VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Leandro Fortes: Jornalismo à moda de Al Capone

29 de dezembro de 2012 às 17h06

Casamento de Cachoeira, Jornalismo à moda de Al Capone

por Leandro Fortes, no Facebook

O que é mais incrível não é a Folha de S.Paulo mandar uma repórter “enviada especial” a Goiânia para cobrir o casamento de um mafioso com uma mulher indiciada por chantagear um juiz federal para tirá-lo da prisão, e sequer citar esse fato.

Carlinhos Cachoeira, vocês sabem, tem trânsito livre na imprensa brasileira.Dava ordens na redação da Veja, em Brasília, e sua turma de arapongas abastecia boa parte das demais coirmãs da mídia na capital federal.

Andressa, a noiva, foi indiciada por corrupção ativa pela Polícia Federal por ter tentado chantagear o juiz Alderico Rocha Santos.

Ela ameaçou o juiz, responsável pela condução da Operação Monte Carlo, com a publicação de um dossiê contra ele. O autor do dossiê, segundo a própria? Policarpo Jr., diretor da Veja em Brasília.

Mas nada disso foi sequer perguntado aos pombinhos. Para quê incomodar o casal com essas firulas, depois de um ano tão estressante?

O destaque da notícia foi o mafioso se postar de quatro e beijar os pés da noiva, duas vezes, a pedido dos fotógrafos.

No final, contudo, descobre-se a razão de tanto interesse da mídia neste sinistro matrimônio no seio do crime organizado nacional.

Assim, nos informa a Folha:

“Durante o casamento, o noivo recusou-se a falar sobre munição que afirma ter contra o PT: ‘Nada de política. Hoje, só falo de casamento. De política, só com orientação dos meus advogados’.”

É um gentleman, esse Cachoeira.

Leia também:

José Dirceu e a “cultura de esquerda”no Brasil

Amaury promete revelar bastidores do complô para derrubar Lula e Dilma

Nassif: Relatório da CPI do Cachoeira mostra ligações diretas entre jornalistas e crime organizado

A arapuca de Cachoeira para Valdomiro Diniz e as escolhas do jornalismo investigativo

 

59 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Forbes: Veja é odiada no Brasil e se envolveu em corrupção - Viomundo - O que você não vê na mídia

30/05/2013 - 13h57

[…] Leandro Fortes: Jornalismo à moda de Al Capone […]

Responder

CNunes

03/01/2013 - 18h33

A Folha agora chega a dar até absolvição para o Cachoeira,
http://digosim.blogfolha.uol.com.br/2013/01/03/carlinhos-cachoeira-esta-se-convertendo-diz-pastor-evangelico-que-o-casou/

quantas velas ele vai acender e para que santo??

Responder

Claudio

01/01/2013 - 17h15

Vergonha.

Responder

Masan

01/01/2013 - 11h07

Enquanto isso, “Dilma manda avisar: Lei de Meios, aqui, não!”

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/89408/Dilma-manda-avisar-Lei-de-Meios-aqui-n%C3%A3o!.htm

Qual é a da nossa presidenta? Tentativa de continuar não sendo o principal alvo do PIG?

Ela continuará com essa postura, caso vença as próximas eleições? E como essa postura irá interferir com o PT, com Lula (futuro governador de SP!?), e com Haddad?

Será que Dilma guarda alguma surpresa, assim como fez Joaquim Barbosa???

Responder

Venício Lima: 2013 não será fácil — como, aliás, nunca foi « Viomundo – O que você não vê na mídia

31/12/2012 - 18h24

[…] Leandro Fortes: Jornalismo à moda de Al Capone […]

Responder

Belmiro Machado Filho

31/12/2012 - 14h00

Folha= Revista CARAS DE BANDIDO. Simples assim!

Responder

J.Carlos

31/12/2012 - 12h33

Se alguém ainda tinha alguma dúvida sobre quão enredado está o PiG com o crime organizado, praticamente fundidos numa coisa só, basta este ato falho da Folha para acabar com qualquer dúvida.
E, por outro lado, isto sim é um verdadeiro acinte ao povo brasileiro: este criminoso estar livre, leve e solto e seus asseclas da ‘veja’ não terem sido sequer citados na CPMI onde o gângster é o principal figurante.

Responder

abolicionista

31/12/2012 - 11h28

Não sei se todos perceberam, mas a Folha “esqueceu” de notificar que havia sim um político na festa: o vereador Fernando Cunha Neto, do PSDB.
As falas do bicheiro Cachoeira e de Andressa transcritas pela Folha, que em momento algum são desmentidas, tentam desvinculá-los do mundo da política:

“Cachoeira explicou ainda porque optou por um grupo restrito de cerca de 35 convidados, a maioria de Anápolis: ‘Estou me afastando dos políticos.’
[…]
“Andressa diz ter tremido dentro do vestido de renda, modelo curto, da estilista Letícia Bronstein. Questionada sobre a ausência de parlamentares, ela foi na linha do marido: ‘Nada de político.’ ”

Nada de político? E o vereador do PSDB? Ah, mas ele é praticamente da famiglia, bom como a famigerada Catia Seabra… é tutti buona gente!

Responder

Milton Pereira Neves

30/12/2012 - 21h33

Vamos aos fatos, o contraventor era aliado carnal de Demostenes(PFL-DEM) e Perilo(tucano), e tinha sua vida facilitada por essa gente, e ameaça o PT??? Eu sei que a mafia só ataca os inimigos, então a midia brasileira tem que se perguntar até que ponto os partidos aliados do criminoso esta metido com ele. Caso contrario fica provado de que lado esta a nossa “grande imprensa”. Do lado da MDB Mafia Direitista Brasileira!
Milton Pereira Neves

Responder

J Souza

30/12/2012 - 19h25

Eu não li o que a presidenta Dilma escreveu na folha hoje porque é na folha… Preferi ir à praia…
Mas, me digam, foi sobre o casamento do cachoeira? Sobre a ditabranda? Sobre a ficha falsa?

Responder

renato

30/12/2012 - 13h23

Ele esta bêbado, caindo pelas tabelas!
Se apoiou nos pés da Guria.
A guria ainda não achou para quem vai
jogar o buquete, foram poucas mulheres
solteiras na festa.
Não havia ninguém no estacionamento de trás
da churrascaria.
E a tintura de cabelo do Cachoeira esta escorrendo!

Responder

    renato

    30/12/2012 - 13h26

    E esta em cima da vaga de ANCIÃO.
    Atrapalhando o trafico, ou será o trafego.

Haroldo Cantanhede

30/12/2012 - 13h06

É realmente impressionante o que a nossa Justiça entende como justo; este mafioso é a prova de diversas coisas: que o crime compensa, que a nossa Justiça pode ser comprada e que a mídia afinal domina o país. Os juízes amigos garantirão isso, $empre. E o governo federal, que pediu para apanhar – e parece que gosta – financiando a mídia bandida. Me pergunto aonde isso nos levará.

Responder

Julio Silveira

30/12/2012 - 12h35

A imprensa corporativa brasileira parece mais uma daquelas ramificações a serviço de uma gang da mafia. Agem com ela como prestadoras de serviço de um tipo de vendeta, a que busca assassinar reputações para tirar do caminho adversários que dificultem o caminho a algum de seus braços empresariais. Suas fachadas de moralidade.

Responder

josé maria de souza

30/12/2012 - 12h00

E que tal a insistência da folha em chamar o Cachoeira de empresário?
josé maria de souza

Responder

Pedro luiz

30/12/2012 - 10h07

Cachoeira e Andressa: Casal vinte da imprensa Pigiana.Bom pelo menos o Carlinhos dormiu umas noites da cadeia apesar do Tourinho querer soltá-lo a mando da dona Andressa e da imprensa nativa.Pergunto aos críticos do governo que já desfilaram nos coementários. Vcs lembram de algum Carlinhos preso por tanto tempo na época da turma do FHC e Cia.?

Responder

Messias Franca de Macedo

30/12/2012 - 02h06

… O padre deve integrar a organização(!) Millenium!…

Que país é este, sô?!… “É o ‘BRAZIL’ mudado radicalmente [RISOS] por um menino pobre, xodó contemporâneo da ‘veja’ &$ do restante do PIGolpista/terrorista/antinacionalista!…”

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

João-PR

30/12/2012 - 02h02

Agora com o entendimento que o STF fez da Teoria do Domínio do Fato, é só o Cachoeira “delatar” que mandam prender até o Papa Bento XVI.

Responder

Ronaldo Silva

30/12/2012 - 01h36

Tem mais que apanhar mesmo, o PT se transformou no partido do silêncio sorrateiro.

Responder

Marat

29/12/2012 - 23h06

Já que Derli deu a deixa, vamos fazer uma enquete: Quem foram os padrinhos do Cachoeira?
Eu cravo estes:
1) Perilo;
2) Demóstenes;
3) Policarpo;
4) Civita;
5) FHC;
6) Eliane Cantanhêde;
7) Judith Brito;
8) Míriam Leitão…

Responder

    renato

    30/12/2012 - 13h17

    Miriam Leitão, porque ela entende de gastos
    e cuida de finanças.

    Mário SF Alves

    30/12/2012 - 15h17

    Errado. Os padrinhos foram indicados pelo HSBC; superlavanderia recentemente multada pelo governo do EUA em aproximadamente 1,5 bilhão de dólares. A multa, na realidade, uma insignificância, é “impacto” a ser amortecido por lucros obtidos em coisa de quatro a seis semanas. Tudo sob o pretexto de que medidas mais duras iriam/poderiam provocar um CRASH em todo o sistema financeiro.
    _____________________________________

    INTOCÁVEIS todos eles, portanto.
    ____________________________________________________
    No Brasil, um dos exemplos da intocabilidade vai por conta do HD do Dantas, obtido na Operação Satiagraha (solta e agarra?) que, se aberto/acessado, jogaria por terra a República.
    ___________________________________________________________
    Sutileza ou realismo? Seja como for, a máfia local nada tem de sutil. É caipira ao ponto de recém-casado ficar de quatro ao beijar publicamente os delicados pezinhos de certa noivinha dossietizada.

    Messias Franca de Macedo

    30/12/2012 - 16h48

    Prezado e valoroso Marat, dá licença, o matuto pede passagem!

    9) um dos magistrados “dos cheirosos”: [Fernando da Costa] Tourinho Neto;
    10) Salvatore Cacciola;
    11) ‘o médico monstro do nome difícil’ disfarçado de ‘Rei Momo’ e acompanhado de uma ‘globeleza’!

    Viva “o ‘BRAZIL’ radicalmente mudado por um menino pobre!” E, pasme, este menino pobre não responde pelo nome de Luiz Inácio Lula da Silva do Brasil!…

    Feliz Carnaval! Perdão, ato falho -, feliz Ano Novo!

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

José de Queiroz

29/12/2012 - 22h27

Quem sabe não conseguirão a tal denúncia (munição) durante a lua de mel?
O jogo será muito pesado e baixo até 2014. Não desistem nunca. Ainda por cima agora com o aliado STF.

Responder

    Messias Franca de Macedo

    30/12/2012 - 11h39

    … O nome da lua de mel: ‘garganta profunda’, título inspirado na “grande OBRA-prima do cinema pornô internacional!”

    Que país é este, sô?!…
    … “É o ‘BRAZIL’ mudado radicalmente [RISOS] por um menino pobre, xodó contemporâneo da ‘veja’ &$ do restante do PIGolpista/terrorista/antinacionalista!…”

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

Carlos

29/12/2012 - 21h03

só faço uma pergunta:

Onde estão os revoltados da internet que tanto brandaram com o julgamento do mensalão, agora. Será que foram todos convidados pro casamento?

Responder

xacal

29/12/2012 - 20h30

O gesto genuflexório tem razão de ser.

Ao “coagir” o Juiz da causa, ela tornou-o impedido. Todos os seus atos poderiam ser questionados como resultado de “sentimento pessoal” pela afronta.

Uma estratégia bem articulada, com extrema coragem e desafio às instituições estabelecidas, e ao que parece, com apoio e estofo de sempre: um juiz “amigo”, mídia de coleira, e advogados (bons) e bem pagos!

Some-se a “natural atração(fatal?)” que a estampa da mulher causa, gestos teatrais, e bingo(sem trocadilho):

Siamo tutti buona genti.

Responder

eca

29/12/2012 - 20h21

Näo, näo posso parar,se eu paro eu penso, se eu penso eu choro.

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

29/12/2012 - 19h52

O CRIME ORGANIZADO E A LAVAGEM DE DINHEIRO

Deveríamos abrir uma ampla discussão sobre esse assunto. A ocorrência é grave demais e devemos exigir uma ampla investigação, pois o crime organizado permeia vastas áreas do nosso país. O Demóstenes e demais investigados pela Polícia Federal devem ser punidos exemplarmente.

Estudos sérios estimam que há, aproximadamente, 3% de psicopatas no meio da sociedade. Considerando um país com população de 190 milhões, eles são, assim, 5.7 milhões. Eles são inteligentes, dissimulados, autoritários e bem informados. Conseguem, com suas artimanhas, manter muitos políticos sob sua batuta, depois de corrompê-los. Vide um exemplo recente, o Carlinhos Cachoeira.

“É preciso distinguir entre a reciclagem local e internacional.

O primeiro caso é ilustrado de maneira exemplar pela cidade de Reggio, na Calábria, 190 mil habitantes na ponta da “bota”. Corso Garibaldi: 02 Km de butiques ultrachiques ao longo de uma via reservada aos pedestres.

Pode-se adquirir o que há de melhor em matéria de moda e design: roupas assinadas por Valentino ou Calvin Klein, bolsas Vuitton ou móveis Armani. Mas estas butiques estão vazias. Ninguém compra nada! Um mistério logo explicado por Vicenzo Macri, magistrado: “Estas lojas não são mais que vitrines. Pouco importa que não vendam nada. O proprietário emite a cada noite tíquetes de caixa como se houvesse vendas. E assim é lavado o dinheiro sujo da droga…”.

Como está sendo executada a lavagem de dinheiro em nosso país?

Seguramente é tão ou mais escancarada que esse procedimento usado na cidade de Reggio, na Calábria.

Se acontecer uma simples auditoria, nada de anormal vai ser encontrado.

Esses psicopatas, em sua maioria, pagam pontualmente os impostos, compram e vendem com nota fiscal, tudo, aparentemente, parece muito perfeito.

Para os desavisados são empresários competentes e bem sucedidos! Crescem como pés de banana plantados perto da várzea. Só que fazem parte de uma espécie de bananeira que mesmo plantada na caatinga cresce como se estivesse ao lado do brejo.

Não há crise econômica para esses senhores. Suas pegadas são claras e escancaradas para quem entende um mínimo do assunto.

Por que tudo isso acontece? Porque, aqui, eles têm mais liberdade que por lá, na Península Itálica.

Sugiro que leiam: Gomorra, livro de Roberto Saviano e os livros, sobre o tema, do Juiz Fausto de Sanctis; além de pesquisar palestras e artigos na internet.

Responder

Gerson Carneiro

29/12/2012 - 19h39

Eu acho que o Leandro Fortes tá é com inveja rsrsrs

Responder

    Messias Franca de Macedo

    30/12/2012 - 03h27

    A FOTO QUE TRADUZ 2012, ‘O ANO DA JUSTIÇA’, SEGUNDO O PIG!

    EM TEMPO FUNESTO/GOLPISTA/TERRORISTA: o presente de Gilmar Mendes aos recém nubentes: [a devolução de] dois passaportes!… Só mesmo sorrindo! E/ou chorando!…

    … O fim do mundo é aqui!…

    … É ou não é uma republiqueta de bananas?!…

    Que país é este, sô?!… “É o ‘BRAZIL’ mudado radicalmente [RISOS] por um menino pobre, xodó contemporâneo da ‘veja’ &$ do restante do PIGolpista/terrorista/antinacionalista!…”

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

    José Ricardo Romero

    30/12/2012 - 08h47

    Que pernas feias.

    renato

    30/12/2012 - 13h18

    Que mulher feia!

    Rafael Kurdt

    02/01/2013 - 10h44

    Ela não é feia.

    Mas tem o caráter duvidoso, típico daquele ditado: “quem vê cara…”.

    Cada um tem seu próprio gosto.

    __

    Gerson Carneiro

    30/12/2012 - 13h11

    Eu não entendi o microfone apontando para baixo.

    Mário SF Alves

    30/12/2012 - 15h39

    Para registrar o som do beijo, ora. Imagine o valor documental de um som desse?. Tutti, tutti mui estórico.

Marat

29/12/2012 - 19h36

Primeiro tenho de dizer algo sobre o Fortes: Ele é SANSACIONAL!!!!!!!!! DEVASTADOR com a pena na mão!!!!!!!!
Agora, voltemos ao país do PSDB e do PIG: o Brazil (ou Brasil do B)… pois é, o colunismo social da Folha adula um dos editores da veja (caixas baixas mesmo!) num cinismo que beira o grotesco… Será que não percebem que nós somos inteligentes, e percebemos sua troca de favores, seu provincianismo e seu senso de parcialidade, pró-direita ladra e corrupta? Creio que nem peixe morto aceite ser embrulhado em tão nojento papel!
PS.: Precisamos criar 50 verbetes acerca dos 50 piores jornalistas do Brasil. Eu já tenho até o título do livro: 50 tons de marrom: como o jornalismo brasileiro se transformou num lixo. Aguardo respostas… Abraços

Responder

    Denise

    29/12/2012 - 21h36

    Boa! Aguardo a publicação.

    Marat

    29/12/2012 - 23h01

    Denise, sugiro que cada um de nós faça um verbete dos 50 “jornalistas”… Abraços

Derli

29/12/2012 - 19h28

A pergunta que não quer calar: “O odair cunha foi padrinho do noivo?”

Responder

    francisco niterói

    29/12/2012 - 20h00

    O odair votou no relatorio em que o cachoeira seria indiciado, bem como todos do PT, o que totalizou, somado ao de outros oartidos, 16 votos.

    A oposicao, liderada pelo PSDB, e outros, entre os quais gente do PMDB, obteve 18 votos.

    Sendo assim, o seu comentario é sem pé nem cabeça.

    Vc poderia oerguntar, por ex., pelo alvaro dias. Nao sou advogado do odair, mas acho que HONESTIDADE INTELECTUAL cabe num contraditorio de nivel.

    francisco niterói

    29/12/2012 - 22h15

    Em tempo: quando o cachoeira dá declaracoes querendo atacar o PT, quando sabemos de suas ligacoes com o PSDB, do qual ele certamente tem muito a revelar, fica claro que nao foi o PT que o protegeu.

    Estes ataques ao Odair sao admissiveis, so que devem ser precedidos de maiores ataques aos opositores. E ao Odair no maximo por recuo, recuo este que, como vimos, foi ate uma tentativa desesperada de indiciar o perillo ja que o policarpo era impossivel.

    Agora atacar o odair pelo resultado da CPMI, mesmo apos a divulgacao d quem votou a favor e contra, revela DESONESTIDADE INTELECTUAL. Nao é mesmo, PHA?

Ozzy Gasosa

29/12/2012 - 19h25

Que nojo dessa imprensa bandida.

Responder

Diogo Costa

29/12/2012 - 19h24

HERÓIS E INFAMES – A cobertura da mídia venal sobre o casamento de Cachoeira é desconcertante… Essa glorificação e romantização do casal que tem bens estimados em R$ 160.000.000,00 dá bem a medida da parcialidade atroz de nossa “grande imprensa” na cobertura dos fatos jornalísticos.

Enquanto os réus da AP 470 são tratados como demônios infames indignos de qualquer consideração, a cobertura sobre o casal do cerrado é romanceada, num tom neutro e fático ou até mesmo com ares de futuro filme B de Hollywood sobre a vida e obra do ‘grande empresário farmacêutico e de jogos’.

Essa cobertura com dois pesos e duas medidas tem uma razão muito simples e bem singela. Carlos Cachoeira foi durante anos e mais anos um dileto informante da mídia venal, em especial da revistinha fascistóide chamada Veja. Ele usou e foi usado pelos meios oligopólicos de desinformação para garantir seus polpudos negócios com o setor estatal. A moeda de troca era fornecer informações obtidas através de ampla e mafiosa rede de arapongagem e espionagem profissionais para destruir o governo federal capitaneado antes por Lula e agora por Dilma. Nítidos, cristalinos e espúrios fins políticos (Demóstenes Torres que o diga…)!

Há muito tempo a “grande mídia” nacional sataniza os adversários e glorifica os seus comparsas. Talvez seja por isso que a população brasileira tenha cada vez mais desconfiança sobre as viciadas reportagens veiculadas por essas corporações empresariais. E assim caminha o gigante do hemisfério Sul, deitado (eternamente?) em berço esplêndido e esperando pela boa vontade da mídia venal ou que a Ley de Medios caia milagrosamente do céu.

Só está faltando o Arnaldo Jabor fazer um filme exaltando os magníficos e imprescindíveis trabalhos prestados ao país por “Andressa Bonnie e Clyde Cachoeira”…

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

29/12/2012 - 19h22

OS MAFIOSOS NA ITÁLIA. E NO BRASIL?

O CRIME ORGANIZADO E A LAVAGEM DE DINHEIRO

Deveríamos abrir uma ampla discussão sobre esse assunto. A ocorrência é grave demais e devemos exigir uma ampla investigação, pois o crime organizado permeia vastas áreas do nosso país. O Demóstenes e demais parlamentares investigados pela Polícia Federal devem ser punidos exemplarmente.

Estudos sérios estimam que há, aproximadamente, 3% de psicopatas no meio da sociedade. Considerando um país com população de 190 milhões, eles são, assim, 5.7 milhões. Eles são inteligentes, dissimulados, autoritários e bem informados. Conseguem, com suas artimanhas, manter muitos políticos sob sua batuta, depois de corrompê-los. Vide um exemplo recente, o Carlinhos Cachoeira.

VEJAM ESSE RESUMO DA PUBLICAÇÃO.

Itália: “Ndrangheta, a máfia calabresa que controla 80% do tráfico mundial de cocaína”.

05/09/2008 – Editado por correio internacional
Le Nouvel Observateur
Graças a negociações com os colombianos, a ‘Ndrangheta prospera. Familiar e sangrenta, ela se infiltrou na Europa e não para de crescer.
A “Cosa Nuestra” e sua prima longínqua, a ‘Ndrangheta, estão se preparando para agir. A Sicília e a Calábria, seus respectivos bastiões, serão brevemente ligadas por uma das maiores pontes suspensas do mundo. Uma imensa obra de arte que correrá por 3,3 km sobre o Estreito de Messina. As duas máfias estão menos preocupadas com as proezas tecnológicas do que com a ponte de ouro que representa este investimento de 6 bilhões de Euros. Terceirizações, expropriações, desvios diversos e variados… Esta passarela jogada entre as duas famosas armadilhas de Caríbdis e Cila deveria permitir mensurar a potência de dois monstros da mitologia moderna. E, neste exercício, não é certo que seja a ‘Ndrangheta quem perca.

Nós a víamos como uma organização folclórica, selvagem e limitada a sua terra natal, especializada em sequestros dignos de outra época. No dia 15 de agosto de 2007, ela ingressou no grupo dos grandes do crime organizado com um massacre em Duisburg, na Alemanha. Seis mortes, todos jovens mafiosos emigrados na República Federal [Alemã] e abatidos a tiros de metralhadora em nome de uma faida, uma antiga vingança entre famílias calabresas. Neste dia, o mundo descobriu uma máfia ultramoderna, que havia investido em redes de pizzarias, que possuía um verdadeiro capital imobiliário, sobretudo nos países do Leste [Europeu], e lavava o dinheiro sujo em grande escala. Desde então, o chefe do principal clã familiar, Guiseppe Nirta, foi detido. Outras detenções seguiram: financeiros, armeiros… 52 prisões ao todo. Embora sangrada, a organização não foi decapitada. Longe disso.

A ‘Ndrangheta (do grego andraghatos: homem valoroso!) é um império que reivindica 7 mil afiliados. Como confirma o historiador Enzo Ciconte, ela “controla 80% do tráfico mundial de cocaína”. Ela superou a “Cosa Nuestra” junto aos traficantes colombianos. Seu faturamento foi avaliado em 44 bilhões de Euros em 2007, seja 3,5% do PIB italiano, segundo o instituto Eurispes. Mais que qualquer outra organização, ela tem capacidade de realizar, hoje, todo o tipo de transação internacional, lavar o dinheiro da droga, coletar um “imposto”, o pizzo, e oferecer oportunidades inesperadas de lucro e prosperidade social em um contexto onde o desemprego alcança 30% dos jovens. Uma influência adquirida lentamente, na sombra, no silêncio e no medo.

“A Europa e o mundo estão lotados de ‘ndranghetistas”, confirma Ciconte. “Na Alemanha, na Holanda, na Espanha e mesmo na França (Juan-les-Pins, Nice, Saint-Ettienne), sem esquecer o Canadá, a América Latina e a Austrália”. Como explicar esse formidável sucesso? Primeiro, o declínio da “Cosa Nuestra” sobre o mercado do crime. A velha máfia siciliana perdeu sua credibilidade após a prisão de diversos de seus integrantes, o que decapitou a organização (seus principais chefes estão presos, de Toto Riina a Bernardo Provenzano, passando pelo herdeiro designado, Salvatore Lo Piccolo, preso ano passado em Palermo). Um pizzino (bilhete) assinado por Mateo Messina Denaro, um dos raros chefes a ter escapado à prisão, resume a situação em 2006: “Logo, não haverá mais ninguém… vão prender até mesmo as cadeiras…”. Mas, em razão de sua estrutura piramidal, quando um capomandamento – um chefe da Cosa Nostra – é detido, uma seção inteira da organização desmorona. Pior: o mafioso confessa tudo e se torna um arrependido, colaborando com o Estado.

Este é um risco que não assume a ‘Ndrangheta. Sua estrutura a base de locali territoriais, sem ligação entre si, dissuade os desejos de deserção. “Não há arrependido na máfia calabresa, com exceção de dois colaboradores de pequena importância”, lembra Nicolas Grattieri, o magistrado encarregado das investigações sobre Duisburg. Mas além da compartimentação rígida, é a consanguinidade que salva a unidade da ‘Ndrangheta. Podem-se contar quatro gerações de casamentos cruzados desde 1900, o que reduz o risco de colaboração com a Justiça: não podemos entregar nossa própria família! Tudo isso contribui para forjar um organismo criminal tão sólido quando o granito. Um interlocutor sério e eficaz para os cartéis colombianos, que paga à vista os carregamentos de cocaína. As ligações se multiplicam por toda parte. “Eu contei 24 hotéis-restaurantes da ‘Ndrangheta na ‘zona vermelha’ de Bogotá”, confirma o magistrado Grattieri. Estes calabreses imigrantes vivem como agentes convenientes, adianta.

Eles têm contatos permanentes com os fornecedores colombianos e compram a “coca” no Cartel de Cali a 1.200 Euros por quilo, quando a matéria tem 98% de pureza. Mas, no mercado europeu, um grama de cocaína misturada custa 70 Euros, obtendo, assim, 70000 Euros por cada Kg. Podemos imaginar os lucros! Um milhão de Euros transforma-se em cinqüenta e oito milhões. Mas como lavar este dinheiro?

Aí, é preciso distinguir entre a reciclagem local e internacional.

O primeiro caso é ilustrado de maneira exemplar pela cidade de Reggio, na Calábria, 190 mil habitantes na ponta da “bota”. Corso Garibaldi: 02 Km de butiques ultrachiques ao longo de uma via reservada aos pedestres. Pode-se adquirir o que há de melhor em matéria de moda e design: roupas assinadas por Valentino ou Calvin Klein, bolsas Vuitton ou móveis Armani. Mas estas butiques estão vazias. Ninguém compra nada! Um mistério logo explicado por Vicenzo Macri, magistrado: “Estas lojas não são mais que vitrines. Pouco importa que não vendam nada. O proprietário emite a cada noite tíquetes de caixa como se houvesse vendas. E assim é lavado o dinheiro sujo da droga…”.

Ao nível internacional, os mafiosos calabreses apresentam-se como perfeitos homens de negócios. “Consegui capturar seis que faziam tráfico de drogas entre a Bélgica, a Holanda e a França, movendo somas importantes de capitais. Eles falavam quatro línguas. E estavam irreconhecíveis para um calabrês como eu”, conta Grattieri. “A Europa está cheia de ‘ndranghetistas”, confirma Salvatore Boemi, procurador adjunto de Reggio. Eles se apoiam sobre os “locali”, de aproximadamente 50 pessoas cada um, instalados de maneira fixa sobre o território. “Nós sabemos que há um “locali” em Nice, por exemplo”, segue Boemi.

Mas segundo ele, é nos países do Leste que a ‘Ndrangheta se desenvolve mais rapidamente. Uma escuta telefônica já considerada velha, pois data de 1989, é explícita sobre esse assunto: “Compre tudo!”, diz um ‘ndranghetista a seu interlocutor. “Tudo o que?”, responde. “Tudo: imóveis, cafés, restaurantes, hotéis. O Muro [de Berlim] caiu”.

A Ndrangheta sabe explorar as carências da legislação internacional e a má cooperação entre os serviços de policiamento. Com sua fabulosa mescla de arcaísmo (para os valores) e modernidade (para os métodos), ela se tornou a organização criminosa de ponta no Ocidente. “Espera-se que os governos europeus se deem conta”, dizem em coro os magistrados Boemi, Grattieri e Macri. Estes não são mais que combatentes solitários às máfias.
Marcelle Padovan

Como está sendo executada a lavagem de dinheiro em nosso país?

Seguramente é tão ou mais escancarada que esse procedimento usado na cidade de Reggio, na Calábria.

Se acontecer uma simples auditoria, nada de anormal vai ser encontrado. Esses psicopatas, em sua maioria, pagam pontualmente os impostos, compram e vendem com nota fiscal, tudo, aparentemente, parece muito perfeito.

Para os desavisados são empresários competentes e bem sucedidos! Crescem como pés de banana plantados perto da várzea. Só que fazem parte de uma espécie de bananeira que mesmo plantada na caatinga cresce como se estivesse ao lado do brejo. Não há crise econômica para esses senhores.

Suas pegadas são claras e escancaradas para quem entende um mínimo do assunto. Por que tudo isso acontece? Porque, aqui, eles têm mais liberdade que por lá, na Península Itálica.

Sugiro que leiam: Gomorra, livro de Roberto Saviano e os livros, sobre o tema, do Juiz Fausto de Sanctis; além de pesquisar palestras e artigos na internet.

Esse assunto do HSBC e outros bancos não é nada novo!

Quanto dinheiro jorra dessa fonte inesgotável para campanhas eleitorais? Isso é um câncer agressivo!

Responder

    Mário SF Alves

    31/12/2012 - 00h05

    Gostei da analogia:
    “Para os desavisados são empresários competentes e bem sucedidos! Crescem como pés de banana plantados perto da várzea. Só que fazem parte de uma espécie de bananeira que mesmo plantada na caatinga cresce como se estivesse ao lado do brejo. Não há crise econômica para esses senhores.”
    ________________________________________
    Lembrou-me os áureos tempos da agricultura tradicional, orgânica por natureza, autosustentável por definição. Pena que a ideologia capitalista tenha sido suficientemente forte ao ponto de enterrá-la sob lápide de agricultura de subsistência.
    _________________________________________________
    A propósito: falta verificar alguma série histórica para comprovar tal economia de subsistência, não?
    _____________________________________________
    Parabéns!

Lafaiete de Souza Spínola

29/12/2012 - 19h10

COMO MUDAR O MUNDO: ESTA É A QUESTÃO!

Leiam o tópico sobre o HSBC.

OS MAFIOSOS NA ITÁLIA. E NO BRASIL?

O CRIME ORGANIZADO E A LAVAGEM DE DINHEIRO

Deveríamos abrir uma ampla discussão sobre esse assunto. A ocorrência é grave demais e devemos exigir uma ampla investigação, pois o crime organizado permeia vastas áreas do nosso país. O Demóstenes e demais parlamentares investigados pela Polícia Federal devem ser punidos exemplarmente.

Estudos sérios estimam que há, aproximadamente, 3% de psicopatas no meio da sociedade. Considerando um país com população de 190 milhões, eles são, assim, 5.7 milhões. Eles são inteligentes, dissimulados, autoritários e bem informados. Conseguem, com suas artimanhas, manter muitos políticos sob sua batuta, depois de corrompê-los. Vide um exemplo recente, o Carlinhos Cachoeira.

VEJAM ESSE RESUMO DA PUBLICAÇÃO.

Itália: “Ndrangheta, a máfia calabresa que controla 80% do tráfico mundial de cocaína”.

05/09/2008 – Editado por correio internacional
Le Nouvel Observateur
Graças a negociações com os colombianos, a ‘Ndrangheta prospera. Familiar e sangrenta, ela se infiltrou na Europa e não para de crescer.
A “Cosa Nuestra” e sua prima longínqua, a ‘Ndrangheta, estão se preparando para agir. A Sicília e a Calábria, seus respectivos bastiões, serão brevemente ligadas por uma das maiores pontes suspensas do mundo. Uma imensa obra de arte que correrá por 3,3 km sobre o Estreito de Messina. As duas máfias estão menos preocupadas com as proezas tecnológicas do que com a ponte de ouro que representa este investimento de 6 bilhões de Euros.

Terceirizações, expropriações, desvios diversos e variados… Esta passarela jogada entre as duas famosas armadilhas de Caríbdis e Cila deveria permitir mensurar a potência de dois monstros da mitologia moderna. E, neste exercício, não é certo que seja a ‘Ndrangheta quem perca.
Nós a víamos como uma organização folclórica, selvagem e limitada a sua terra natal, especializada em sequestros dignos de outra época. No dia 15 de agosto de 2007, ela ingressou no grupo dos grandes do crime organizado com um massacre em Duisburg, na Alemanha. Seis mortes, todos jovens mafiosos emigrados na República Federal [Alemã] e abatidos a tiros de metralhadora em nome de uma faida, uma antiga vingança entre famílias calabresas. Neste dia, o mundo descobriu uma máfia ultramoderna, que havia investido em redes de pizzarias, que possuía um verdadeiro capital imobiliário, sobretudo nos países do Leste [Europeu], e lavava o dinheiro sujo em grande escala. Desde então, o chefe do principal clã familiar, Guiseppe Nirta, foi detido. Outras detenções seguiram: financeiros, armeiros… 52 prisões ao todo. Embora sangrada, a organização não foi decapitada. Longe disso.

A ‘Ndrangheta (do grego andraghatos: homem valoroso!) é um império que reivindica 7 mil afiliados. Como confirma o historiador Enzo Ciconte, ela “controla 80% do tráfico mundial de cocaína”. Ela superou a “Cosa Nuestra” junto aos traficantes colombianos. Seu faturamento foi avaliado em 44 bilhões de Euros em 2007, seja 3,5% do PIB italiano, segundo o instituto Eurispes. Mais que qualquer outra organização, ela tem capacidade de realizar, hoje, todo o tipo de transação internacional, lavar o dinheiro da droga, coletar um “imposto”, o pizzo, e oferecer oportunidades inesperadas de lucro e prosperidade social em um contexto onde o desemprego alcança 30% dos jovens. Uma influência adquirida lentamente, na sombra, no silêncio e no medo.

“A Europa e o mundo estão lotados de ‘ndranghetistas”, confirma Ciconte. “Na Alemanha, na Holanda, na Espanha e mesmo na França (Juan-les-Pins, Nice, Saint-Ettienne), sem esquecer o Canadá, a América Latina e a Austrália”. Como explicar esse formidável sucesso? Primeiro, o declínio da “Cosa Nuestra” sobre o mercado do crime. A velha máfia siciliana perdeu sua credibilidade após a prisão de diversos de seus integrantes, o que decapitou a organização (seus principais chefes estão presos, de Toto Riina a Bernardo Provenzano, passando pelo herdeiro designado, Salvatore Lo Piccolo, preso ano passado em Palermo). Um pizzino (bilhete) assinado por Mateo Messina Denaro, um dos raros chefes a ter escapado à prisão, resume a situação em 2006: “Logo, não haverá mais ninguém… vão prender até mesmo as cadeiras…”. Mas, em razão de sua estrutura piramidal, quando um capomandamento – um chefe da Cosa Nostra – é detido, uma seção inteira da organização desmorona. Pior: o mafioso confessa tudo e se torna um arrependido, colaborando com o Estado.

Este é um risco que não assume a ‘Ndrangheta. Sua estrutura a base de locali territoriais, sem ligação entre si, dissuade os desejos de deserção. “Não há arrependido na máfia calabresa, com exceção de dois colaboradores de pequena importância”, lembra Nicolas Grattieri, o magistrado encarregado das investigações sobre Duisburg. Mas além da compartimentação rígida, é a consanguinidade que salva a unidade da ‘Ndrangheta. Podem-se contar quatro gerações de casamentos cruzados desde 1900, o que reduz o risco de colaboração com a Justiça: não podemos entregar nossa própria família! Tudo isso contribui para forjar um organismo criminal tão sólido quando o granito. Um interlocutor sério e eficaz para os cartéis colombianos, que paga à vista os carregamentos de cocaína. As ligações se multiplicam por toda parte. “Eu contei 24 hotéis-restaurantes da ‘Ndrangheta na ‘zona vermelha’ de Bogotá”, confirma o magistrado Grattieri. Estes calabreses imigrantes vivem como agentes convenientes, adianta. Eles têm contatos permanentes com os fornecedores colombianos e compram a “coca” no Cartel de Cali a 1.200 Euros por quilo, quando a matéria tem 98% de pureza. Mas, no mercado europeu, um grama de cocaína misturada custa 70 Euros, obtendo, assim, 70000 Euros por cada Kg. Podemos imaginar os lucros! Um milhão de Euros transforma-se em cinqüenta e oito milhões. Mas como lavar este dinheiro?

Aí, é preciso distinguir entre a reciclagem local e internacional.

O primeiro caso é ilustrado de maneira exemplar pela cidade de Reggio, na Calábria, 190 mil habitantes na ponta da “bota”. Corso Garibaldi: 02 Km de butiques ultrachiques ao longo de uma via reservada aos pedestres. Pode-se adquirir o que há de melhor em matéria de moda e design: roupas assinadas por Valentino ou Calvin Klein, bolsas Vuitton ou móveis Armani. Mas estas butiques estão vazias. Ninguém compra nada! Um mistério logo explicado por Vicenzo Macri, magistrado: “Estas lojas não são mais que vitrines. Pouco importa que não vendam nada. O proprietário emite a cada noite tíquetes de caixa como se houvesse vendas. E assim é lavado o dinheiro sujo da droga…”.

Ao nível internacional, os mafiosos calabreses apresentam-se como perfeitos homens de negócios. “Consegui capturar seis que faziam tráfico de drogas entre a Bélgica, a Holanda e a França, movendo somas importantes de capitais. Eles falavam quatro línguas. E estavam irreconhecíveis para um calabrês como eu”, conta Grattieri.

“A Europa está cheia de ‘ndranghetistas”, confirma Salvatore Boemi, procurador adjunto de Reggio. Eles se apoiam sobre os “locali”, de aproximadamente 50 pessoas cada um, instalados de maneira fixa sobre o território. “Nós sabemos que há um “locali” em Nice, por exemplo”, segue Boemi.

Mas segundo ele, é nos países do Leste que a ‘Ndrangheta se desenvolve mais rapidamente. Uma escuta telefônica já considerada velha, pois data de 1989, é explícita sobre esse assunto: “Compre tudo!”, diz um ‘ndranghetista a seu interlocutor. “Tudo o que?”, responde. “Tudo: imóveis, cafés, restaurantes, hotéis. O Muro [de Berlim] caiu”.

A Ndrangheta sabe explorar as carências da legislação internacional e a má cooperação entre os serviços de policiamento. Com sua fabulosa mescla de arcaísmo (para os valores) e modernidade (para os métodos), ela se tornou a organização criminosa de ponta no Ocidente. “Espera-se que os governos europeus se deem conta”, dizem em coro os magistrados Boemi, Grattieri e Macri. Estes não são mais que combatentes solitários às máfias.
Marcelle Padovan

Como está sendo executada a lavagem de dinheiro em nosso país?

Seguramente é tão ou mais escancarada que esse procedimento usado na cidade de Reggio, na Calábria. Se acontecer uma simples auditoria, nada de anormal vai ser encontrado. Esses psicopatas, em sua maioria, pagam pontualmente os impostos, compram e vendem com nota fiscal, tudo, aparentemente, parece muito perfeito.

Para os desavisados são empresários competentes e bem sucedidos! Crescem como pés de banana plantados perto da várzea. Só que fazem parte de uma espécie de bananeira que mesmo plantada na caatinga cresce como se estivesse ao lado do brejo.

Não há crise econômica para esses senhores. Suas pegadas são claras e escancaradas para quem entende um mínimo do assunto. Por que tudo isso acontece? Porque, aqui, eles têm mais liberdade que por lá, na Península Itálica.

Sugiro que leiam: Gomorra, livro de Roberto Saviano e os livros, sobre o tema, do Juiz Fausto de Sanctis; além de pesquisar palestras e artigos na internet.

Esse assunto do HSBC e outros bancos não é nada novo!

Quanto dinheiro jorra dessa fonte inesgotável para campanhas eleitorais? Isso é um câncer agressivo!

Responder

abolicionista

29/12/2012 - 19h06

É mais um capítulo da tragicomédia tupiniquim. Dá vontade de vomitar, mas não convém perder as estribeiras, porque pode piorar muito.

Enquanto isso, a gente tem mais é que pressionar pela lei de mídia e pelo fim da bolsa-golpismo.

Responder

Da série ‘Que mundo é este?’ |

29/12/2012 - 19h04

[…] a pena ler com atenção este texto de Leandro Fortes, um dos grandes repórteres de política do país, sobre o casamento de Carlinhos Cachoeira, o […]

Responder

Casamento de Cachoeira, Jornalismo à moda de Al Capone, Por Leandro Fortes « ENCALHE

29/12/2012 - 18h53

[…] De política, só com orientação dos meus advogados’.” É um gentleman, esse Cachoeira. VIOMUNDO 0.000000 0.000000 Divulgue a palavraDiggTwitterFacebookGostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar […]

Responder

J Souza

29/12/2012 - 18h44

Talvez alguns CRIMES sejam bem tolerados pelos leitores da folha, o jornal da ditabranda… Seletividade…

Responder

João Caveira

29/12/2012 - 18h43

Acho que agora o governo reage. Na próxima indicação ao STF a Dilma vai cravar no Tourinho. Duvidam?

Responder

Rodrigo Falcon

29/12/2012 - 18h17

Esse governo, assim como de Lula, em matéria de liberdade de informação, colhe o que plantou. Infelizmente, nada de novo no front, aliás para eles nem front existe.

Responder

    Rodrigo Falcon

    29/12/2012 - 18h28

    Aliás, em outros “fronts”, não só recuou como entregou-se as teias de aranha do abandono e do superfaturamento. AZENHA E CONCEIÇÃO LEMES, com o perdão da caixa alta: vocês já deram uma OLHADINHA nas “obras” da TRANS-NORDESTINA e da TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO? Senão, deveriam farejá-la. Uma dica: passem por Serra Talhada/PE; verão que temos uma versão pós-moderna da famigerada “Ferrovia do Aço”. Os trópicos continuam “tristes”, mas com mais dinheiro…

    Rodrigo Falcon

    29/12/2012 - 18h31

    Correção: *às teias;
    *em lugar de “senão, leia “Se não”;
    Agradeço.

glaisson costa

29/12/2012 - 18h14

quando o governo acordar, vai ser tarde …. depois centenas de explicacoes. pq n agir logo?

Responder

Isidoro Guedes

29/12/2012 - 18h11

O Brasil mudou! Bem, ao menos é isso o que trombeteia a velha, desacreditada e carcomida mídia serviçal das elites econômicas e do reacionarismo mais deslavado de direita. Essa mesma mídia ontem na retrospectiva 2012 do Globo Repórter saudou os “novos tempos” de “justiça”, com a “corrupção derrotada”, com “poderosos” condenados (em referência a José Dirceu e José Genoíno), blá, blá. blá…
Pois bem, é essa mesma mídia que agora cobre (nas “colunas sociais”) o casamento de (Carlinhos Cachoeira) um “escroque” do crime organizado. Mídia que aliás fez com ele dobradinha para fabricar reporcagens e factoides contra o PT e o governo (né Policarpo Jr., né Veja, né Época?) – numa aviltante versão do jornalismo murdochiano versão tupiniquim, o “jornalismo bandido” que o deputado petista Odair “Amarelão” Cunha não teve coragem de citar no seu relatório final da CPMI do Cachoeira).
Nesse Brasil que mudou bodes expiatórios que não tem patrimônio (como o petista José Genoíno) mas são tidos como “poderosos” e “perigosos corruptos” são condenados sem provas numa ação penal montada como circo para execrá-los e satisfazer a mídia. Enquanto um senador do Paraná (o tucano Álvaroi Dias) que gosta de se apresentar como vestal, puro, santo e coisa e tal, deve explicações a RF de seu milionário patrimônio não declarado (talvez porque seja em torno de míseros R$ 16 milhões). Quanta mudança não?!
Nesse Brasil que mudou uns são execrados e outros protegidos pela mídia canalha e pelos canalhas dessa mídia, mesmo que supostamente tenham cometido os mesmos crimes, ou mesmo não cometido crime algum.
Viva o Brasil! Viva a justiça! Vivam os Policarpos, os Cachoeiras e outros (safos) quetais!!!

Responder

sonia santana

29/12/2012 - 17h41

E devem ter mandado, em referencia, um colunista social para comentar o vestido da bandida…O buque deveria ser feito de algemas… Nojo desta midia …cada vez mais bandida.

Responder

Eduardo Lima

29/12/2012 - 17h30

É chumbo grosso contra o PT! Perguntinha básica aos nossos nobres deputados petistas: Adiantou a covardia?

Responder

Deixe uma resposta