisa Helena Alves.

Fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial

Em vez de regulamentar o acolhimento nas CTs, os conselhos defendem a ampliação do financiamento público aos equipamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) e Sistema Único de Assistência Social (Suas), voltados ao cuidado de adolescentes em uso de álcool e outras drogas, e o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (Raps), criada em 2011 como um modelo de atenção em saúde mental a partir do acesso e promoção de direitos das pessoas baseado na convivência dentro da sociedade.

A Rede é constituída por um conjunto de ações e serviços, dentre os quais: atenção básica à saúde, atenção psicossocial especializada, atenção de urgência/emergência, atenção residencial de caráter transitório, atenção hospitalar, estratégias de desinstitucionalização e Reabilitação Psicossocial (RP).

“Defendemos o atendimento ao adolescente dentro desse processo. Não queremos ter retrocessos dentro de uma política que já está fragilizada por conta de toda questão que envolve a saúde mental, de preconceitos e exclusão”, afirma Marisa.

Alerta   

A recomendação dos conselhos ainda alerta que, em julho de 2019, o Conad teve uma redução drástica de participação social, deixando de ser um conselho com composição plural, conforme o Decreto nº 9.926/19, que retirou a representação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Conselho Federal de Medicina (CFM), do Conselho Federal de Psicologia (CFP), do Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), do Conselho Federal de Educação (CFE), da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Conforme consta na recomendação, o Conanda é a instância máxima de formulação, deliberação e controle das políticas públicas para a infância e a adolescência na esfera federal:

“Não reconhecemos a competência do Conad para regulamentar política para adolescentes, em especial, sem qualquer interlocução com a entidade já estabelecida para tal, Conanda, cujas competências, além de zelar pela aplicação da Política Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, é de elaborar as normas dessa política e fiscalizar as ações de execução, em consonância com o ECA”.

Recomendação contra internação de jovens em comunidades terapêuticas by Conceição Lemes on Scribd



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!