VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ana Estela Haddad: E se não tivéssemos política de combate à Aids, ministro?
Blog da Saúde

Ana Estela Haddad: E se não tivéssemos política de combate à Aids, ministro?


30/01/2019 - 14h19

“E se não tivéssemos política de combate à AIDS?” 

Ana Estela Haddad, na Folha de S. Paulo

O atual ministro da Saúde afirmou a esta Folha ter ressalvas à política de combate à Aids e disse não acreditar nas campanhas de prevenção nas escolas e unidades de saúde. Reportagem da revista Exame ouviu infectologistas, preocupados com retrocessos nessa política.

A afirmação causa estranhamento.

Lembro-me, na década de 80, da descoberta da doença. Perdemos ídolos, como Freddie Mercury, que inspirou o filme “Bohemian Rhapsody”, Cazuza, Renato Russo.

Eu era estudante de odontologia, fazíamos o atendimento clínico dos pacientes sem luvas descartáveis, com exceção dos procedimentos cirúrgicos.

Fomos mudando, enquanto a ciência desvendava os mistérios daquela doença fatal.

Apesar do avanço nas pesquisas, a Aids ainda não tem cura, mas graças a políticas que atravessaram governos de diferentes partidos houve mudanças no comportamento sexual (campanhas de prevenção), no diagnóstico precoce e no acesso democratizado aos caros medicamentos de tratamento.

As pessoas acometidas, independentemente da sua condição econômica, sobrevivem, o que não acontecia no passado. Os protocolos para gestantes portadoras do HIV resultaram em 43% de redução na transmissão vertical.

Houve casos em que o contágio se dava por meio da transfusão de sangue, o que custou a vida de Henfil, que era hemofílico. Adotaram-se os testes de Aids nos serviços de hemoterapia.

Na formação médica, vale o juramento de Hipócrates (Declaração de Genebra, 2017, adotada pela Associação Médica Mundial):

“[…] – Guardarei o máximo respeito pela vida humana;

– Não permitirei que considerações sobre idade, doença ou deficiência, crença religiosa, origem étnica, sexo, nacionalidade, filiação política, raça, orientação sexual, estatuto social ou qualquer outro fator se interponham entre o meu dever e o meu doente;[…]”

No Brasil, a Aids não está entre as principais causas de mortalidade, e a expectativa de vida tem níveis próximos à de países desenvolvidos, embora marcado por grandes desigualdades.

Países da África, ressalvadas diferenças sociais, culturais e econômicas, não tiveram a mesma trajetória. A expectativa de vida chegou a 38 anos antes do tratamento com os antirretrovirais. E lá estão mais de 90% das crianças órfãs, chegando a 10 milhões, que perderam seus pais para a doença.

Recentemente, numa banca de doutorado da Universidade de KwaZulu-Natal (África do Sul), soube que a Aids acomete 19% da população, e um desafio é o diagnóstico das alterações de pele nas fases iniciais da doença.

Eles têm um dermatologista para cada 300 mil habitantes. O estudo propõe um serviço de telemedicina em dermatologia para o enfrentamento do problema.

O Brasil tem o programa Telessaúde Brasil, desde 2007, e o modelo brasileiro recebeu o reconhecimento da Organização Pan-Americana da Saúde (2011).

O SUS, direito constitucional conquistado, se efetivou com impactos inquestionáveis nos indicadores de saúde, com ampla participação social, dos entes federados, e na abrangência das áreas temáticas na estrutura do Ministério da Saúde.

Analisar a história para formar opiniões e tomar decisões baseadas em evidências pode evitar retrocessos que coloquem a perder a saúde e a vida das famílias brasileiras, nas suas diversas composições.

Ana Estela Haddad é cirurgiã-dentista, professora associada da Faculdade de Odontologia da USP e ex-diretora de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (2005-2012, governos Lula e Dilma)

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

a.ali

30 de janeiro de 2019 às 22h51

que aula hem sr.ministro, melhor DESPREPARADO ministrinho, do mesmo nível de TODO o governucho que se apresenta…

Responder

Zé Maria

30 de janeiro de 2019 às 18h36

https://jornalggn.com.br/sites/default/files/u16-2016/haddad-ana-estela-840×551.jpg

Ana Estela Haddad…

De lado os Estereótipos,
esta realmente merecia
ser chamada de 1ª Dama.

Da Série: #EuAvisei

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Bebianno só acredita “quando sair o papel com a exoneração” e teria dito a interlocutor que com sua demissão “o Brasil vai tremer”

Da Redação  “Eu quero ver o papel com a exoneração, a hora em que sair o papel com a exoneração é porque eu fui exonerado”, afirmou aos jornalistas neste sábado Gustavo Bebianno, o ministro da Secretaria Geral da Presidência. O cala boca de Bebianno, agora acusado de ter vazado conversas sigilosas entre ele e Jair […]

Ler matéria