VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Seis fortes indícios do interesse dos Estados Unidos nos resultados da Lava Jato

13 de maio de 2017 às 18h40

por Luiz Carlos Azenha

Barack Obama assume a Casa Branca e escala Hillary Clinton para o Departamento de Estado.

O órgão anda enfraquecido relativamente ao Pentágono, que deu as cartas na política externa durante George W. Bush.

Mas, a grana é curta. E Hillary fala em usar mais o “soft power“, apontando o Itamaraty — sob Celso Amorim — como exemplo da eficácia da estratégia.

Soft power é quase como influenciar o vizinho e convencê-lo de que seus interesses são convergentes e que vocês podem trabalhar juntos. Quando Estados Unidos e Belize trabalham juntos, por exemplo, quem tem mais força na relação? E quando isso se dá entre Brasil e Paraguai?

Soft power é usar sua diplomacia para conquistar mercados e obras no Exterior, como fizeram a Suécia no caso dos caça Gripen, o Brasil no caso das obras da Odebrecht e os Estados Unidos no caso do Sistema de Vigilância da Amazônia, o SIVAM:

Da Folha:

Espionagem do governo dos EUA e a ajuda de um militar brasileiro garantiram à companhia norte-americana Raytheon a conquista do Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia), projeto de US$ 1,4 bilhão de proteção da bacia amazônica que será inaugurado na quinta-feira em Manaus.

Documentos oficiais dos Estados Unidos revelam que, em junho e em julho de 1994, nas semanas que antecederam a apresentação final das duas propostas finalistas do processo de seleção do Sivam, a Casa Branca soube, por meio de “fontes dos serviços de inteligência”, que as condições de financiamento oferecidas de forma sigilosa pela francesa Thomson-CSF (que mudou seu nome para Thales em 2000) eram melhores que as da Raytheon.

Com base nessa descoberta, diplomatas americanos reuniram-se sigilosamente com o tenente-brigadeiro Marcos Antônio de Oliveira, então coordenador do processo de seleção da empresa que forneceria equipamentos ao Sivam, e, todos juntos, puseram em prática uma estratégia que melhorou a proposta da Raytheon e garantiu sua vitória. Hoje, Oliveira é o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica.

Os documentos, cerca de 400, são do Departamento de Estado, do Departamento de Comércio, da CIA (agência de inteligência) e da embaixada dos EUA no Brasil. Foram obtidos pela Folha ao longo dos últimos três anos com base na lei norte-americana da liberdade da informação –“Freedom of Information Act”. Outros cem papéis sobre o Sivam foram total ou parcialmente censurados.

No mundo real, é assim que funciona.

É óbvio que os Estados Unidos nunca engoliram a ideia de que o Brasil poderia projetar poder sobre seu “quintal”, na América Latina, disputando mercados e influenciando eleições. Mas, na diplomacia, isso sempre foi assim (mais recentemente, na clara opção preferencial de Vladimir Putin por Donald Trump).

Portanto, é bom juntar os indícios de que os Estados Unidos, se não promoveram diretamente a Operação Lava Jato e o impeachment de Dilma, não assistiram passivamente aos acontecimentos no Brasil —  por exemplo, à aproximação preferencial com os Brics ou atuação destacada nos organismos multilaterais.

Vamos a alguns deles:

1. A National Security Agency (NSA), dos Estados Unidos, espionou a Petrobras e, pessoalmente, a então presidente Dilma Rousseff, que chegou a utilizar um celular comum;

2. Assim que foi dado o golpe contra Dilma, as ações adotadas por Michel Temer na estatal vieram ao encontro dos interesses dos acionistas e, por acaso, dos Estados Unidos: transformar a Petrobras em mera furadora de poço (não mais, como a Shell e a Exxon Mobil, uma empresa que atua do poço à bomba). Isso significa acelerar a produção do pré-sal, o que implica em derrubar o preço internacional do petróleo e abrir mais espaço para as multinacionais, às quais faltam oportunidades de negócios devido ao grande controle estatal sobre o petróleo em todo o mundo;

3. O destaque dado por várias publicações norte-americanas ao juiz Sergio Moro, que estudou nos Estados Unidos e fez um tour pelo país bancado pelo Departamento de Estado;

4. A negativa de visto dos Estados Unidos ao senador Romero Jucá, acusado mas ainda não condenado por envolvimento na Lava Jato. Um recado a outros investigados: não há como escapar;

5. A descoberta, agora, de que o governo Lula — segundo os marqueteiros João Santana e Monica Moura — pode ter interferido na reeleição de Nicolas Maduro na Venezuela e na eleição de Mauricio Funes em El Salvador, através da Odebrecht, fazendo avançar interesses da diplomacia brasileira dentro do “quintal” dos Estados Unidos. É óbvio que Washington tem olhos e ouvidos fiéis nos dois paises e jamais aceitaria que outro país fizesse o que Washington faz todos os dias em todo o planeta.

6. O jogo duro da Lava Jato não apenas com os executivos corruptos, mas com a empresa Odebrecht, uma das maiores exportadoras de serviços do Brasil. Acordos de cooperação internacional fechados pela PGR, dos quais o Executivo brasileiro foi praticamente excluído, são entendimentos entre burocracias que apenas aparentemente são despolitizados. Vejam o caso da Raytheon, acima, para entender que nos Estados Unidos há “vasos comunicantes” e cooperação entre as agencias governamentais, de maneira a colocar acima de tudo os interesses políticos, diplomáticos e econômicos de Washington.

Fiquem, agora, com recente entrevista do jurista Fábio Konder Comparato à Rede Brasil Atual:

Comparato: ‘Prender ou pelo menos incriminar Lula faz parte da política norte-americana’

Para jurista, depoimento de Lula mostrou que “não há o menor indício de prova” contra o ex-presidente. Mas interesses por trás da Lava Jato são poderosos: “Moro é um grande amigo dos Estados Unidos”

por Eduardo Maretti, da RBA

São Paulo – Para o jurista Fábio Konder Comparato, o destaque do depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é que o interrogatório do petista pelo juiz Sérgio Moro em Curitiba, na quarta-feira (10), “demonstra claramente” que a acusação da compra do apartamento no Guarujá pelo próprio Lula ou por sua esposa, Marisa Letícia, é falsa.

Porém, ele avalia que, embora o depoimento tenha mostrado não haver “absolutamente o menor indício de prova” contra Lula, existem interesses enormes por trás da Operação Lava Jato. “É óbvio que a Lava Jato vai procurar prender ou pelo menos incriminar o Lula. Porque isso faz parte, entre outras coisas, da política norte-americana”, diz. “Assim que a Dilma caiu, graças aos esforços de um senador chamado José Serra, eles conseguiram quase imediatamente desnacionalizar o pré-sal.”

Ao comentar o destaque dado hoje pela imprensa comercial do país – segundo a qual Lula atribui a Marisa Letícia o interesse e decisões sobre o apartamento no litoral sul de São Paulo – Comparato ironiza a falta de provas materiais que respaldem as acusações contra o petista. “Veja só, essa é uma prova da falsidade do Lula.”

O que o sr. destacaria no depoimento de Lula?

A parte que vi demonstra claramente que essa acusação da compra do apartamento no Guarujá é falsa. Mas, de qualquer maneira, é obvio que a Operação Lava Jato vai procurar prender ou pelo menos incriminar o Lula. Porque isso faz parte, entre outras coisas, da política norte-americana. O Moro é, aliás, não digo um agente norte-americano (risos), mas ele é sem dúvida um grande amigo dos Estados Unidos. Ele fez o seu curso de pós-graduação lá. E vai quase todo mês aos Estados Unidos.

Ora, para os americanos, a presidência do Lula não foi nada agradável. Assim que a Dilma caiu, graças aos esforços de um senador chamado José Serra, eles conseguiram quase imediatamente desnacionalizar o pré-sal e depois foram vendendo a Petrobras aos poucos. O que significa que já tiveram este resultado muito importante. Mas o outro resultado importante foi tornar muito difícil a vida dos Brics com a saída do Brasil. O que eu vi no depoimento é que não há absolutamente o menor indício de prova ou qualquer coisa que seja possível apresentar como prova.

Os advogados de Lula falaram em “anomalia e patologia processual” contra o ex-presidente, na Lava Jato…

Sim, e sobretudo em um momento em que o juiz Moro perguntou ao Lula algo sobre o “mensalão”. Ora, se alguém ou alguma parte tivesse perguntado isso, no interrogatório de um réu ou no depoimento de testemunhas, ou seja, nesse caso do tríplex, o juiz iria impedir essa pergunta. E no entanto ele resolveu fazer a pergunta ele próprio.

O sr. concordaria com algumas avaliações de que o juiz Moro teria ficado de certa maneira desmoralizado no processo?

Desmoralizado diante de quem?

Diante da opinião pública.

A opinião pública é falseada pelos meios de comunicação de massa.

A reação popular e a mobilização a Curitiba configuraria um tiro no pé da Lava Jato, como alguns avaliam?

Não, porque eles têm outros processos em andamento e, de qualquer maneira, se os americanos decidiram que o Lula não pode se candidatar, é óbvio que a Justiça brasileira vai impedir esta candidatura.

O sr. destacaria algum trecho específico do depoimento?

Eu vi… tudo aquilo que dizia respeito ao tríplex. Hoje o Estadão põe na primeira página algo como “Marisa tinha interesse no apartamento”. Veja só, essa é uma prova da falsidade do Lula.

A grande imprensa parte agora para essa nova narrativa, como se Lula não tivesse escrúpulos.

Exato, e como se o Lula não fosse uma pessoa adulta e responsável. Teria que responder pela Marisa. Sobretudo porque a Marisa já não está mais no mundo dos vivos, então ela não pode contestar essa questão.

Como o sr. viu a mobilização popular até Curitiba?

Muito boa a mobilização popular. Mas, pelo menos no que diz respeito aos meios de comunicação de massa, ela não foi divulgada.

Leia também:

A carta de Aragão que agora Gilmar Mendes usa contra Janot; releia

 

9 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Gilberto Bueno

16/05/2017 - 21h02

Isso é traição em ultimo grau, alguém precisa perguntar a esse Juiz para quem ele trabalha! Se é para justiça brasileira ou para os EEUU!
Juiz Sergio Moro para quem você trabalha, para Justiça brasileira ou para os EEUU?

Responder

José Fernandes

15/05/2017 - 12h51

Uma parte grande da população ainda assisti a globo, conheço família que liga tv na globo e só desliga as 23:00 então essas pessoas não têm um contra ponto, a verdade é só dá globo,que eu de câncer.

Responder

Julio Silveira

14/05/2017 - 23h11

A muito tempo que já sei que neste país o principal problema é ser brasileiro e ter brasilidade e senso de justiça, principalmente social a flor da pele. Expor isso de forma vibrante te coloca em situações perigosas, podendo correr inclusive risco de vida. Podem ser coladas em você diversas expressões com conotação de trabalhadas para desqualificar, como por exemplo ser chamado de comunista, e tantas outras expressões postas para inibir o sentimento de cidadania, de busca de dignidade patriotica. Nunca engoli o entreguismo, a capitulação antes mesmo de vermos testado nosso potencial como nação. Nunca aceitei ver a farsa de patriotismo de um militarismo que atuou e atua na cessão de nossos maiores interesses a forças que são, na pratica, nossas concorrentes e adversarias economicas e onde anda essa concorrencia não existe amizade.

Responder

Valdir

14/05/2017 - 15h41

Quando vocês deixarão claro quem criou os movimentos “espontâneos”?

Responder

francisco pereira neto

14/05/2017 - 12h59

Quando o “Da Redação” bota o chamegão no texto, como neste caso, tenho certeza com quem estou falando.
Azenha sempre perspicaz e pontuais nas suas avaliações.
Infelizmente os governos progressistas de Lula/Dilma não cuidaram com a devida importância dos aspectos estratégicos da geopolítica.
Estou surpreso com a informação do texto que o Brasil não mais faz parte dos Brics.
Agora, uma coisa que não entendo; enquanto o Brasil era figura importante nos Brics, nada foi feito por esse bloco em proteger um dos seus membros, dos mais importantes e estratégicos, pelos seus pares.
Os EUA sempre nadaram de braçadas aqui nestas terras, como pontuou o Azenha.
Acrescento notícia de hoje do uol que procuradores franceses estiveram no país para apurar “propinas” no projeto de enriquecimento de urânio desenvolvido pelo Almirante Othon, tudo com o beneplácito do comando da Marinha.

Responder

Francisco

13/05/2017 - 22h01

O que me deixa perplexo é a classe militar brasileira ter tanta dificuldade em identificar quem é nacionalista de quem não é.

Ainda mais no caso do Brasil onde há de um lado nacionalistas que não precisariam ser (os socialistas) e canalhas que deveriam por dever e até interesse econômico sê-lo (os empresários).

Ou alguém imagina Sarney, Collor, FHC (o tal que chama o 7 de setembro de “palhaçada”, na cara das Forças Armadas…) ou Temer construindo submarino, prestigiando o Alm. Othon, criando capacidade nacional em caças e em tanques?

Responder

    Fabiano

    16/05/2017 - 15h46

    As FFAAs não querem enxergar nacionalismo na esquerda porque levaria (no limite) a uma confrontação com os EUA.
    Eles sempre defenderão o nacionalismo de direita, neo liberal, cagão.

Marcílio

13/05/2017 - 21h38

Tudo isso é muito triste. A situação se repete.
Foi assim com Getúlio, Jango e JK.

E a tv gloebbels vai se perpetuando na manipulação das consciências, graças à garantia de ser a principal preposta dos interesses estadunidenses.

Se eles conseguirem quebrar de vez a espinha do espectro trabalhista (e parece que vão conseguir), este país vai se resumir a choro e ranger de dentes para a maioria assalariada…

Responder

Jose carlos lima

13/05/2017 - 21h26

Por uma Comissão da Verdade com competencia para prender os traidores da patria

https://josecarloslima.blogspot.com.br/2017/05/por-um-tribunal-popular-que-puna-os.html

Responder

Deixe uma resposta