VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Paulo Teixeira: Parlamentarismo é jogada para evitar que Lula governe se for eleito em 2018

10 de agosto de 2017 às 16h11

Foto Ricardo Stuckert

DOIS PASSOS PARA APROFUNDAR GOLPE

por Paulo Teixeira
*

Depois de comprar a preço de ouro a maioria da Câmara para salvar Michel Temer de ser investigado por crime de corrupção na última semana, o golpe dá dois passos que conduzem o Brasil à incerteza.

De um lado, a proposta de mudança de sistema de governo para o parlamentarismo, que ganha força com a introdução do chamado Distritão nas eleições legislativas.

De outro, segue a tentativa de retirada dos direitos políticos do ex-presidente Lula, visando impedir sua candidatura.

A ideia do parlamentarismo, que vem ganhando espaço no discurso do governo e de sua base política e fisiológica, volta à praça porque as forças golpistas não conseguem construir uma candidatura capaz de vencer eleições presidenciais.

Como não conseguem vencer eleições para presidente desde 2002, deram primeiro um golpe parlamentar, para derrubar a presidenta legítima, e agora querem abolir a própria figura do chefe do Poder Executivo eleito diretamente pelo povo.

Na tradição republicana brasileira, a ideia do parlamentarismo sempre surgiu como um recurso das elites para substituir artificialmente a soberania popular.

O parlamento, onde os conservadores sistematicamente compõem a maioria, é o seu habitat natural.

A brevíssima experiência parlamentarista na República resultou da primeira tentativa de golpe militar contra Jango, em 1961, e foi repudiada nas urnas pouco mais de um ano depois, no plebiscito de janeiro de 1963.

O povo sabe que essa proposta não lhe interessa. Nas duas vezes em que foi consultado sobre o sistema de governo, disse não ao parlamentarismo.

No plebiscito de 1993, a proposta parlamentarista foi derrotada por larga margem. Vale ressaltar que esta consulta ocorreu em um período democrático e de estabilidade, sem ameaças de golpe e convocado pela Constituinte.

No Brasil a Presidência da República goza de extrema representatividade por ser a instância de Poder originada da vontade da maioria absoluta da Nação.

É essa força que permite a presidentes progressistas enfrentar a resistência e até a sabotagem dos setores conservadores, que predominam no Congresso graças a imperfeições do nosso sistema eleitoral e político. Presidentes, como Getúlio, Jango e Dilma, foram vítimas dessa distorção.

Além de afrontar a Constituição, seus defensores querem instituir outro sistema de governo sem consultar o povo, que já o rejeitou duas vezes.

O parlamentarismo é a continuidade do golpe, para dar ainda mais poder a um Congresso Nacional desmoralizado por sua atuação no golpe do impeachment, na cobertura a um governo corrupto, na revogação de direitos históricos dos trabalhadores e na cumplicidade com a entrega do patrimônio nacional.

Entregar o Poder Executivo a um parlamento em crise de legitimidade e representatividade é a aposta das elites para cumprir os dois objetivos do golpe: obstruir as investigações de corrupção e continuar retirando direitos da população.

O parlamentarismo é, de fato, o Plano B das elites para impedir que o ex-presidente Lula volte a governar o país, com plenos poderes, e retomar o caminho do desenvolvimento com inclusão. O Plano

A, como se sabe, é simplesmente impedir sua candidatura por meio de uma perseguição judicial, que vem ficando cada vez mais clara aos olhos da maioria da população.

A porta de entrada para este golpe dentro do golpe é o “Distritão”, uma mudança no sistema eleitoral que visa garantir uma maioria conservadora e fisiológica na próxima legislatura.

Este modelo, historicamente defendido por Michel Temer, fragiliza os partidos, reduz a possibilidade de escolha dos eleitores e privilegia os candidatos com maior poder econômico e acesso aos meios de comunicação.

É a chance de sobrevivência dos investigados pela Justiça e comprometidos com a agenda do retrocesso rejeitada pelo povo.

O Congresso que temos hoje não tem legitimidade para realizar alterações tão drásticas no sistema político do Brasil.

Esta reforma, inquestionavelmente necessária, deve ser realizada por meio de uma Assembleia Constituinte exclusiva, convocada e eleita para essa finalidade.

A superação da crise política passa necessariamente por eleições diretas para presidente e pela convocação de uma Assembleia Constituinte exclusiva para reforma política.

A reintrodução do parlamentarismo no debate legislativo só nos leva a pensar na antecipação do pleito presidencial, antes que seja esvaziado por mais um ataque à Constituição.

 
*Paulo Teixeira é advogado com mestrado na USP, deputado federal pelo PT-SP e vice-presidente nacional do PT

Leia também:

Paulo Pimenta: Distritão é golpe do golpe do golpe

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Siebel

17/08/2017 - 22h19

Banco do Brics terá sede na China e 1ª presidência será da Índia54 Do UOL, em São Paulo 15/07/201415h53 > Atualizada 15/07/201418h06 Ouvir texto 0:00 Imprimir Comunicar erro Marcelo Camargo/Agência Brasil Putin (Rússia), Modi… – Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2014/07/15/banco-do-brics-tera-sede-em-xangai-e-1-presidencia-sera-da-india.htm?cmpid=copiaecola AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH QUE SAUDADE………….

Banco de desenvolvimento ficará aberto a outros países As negociações para criar um banco de fomento se arrastaram por dois anos, com alguns membros temerosos do desejo da China de ter uma participação maior no banco, injetando m… – Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2014/07/15/banco-do-brics-tera-sede-em-xangai-e-1-presidencia-sera-da-india.htm?cmpid=copiaecola ( China arrebentando, ROTA DA SEDA, RESERVA DE BILHOES, DOMINANDO O MUNDO- SEM GUERRA- E DESTRUINDO O DOLAR……………………………………e nós estavamos junto…………)

Responder

lulipe

11/08/2017 - 15h09

Esses esquerdopatas acham que o mundo gira em torno do agora corrupto fanfarrão. Só rindo mesmo…

Responder

Messias Franca de Macedo

11/08/2017 - 07h36

[Para acabar de matar o protofascista rábula ‘psicoPATO’ ‘mor(t)o’ em polvorosa!
Espero que ‘nois’ proletários sigamos o exemplo!]

Herdeira de banco suíço doa R$ 500 mil ao presidente Lula após bloqueio de Moro

11/08/2017

Se Luiz Inácio Lula da Silva é visto como o pai do Bolsa Família, ela quer ser a mãe do “Bolsa Lula”.

Herdeira da família fundadora do banco Credit Suisse, Roberta Luchsinger, 32, decidiu lançar um movimento de apoio financeiro ao ex-presidente, que teve quase R$ 10 milhões em planos de previdência e contas bancárias bloqueados a pedido do juiz Sergio Moro.
(…)
A neta do suíço Peter Paul Arnold Luchsinger abriu o bolso, o closet e o cofre para fazer uma doação pessoal ao petista no valor de cerca de R$ 500 mil em dinheiro, joias e objetos de valor.
“Com o bloqueio dos bens de Lula, Moro tenta inviabilizá-lo tanto na política quanto pessoalmente. Vou fazer uma doação para que o presidente possa usar conforme as necessidades dele”, diz Roberta.
(…)
Dona de uma agenda de contatos políticos de todos os matizes ideológicos, Roberta pretende se lançar candidata a deputada estadual na eleição de 2018 pelo PCdoB (Partido Comunista do Brasil).
(…)
A neta de banqueiro diz estar pronta para colocar o pé na estrada se for convidada a integrar a caravana do ex-presidente pelo país.
Para provar que não é só da boca para fora, ela está disposta a incluir no pacote de doações uma perua Volvo XC 60, ano 2015, blindada, avaliada em R$ 150 mil. “A perua da perua pode substituir a caminhonete velha que o Moro sequestrou do Lula”, brinca.
(…)
Fato que não desestimula a campanha de doação aberta por Roberta. “Independentemente de ser ou não candidato, este dinheiro vai permitir a Lula sair pelo Brasil espalhando esperança. Não podemos perder a crença na política. Precisamos de união.”

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/redesocial/2017/08/1908731-bolsa-lula-herdeira-de-banco-suico-doa-r-500-mil-apos-bloqueio-de-moro.shtml

Responder

Deixe uma resposta