VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Dr. Rosinha: Um caserneiro amoral, que ainda vive na Idade Média
Reprodução redes sociais
Arapuca

Dr. Rosinha: Um caserneiro amoral, que ainda vive na Idade Média


15/03/2021 - 14h34

Caserneiro

Por Dr. Rosinha*

Ontem o Brasil alcançou mais um recorde – para o Bolsonaro deve ser a glória – quanto ao número de mortes por covid-19.

Na última semana, segundo o consórcio de veículos de imprensa, foi registrada uma média diária de 1.832 mortes, e ontem (14/03) foi o 16º dia consecutivo de recordes: foram registradas 1.111 mortes, dando um total de 278.237 vítimas fatais da doença.

Os números variam dependendo das fontes, o que demonstra que não há nenhuma coordenação nacional e consequentemente nenhuma política de enfrentamento do covid-19.

É sabido que há subnotificação do número de casos e de óbitos. Agora, talvez menos, que no inicio da pandemia. Portanto estes números podem ser multiplicados, segundo alguns estudos, por 2.

Desde o inicio da pandemia Bolsonaro e seu governo – não só tem feito desfeita da pandemia – tem executado uma estratégia institucional de propagação do coronavírus.

Estudo do Centro de Pesquisas e Estudos de Direito Sanitário (CEPEDISA) da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP) e a Conectas Direitos Humanos indica a execução da estratégia de propagação da doença.

A pergunta de todo e qualquer humanista é: “Bolsonaro não sente culpa por estas mortes e pelo sofrimento?”

Moacyr Scliar no livro “Enigmas da Culpa” escreve que

Culpa é uma palavra de amplo significado.

Podemos falar da culpa no sentido moral, incluindo aí a moral religiosa.

Podemos falar da culpa neurótica, da culpa jurídica, da culpa existencial (Moacyr Scliar, “Enigmas da Culpa”).

Pensando sobre a frase de Scliar concluo que Bolsonaro não sente nenhuma destas culpas.

Não há possibilidades de um amoral ter qualquer parâmetro para pensar e definir o que é moral ou imoral, inclusive – apesar de tanto usar o nome de Deus – na questão religiosa. Suas falas e decisões não tem nenhum parâmetro dentro do que é considerado moral.

A culpa neurótica só deve ser levada em consideração para as pessoas que são consideradas “normais”. O conceito que conhecemos de normal – por mais que cientistas e humanistas se esforcem – não cabe aos psicopatas.

E, há psicólogos e psiquiatras afirmando que ele é um psicótico.

Ele e seu seguidores.

A culpa existencial só existe para os que acreditam na existência de vidas além da própria vida. Vidas no plural: não só humanas, mas da flora e da fauna.

Bolsonaro ao destruir – de maneira direta ou indireta – todas as vidas que estão ao seu alcance mostra sequer amar a própria.

Portanto jamais sentirá culpa existencial.

Jamais se perguntará por que vivo? E, não fará isto porque não sabe a razão da própria existência.

Ou pode até saber: praticar o mau e a maldade.

Scliar também afirma que

a culpa esta ligada a uma peculiar forma de audição: a audição da implacável voz interior, que acompanha o culpado ainda que ele se enfie em qualquer buraco.

Bolsonaro jamais conseguiu o conseguirá ouvir a voz interior.

A audição desta voz só é possível para quem viveu – minimamente – sob a luz de algum raio do iluminismo.

Seu governo prova que ele não conseguiu receber qualquer raio de luz que o levasse a compreender a razão da existência do ser humano.

Qualquer raio de luz que pudesse tocar seu coração para fazer dele um ser humano e solidário faltou-lhe por negação em aceitar quando lhe oferecido.

Bolsonaro decidiu viver nas trevas e construir trevas.

Isto compromete o Exército brasileiro, pois sua deformação como ser humano foi dentro deste buraco, dentro desta caserna.

Ele não passa de um caserneiro.

Um caserneiro só pode cuidar de uma caserna jamais morar num Palácio e cuidar de vidas e de um país.

Vivendo dentro do buraco não teve parâmetros para formar qualquer conceito de moral, adquiriu uma única cultura a de dar e receber ordens, preferindo sempre dar – as piores – ordens.

Amoral e alienado, criado dentro de um buraco não adquiriu sensibilidade humana para sentir-se culpado por qualquer ato que pratique ou que venha a praticar.

Nos sentidos indicados por Scliar é impossível cobrar qualquer culpa de Bolsonaro.

Ele é amoral.

*Dr. Rosinha é médico pediatra, militante do PT. Pelo PT do Paraná, foi deputado estadual (1991-1998) e federal (1999-2017).  De maio de 2017 a dezembro de 2019, presidiu o PT-PR. De 2015 a 2017, ocupou o cargo de Alto Representante Geral do Mercosul. 





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Cleide Melo

15 de março de 2021 às 23h24

Um é mito.
O outro é herói.
E ambos sem sentimento.
Parabéns a perspicácia do povo.

Responder

Zé Maria

15 de março de 2021 às 20h03

Novo Laranja da Saúde
não é a favor nem contra cloroquina,
muito pelo contrário.
Mas, como o anterior, sabe dizer ‘Sim, Senhor’.

Responder

Zé Maria

15 de março de 2021 às 17h19

.
Vacinas compradas por Consórcio do Nordeste serão Distribuídas para todos os estados do Brasil;
Governadores anunciaram compra de 37 milhões de Doses da Sputnik V

(https://www.jornalgrandebahia.com.br/2021/03/vacinas-compradas-por-consorcio-do-nordeste-irao-para-todo-brasil-governadores-anunciaram-compra-de-37-milhoes-de-doses-da-sputnik)

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura