VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Conceição Lemes lança o “Saúde – A hora é agora”

24 de junho de 2010 às 22h41

por Luiz Carlos Azenha

Os leitores do Viomundo estão acostumados a acompanhar de perto o trabalho da jornalista Conceição Lemes. Tive o prazer de conhecê-la através da rede e desde então desenvolvemos uma parceria que resultou na presença diária dela neste blog, como repórter, mantenedora do blog da Saúde, mediadora e amiga de todas as horas e de todos os leitores. É admirável o empenho pessoal da Conceição em ajudar não só aos amigos, mas também aos amigos virtuais que ela encontrou através deste espaço.

Além de ser uma jornalista da melhor qualidade, é um pessoa queridíssima pelos profissionais de saúde. Pude testemunhar isso mais uma vez ontem à noite, no lançamento do novo livro da Conceição, em parceria com os médicos Milton de Arruda Martins e Mário Ferreira Jr.: Saúde – A hora é agora. O evento foi muito prestigiado: estavam lá de cientistas como a dra. Mayana Zatz a feras da blogosfera (desculpem a redundância), como Leandro Guedes.

Sobre o livro, já posso adiantar: é lindo, de um acabamento impecável. Prometo uma resenha assim que concluir a leitura. Fiquem, por enquanto, com a apresentação:

Saúde – A hora é agora

Saúde é:

Ausência de doenças? Sentir-se bem física e mentalmente? Ter acesso a serviços médicos de qualidade? Ter moradia, emprego e salário dignos? Ter bons hábitos de vida? Ter uma boa noite de sono? Não depender de filhos, noras e netos para pagar as contas, fazer comida ou divertir? Exercitar-se frequentemente? Prevenir doenças e tratá-las quando aparecem? Ter uma alimentação saudável? Dar adeus ao cigarro? Morar em lugar com água e esgoto tratados? Rejeitar armas de fogo? Usar cintos de segurança? Se beber, não dirigir?

Pois ao contrário do que muitos imaginam, ausência de doenças não é saúde. Saúde é tudo isto: água, esgoto, moradia, alimentação, trabalho, salário, lazer, sono, atividade física, sexualidade, relacionamento, emoções, estresse, assim como prevenção de doenças, diagnóstico, tratamento e reabilitação.

Saúde é controle de doenças físicas e mentais, qualidade de vida e capacidade de interagir com outras pessoas, a comunidade e o ambiente. Logo, existem indivíduos saudáveis aos 20, 40, 60, 80, 90 ou mais. São pessoas que conseguem manter bom equilíbrio físico, psíquico, social e ambiental, consequentemente são funcionais para as coisas que pretendem fazer.

“Ter médicos, diagnósticos e tratamentos de qualidade, sempre que necessário, é vital”, frisa o doutor Mílton de Arruda Martins. “Porém, estilo de vida é o fator que mais contribui para reduzir a mortalidade das doenças que mais matam, como as cardiovasculares, pulmonares, câncer e acidentes de trânsito.”

O doutor Mário Ferreira Jr. reforça: “Promoção de saúde é o que mais traz grandes benefícios”.

Aqui, duas boas notícias.

Primeira, é possível, sim, intervir no principal determinante das doenças que mais matam no Brasil, e evitá-las.

Segunda, a editora Manole lança no dia 24 de junho este livro que vai ajudar a população em geral a viver mais e melhor: Saúde – a hora é agora.  Seus autores: o médico clínico Mílton de Arruda Martins, professor titular de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP; o especialista em medicina ocupacional e promoção da saúde Mário Ferreira Jr., coordenador do Centro de Promoção da Saúde do Hospital das Clínicas de São Paulo; e a jornalista especializada em saúde Conceição Lemes, a mais premiada no Brasil por reportagens nessa área.

“É um livro sobre saúde e não sobre doença”, frisa o professor Mílton de Arruda Martins, que antecipa.  “Não há fórmulas mágicas. Cada um de nós tem que assumir parte da responsabilidade pela própria saúde. O que o livro faz é ensinar o que pode ser feito para se viver mais e melhor. Ele foge das ‘receitas de bolo’ e da medicalização excessiva dos tempos modernos.”

Saúde – A hora é agora não visa a prevenir esta ou aquela doença, mas a cuidar da saúde como um todo.

“Para isso é fundamental que tenham acesso às melhores informações”, salienta o doutor Mário Ferreira Jr. “Daí, o livro ser baseado totalmente em evidências científicas.”

O livro tem 463 páginas distribuídas em 11 capítulos. Cada um é um guia prático sobre o tema, feito em formato de reportagem. Grandes especialistas foram entrevistados. Entre eles, médicos, médicos, fisioterapeutas, psicólogos, educadores físicos, assistentes sociais, nutricionistas, enfermeiros, dentistas e veterinários. Também foram ouvidos cerca 500 cidadãs e cidadãos brasileiros, inclusive algumas personalidades.

Abaixo, os drs. Milton (em primeiro plano) e Mário autografam.

 

30 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Atividade física: Quando consultar o médico antes | Viomundo - O que você não vê na mídia

29/02/2012 - 13h44

[…] Martins,  titular de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP, e um dos autores do livro Saúde — A hora é agora. “Essas atividades praticamente não trazem riscos à saúde, já que são de intensidade […]

Responder

‘O SUS não existe sem os seus milhares de trabalhadores no Brasil’

21/12/2011 - 10h33

[…] me reunia semanalmente com o professor Mílton na Faculdade de Medicina da USP por conta do livro Saúde — A hora é agora, que fizemos juntos.  Recentemente, numa sexta-feira, nós nos reencontramos lá para esta […]

Responder

Mílton de Arruda Martins: “O SUS não existe sem os seus milhares de trabalhadores no Brasil inteiro” | Viomundo - O que você não vê na mídia

20/12/2011 - 16h09

[…] me reunia semanalmente com o professor Mílton na Faculdade de Medicina da USP por conta do livro Saúde — A hora é agora, que fizemos juntos.  Recentemente, numa sexta-feira, nós nos reencontramos lá para esta […]

Responder

Atividade física: Dores e doooooooooooooooores | Viva Marabá Pará Brasil

12/08/2011 - 18h06

[…] de Medicina do Esporte do Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo, no  livro “Saúde — A hora é Agora”.“É sinal de superdesgaste metabólico, que é coisa de atleta, ou lesão muscular por sobrecarga […]

Responder

Médicos puxam a orelha de pais e mães | Viomundo - O que você não vê na mídia

15/07/2011 - 23h02

[…] capítulo “Emagrecer” do livro “Saúde — A hora é Agora”, a médica endocrinologista Maria Teresa Zanella, professora titular de Endocrinologia da Faculdade […]

Responder

Orientação sexual não se inverte | SJT In Vivo

14/04/2011 - 16h51

[…] Medicina da USP e  um dos 70 profissionais de saúde entrevistados por esta repórter para o livro Saúde — A Hora é agora, do qual é coautora. […]

Responder

Orientação sexual não se inverte | Instituto Adé Diversidade

12/04/2011 - 14h19

[…] *A doutora Carmita Abdo é professora livre-docente da  Faculdade de Medicina da USP e  um dos 70 profissionais de saúde entrevistados por esta repórter para o livro Saúde — A Hora é agora, do qual é coautora. […]

Responder

Ana Márcia

28/01/2011 - 16h59

Nós, profissionais de enfermagem , indispensáveis em todo e qualquer estabelecimento de saúde, cumprimentamo-a pelo belo livro e nos instiga o título "Saúde-a hora é agora", pois estamos aguardando – há 55 anos ! – a aprovação da projeto de lei 2295/00 que regulamente nossa jornada de trabalho de 30hs semanias, onde todos ganharão com isso, especialmente nossos pacientes. Afinal, acreditamos que jornada de 30hs não é privilégio e sim garantia de uma assistencia segura em saúde!
Hoje, somos doentes cuidando de doentes: 24hs ininterruptas!!
Merecemos, assim como nossos demais colegas profissionais de saude, qualidade e sentido de trabalho e consequentemente, qualidade e sentido de vida – e, vice-e-versa!
Como diz um colega, docente da UEL :
"De fato, nada justifica uma jornada acima de 30 horas, a não ser a exploração do trabalho, em especial num campo em que a saúde virou mercadoria.
O trabalhador necessita de tempo para construir-se como ser humano emancipado, precisa de tempo para refletir sobre a qualidade e sobre os sentidos da vida e investir em áreas que a própria falta de tempo sequer permite que ele conheça.
Além do que, a limitação da jornada, potencialmente, abriria campo de trabalho para mais profissionais.
Nenhuma bandeira de humanização no trabalho pode pretender avançar senão pela redução da jornada e melhoria dos salários."( Enfº Dr. Paulo de O. Perna)
Abraços

Responder

Vovó e vovô sem sede? Eles precisam de água! | Viomundo - O que você não vê na mídia

23/01/2011 - 18h00

[…] *  O clínico geral Arnaldo Lichtenstein, do Hospital das Clínicas de São Paulo, professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP, é um dos 70 profissionais de saúde entrevistados por esta repórter para o livro Saúde — A Hora é agora, do qual é coautora. […]

Responder

@marisps

28/06/2010 - 14h58

Conceição, desculpe-me pela demora em parabenizá-la! Sou fã das suas matérias, mesmo quando não as comento não deixo de ler. Vou adquirir o livro tanto pela qualidade que imagino que ele tenha, como pelo carinho pela profissional que você é! Muito sucesso, um grande beijo!

Responder

    Conceição Lemes

    29/06/2010 - 02h39

    Marisps, obrigadíssima. Carinho faz bem, né? Tudo de bom pra. Boa sorte. Beijo enorme

@DENISDIAS

26/06/2010 - 18h16

legal, admiro muito o pouco que conheço do seu trabalho. Me identifico muito com os textos porque trabalho no SUS. O livro já está a venda???

Responder

    Conceição Lemes

    26/06/2010 - 21h41

    Oi, Denis, obrigadíssima. A privatizatição do sistema público, via terceirização, está a todo pavor. Com certeza, mais do que nunca, temos de fortalecer o SUS. O livro já está chegando às livrarias. Abs

mARTINHO

26/06/2010 - 13h26

Isso é uma absurdo, esse stf me decepciona viu… http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/757484-cid

Responder

    Conceição Lemes

    26/06/2010 - 21h52

    Martinho, ainda não conheço os detalhes dessa decisão do STF. Mas fiquei preocupada também. Vou me informar no começo da semana. Aparentemente, o STF está autorizando a famosa "dupla porta". Ou seja, a porta SUS e a porta dos convênios/particulares. O problema não é só hotelaria. Na prática, frequentemente os pacientes SUS são atendidos em segundo plano, embora as instituições funcionem graças às verbas governamentais. Abs

Dr Marcelo Silber

26/06/2010 - 00h06

Conceição Lemes
Será um prazer e um privilégio poder ler este livro por pessoas tão especiais e dedicadas a promoção da saúde.
Aprendi muito com o Milton e o Mário nos meus tempos de "interno" nos plantões de Clínica Médica no Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP
E com você eu aprendo sempre !! Dedicada, humilde, atenciosa e sempre muito competente
e que ainda por cima tem que " aguentar" blogueiros pilhados como eu (heheheheh)
Interessante ressaltar que a minha especialidade é a que mais se utiliza da "promoção da saúde".
Aleitamento materno, licença maternidade e paternidade, vacinações, puericultura de qualidade..são meios que alem de agregar valor, aumentam a qualidade de vida das nossas crianças..
Vou ler o livro atentamente e depois te mando um e-mail
Grande abraço!!!

Responder

    Conceição Lemes

    26/06/2010 - 09h12

    Obrigadíssima pelas palavras generosas, doutor Marcelo. Aqui, cabe como uma luva "que mundo pequeno!" Não sabia que vc era pediatra. Muito menos que foi do HC. Foi o professor Mílton quem me convidou pra participar desse projeto. Então vc conhece a doutora Maria do Patrocínio (a grande Patrô), o Sidney Glina, o José Antonio Atta, o Arnaldo Lichtenstein…? Pois eles são alguns dos médicos do HC que eu entrevistei para o livro. Ao todo, ouvi 70 especailistas, entre médicos, psicologos, enfermeiros, assistentes sociais, nutricionistas, dentistas, mas sob a ótica de saúde e não de doença. A começar pelo professor Adib Jatene, que tem visão de saude pública. Ao fazer este livro, descobri por quê. Eu já havia entrevistado o professor Adib uma porção de vezes, mas sempre pensando em coração, cirurgia cardíaca, dengue (na época em que ele era ministro da saúde), aids (foi na gestão dele que o programa de aids foi criado, tendo à frente a doutora Lair Guerra de Macedo). Agora, o foco foi um pouco diferente. Daí a descoberta. Enfim, será um prazer imenso tê-lo como leitor. Aguardo seus comentários. Abração

m.z.rio

25/06/2010 - 22h19

Parabéns, Conceição! Grande jornalista da area de Saúde Pública e grande amiga, merece todo o sucesso do mundo, pelo incansável trabalho de informação e de conscientização da sociedade em relação à prevenção e aos cuidados da saúde. Um grande e carinhoso abraço.

Responder

segis

25/06/2010 - 17h42

Segunda, a editora Manole lança no dia 24 de junho este livro que vai ajudar a população em geral a viver mais e melhor: Saúde – a hora é agora. Seus autores: o médico clínico Mílton de Arruda Martins, professor titular de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP; o especialista em medicina ocupacional e promoção da saúde Mário Ferreira Jr., coordenador do Centro de Promoção da Saúde do Hospital das Clínicas de São Paulo; e a jornalista especializada em saúde Conceição Lemes, a mais premiada no Brasil por reportagens nessa área.

Responder

tonypoeta

25/06/2010 - 19h15

Ótimo que se apresente o conceito real de saúde. Nossa sociedade o esqueceu. Parabéns

Responder

Maurício

25/06/2010 - 18h06

Olá Conceição!….vc poderia nos indicar qual é a editora?Caso não haja disponível na livraria é necessário saber a editora para encomendar.
Obrigado.

Responder

    Conceição Lemes

    25/06/2010 - 22h29

    Eu é que te agradeço, Maurício. A editora é a Manole. O livro estará à venda nas livrarias. Abs

Hans Bintje

25/06/2010 - 14h53

Conceição Lemes:

E a gente precisa se cuidar. É para cantar com Gilberto Gil a "Fé, fé na festa / Festa, festa na fé (…) Do santinho amado por nós / Nós vamos chegar em paz na festa".

Até a data do lançamento do livro coincide com os festejos juninos, "Eu, eu e o sertão / Tu, tua emoção / Nós, nós e o São João".

Impossível disfarçar "Tu, tua emoção", tá lá na foto. É que "São João carneirinho quer devagarinho / Mansinho vamos chegar em paz na festa".

"Fé na festa": http://www.youtube.com/watch?v=T3Q1m6ARLr8

Responder

    Conceição Lemes

    25/06/2010 - 16h15

    Hans, vc é uma figuraça. Quanta gentileza. De gente assim que esse mundo precisa. Beijo pra Carolyn, forte abraço, pra vc

    Hans Bintje

    25/06/2010 - 17h22

    Conceição Lemes:

    O seu livro, o livro do Azenha, o site Viomundo, os vídeos na África, tudo ganha um sentido maior quando a gente se lembra de um discurso que Gilberto Gil fez em Barcelona. Trecho:

    "Os libertários do cyberespaço passaram a operar como linha evolutiva no processo da construção de novas soluções. A compreensão das convergências tecnológicas digitais como fonte de maior provável liberdade e unificação da humanidade encontra aliado nas profecias alvissareiras da nova demografia: Por um lado, mais gente, mais massa crítica afetivo/intelectual, mais anseio virtual, mais compromisso coletivo e mútuo, mais vigilância consensual.

    Por outro, mais velocidade digital, maior possibilidade de acessos, maior comunicabilidade, maior mobilidade, maior abrangência cultural, co-responsabilidade abrangente.

    Chegamos aqui porque militantes da contracultura passaram a ver no computador um instrumento revolucionário de transformação social e cultural. Ou seja, o que vemos hoje no mundo, na dimensão informática, digital, tem seu ponto de partida no movimento libertário da contracultura. Nada mais natural, portanto, dessa perspectiva político-cultural, do que a movimentação em favor do software livre, da inclusão digital, de uma política pública de banda larga, dos instrumentos de realização das redes virtuais e remotas, da aceleração e multiplicação de trocas e das formas mais intensas, mais radicais, mais inovadoras de exercício de liberdade de pensamento, de expressão e de criação."

    Fonte: http://www.aulaintercultural.org/article.php3?id_

Jana

25/06/2010 - 12h31

Não li e já gostei !!!

Onde podemos encontrar este livro pra comprar ?

Responder

Marcelo Ramos

25/06/2010 - 12h12

Gostei do trecho onde diz que saúde não é ausência de doenças. Saúde é tudo: saneamento, salário, moradia etc numa visão atípica da que prevalece no sistema de "saúde" atual onde há um comércio em favor do enriquecimento de laboratórios e seus donos. A solução aponta pra uma transformação completa da sociedade brasileira pra saírmos desse caos.

Responder

Marcelo de Matos

25/06/2010 - 11h51

Parabéns a você Conceição por conseguir entusiasmar-se com ciência tão enigmática quanto a medicina. Já disse um escritor francês que essa é a arte de enganar o paciente enquanto a natureza cura. Sou parcialmente cético quanto aos progressos da medicina. Evoluem certos setores, como a cardiologia, a neurologia, enquanto outros marcam passo. Se você for a dez dermatologistas, obterá uma dezena de diagnósticos diferentes. Se surgir um caroço na sua mão ou no seu pé, não faltará profissional para extirpá-lo, sem ao menos saber o que é. Se for no pé, você será encaminhada a um ortopedista, porque pé parece ter alguma coisa com essa área. E quando surgem manchinhas na perna? Uns dirão que é problema de pele; outros, de circulação. Aí começa um empurra prá, empurra prá cá até que o paciente desista e resolva usar a fitoterapia. Aí é babosa prá cá, melão de são Caetano prá lá e a coisa vai longe.

Responder

    Conceição Lemes

    25/06/2010 - 13h15

    Marcelo, não é um livro sobre doenças mas de promoção de saúde. Mas mostra tudo o que está nas nossas mãos para viver mais e melhor. Ele vai não contramão da medicalização excessiva da medicina hoje em dia. Abs

    @robsonfr

    25/06/2010 - 14h30

    Interessante essa mudança de foco. Falar menos das doenças e falar de como promover a saúde. Em outras palavras, retomando uma tradição antiga de que doença é ausência de saúde. Abraços e parabéns por mais este trabalho.

Deixe uma resposta