VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

#5 Marco Feliciano: Quando homens que “conversam com Deus” promovem a desumanização alheia; o alerta de Philip Zimbardo completou dez anos

07 de maio de 2016 às 05h54

Captura de Tela 2016-05-07 às 05.25.10

por Conceição Lemes

O pastor Marco Feliciano diz que conversou com Deus. Literalmente.

Ele contou em um culto que quando comprou sua primeira propriedade, em Orlândia, no interior de São Paulo, voltava para casa com as chaves quando ouviu do Senhor que deveria oferecer a casa a alguém que precisasse mais dela. Consultou a esposa, Edileusa de Castro Silva Feliciano.

Os dois decidiram abrir mão do sonho e doaram a casa a uma senhora, não identificada pelo pastor. Foram ao cartório em Orlândia e registraram a transferência.

A recompensa tardou, mas não falhou: Deus, segundo conta o pastor, deu a Feliciano o empurrão na construção da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento, através da qual ele erigiu um pequeno império neopentecostal.

Feliciano parece não ter superado a polêmica de quando presidiu a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, em 2013.

Alega que a filha foi ofendida na universidade, que a esposa sofreu síndrome do pânico e, assim, justifica sua “vingança”: depois de militar pela eleição de Aécio Neves em 2014 e de se tornar pregador do impeachment de Dilma Rousseff, requereu a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito da UNE, último ato do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha antes de ser defenestrado por liminar do ministro Teori Zavascki, do STF.

Feliciano é do PSC, o Partido Social Cristão. Ele se elegeu pela primeira vez em 2010, com 211.855 votos.

Em 2014, reelegeu-se com 398.087, o terceiro mais votado em São Paulo.

O PSC é presidido pelo Pastor Everaldo, candidato ao Planalto em 2014. Planilhas da contabilidade paralela da Odebrecht revelam que em 2010 Eduardo Cunha, também evangélico, foi  “padrinho” de uma doação da empreiteira de R$ 3 milhões ao diretório nacional do partido.

O PSC é fiel aliado de Cunha na Câmara. O líder do partido, André Moura, assinou a nota condenando o afastamento de Eduardo Cunha pelo STF. Ela diz, em certo trecho: “Este fato demonstra um desequilíbrio institucional entre os Poderes da República, cuja manutenção pode acarretar consequências danosas e imprevisíveis para a preservação da higidez da democracia no Brasil”.

Feliciano corroborou no Facebook: “Considero extremamente perigosa e desastrosa a decisão do ministro Teori Zavascki por não ter lastro constitucional que a fundamente”.

Cunha é o líder político sobre o qual existe o maior número de provas de corrupção obtidas no âmbito da Operação Lava Jato.

Há indícios de que o parlamentar carioca amealhou uma fortuna e no processo montou a bancada que o ajudou a se eleger presidente da Câmara.

Fiel a Cunha, a bancada do PSC, que inclui Jair Bolsonaro e o filho Eduardo Bolsonaro, votou de forma unânime pela abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

MENTIROSO COMPULSIVO

Apesar de dizer que para o PT “a palavra moral já não existe mais”, o pastor Marco Feliciano mente de forma compulsiva. Não se trata de uma opinião, mas do confronto entre falas dele e a verdade factual.

Exemplos recolhidos de um único vídeo, no qual Feliciano pediu votos para Aécio Neves na reta final da campanha de 2014 e exerceu seu antipetismo:

1. “A fortuna de Luís Inácio Lula da Silva e de seu filho é a oitava maior do Brasil”, disse. A revista conservadora Forbes listou 65 brasileiros com mais de U$ 1 bi naquele ano. Lula não apareceu na lista. Os mais ricos eram Jorge Paulo Lemann, Joseph Safra, Marcel Telles, João Roberto Marinho, José Roberto Marinho, Roberto Irineu Marinho, Carlos Alberto Sicupira e Francisco Ivens de Sá Dias Branco, o oitavo, com U$ 4,1 bi. Se o deputado tem dados comprovados sobre fortuna oculta de Lula, superior a U$ 4,1 bi, deveria apresentá-los publicamente. O mandato parlamentar não dá a ele o direito à mentira, embora possa mentir sem maiores consequências.

2. “Tá vindo um decreto lá de cima, do governo pra baixo, dizendo que dentro das instituições que recuperam meninos drogados não se pode mais usar a palavra Deus”, sobre um decreto inexistente do governo Dilma.

3. “Nós temos aí o decreto 8243, bolivariano como foi apelidado, que pode simplesmente anular o poder do Congresso Nacional”. Ele se refere ao projeto que instituía a Política Nacional de Participação Social, que simplesmente regulamentava a participação da sociedade civil na formulação, execução, monitoramento e avaliação das políticas públicas em caráter meramente consultivo.

4. “Nesses últimos 12 anos as universidades públicas de nosso país não produziram nenhum intelectual, pelo contrário, os meninos e meninas que estudaram nas grandes universidades, a maioria deles se transformou em revolucionários. Taí os black blocs pra gente provar”. São várias mentiras encadeadas. A mais risível é a de que aqueles que usaram táticas black blocs nas manifestações de 2013 estudaram em universidades, ou em universidades públicas. Levantamentos informais demonstraram que muitos dos black blocs eram jovens desempregados da periferia, sem educação formal. Também importante registrar que algumas das universidades públicas a que ele se refere estão em São Paulo, sob administração de reitores indicados por governos do PSDB — portanto, livres da “influencia malévola” do PT.

QUANDO O TOM “COMBATIVO” NOS LEVA A PHILIP ZIMBARDO

O pastor Marco Feliciano votou pela abertura de processo de impeachment contra Dilma com as seguintes palavras:

Com a ajuda de Deus, pela minha família, pelo povo brasileiro, pelos evangélicos da Nação toda, pelos meninos do MBL, pelo Vem Pra Rua Brasil — dizendo que o Olavo tem razão, Sr. Presidente, dizendo “tchau” para essa querida e para o PT, Partido das Trevas –, eu voto “sim” ao impeachment, Sr. Presidente!

Foi a reprise de falas anteriores, em que Feliciano afirmou que o PT havia feito “pacto com as trevas” e “pacto com o diabo para colocar o Brasil onde está hoje”.

Ele também usou a tradicional comparação com o animal ameaçador, que frequentou a capa da revista Veja em várias edições da campanha de 2014, ao afirmar que o PT “acabou infiltrando os seus tentáculos em todas as principais organizações de nosso país”.Captura de Tela 2016-05-07 às 04.55.11

O polvo que esmaga a vítima com os seus tentáculos frequenta o arsenal desumanizador do outro desde que a propaganda se tornou arma política.

Ao lado da Veja, acima, exemplos de como o polvo ameaçador foi usado em cartazes contra os judeus, a União Soviética, o Japão e os Estados Unidos.

É algo recorrente esta desumanização literal: a propaganda nazista se referia aos judeus como “ratos” e, em Ruanda, antes do genocídio, os hutus classificavam seus rivais tutsis como “baratas”.

Em 2007 o professor de psicologia Philip Zimbardo, da Universidade de Stanford, escreveu um livro muito interessante sobre o assunto: O Efeito Lúcifer: entendendo como pessoas boas se tornam diabólicas. Ele trata de um experimento que precisou interromper por causa da violência, depois que escalou alunos para encenar papéis de prisioneiros e guardas de presídio em Stanford.

No livro, Zimbardo trata do processo de desumanização do qual uma das variáveis, no Brasil, é a ideia do pastor Marco Feliciano de que é preciso invocar Deus para derrotar o “pacto com o diabo” que o deputado do PSC propagandeia ter sido firmado por petistas.

“No centro da maldade está o processo de desumanização pelo qual certas pessoas ou grupos são descritos como menos que humanos, não comparáveis em humanidade ou dignidade pessoal àqueles que rotulam. O preconceito emprega estereótipos negativos em imagens ou verbalmente para aviltar ou degradar os objetos desta visão estreita de superioridade sobre os alegadamente inferiores”, escreveu Zimbardo.

“A desumanização é um dos processos centrais na transformação de pessoas comuns em pessoas indiferentes ou mesmo perpetradoras deliberadas da maldade. Desumanização é como uma catarata cortical que embaça o pensamento e promove a percepção de que outras pessoas são menos que humanas. Isso faz com que algumas pessoas enxerguem o inimigo como merecedor de tormento, tortura e mesmo aniquilação”, afirma o autor.

Captura de Tela 2016-05-07 às 05.29.19

No livro,  o professor analisou gibis utilizados pela propaganda nazista contra os judeus, posters da propaganda internacional e fotos de cidadãos norte-americanos posando com vítimas de linchamento. Foi assim, aliás, que nasceu a indústria dos cartões postais nos Estados Unidos.

“Cidadãos de bem”, inclusive crianças, posavam com os mortos e cópias das fotografias eram enviadas pelo correio para familiares e amigos. É preciso lembrar que muitos dos linchamentos aconteciam no Sul dos Estados Unidos, no chamado Bible Belt, o “cinturão da Bíblia”.

Como o pastor Marco Feliciano tem profunda responsabilidade social no Brasil, como mandatário e líder religioso, atendemos ao pedido de vários de nossos leitores para incluí-lo na Galeria dos Hipócritas.

O argumento principal é de que ele posa de defensor da família brasileira mas adota um linguajar incompatível com os princípios cristãos em nome dos quais diz promovê-la.

 

36 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

RONALD

02/06/2016 - 10h33

MORDE FRONHA UMBRALINO !!!!

Responder

FrancoAtirador

12/05/2016 - 00h41

.
.
Coloquem aí na Galeria esta Tela do ‘$alvador Daqui’:
.
Notícias STF
Quarta-feira, 11 de maio de 2016

Mantida decisão que remeteu investigação de igreja para 13ª Vara Federal de Curitiba

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve decisão do ministro Teori Zavascki que determinou a remessa da Petição (Pet) 5933 para o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

O processo investiga o suposto recebimento de propina pelo deputado federal Eduardo Cunha por meio da Igreja Assembleia de Deus, por fatos que guardam relação com crimes que envolvem a Petrobras.

A decisão foi tomada no julgamento de agravo regimental interposto pela entidade contra decisão do relator.

Em sua decisão, o relator acolheu parecer do Ministério Público que pediu a remessa dos autos à 1ª instância por entender que, embora os fatos narrados tenham possível relação com esquema criminoso na Petrobras, não guardam relação com agentes públicos com foro por prerrogativa de função perante o STF, uma vez que o parlamentar envolvido já foi denunciado por estes fatos no Inquérito 3983, que teve denúncia parcialmente recebida pelo Supremo.

O ministro Teori lembrou, na decisão, que a orientação da Corte aponta para a promoção, sempre que possível, do desmembramento de inquéritos e peças de investigações correspondentes, para manter no STF apenas o que envolva autoridade com prerrogativa de foro, ressalvadas as situações em que os fatos se revelem “de tal forma imbricados que a cisão por si só implique prejuízo a seu esclarecimento”.

Com esse argumento, o relator decidiu acolher o pleito e determinar a remessa dos autos para a 13ª Vara Federal de Curitiba, para análise de eventuais delitos praticados pela entidade, tendo em vista que a situação narrada nos autos da Pet 5933 aparentemente guarda pertinência com inquéritos e ações penais em curso naquele juízo.

A Assembleia de Deus pediu, no agravo, que o caso fosse remetido para uma das Varas da Justiça Federal de São Paulo, onde fica a sede da entidade, mas o ministro reforçou seu entendimento de que os fatos em questão aparentemente são pertinentes aos já investigados pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

De acordo com Teori, nada impede que, chegando o caso ao Paraná, aquele juízo se considere incompetente para a causa.
.
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=316398
.
.

Responder

Urbano

09/05/2016 - 13h46

A certeza mais contundente sobre a máfia escroque da oposição ao Brasil é de que esta se constitui de tudo que há de mais nefasto existente nos mais recônditos setores do nosso Brasilzão. Se se brincar e desde que não se desleixe um abrigo para as exceções, de todos monogramas existentes, os devas são a própria inocência mais recatada.

Responder

    Urbano

    09/05/2016 - 17h13

    Sem a palavra ‘existente’ após nefasto.

ozias gonçalves da silva

09/05/2016 - 00h03

sou evangelizo ,filho de pr conheço o marcos filino muito bem sou evangelista sempre nas convenções . ele é pior que o cunha é um bandido , ele veio pregar aqui em uma igreja e o pr pagou pra ele adi atado , ele ainda em nome de oferta passou o lençol e roubou bos fies : relógios , alianças , anéis e outros objetos do tipo. é um picareta , e se tiver algum defensor dele eu tenho unes dvd gravados aqui desse lixo , não é etico nem moral menos ainda bíblico essas atitudes …

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    09/05/2016 - 03h00

    Pode nos mandar mais informações? [email protected]

    FrancoAtirador

    09/05/2016 - 11h20

    .
    .
    “Quem me dera, ao menos uma vez,
    ter de volta todo o ouro que entreguei
    a quem conseguiu me convencer
    que era prova de amizade,
    se alguém levasse embora
    até o que eu não tinha.
    .
    Quem me dera, ao menos uma vez,
    esquecer que acreditei que era por brincadeira
    que se cortava sempre um pano-de-chão
    de linho nobre e pura seda.
    .
    Quem me dera, ao menos uma vez,
    explicar o que ninguém consegue entender:
    que o que aconteceu ainda está por vir
    e o futuro não é mais como era antigamente.
    .
    Quem me dera, ao menos uma vez,
    provar que quem tem mais do que precisa ter
    quase sempre se convence que não tem o bastante
    e fala demais por não ter nada a dizer.
    .
    Quem me dera, ao menos uma vez,
    que o mais simples fosse visto
    como o mais importante.
    Mas nos deram espelhos,
    e vimos um mundo doente.
    .
    Quem me dera,
    ao menos uma vez,
    entender como um só deus,
    ao mesmo tempo, é três.
    E esse mesmo deus
    foi morto por vocês.
    É só maldade então,
    deixar um deus tão triste”…
    .
    Renato Russô

    (http://imgur.com/FtfhNpw)
    i.imgur.com/FtfhNpw.jpg
    (https://youtu.be/nM_gEzvhsM0)
    .
    .

Sérgio

08/05/2016 - 08h02

O inferno que as panelas de aço inox pariram! Que Deus nos ajude e guarde!

Responder

Hernane

07/05/2016 - 16h32

Esses caras de igreja$ $o $e preocupam com o bol$o deles.
Por aí já se vê o tamanho do engano. Aí deus falará com milhões pra dar os seus bens pra meia dúzia de espertos.
Se Deus falasse no tetiati com gente pra que precisaria de bíblia.
Pregador sério não tem essas idéias.

Responder

renato

07/05/2016 - 15h50

Sem chance, eu perder tempo com este cara..
Passo reto..

Responder

Queiroga

07/05/2016 - 15h46

Corre, golpe, corre: Aprovação de Dilma dispara
Resultado de um esforço maior de comunicação do governo, e ampliação das conversas de Dilma com a sociedade, incluindo blogueiros e movimentos sociais, a aprovação da presidenta começou a disparar nas últimas semanas.

http://www.vermelho.org.br/noticia/280492-1

Responder

José de Pindorama

07/05/2016 - 15h25

Caros Comentaristas, boa tarde!
Políticos como esse Senhor, o Congresso Nacional está repleto. De quem é a responsabilidade? Claro dos eleitores.
Eleitores esses, que elegeram este, e outros candidatos, sem verificar a idoneidade, o trabalho social, sua conduta como simples cidadão, seu Partido político, a ideologia de seu partido, se é ‘ficha limpa’, etc.
Cada caminho tem consequências; não é surpresa o circo de horrores que se mostra, atualmente, no Congresso.
Num País com um mínimo de decência, aproximadamente, quatrocentos Parlamentares, sairiam do Congresso para dar expediente em penitenciárias federais; pois, haja processo tramitando e não julgado!
Agora já tenho dúvidas, mas é possível que tenhamos eleições para prefeito e vereadores, vamos ver o que os eleitores vão fazer com seus votos. Mudar o quadro atual, ou manter o ‘analfabetismo político’ que levou a essa situação. Parte do povo é sim co-autor do golpe contra a Democracia!

Responder

Messias Franca de Macedo

07/05/2016 - 15h23

… [Infame &$ excomungado] ‘Pastor do Diabo (IN)Feliciano’!…

Uma reles expressão das merdas do mundo!

Responder

Messias Franca de Macedo

07/05/2016 - 15h20

[Da Série ‘Moralista sem moral alguma’!]

Mais um famigerado &$ fatídico exemplo do tipo de BANDIDOS que pretendem condenar a absolutamente honrada e ilibada presidente Dilma Vana Rousseff, ‘A Magnífica’, eita ‘Coração Valente’, siô!

O DEMoTucano Cássio ‘CUnha’ Lima ex-governador da Paraíba
E ainda tem a inédita “chuva de dinheiro da CORRUPÇÃO”!

https://www.youtube.com/watch?v=-zAQtHvu7pk

Responder

Saulo R.

07/05/2016 - 14h53

Um fio de esperança

http://www.marceloauler.com.br/o-supremo-suas-contradicoes-e-duvidas-suspendera-o-impeachment/

O Supremo, suas contradições e dúvidas: suspenderá o impeachment?

6 de maio de 2016
Marcelo Auler

Plenário da Câmara diante do afastamento de Cunha. Foto Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde de quinta-feira (05/05) suspendendo o exercício do mandato parlamentar de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e, consequentemente, afastando-o da presidência da Câmara, ainda que atendendo uma vontade quase unanime da sociedade brasileira, guarda mistérios e contradições, que só o tempo mostrará a que serviram e porque foram adotado.

Aparentemente, a primeira e, provavelmente a maior das possíveis contradições estaria no fato de o ministro Teori Zavascki esperar cinco meses para conceder uma liminar. Para a demora, há muitas explicações sendo uma delas a de que ele temia levar ao plenário o afastamento de Cunha, antes de a admissibilidade do processo do impeachment passar pela Câmara, sob o risco de ver seus colegas do STF não o apoiarem na decisão. Já a opção por uma liminar, pode esconder um jogo de bastidores.

É preciso, inicialmente, registrar que os ministro mudaram sua posição, a se considerar o que narrou a reportagem de Carolina Brígido – Afastamento de Cunha ainda está longe de ser julgado no STF –, em O Globo, aqui abordada, em 22 de abril, na reportagem STF cruza os braços e Cunha pode estar armando sua absolvição. Nela, a jornalista especializada na cobertura do STF admitiu que

“os ministros não se convenceram de que existe um motivo jurídico forte o suficiente para tirá-lo da cadeira. Adiar a análise do caso foi a solução encontrada para não precisar declarar oficialmente que Cunha pode permanecer no cargo. Uma decisão desse tipo daria ainda mais poderes ao parlamentar nesse momento de crise – e isso o tribunal quer evitar“.

Logo, se houve a decisão de afastar Cunha, adotada por unanimidade, pode-se concluir que mudanças ocorreram no pensamento da corte. O mais provável é que a repercussão no exterior, com as criticas ao golpe que está sendo armado para derrubar uma presidente eleita pelo voto popular que não cometeu crime de responsabilidade. tenha acordado os ministro, que permaneciam em uma situação de expectativa. Basta ver o que disse Zavascki:

O estado de suspeição que paira sobre a figura do atual ocupante da presidência da Casa Legislativa – formalmente acusado por infrações penais e disciplinares – contracena negativamente com todas essas responsabilidades, principalmente quando há, como há, ponderáveis elementos indiciários a indicar que ele articulou uma rede de obstrução contra as instâncias de apuração dos pretensos desvios de conduta que lhe são imputadas”.

A liminar de Zavascki garantiu o afastamento de Cunha, mesmo que alguém no plenário pedisse vista do processo. Foto: Nelson Jr. SCO/STF

A liminar de Zavascki garantiu o afastamento de Cunha, mesmo que alguém no plenário pedisse vista do processo. Foto: Nelson Jr. SCO/STF

Mônica Bérgamo, jornalista talentosa e bem informada, na sua coluna de quinta-feira (05/05), na Folha de S. Paulo – Teori ficou enfurecido com decisão de Lewandowski e decidiu dar liminar – noticiou que Zavascki “enfurecido com o anúncio feito nesta quarta-feira (4) pelo presidente da corte, Ricardo Lewandowski, de que pautaria nesta quinta a ação da Rede que pedia o afastamento de Eduardo Cunha do cargo de presidente da Câmara”, decidira dar a liminar no pedido que estava na gaveta há cinco meses. A ação do partido de Marina Silva foi colocada na pauta a pedido do relator da matéria, ministro Marco Aurélio Mello.

Nesta sexta-feira, outros jornais seguem nesta direção. Há, porém, uma versão dos bastidores do Supremo que explicaria a liminar, cinco meses depois de pedida, quando o plenário poderia, após todo este tempo, analisar de imediato o mérito do assunto.

A ação de Mello, proposta pela Rede, levada a plenário, poderia não ter o efeito necessário, isto é, o afastamento de Cunha. Bastava, por exemplo, que um ministro pedisse vista do processo e sentasse em cima. Gilmar Mendes já fez isto várias vezes.

É aí que entra Zavascki concedendo uma liminar pela manhã e levando a julgamento o caso à tarde. Mesmo que alguém pedisse vista do processo, a liminar estava concedida e Cunha afastado de presidência da Casa. Por esta tese, que o tempo poderá ou não confirmar, Zavascki não se conflitou com Mello e Lewandowski. Jogou junto.

A suspensão do mandato – Há um segundo detalhe que pode parecer contradição. Cunha, na verdade, sofreu a mesma acusação feita em novembro aao senador Delcídio do Amaral: obstrução da Justiça. No caso do presidente da Câmara afastado, pesou também a tentativa de obstruir o Conselho de Ética.

Em novembro, Zavascki, assumindo as dores dos seus colegas que se sentiram atingidos nas falas do senador gravadas por Bernardo, filho de Nestor Cerveró, determinou a prisão dele, depois confirmada a unanimidade pela 2ª Turma. Mas não houve suspensão do mandato. Tanto assim que o ex-preso permanece senador até que seus próprios colegas do parlamento o cassem. Cunha não foi preso, mas como resume o acórdão do julgamento:

“o Tribunal, por unanimidade e nos termos do voto do Relator, referendou o deferimento da medida requerida, determinando a suspensão do exercício do mandato de deputado federal do requerido, Eduardo Cosentino da Cunha, e, por consequência, da função de Presidente da Câmara dos Deputados. O Tribunal também determinou que se notifique o Primeiro-Vice-Presidente da Câmara dos Deputados, ou, na sua ausência, o Segundo-Vice-Presidente (art. 18 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados), do inteiro teor da presente decisão, a fim de que a cumpra e faça cumprir, nos termos regimentais próprios”.

Teoricamente, o Supremo poderia ter apenas afastado Cunha da presidência, cassando-o do cargo por não poder exercer o papel de presidente das República interino, como prevê a Constituição já que pela função é o segundo na linha sucessória. Afinal, responde a processo no próprio STF e, como tal, não pode ocupar a presidência da República.

Com isso, como lembrou o JornalGGN, “apesar de estar afastado do exercício de seu mandato como deputado federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) mantém seu salário e outros benefícios dados aos deputados, em um total de mais de R$ 160 mil mensais. Além disso, ele continua com garantias previstas para um presidente da Câmara, como a residência oficial, carro oficial e ter à sua disposição um jato da Força Aérea Brasileira e uma equipe de segurança. Isso ocorre porque Cunha foi suspenso temporariamente do cargo, e não perdeu seu cargo”.

Mas, se o afastasse do cargo, ele continuaria deputado e, como tal, seus processos no Supremo deixariam de ser analisados pelo plenário e passariam para a 2ª Turma, onde políticos são julgados nos processos da Lava Jato. Ali, como explicamos na já citada matéria de abril – STF cruza os braços e Cunha pode estar armando sua absolvição – Cunha poderia contar com o beneplácito de, pelo menos, dois ministros, para acabar absolvido das acusações. Bastaria ser julgado na ausência de um dos ministros da turma; ocorrendo o empate, ele favoreceria o réu, como falamos em abril.

Assim, ao destoar totalmente da jurisprudência do próprio STF que jamais suspendeu mandatos de políticos, Zavascki fez isto para, certamente, ao manter Cunha como deputado e presidente da Casa suspenso, garantir que seus casos sejam analisados no plenário, afastando-se o risco dele ser inocentado.
Após a suspensão do mandato de Cunha, o STF serás que surpreenderá suspendendo o processo do impeachment de Dilma Rousseff? Foto: reprodução JornalGGN

Após a suspensão do mandato de Cunha, o STF serás que surpreenderá suspendendo o processo do impeachment de Dilma Rousseff?
Foto: reprodução JornalGGN

Divergências internas – As informações que nos chegaram é que na véspera do afastamento de Cunha, ou seja, na quarta-feira, “o pau quebrou” entre alguns ministros. A confirmar-se tal fato, mostra que há uma divisão interna. A mesma fonte fala de uma ala dos ministros do STF que estaria disposta a”zerar o processo de impeachment”.

O que pode acontecer até quarta-feira, quando o plenário do Senado decide sobre a abertura do processo. A tese está no voto de Zavascki, o “desvio de função de Cunha”.

Nada impede, também, que seja uma decisão tomada mais tarde, respaldada, por exemplo, em alguma “ilegalidade”.

Sabe-se que os três ministros acima citados, Zavascki, Mello e Lewandowski, têm uma linha de pensamento a favor da legalidade. Faltariam três votos, para somar maioria. Ou dois, no caso da ausência, intencional ou não, de um dos ministros. O empate, no caso, favoreceria o réu, no caso, Dilma.

Cabe lembrar que, embora tenha ditado o rito deste processo no Congresso, o Supremo não debateu o mérito do mesmo. Luís Nassif, no JornalGGN, aborda esta possibilidade de o STF melar o processo do impeachment, embora alerte que é muito difícil, na reportagem: Respingos da queda de Cunha no impeachment de Dilma, Vale transcrever trechos:

Assim, os governistas têm duas alternativas: ou uma atuação independente de Waldir Maranhão, aprovando o retorno do processo à Câmara, ou a expectativa de uma medida “contra o tempo” do Judiciário, com o Supremo mais uma vez assegurando as linhas democráticas do processo.

Apesar de viáveis, nenhuma das duas opções são fáceis. A iniciativa do STF, mais especificamente do ministro Teori Zavascki, de agir pelo afastamento de Cunha – uma figura já timbrada pela população como corrupto e também pouco afeito dos grandes meios de comunicação, já foi traduzida na sessão desta quinta-feira (05) como algo completamente “excepcional” e destoante.

Uma decisão que interferisse no andamento do impeachment, que constitucionalmente é de responsabilidade do Legislativo, é vista pelos ministros com temor. Apesar de em seus julgamentos, o presidente do STF Ricardo Lewandowski destacar que a Corte está atenta aos acontecimentos e a serviço da democracia, dificilmente a decisão alcançaria a maioria dos posicionamentos do Supremo.

Ou seja, plagiando Roberto Carlos, certamente ainda viveremos “fortes emoções”.

Responder

ROBERTO

07/05/2016 - 14h52

Esse pastor que como todos os outros de sua espécie,não tem a menor idéia do que seja Deus, mas mesmo assim fala com ele como bons amigos. Contam até piada e tomam cerveja.
Certa vez ao passar por acaso pelo canal Rede, me deparei com esse pilantra dizendo para as pobres ovelhas que o ouviam no auditório, que havia recebido um recado do todo poderoso, através de uma vizinha, que dizia: INVESTI MUITO EM VOCÊ, MEU PASTORZINHO, E VOU FRITAR QUEM O IMPORTUNAR.
Quase morri de rir, principalmente por que ele falou sério, sem piscar, e as ovelhas choravam compulsivamente.
O que esperar de um cara desses?

Responder

Caio Maximino

07/05/2016 - 13h28

Só uma correção: o nome correto é Zimbardo, não Zambardo

Responder

    Conceição Lemes

    07/05/2016 - 14h18

    Obrigada pelo alerta, Caio. Já corrigimos. abs

ONIL MINEIRO

07/05/2016 - 13h17

Pastor Feliciano… Deus não prega o ódio, discriminação, homofobia ,egoismo e sim humildade e compaixão. Dizer que conversou com Deus, contradita suas atitudes , pois caso Ele o procurasse certamente teria mudado seu modo de agir; às vezes pensam que é Deus quem nos fala , e na verdade são seres que tem sintonia com nossa maneira de agir. Com qual deles se identifica?

Responder

Elias

07/05/2016 - 12h36

Esses mercadores de crenças nos leva a parafrasear “o sertão vai virar mar…”
.
Ou seja
.
O inferno vai virar paraíso, o paraíso vai virar inferno
.
Canalhas! Abutres! Crápulas!

Responder

Luiz Fernando Medeiros

07/05/2016 - 11h29

Prezado Pastor Marco Feliciano

Quero confessar que também conversei com Deus.
Perguntei a ele o que achou da votação na câmara do impitiman da Presidente Dilma, aquela que comete crimes de ajudar, através de programas sociais, os mais necessitados, e que durante a votação vários deputados “fieis” Te dedicaram seus votos

Sabe o que me respondeu: prezado fiel ME POE FORA DESTA.

Responder

Maria

07/05/2016 - 11h16

Escola ruim, pouca escolarizacão, pobreza e falta de livros > subemprego ou desemprego e miséria > Dívidas, Depressão, Drogas > igreja>
pirâmide social contributiva da igreja > retribuição >investimento em novas fontes de contribuição oriundas de DDD. Não há combate a miséria nas igrejas, só caridade e pirâmide alimentada pela miséria.

Conclusão: a ignorância é fonte permanente da má política. A má política é fonte permanente da ignorância.

Responder

Messias Franca de Macedo

07/05/2016 - 10h27

… E por falar no telhado de vidro padrão Itu do (IN)Feliciano – mais um pastor do Diabo…

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Temer poderá ser o mais “decorativo” dos presidentes.
Por Carlos Fernandes

Postado em 07/05/2016

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/temer-podera-ser-o-mais-decorativo-dos-presidentes-por-carlos-fernandes/

***

LÁ VEM O MATUTO QUE SENTE CHEIRO DE GOLPE DESDE O DIA EM QUE NASCEU EM PINDORAMA

… E toda a sorte premiada (sic) de achaques &$ ataques &$ chantagens…

$$$$$$$$$$$$$$$$

R$ 100.000,00 de propina MENSAL(ÃO) para o Michel [Temer]; R$ 100.000,00 de propina MENSAL(ÃO) para o Eduardo [Cunha]; R$ 100.000,00 de propina MENSAL(ÃO) para o Henrique [Eduardo] Alves
[MENSALÃO DO DEMo/PMDBosta/DF]

https://www.youtube.com/watch?v=bZFv0zdhO88

Responder

    Messias Franca de Macedo

    07/05/2016 - 10h41

    Saiba quem é o Michel TEMERoso – O TRAIDOR-mor da nação em frangalhos – &$ o parceirão em todas as picaretagens, o eduardo ‘CU(nha)’ dos(as) nazigolpistas

    Por Observador Latino

    https://www.youtube.com/watch?v=6QxnKM9BAnE

tiao

07/05/2016 - 08h56

A cada dia mais aumenta o meu nojo à estes pseudos homens de Deus. Que nojo!!!

Responder

FrancoAtirador

07/05/2016 - 08h06

.
.
Víxi! Agora mesmo é que os Nazi-Fascistas Fanáticos desconjuram:
.
Trabalhista Sadiq Khan é Eleito o Novo Prefeito de Londres, Inglaterra.
.
Britânico Árabe-Descendente, Filho de Motorista de Ônibus Paquistanês,
.
é o Primeiro Político Muçulmano a Governar uma Capital no Ocidente.
.
Khan é Bacharel em Direito pela Universidade do Norte de Londres.
.
Iniciou a Carreira como Procurador Especializado em Direitos Humanos.
.
(https://en.wikipedia.org/wiki/Sadiq_Khan)
.
https://t.co/0GHYtUfKYL
(https://twitter.com/DeputadoFederal/status/728779541297123333)
.
(http://brasil.elpais.com/brasil/2016/05/06/internacional/1462546276_337854.html)
.
.

Responder

FrancoAtirador

07/05/2016 - 07h22

.
.
A “TURMA” QUE VAI GOVERNAR
O BRASIL DEPOIS DE 11 DE MAIO
.
“Há, ainda, outras mensagens em que Eduardo Cunha cobra
supostos compromissos que Léo Pinheiro tinha com ‘a turma’,
que teriam sido inadvertidamente adiados (fl. 134):
.
‘EDUARDO CUNHA cobrou LEO PINHEIRO por ter pago, de uma vez,
.
para MICHEL – a quantia de R$5.000.000,00 –
.
tendo adiado os compromissos com a turma, que incluiria
.
HENRIQUE ALVES, GEDDEL VIEIRA, entre outros.
.
LEO PINHEIRO pediu para EDUARDO CUNHA

ter cuidado com a análise,

pois poderia mostrar a quantidade de pagamentos dos amigos.’ ”
.
(http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj=92&dataPublicacaoDj=&incidente=4907738&codCapitulo=6&numMateria=65&codMateria=2)
.
.
A Peregrinação dos Homens Puros
e Respectivas BRDs à Terrra Santa
.
http://imgur.com/z71czU8
.
imgsapp.em.com.br/app/noticia_127983242361/2015/06/03/654308/20150603072952407818o.jpg
(http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2015/06/03/interna_politica,654308/o-rolezinho-de-cunha-e-de-14-aliados-politicos.shtml)
.
Que Jeová tenha Misericórdia de$$a Na$$ão.
.
.

Responder

Deixe uma resposta