VIOMUNDO

Diário da Resistência


Butantan: Ômicron coloca em risco produção da vacina de influenza; parte dos funcionários está em home office por 15 dias
Fotos: Governo do Estado de São Paulo e reprodução
Blog da Saúde VIOMUNDO na Pandemia

Butantan: Ômicron coloca em risco produção da vacina de influenza; parte dos funcionários está em home office por 15 dias


12/01/2022 - 16h31

Por Conceição Lemes

“Casa de ferreiro, espeto de pau”, diz um antigo ditado popular, que cai com uma luva no Instituto e na Fundação Butantan, em São Paulo.

O Instituto atua na área de pesquisa. A Fundação cuida da produção de vacinas.

Desde a semana passada, muitos dos seus funcionários testaram positivo para a covid-19 e foram afastados do trabalho.

Filas grandes têm se formado no ambulatório para fazer o teste.

Como as amostras são analisadas no próprio Butantan, a direção provavelmente já sabia desde a semana passada que a ômicron estava se espalhando “em casa”.

O Instituto e Fundação ficam em prédios distintos. Mas, como os funcionários interagem, a nova variante do coronavírus “passeia” junto.

Mas só ontem, 11-01, a direção da Fundação decidiu colocar em trabalho remoto a partir de hoje, 12-01, todos os trabalhadores que não atuam na produção de vacina.

No final da tarde, os funcionários da Fundação Butantan receberam o comunicado (na íntegra, mais abaixo), onde diz:

Como vocês sabem, estamos em meio à produção da vacina de influenza e somos únicos fornecedores deste imunizante ao Ministério da Saúde.

Devido ao número crescente de afastamentos por síndromes respiratórias, visando proteger as estruturas produtivas por meio da circulação de pessoas em todas as dependências do Butantan, decidimos estabelecer o regime de trabalho remoto para as áreas não essenciais da Fundação Butantan.

Essas medidas serão reavaliadas no prazo de 15 dias.

Dois pontos chamam a atenção no comunicado:

1. A preocupação não é com a saúde dos funcionários não essenciais da Fundação. A medida visa a preservar a fabricação da vacina da influenza.

2. Não menciona covid-19; apenas afastamentos por síndromes respiratórias.

Embora pudesse ter tomado essas medidas antes, a Fundação agiu.

Já o governador João Doria (PSDB), pela forma como age, faz de conta que tudo está praticamente normal.

Ontem, 11-01, em entrevista coletiva, disse que poderia haver novas restrições para conter a covid-19.

Hoje, em nova coletiva, ele anunciou o limite de 70% na ocupação da torcida em estádios durante jogos de futebol no estado. A regra passa a valer a partir do dia 23 de janeiro, com a volta do Campeonato Paulista.

Para outros eventos de aglomeração, como eventos musicais, delegou para cada prefeitura a decisão de restringir novamente o público permitido.

Ou seja, Doria recuou.

Talvez com receio de enfrentar as agressões dos bolsonaristas nas redes sociais.

Talvez por negacionismo. Em vez de seguir, de fato, o que determina a ciência para este momento, prefere seguir o mercado.

Só que depois da casa arrombada, não adianta cadeado à porta.

Leia também:

Fiocruz alerta para novo aumento de ocupação de leitos de UTI Covid





7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique Martins

13 de janeiro de 2022 às 14h19

https://www.terra.com.br/noticias/coronavirus/queiroga-vacina-infantil-mostrou-se-segura-ate-o-momento,0030cf89c48f99dff8ca8b5b78b3e26elqb1i1a4.html

Não é o que pensa o seu presidente senhor ministro.

Responder

Henrique Martins

13 de janeiro de 2022 às 14h10

https://www.brasil247.com/brasil/e-um-grande-apoiador-da-vacinacao-diz-queiroga-sobre-bolsonaro-que-nao-se-vacinou

Hipócrita. Até parece que as falas do seu presidente e as lives das quintas feiras não estão gravadas. Até parece…………..

Responder

Henrique Martins

13 de janeiro de 2022 às 14h02

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2022/01/13/queiroga-grande-maioria-dos-internados-em-hospitais-sao-nao-vacinados.htm

Pois é………………………….

Responder

Henrique Martins

13 de janeiro de 2022 às 10h39

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2022/01/bolsonaro-deve-dar-poder-a-casa-civil-na-execucao-do-orcamento-em-reves-para-guedes.shtml

A impressão que eu tenho é que Jair Bolsonaro está almejando atingir dois objetivos com este tipo de medida:
Amarrar as pernas de Guedes obrigando-o a jogar a toalha e como sempre comprar o Centrão. A ver….

Responder

João de Paiva

13 de janeiro de 2022 às 10h17

Tanto a nota do Butantã (Butantan) como a forma com que foi divulgada aqui são estranhíssimas. E por quê? Porque não há razões históricas ou científicas capazes de justificar surtos de infecções respiratórias durante o verão. Ademais, SP se vangloria de ser uma cidade e um estado que primeiro e com mais intensidade impuseram vacinação obrigatória à população, além de restrições à circulação e reunião de pessoas.

O que observo é que a narrativa das oligarquias, das big-pharmas e big-techs anglo-ianques (que tém na mídia OTAN corporativa e nos governos sabujos das colônias, como o brazil, seus agentes de propaganda e operacionais) está caindo de podre, embora se usem de todos os expedientes de censura, banimento, cancelamento e perseguição contra aqueles que a ela se opõem.

Responder

Henrique martins

12 de janeiro de 2022 às 22h08

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/fabio-faria-desabafa-bolsonaro/

Tal como Guedes esse aí é outro que tem pouca dignidade.

Responder

Henrique Martins

12 de janeiro de 2022 às 18h31

Os meus comentários sobre o documentário já foram publicados. Valeu…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding