VIOMUNDO

Beatriz: “Que os professores mostrem o contracheque”

18 de outubro de 2014 às 14h15

Captura de Tela 2014-10-16 às 12.23.33

Captura de Tela 2014-10-16 às 12.23.56

Da campanha de Aécio Neves na TV, que também diz que Minas Gerais tem a melhor educação fundamental do Brasil; clique abaixo para ver as fotos de Caio Castor do ato “Pela Educação, Aécio não!”, em Belo Horizonte:

por Conceição Lemes

A propaganda eleitoral do candidato tucano à presidência Aécio Neves disse, no Dia dos Professores: “Com nossos professores, a gente também aprende, desde cedo, que é errado mentir, iludir, confundir“.

Pode ter sido mais uma tentativa de desmentir a denúncia de que Minas Gerais não paga o piso salarial aos professores da rede pública de ensino.

Seria uma insinuação, assim, de que os professores que o contestam estão mentindo.

“Na verdade, quem está mentindo é o Aécio”, denuncia a professora Beatriz Cerqueira, presidenta do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUte). “Ele não tem dito a verdade sobre educação em Minas Gerais.”

Beatriz Cerqueira afirma:

—  Aécio mente ao dizer que Minas paga o piso salarial e não paga.

— Aécio mente também ao dizer que temos a melhor educação do país. Os indicadores de acesso e permanência na rede estadual de Minas desmentem-no completamente.

— Mais desrespeitoso ainda é ele dizer para a sociedade que os professores estão mentindo.

O piso salarial nacional estabelecido pelo Ministério da Educação (MEC) é de R$ 1.697,00.

Só que, todo mês, com o contracheque nas mãos, o professor da rede estadual de Minas Gerais sabe que não recebe o piso Salarial Profissional Nacional do magistério da Lei 11.738/08.

Quando foi governador, Aécio estabeleceu o “Piso remuneratório”, coisa que só existiu em Minas.

Ele estabeleceu um teto de remuneração — R$850,00. Se o professor, somando tudo o que estava no seu contracheque, não chegasse a este valor, havia uma complementação até o valor do teto. Não era piso salarial, mas teto. Limite de salário!

Quando Aécio saiu do governo, a professora recebia como vencimento básico R$369,00. A lei federal 11.738/08 estabeleceu que o piso não é toda a remuneração, mas o vencimento básico, a partir do qual se calculam as demais vantagens e direitos.

Seu sucessor, Antônio Anastasia, transformou este teto em subsídio, desconsiderando o que foi estabelecido na Lei e também a decisão que o Supremo Tribunal Federal tomou ao negar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) proposta por vários governadores, inclusive do PT.

Ao criar o subsídio, Anastasia acabou com direitos conquistados pelos educadores ao longo de mais de 30 anos.

Recentemente um post antigo do Viomundo, de 2011, voltou a causar debate entre os internautas por conta da campanha eleitoral. É uma denúncia do SindUte feita durante uma campanha salarial.

O post já atingiu 49 mil compartilhamentos desde então. Eleitores tucanos, sem notar a data da publicação, chegaram a nos acusar de publicar um contracheque antigo. Oras, o post é de 2 de agosto de 2011!

Pois bem, a situação permanece a mesma.

[As reportagens-denúncia de Conceição Lemes são bancadas exclusivamente pelos assinantes do Viomundo. Torne-se um deles]

Vejam abaixo o contracheque de agosto do professor Adriano. Ele tem licenciatura plena.

O valor de  R$ 1.455,30 é o subsídio para jornada de 24 horas. Desse valor é retirada, descontada no próprio contracheque, a contribuição para a Previdência e o IPSEMG.

Salário líquido a receber: R$ 961,66.

contraCheque agosto 2014 (1)-001

O professor Adriano não é exceção.

Tanto que, para provar que Aécio mente, o SindUte fez este cartaz com o salário da professora Ormesinda.

Ela tem 10 anos de rede estadual e pós-graduação. O seu salário líquido é R$ 1.013, 32:

Sindute-Contracheque-206x266-002

Por tudo isso, Beatriz Cerqueira recomenda: “Antes de vocês decidirem o seu voto no segundo turno, conversem com professores da rede estadual de Minas Gerais. Peçam para que mostrem o contracheque”.

Leia também:

Jornalistas mineiros denunciam censura prévia e manipulação; redação se rebela

Policial autor de vídeo viralizado diz ter entregue provas à Corregedoria de Minas

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

47 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eunice

20/10/2014 - 23h12

Nao vote em infraecio.Ja basta que paulistas votaram em aguiminho.

Responder

Flávia Eduarda

20/10/2014 - 20h16

Sou filha de um servidor público aposentado(DERMG) e irmã de duas professoras da rede estadual (MG). Conhecemos muitíssimo bem o Aécio com tudo o que ele representa.E ele NÃO nos representa!Somos Dilma13!!

Responder

Andréa

20/10/2014 - 20h03

Fato é que o governo de Minas transformou a remuneração dos professores e demais profissionais da educação em subsídio, contrariando a decisão do STF, pois o subsídio é teto que inclui o auxílio transporte e o piso é o vencimento inicial sobre o qual todas as vantagens devem incidir. Não há mentira na matéria. Onde estão as vantagens dos servidores que trabalham há mais de 10, 15, 20 anos? Sumiram, foram “furtadas” pelo governo que é o maior caloteiro que conheço. O governo tentou mascarar a situação. Outro ponto importante de ser lembrado é que o Piso Salarial Nacional dos professores é para nível médio (para jornada de ATÉ 40 horas) e a maioria dos professores concursados de MG possuem nível superior, exigido para ser nomeado. Mesmo se for usada a proporcionalidade o governo de Minas paga valor inferior ao Piso. Subsídio não é piso, nunca foi e nunca será (parcela única que inclui auxílio transporte!). O PSN só é (era pra ser) o inicial para a carreira que o governo de Minas destruiu. Pedi exoneração da rede estadual, mas me solidarizo com os colegas que continuam recebendo esse subsídio humilhante para o grau de importância (e formação) da atividade que exercem.

Responder

Nena

19/10/2014 - 22h43

Algumas razões para não votar no Garoto Propaganda da Direita Tupiniquim:
1. Propõe a Privatização do Banco do Brasil, isto significa colocar o meu país sob o tacão dos banqueiros internacionais. Sou contra.
2. Propõe a Privatização da Petrobras, isto significa colocar o meu petróleo sob o domínio do Capital Predatório Internacional e dar uma nova denominação PETROBRAZ que fica num país chamado Brazil, cuja capital é Buenos Aires. ( assim éramos conhecidos antes do Lula e da Dilma) Sou contra.
3. Propõe dar as costas para a América Latina, isto significa que o meu país deverá desmontar o Mercosul , nos obrigando a restringir as exportações e importações destes países e voltarmos a ser capacho da política econômica americana para países “em desenvolvimento” rs,rs. Sou contra.
4. Propõe o estreitar de laços com os EEUU, isto significa que o meu país deve voltar a se ajoelhar diante do Tio Sam e, suplicar, agonizar por um empréstimo do FMI. Sou contra.
5. Propõe a diminuição do salário mínimo, isto significa trazer penúria e sofrimento para o povo do meu país e maior lucro para os exploradores do meu país. Sou contra.
Sou brasileira e estas são apenas as razões que me vem à mente assim de repente para apoiar e votar numa mulher honesta, corajosa e brasileira chamada Dilma Rousseff. Sou a favor.

Responder

FrancoAtirador

19/10/2014 - 20h25

.
.
Piada do Dia

Ouvi agora, no programa da Campanha

do AérioNéco (PSDB/DEM/PTB), na Rádio:

Mitomania Radiofônica Tucana

Narrador do PSDB:

“Aécio Neves quando assumiu

o Governo de Minas Gerais

pegou um Estado Quebrado”
.
.
AérioNéco só não disse que, antes dele,

o Governador de Minas foi Itamar Franco,

o mesmo que, em 1993, quando Presidente,

nomeou FHC (PSDB) Ministro da Fazenda.
.
.
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_governadores_de_Minas_Gerais)

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Itamar_Franco#Na_presid.C3.AAncia_da_rep.C3.BAblica)
.
.

Responder

Mário SF Alves

19/10/2014 - 18h01

Imprescindível!

Em tempo:

Essa campanha já não é mais uma campanha só da presidenta Dilma. Essa campanha é mais do que nunca uma campanha do povo. Uma campanha pelo fortalecimento político do PT e pela reeleição da querida presidenta Dilma.

Responder

victor

19/10/2014 - 14h55

É impressionate como, além de deturpar os fatos, vocês nem se preocupam em esconder as provas da desonestidade intelectual. No contracheque do primeiro professor, é fácil identificar os descontos totais de R$331,56 pagos em plano de saúde do ipsemg, entre plano individual, co participação em consultas realizadas, medicamentos e planos para dependentes. Já no segundo contracheque apresentado, além do desconto para pagamento do ipsemg, é possível perceber descontos em folha de quatro empréstimos de crédito consignado, dois do banco do brasil e dois do banco intermedium (a qualidade dda imagem não permite contabilizar estes valores). Isso sem contar que o piso salaria citado é para jornada de 40 horas semanais e os professores ilustrados pelos contracheques recebem pela carga horária de 24 horas semanais.

Responder

    Mário SF Alves

    19/10/2014 - 18h11

    Ora… diga-nos, com toda a possível franqueza, será que isso que você aparentemente tão bem analisou, livra a cara dele enquanto ex-governante e pretenso candidato ao posto maior do poder político neste País?
    _________________________
    Ou será que você só consegue enxergar apenas isso?

    __________________________________________

    Em tempo:

    O discurso da meritocracia do Aécio somado à política econômica preconizada pelo Armínio Fraga é igual a volta do darwinismo social. E você sabe ou tem alguém que já lhe disse o que significou isso? Na dúvida, pergunte sobre os sombrios 08 anos, quatro comprados, de desgoverno FHC(b) e lhe será dada a resposta.

    victor

    20/10/2014 - 11h11

    Mário, a questão de o governo de minas cumprir o piso salarial para os professores por si só não faz do Aécio o melhor candidato. O que quiz destacar é como os defensores da Dilma e do PT se valem de argumentos mentirosos, que não sobrevivem a uma análise um pouco mais crítica para atacar aquele. Este foi apenas um, entre vários exemplos.
    Se você vota na Dilma, por achar que ela representa o melhor modelo para o nosso país, eu respeito a sua opinião plenamente. Só não cocncordo com apresentar factóides para a população visando ganhar votos com base em MENTIRAS.
    quanto ao Armínio Fraga e o governo FHC, mais especificamente no campo econômico, a própria Dilma, em momentos menos demagógicos e mais sinceros, longe da disputa eleitoral, já reconheceu a importância do governo FHC pela estabilização econômica que este promoveu, fazendo coro a toda a comunidade científica séria. É um fato, não dá pra negar.
    Já o Armínio Fraga, tão atacado agora pelo pt, foi sondado para continuar no início do governo lula, e mais, foi cogitado para dirigir o FED, o banco central norte americano. Questões ideológicas à parte, os EUA são o país com maior número de prêmios nobel de economia. O que dizer de um homem que foi cogitado para dirigir a economia daquele país? Melhor que Guido Mantega, certamente ele é!

    Mário SF Alves

    20/10/2014 - 12h53

    Victor,

    Obrigado.

    Quanto ao economista citado penso que você esteja simplifcando demais a geopolítica de subordinação dos povos. Mas, antes fosse apenas isso.

    ____________________________
    A propósito, você ainda mantém o entendimento de que houve má fé no arrazoado contido na denúncia dos professores e que é objeto do presente debate/discussão?

    victor

    20/10/2014 - 17h37

    Mário,

    Obrigado pela resposta. É difícil travar um debate educado e respeitoso nestes dias de ânimos tão exaltados.
    Quanto ao Armínio Fraga, fiz uma referência à sua competência enquanto economista, reconhecido no mundo inteiro. Este reconhecimento é importante num cenário econômico globalizado. Entendo que suas razões para recusá-lo sejam mais ideológicas do que tecnicas. O que não pode é pegar partes de declarações dele, totalmente fora de contexto, e tentar, com isso, taxá-lo como inimigo dos pobres e do Brasil, como o PT tem feito. Isso é desonestidade intelectual pura.
    Quanto aos contracheques da matéria, mantenho minha opinião, pelos motivos que expus no comentário original.

    Andréa

    20/10/2014 - 19h47

    Fato é que o governo de Minas transformou a remuneração dos professores e demais profissionais da educação em subsídio, contrariando a decisão do STF, pois o subsídio é teto que inclui o auxílio transporte e o piso é o vencimento inicial sobre o qual todas as vantagens devem incidir. Não há mentira na matéria. Onde estão as vantagens dos servidores que trabalham há mais de 10, 15, 20 anos? Sumiram, foram “furtadas” pelo governo que é o maior caloteiro que conheço. O governo tentou mascarar a situação. Outro ponto importante de ser lembrado é que o Piso Salarial Nacional dos professores é para nível médio (para jornada ATÉ 40 horas) e a maioria dos professores concursados de MG possuem nível superior, exigido para ser nomeado. Mesmo se for usada a proporcionalidade o governo de Minas paga valor inferior ao Piso.

Léo

19/10/2014 - 14h51

Meu “paidrasto” era rodoviário e se aposentou com o mesmo salário do contracheque do artigo.

Responder

Urbano

19/10/2014 - 13h18

Sobre o quê o aéreo never não mente? Enfim, qual o tungano que não mente? Quem poderia citar um?

Responder

Jose Mario HRP

19/10/2014 - 12h33

Poeque será que não divulgaram mais as pesquisas, tipo Ibope, Data F., e o Vox?
Será que a virada já ocorreu?

Responder

Everaldo

19/10/2014 - 11h32

Pois é Coligação de Dilma, peguem pesado nessa mentirada nos próximos debates…

Responder

Nena

19/10/2014 - 08h49

Algumas razões para não votar no Garoto Propaganda da Direita Tupiniquim:
1. Propõe a Privatização do Banco do Brasil, isto significa colocar o meu país sob o tacão dos banqueiros internacionais. Sou contra.
2. Propõe a Privatização da Petrobras, isto significa colocar o meu petróleo sob o domínio do Capital Predatório Internacional e dar uma nova denominação PETROBRAZ que fica num país chamado Brazil, cuja capital é Buenos Aires. ( assim éramos conhecidos antes do Lula e da Dilma) Sou contra.
3. Propõe dar as costas para a América Latina, isto significa que o meu país deverá desmontar o Mercosul , nos obrigando a restringir as exportações e importações destes países e voltarmos a ser capacho da política econômica americana para países “em desenvolvimento” rs,rs. Sou contra.
4. Propõe o estreitar de laços com os EEUU, isto significa que o meu país deve voltar a se ajoelhar diante do Tio Sam e, suplicar, agonizar por um empréstimo do FMI. Sou contra.
5. Propõe a diminuição do salário mínimo, isto significa trazer penúria e sofrimento para o povo do meu país e maior lucro para os exploradores do meu país. Sou contra.
Estas são apenas as razões que me vem à mente assim de repente para apoiar e votar numa mulher honesta, corajosa e brasileira chamada Dilma Rousseff. Sou a favor.

Responder

    Mário SF Alves

    19/10/2014 - 23h37

    “2. Propõe a Privatização da Petrobras, isto significa colocar o meu petróleo sob o domínio do Capital Predatório Internacional e dar uma nova denominação PETROBRAZ que fica num país chamado Brazil, cuja capital é Buenos Aires. ( assim éramos conhecidos antes do Lula e da Dilma) Sou contra.”
    .
    .
    .
    Propõe, com o auxílio da mídia fora da lei e da justiça […] a blindagem total da roubalheira tucana. Sou contra. Por isso e pelo Brasil, voto Dilma.

Donato

19/10/2014 - 06h15

Já que a grande mídia encobre as mentiras do Aécio, a população só tem acesso as deformações que essa grande mídia bombardeia diuturnamente e o TSE que, quase as vésperas das eleições, resolve entrar na campanha proibindo que o programa da Dilma veicule a verdade sobre o Aéciporto, resta á nós que sabemos do risco que o país corre com um eventual governo tucano, sair às ruas e divulgar aquilo que a grande mídia esconde. Vamos fazer uns painéis com notícias sobre a corrupção e mentiras tucanas e colocar nas paradas de ônibus, nas praças e lugares de grande movimentação. Ocupar as redes sociais e mostrar aquilo que a mídia esconde. A hora é agora ou o fascismo se instalarà definitivamente no Brasil, com a cumplicidade silenciosa daqueles que sabendo do perigo que corremos não age.

Responder

Marat

18/10/2014 - 23h27

Aécio é mais uma fraude criada, mantida e gerida pelo pig… o pig tem tetas muito grandes, financiadas pelos toscos pessedebistas, que são burros mas se dizem inteligentes, que são maloqueiros, mas se dizem elegantes, que se dizem espertos, mas são burros!!!!!!!!!!!!

Responder

Carlos Augusto Soares

18/10/2014 - 22h46

Algumas dúvidas sobre a reportagem e sobre o contracheque da Professora Ormesinda:

1) salário recebido é e sempre foi o SALÁRIO BRUTO… Colocar o salário líquido como parâmetro para comparação com o piso nacional não é correto!

2) o salário da professora Ormesinda é para 24 HORAS SEMANAIS DE TRABALHO!!! O piso nacional é para quantas horas de trabalho? Para fazer uma comparação honesta, é necessário levar tanto o salário BRUTO de MG quanto o piso nacional para a mesma base de horas semanais de trabalho!

Responder

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 09h52

    Mais alguns dados adicionais:

    1) comparam o salário LÍQUIDO da tal professora Ormesinda com o piso nacional!!! O salário recebido é o SALÁRIO BRUTO!!!

    Entre os descontos da professora, q não é dito, tem até parcela de empréstimo!!!!!

    2) no outro exemplo dado, o professor Adriano recebe R$ 1.455,00 POR UMA JORNADA DE 24 HORAS DE TRABALHO SEMANAL!!!!

    O piso nacional é de R$ 1.697,00 POR UMA JORNADA DE 40 HORAS DE TRABALHO SEMANAL!!!!

    Se compararmos o salário do Professor Adriano com o piso, DE FORMA HONESTA (para a mesma carga horária) teremos:

    Salário em MG de R$ 2.425,00 x piso de R$ 1.697,00

    Gostaria q o blog corrigisse o meu raciocínio, caso tenha algum erro…

    Conceição Lemes

    19/10/2014 - 12h24

    Carlos, vamos pedir pra professora Beatriz te esclarecer isso. abs

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 13h29

    Conceição

    Obrigado pelo interesse

    Abs

    Beatriz Cerqueira

    19/10/2014 - 14h52

    Prezado Carlos Augusto,

    Em atenção aos seus questionamentos esclareço:

    1) Não colocamos o salário líquido para comparar ao valor do Piso Salarial. A peça assinada pelo Sind-UTE MG expõe o valor do salário da professora após descontar previdência e IPSEMG. O objetivo foi informar à sociedade quanto recebe uma professora, com 10 anos de trabalho e com pós graduação. Pode verificar que o conteúdo da peça é exatamente o que estou descrevendo e não consideramos na veiculação das informações os empréstimos que ela tem para diminuir o valor do salário liquido que divulgamos, o valor descrito é salário bruto retirando previdência e IPSEMG;

    2) A Lei 11.738/08 estabelece o Piso Salarial Profissional para jornada de ATÉ 40 horas e não PARA jornada de 40 horas. No Brasil cada sistema de ensino tem sua jornada de trabalho e a lei estabeleceu o limite. Então municípios e estados podem pagar o Piso Salarial para a jornada existente no seu sistema. É o caso do estado do Mato Grosso do Sul que fez uma negociação para o pagamento do valor do Piso Salarial para a jornada de 20 horas;

    3) Sobre o pagamento do Piso Salarial em Minas Gerais, eu explico o que foi feito pelo governo do PSDB: após o STF decidir que o Piso é vencimento básico e não total de remuneração, o governo de Minas, através da Lei estadual 19.837/11, somou toda a remuneração do professor e transformou em subsidio. Então, o valor de R$1.237,00 pago a uma professora de nível médio (veja o contracheque da professora Omercinda) é o total de remuneração. Até o vale transporte que o professor recebia fez parte desta soma em 2011 para se chegar ao valor do subsidio. Embora a professora tenha pós graduação o governo a remunera desconhecendo sua formação. O professor Adriano recebe R$1.455,00 de total de remuneração e não de vencimento básico. o governo não paga o Piso Salarial Profissional Nacional nem considerando a sua integralidade nem se fosse adotado o critério de proporcionalidade;

    4) Subsidio recebido pela professora Ormecinda: R$1.237,00 por uma jornada de 24 horas semanais. Ela paga de previdência R$173,28 e de IPSEMG R$ 50,41. Então o salário liquido é R$ 1.013,32. Foi esta a conta que fizemos e publicamos;

    5) a confusão que o governo mineiro tenta criar é dizer que subsidio e Piso salarial são a mesma coisa, quando não são. O Piso é o vencimento básico conforme definido na lei 11.738/08 e decisão do STF. E o subsidio em Minas Gerais foi composto de toda a remuneração, e não apenas do vencimento básico do professor conforme a Lei estadual 19.837/11.

    Espero ter contribuído para esclarecer.
    Atenciosamente,

    Beatriz Cerqueira

    Conceição Lemes

    19/10/2014 - 16h00

    Obrigadíssima, professora, por responder. Abração

    Paulo

    19/10/2014 - 15h14

    Carlos, Acho que você está mais por fora que bunda de índio. Me desculpe. Sou de Minas e convivo com os professores e com suas lutas diárias. Você realmente acredita em que fala o aecin? Cara, entre no SINDUT e procure se informar melhor. adicione a presidente do Sindicato da categoria, que ela vai lhe mostrar algumas coisas. Mas mesmo que fosse o vlr que vc colocou lá, é uma miséria. certo?

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 16h03

    Paulo

    Desculpe mas o seu comentário não ajudou em nada!

    Na sua opinião, eu estou por fora… pode ser, mas vc foi incapaz de dizer onde errei!

    E outra:

    A questão aqui não é se os professores DO BRASIL ganham mal ou bem… a questão q foi colocada é se Minas paga abaixo do piso nacional ou não!

    Gostaria q vc apontasse onde o meu raciocínio está errado!

    De outro modo, sua participação será nula…

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 16h09

    Beatriz Cerqueira

    Agradeço os esclarecimentos… Contribuiu sim, para entender melhor a situação.

    Conceição

    Obrigado pelo interesse em responder à minha pergunta.

    Abraços

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 16h34

    Beatriz Cerqueira e Conceição…

    Não é sempre (na verdade esta é a primeira vez) que tenho a oportunidade de “discutir” sobre um assunto em bom nível, sem ser acusado de ser troll ou coisa parecida… agradeço a chance de tirar algumas dúvidas q são reais!

    Fui pesquisar a lei 11738 de 2008 e notei o seguinte:

    “Art. 1o Esta Lei regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica a que se refere a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

    Art. 2o O piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica será de R$ 950,00 (novecentos e cinqüenta reais) mensais, para a formação em nível médio, na modalidade Normal, prevista no art. 62 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

    § 1o O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar o vencimento inicial das Carreiras do magistério público da educação básica, para a jornada de, no máximo, 40 (quarenta) horas semanais.

    § 2o Por profissionais do magistério público da educação básica entendem-se aqueles que desempenham as atividades de docência ou as de suporte pedagógico à docência, isto é, direção ou administração, planejamento, inspeção, supervisão, orientação e coordenação educacionais, exercidas no âmbito das unidades escolares de educação básica, em suas diversas etapas e modalidades, com a formação mínima determinada pela legislação federal de diretrizes e bases da educação nacional.

    § 3o Os vencimentos iniciais referentes ÀS DEMAIS JORNADAS DE TRABALHO SERÃO, NO MÍNIMO PROPORCIONAIS AO VALOR MENCIONADO NO CAPUT DESTE ARTIGO.”

    Sendo assim, o §1 fala que a jornada não poderá exceder as 40 horas semanais, ou seja, nenhum professor poderá trabalhar mais do que 40 horas por semana!

    e

    o §3 diz que para as demais jornadas, segue a regra da proporcionalidade, ou seja, para os professores (administrativos, auxiliares, etc) que trabalharem menos do que as 40 horas semanais máximas, será calculado o piso salarial utilizando-se a proporcionalidade!

    Por este paragrafo, o piso nacional deverá ser pago PROPORCIONALMENTE em caso de jornada inferior às 40 horas MÁXIMAS permitidas…

    Se isso for correto, volto a dizer q o Estado de MG está sim pagando o piso salarial para os professores de MG!

    Reconheço que, ao ler a lei, a minha interpretação foi diferente da apresentada pela Professora Beatriz…

    outro ponto que eu gostaria de mencionar é que o texto da reportagem é explicito no seu tema:

    O Governo de MG não respeita o piso salarial nacional para os professores!

    E, para comprovar, utilizou-se do contracheque dos professores, com seus salários líquidos…

    Acredito que a intenção do Sindicato tenha sido outra, mas, da forma que foi apresentado na matéria, uma coisa ( os salários líquidos de 2 professores) era prova da outra (o desrespeito do Governo mineiro em relação ao piso salarial).

    Sei que é esperar muito, mas se for possível, gostaria do esclarecimento em relação ao §3, que deixa bastante claro o critério de proporcionalidade para jornadas diferentes das 40 horas semanais.

    Mais uma vez, agradeço a oportunidade do debate.

    edivar Santana

    20/10/2014 - 14h14

    MOça, que faz o programa de Aécio. Você não tem vergonha na cara de pedir ao professor que mostre seu contra-cheque. eu acho que você deve ser mais uma do grupo dos ricos que faz propaganda pro Aécio. Mentindo está você, além disso muito ridícula se prestando a esse pape. O melhor que Aécio deve fazer é afastar do cenário político porque para a pobreza até hoje ele não deu nenhuma contribuição a ser deixá-los mais pobres. sou professor e digo a verdade. Tenho 24 anos de trabalho na educação e posso falar isso. Não vou postar meu contra-cheque, mas minha maior vontade seria mostrar a vocês dois cara a cara em rede de televisão para o Brasil ver. Se manca moça…

    Jodson

    20/10/2014 - 18h09

    Alguns comentários bem equivocados aqui, primeiramente, o Senhor Aécio Neves enquanto governador agiu de maneira tirana e além de não cumprir o piso, como se vê nos contra cheques, não cumpriu com hora atividade, que compõe a lei do piso.
    E para alguns que se apegam somente a valores, entendam que o STF definiu o piso com o salário sobre o qual devem incidir as vantagens da carreira, e MG não cumpre isso, ao contrário, incorporou todas as vantagens de carreira dos educadores ao salário, descumprindo o principio básico da Lei.
    Então antes de sair por ai soltando críticas, vociferando falácias, é preciso conhecer.
    Os educadores mineiros tiveram sua carreira destruída pelo PSDB.
    E ISSO É INCONTESTE!!
    #FORAAÉCIO E LEVE O PSDB COM VOCÊ!!!

    Andréa

    20/10/2014 - 19h52

    Fato é que o governo de Minas transformou a remuneração dos professores e demais profissionais da educação em subsídio, contrariando a decisão do STF, pois o subsídio é teto que inclui o auxílio transporte e o piso é o vencimento inicial sobre o qual todas as vantagens devem incidir. Não há mentira na matéria. Onde estão as vantagens dos servidores que trabalham há mais de 10, 15, 20 anos? Sumiram, foram “furtadas” pelo governo que é o maior caloteiro que conheço. O governo tentou mascarar a situação. Outro ponto importante de ser lembrado é que o Piso Salarial Nacional dos professores é para nível médio (para jornada de ATÉ 40 horas) e a maioria dos professores concursados de MG possuem nível superior, exigido para ser nomeado. Mesmo se for usada a proporcionalidade o governo de Minas paga valor inferior ao Piso, pois subsídio não é piso, nunca foi e nunca será (é uma parcela única que inclui auxílio transporte!).

    victor

    19/10/2014 - 17h56

    Beatriz, desculpe mas o que você diz não é verdade, quanto ao contracheques da professora. É possivel identificar, além do salário básico, o recebimento de um “adic.exig.curric.”, de um valor que me parece superior a 300 reais. Além disso, é óbvio que o valor dos empréstimos foi descontado para se chegar ao salário líquido, já que o valor da contribuição previdenciária (11% de 1.237= 136,07) mais a contribuição para o IPSEMG no valor de R$39.41 dá um total de R$175.48, o que não é suficiente para transformar, por si só, R$1.237,00 em 1.013,32, mas em 1.061,52. Os números não batem.

    Jane Latine Gomes

    19/10/2014 - 21h55

    Carlos,as vezes fica difícil de entender,vamos ver se conseguirei te ajudar.
    Sou professora aposentada e já cheguei ao grau P que é o último.
    Antes do subsídio tínhamos nossas vantagens.Eu tinha 5 quinquênios,10 biênios,mais 70% de dobra de turno,ou seja,trabalhava estendendo carga horária e adicional trintenario.
    Pegava-se o salário base e jogava sobre ele os quinquênios,sobre este valor jogava os biênios e assim por diante.Depois somava-se tudo e descontava o IPSEMG a previdência e obtinha o salário líquido.
    Olha que daria bem mais do que ganho hoje. Será que me fiz entender?Espero ter te ajudado.

    Carlos Augusto Soares

    19/10/2014 - 23h07

    Professora Jane,

    Não sou especialista na questão de salário dos professores em todos os seus aspectos…

    Esta matéria traz uma acusação ao governo de MG: não pagar aos professores o mínimo definido pela lei 11738 de 2008, q define o piso salarial nacional para a classe…

    E é em cima deste ponto específico q eu estou levantando algumas dúvidas.

    Olhando os 2 casos apresentados (professores Adriano e Ormesinda) e a lei, a minha opinião é q a lei está sendo cumprida!

    Se outros problemas existem, então são outros problemas!

    Torço e espero q os seus direitos, relativos às outras questões q a Sra apresentou, sejam respeitados!

    Obrigado pela sua resposta.

FrancoAtirador

18/10/2014 - 21h44

.
.
Sugestão para a Seção de Humor do Viomundo:

AérioNéco dos Pampas e seu Não-Programa de Governo [?!?].

Entrevista com o Candidato Adversário de Tarso13 no RS.

(http://youtu.be/EQGyaNlLhTA)

(http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Por-favor-candidato-uma-proposta-com-inicio-meio-e-fim-/4/32018)
.
.

Responder

Arnaldo Costa

18/10/2014 - 20h39

ERRAR TODO MUNDO ERRA, É HUMANO. JÁ ERRAR O TEMPO TODO POR FALTA DE ÉTICA E AGREDIR MAIS FRACOS É DESVIO DE CARÁTER. #AecioQuebrouMinas #AécioBerlusconi

Responder

Arnaldo Costa

18/10/2014 - 20h37

Esse discurso do Lindbergh sintetiza o “choque de indigestão”:

http://limpinhoecheiroso.com/2013/02/21/aecio-neves-os-10-anos-de-fracasso-de-minas-gerais-e-a-porrada-de-lindbergh-farias/

MINAS JÁ EXPERIMENTOU E NÃO GOSTOU. #DilmaMudaMais

Responder

Julio Silveira

18/10/2014 - 19h32

Eleitores de Tucanos não se preocupam com isso, são classistas, e por mais que saibam de todos os defeitos de seus candidatos, que vão da mentira a corrupção passando pelo entreguismo, o que importa é que são do time. Por isso acobertam, arrecadam trouxas, subvertem a verdade que é o mesmo que enganar, para terem o poder. Esses são a representação de novos que representam o Brasil antigo.

Responder

Carlos Cruz

18/10/2014 - 18h47

O PT tem que mostrar em seu programa eleitoral a realidade em Minas. As mentiras e a realidade. Colocar professores mostrando seu contra cheque. Mas também enfatizar suas propostas. Dilma 13. Dilma presidente.

Responder

Anna

18/10/2014 - 18h00

SENHORES JORNALISTAS, OU VOCÊS BOTAM A BOCA NO MUNDO, OU A DITADURA VAI TOMAR CONTA DESTE PAÍS.

Vão fechar, blogues, cassar rádios e tirar concessão de TV de quem for contra eles.

A “justiça” já está agindo pra consolidar o golpe. Se não ganharem no voto vão ganhar no roubo das urnas.

http://www.youtube.com/watch?v=Y7WMAD1hjd0

Responder

Francisco

18/10/2014 - 17h38

O cara mente na cara dura.

Paga para gente mentir na cara dura.

Chama de mentirosa a pessoa que apresenta prova de que ele mente.

Na cara dura.

Esse sujeito é tucano, sociopata ou tanto faz?

Responder

pedro - bahia

18/10/2014 - 16h57

Depoimento de Edna Pereira – moradora da zona rural na Bahia,
https://www.facebook.com/edna.pereira.543/posts/746530762085743

Responder

FrancoAtirador

18/10/2014 - 14h51

.
.
Quando não Mente, como é de Costume,

o Bonéco PlayBoy de Papelão do PSDB

diz Meia-Verdade, que é Meia-Mentira,

ou então omite a Verdade Inteira…

Aério Naves seria um Ótimo Presidente

das Organizações Mafiosas Globo…
.
.

Responder

Deixe uma resposta