VIOMUNDO

Afinsophia: Promotores citam Nietzsche mas não entenderam nada

11 de março de 2016 às 03h02

Captura de Tela 2016-03-11 às 03.00.19O FILÓSOFO NIETZSCHE REPUDIA, EM NOME DO SABER FILOSÓFICO, O USO DE SEU CONCEITO DE SUPER-HOMEM PELOS PROMOTORES QUE PEDIRAM PRISÃO DE LULA

do Afinsophia, desde Weimar, em 11.03.2016

Os promotores, Cássio Roberto Conserino, José Carlos Guillem Blat e Fernando Henrique de Moraes Araújo — que pediram a prisão preventiva de Lula — afirmam no documento que se apoiaram no filósofo Nietzsche para elaborar a acusação contra o ex-presidente.

Para melhor sustentação do pedido, se apoiaram na palavra (não no conceito, já que conceito é de outra ordem filosofica-epistemológica) super-homem.

O conceito nietzschiano é apresentado pelo filósofo em várias de suas obras, porém com maior demonstração na obra Assim Falava Zaratustra, escrita entre os anos de 1883-1885. Que também trata da morte de Deus e sua sombra.

Assim os promotores começam suas explanações.

“101) De proêmio, apresentamos passagem da obra Assim Falou Zaratustra.

“Nunca houve um Super-Homem. Tenho visto a nu todos os homens, o maior e o menor. Parecem-se ainda demais uns com os outros: até o maior era demasiado humano”.

102) Fundamental a referência à obra do filósofo alemão Friedrich Nietzsche, pois de forma muito racional estabelece que todos os seres humanos se encontram em um mesmo plano, premissa maior que norteará todo o pedido de prisão preventiva do denunciado LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA”.

Quem estudou ou estuda o filósofo Nietzsche sabe de início que sua filosofia não defende de forma alguma o Estado.

Ainda mais o Estado com sua conjuntura jurídica que pretende fazer dos homens um grande rebanho. Em quase todas suas obras Nietzsche trata o Estado como um corpo impotente, onde falta a vontade de potência, vigorando o niilismo que toma a vida como a vingança do pessimismo.

Mas, para entender melhor o que não há de Nietzsche na “premissa maior que norteará todo o pedido de prisão preventiva” de Lula, é preciso saber das Três Metamorfoses do espírito apresentadas no Assim Falava Zaratustra. Que não podem ser afastadas do conceito da morte de Deus mostrado pelo filósofo do Ecce Homo.

Primeira Metamorfose – “O que há de pesado para transportar?”. Pergunta o espírito transformado em asno. O asno se agacha e pede que coloquem em seu lombo os fardos. Percebendo que aguenta mais peso pede que coloquem mais fardos. Ele quer gozar de sua força. Como camelo, ele quer alcançar o deserto. O seu deserto.

Segunda Metamorfose – O espírito-asno se metamorfoseia em espírito-leão. Quer conquistar a liberdade e ser o rei de seu deserto. Para ser livre ele precisa lutar contra o último senhor, o último Deus. Assim, ele encontra o dragão que tem o nome de “Tu-deves”. Mas a alma do leão é “Eu quero”. O dragão é coberto de escamas que brilham em seu corpo, que são os valores milenares. O dragão é a soma de todos os valores criados no passado. Por isso, o dragão afirma que não haverá qualquer “Eu quero”. Como o leão ainda não se encontra preparado para criar seus próprios valores, ele continua com seus fardos.

Terceira Metamorfose – O espirito leão se transforma em criança. Como criança é livre de todos os valores. É “o novo começar, jogo, roda que se move por si mesma, primeiro móvel, afirmação santa”. Ao sair do mundo dos valores milenares ela “conquista o seu próprio mundo”.

A primeira metamorfose representa os valores cristãos dominantes na Europa durante toda a Idade Média, que regiam os comportamentos dos homens dessa época.

A segunda metamorfose representa a morte de Deus quando a Ciência mostra que a Terra não é o centro do universo, mas o sol. É a teoria heliocêntrica destituindo a teoria geocêntrica que servia de suporte ao teocentrismo. É o renascimento, o iluminismo, o racionalismo.

Com a morte de Deus os homens criaram outros valores. Só que com os mesmos sinais dos valores cristãos passados. É a sombra de Deus que, apesar de morto, continua servindo de modelo. O que significa que não alcançaram a terceira metamorfose. Daí continuarem humanos, demasiado humanos.

Mais um conceito de Nietzsche que mostra a miséria da existência reativa que os promotores não entenderam.

Humano, demasiado humano, outra obra do filósofo, mostra que o homem continua preso ao sobrenatural, ao metafísico em forma niilista, pessimista em relação à vida.

Negando a vontade de potência: o que cria a vida como afirmação e não como negação. O humano, demasiado humano sempre diz Não à vida ao se apegar aos valores como orgulho, covardia, medo, vaidade, ambição, submissão, busca de aprovação, traição, reconhecimento, desonestidade, estupidez, ignorância, brutalidade, cobiça, entre outros cultuados principalmente pelos burgueses.

Ele é o homem do espírito cativo modelado, serializado, registrado só para tagarelar o que lhe impuseram como “verdade humana”, sem ter nunca ultrapassado o que tagarela. Daí que ele se limita em relações com sua família, classe, colegas de profissão e grupos particulares. Nada que carrega o homem do espírito livre, aquele que constrói novas formas de existência.

O super-homem de Nietzsche sempre foi entendido como dominação. Mas, não é. Primeiramente, ele é vontade de potência e eterno retorno, não retorno do mesmo, mas da vontade de potência.

Como dominação ele é tido, pelos ressentidos e reativos, como força de opressão só realizada pela pura raça germânica, como doutrinava Hitler. A irmã de Nietzsche, Elizabeth Forest-Nietzsche, casada com o antissemita Bernhard Förester, foi quem propagou essa ideia para servir a Hitler. O absurdo foi tamanho que o casal, movido por esse desatino, tentou fundar uma colônia nazista no Paraguai, mas não vingou — para o bem da democracia e de Nietzsche.

O super-homem é aquele que vem depois do último homem, assim afirma Zaratustra. Aquele que não é dominado pelos valores milenares que foram criados para impedir o movimento da vida. O super-homem é o criador de seus próprios valores e para criar valores não pode ser aprisionado em forças constituídas como verdades inabaláveis e propagá-las.

Por isso, Nietzsche perguntava a quem servem essas verdades. O super-homem é o que realiza a tresvaloração de todos os valores, como mostra Nietzsche em seu Para Além do Bem e do Mal. Para o filósofo, esse conceito de Bem no mundo humano, demasiado humano, é ainda valor niilista que defende a negação da vida.

Dessa forma compreende-se que as três metamorfoses conduzem ao entendimento de que o super-homem atribuído pelos três promotores a Nietzsche é negado pelo próprio Nietzsche. Assim, como também, o conceito de humano, demasiado humano. O humano de Nietzsche não tem nenhuma relação com o conceito jurídico-antropológico apresentado pelos promotores.

E mais, os promotores afirmam que o filósofo da Genealogia da Moral “de forma muito racional estabelece que todos os seres humanos se encontram em um mesmo plano”.

Nietzsche não tratava os homens como iguais, para ele isso é concepção de rebanho. Gado humano. Ele tratava das individuações. Por isso ele falava de duas massas. Uma dominada pelo niilismo que segue o líder, em alguns casos o Estado. Outra, aquela em que os indivíduos, embora juntos, mantém suas individuações. A vontade de potência.

Nessa afirmação atribuída pelos promotores a Nietzsche destaca-se também, como forma de efeito linguístico-jurídico, a enunciação “de forma muito racional”.

Razão para Nietzsche não significa condução de raciocínio através de uma lógica estabelecida como coerência de objetivo. Aliás, para ele a lógica é recurso para servir de segurança aos que dizem não à vida. Ele não trata de razão instrumental. A razão para ele antecede toda forma de representação, como consciência e seus conteúdos. Está ligada à potência dionisíaca.

Por isso, para Nietzsche o homem pessimista, ressentido, niilista, reativo, não faz uso da razão. Faz uso de uma máscara da razão, que muitas vezes é fabricada pelas graduações escolares: razão das receitas postas pela voz de comando escolar.

Um adendo filosófico para outro recurso que os promotores usaram para sustentar o pedido de prisão preventiva de Lula.

Eles afirmam que as atuais condutas de Lula “deixariam Marx e Hegel envergonhados”.

Não sabemos se eles queriam se referir ao camarada de Marx, o filósofo Engels. Mas, se foi exatamente ao filósofo Hegel, que foi quem criou o conceito Espirito Absoluto para onde convergem todos os eus-individuais e que serviu de germe para a criação jurídica do Estado Ocidental, também a referência não encontra respaldo.

Hegel, em sua filosofia do Direito, afirma que é o povo quem cria o Estado e suas representações legislativas, assim como a Constituição. E Lula é criação do povo.

Quanto a Marx, não precisa esforço de raciocínio. Lula é a simbologia da representação democrática que o filósofo de Trier, de certa forma, deixava claro como um dos estágios para a libertação da classe trabalhadora da exploração do capitalismo. Logo, Marx é só elogio para Lula. Embora Lula não seja comunista.

Em síntese, Nietzsche repudia o uso errado de seus conceitos filosóficos para amparar o pedido de prisão preventiva contra Lula. Logo, Lula não pode ser nietzscheanamente preso.

Leia também:

Bispo que pisou na jararaca cai para cima

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
Ex-Ministra-Igualdade-Racial-Luiza-Bairros-morre-cancer-pulmao_001-850x566
26 - jul 0

Fátima Oliveira: Luíza Bairros, obrigada pela turronice e teimosia!

Estilão inconfundível e o Dia da Mulher Negra

viviany_beleboni
14 - jul 1

Patrick Mariano: A comovente Balada de Gisberta

Violência homofóbica mata e fere

 

12 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

anac

12/03/2016 - 21h23

Muita maldade com os promotores. Tenham caridade. Não faz parte do disciplina para concurso de promotor de Justiça, procurador da Republica, juiz Federal, Estadual ou do Trabalho a matéria filosofia. Os promotores boçais quiseram dar uma carteirada de intelectuais e se deram mal, muito mal. Falaram do que não sabiam e não tinha competência. Envergonharam o MP. Instituição que tão cedo conseguira se livrar dessa mancha.

Responder

hegel aos patetas

12/03/2016 - 19h58

não tenho vergonha de lula
que realizou minha dialética histórica

que saiu do círculo senhor escravo
e levou junto a sua gente

não, me envergonho mais
pelo patético
uso da minha obra

que me confundam com meu discípulo
sei que sou maior do que ele
brilhante uso da dialética histórica
outros também fizeram..

não, tenho vergonha
da ignorância
em que caíram minhas palavras

patetas usam palavras
incompreendidas
para produzir mentiras históricas

vergonha desse patético
plágio difamador
creio que há lei pra isso..

a dialética histórica bem compreendida
ajuda os homens a avançar sempre
e nunca retroceder.

não me usem para a opressão.

HEGEL. (em memória)

ps. marx me pede pra dizer
que não tem vergonha dos patetas
eles estão previstos
no desespero burguês contra os trabalhadores
vergonha não, ele tá puto
usar ele contra o trabalhador?
nem palavras não me deram
ele me diz
não sou homem de me envergonhar
ainda menos pelos outros.
mas exige respeito à luta de classes
eu tenho lado. diz marx.

Responder

Dan

12/03/2016 - 02h39

Toda a filosofia de Nietzsche é uma afirmação do super-homem e não o contrário, como bem demonstrou o texto. A expressão consagrada na literatura das ciências humanas é “Marx e Engels”. Citar Marx e Hegel, não faz sentido, até mesmo por uma questão de ordem cronológica: Hegel é anterior a Marx. Na tradição filosófica, Marx, materialista, inverte Hegel, idealista. Ou seja, filosoficamente estão em campos opostos. Se os promotores quiseram dizer que Lula, operário, causou vexame a grandes filósofos, porque então não citaram também Descartes, Hume, Kant etc. É mais provável que os promotores caçaram a citação na revista Caras do que realmente leram estes autores, pois, se assim fosse, não teriam cometido uma gafe filosófica tão anti-filosófica. Aliás, foi-se o tempo em que um advogado esbanjava erudição e virtuosismo em corretas expressões latinas que fariam inveja até mesmo a um Cícero. Hoje eles estudam em cursinhos e são adestrados a passar em concursos públicos corporativistas, apenas. Na verdade, os promotores envergonharam não apenas Hegel e Marx, mas toda a filosofia, como também Nietzsche e, por tabela, o companheiro de Marx, Engels, que foi, enfim, suprimido do panteão filosófico pela desastrada missão histórica dos doutos niilistas da lei.

Responder

FrancoAtirador

11/03/2016 - 17h24

.
.
“Que é então o Perseguidor?
É aquele cujo Orgulho Ferido e o Fanatismo em Furor
irritam o Promotor ou o Magistrado contra Homens Inocentes,
cujo único crime consiste em não serem da mesma Opinião”
Voltaire
.
.

Responder

Lukas

11/03/2016 - 13h15

Bom texto para explicar “2001, uma odisseia no espaço”, do Kubrick.

Responder

Dilma Coelho

11/03/2016 - 12h19

Devo estar alienada…
E a lei do Requião?
É possível deixar que a imprensa emita pareceres mentirosos?
Essas criaturas que emitiram essa ordem, são um bando de “paus mandados” midiotizados, comprometidos ($)?
O que é possível se fazer de práticos?
Não suporto mais lamúrias…

Responder

Sidnei Brito

11/03/2016 - 11h07

Dizem que o MP-SP chamou o Nietzsche para depoimento:

– O senhor é filósofo alemão?
– Não, excelência. Eu sou capoteiro.

Responder

Maria do Carmo Gauterio

11/03/2016 - 09h34

Alem de golpistas, verdadeiros asnos estes promotores (que me perdoem os asnos)

Responder

FrancoAtirador

11/03/2016 - 03h52

.
.
“O Essencial não é saber o que fizeram do Conserino,
mas o que o Conserino fez daquilo que fizeram dele”
.
Jean-Paul Sartre
.
(http://stoa.usp.br/alexccarneiro/files/-1/4529/sartre_exitencialismo_humanismo.pdf)
.
.

Responder

Deixe uma resposta