VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Professores de PE rebatem entrevista de Campos: “Maquiagem”

16 de outubro de 2013 às 14h00

NO DIA DOS PROFESSORES RECEBEMOS O CINISMO DO GOVERNADOR COMO HOMENAGEM

sugerido pelo Ítalo Agra, no Facebook

Em algumas situações, calar é um atentado à história, essa é uma delas. Os professores de Pernambuco vêm sendo pisoteados por um governo autoritário e avesso às demandas históricas da qualificação da escola pública e valorização dos trabalhadores da educação.

Ao final do segundo mandato, o governador (e presidenciável) Eduardo Campos, vem a público, em renomado meio de comunicação TENTAR reescrever a história do seu governo em relação à educação pública e aos trabalhadores da educação.

Portanto, nós do Movimento Professor de Pernambuco e da Alternativa SINTEPE assumimos o dever de nos contrapor a cada ponto da entrevista do governador, apresentando uma série de elementos que atestam o quanto o discurso se afasta da materialidade dos fatos.

ÉPOCA – O senhor falou em educação. Pernambuco criou um sistema que paga bônus a professores que cumprem metas. No Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes enfrenta uma greve, entre outras coisas, porque quer implantar algo parecido. Na Presidência, o senhor faria um programa de meritocracia semelhante?

Campos – “Não é só colocar remuneração variável. É preciso haver valorização do professor, com plano de cargos, carreiras e vencimentos. Que diferencie quem faz especialização, que prestigie quem faz mestrado e doutorado”

O nosso PCC (plano de cargos e carreiras) foi achatado para cumprir a lei do piso com um malabarismo contábil.

Conforme o PCC, nossa graduação vale apenas R$ 78,39, a especialização R$ 213,98, mestrado R$ 260,40, e doutorado R$ 318,07 a mais no Piso Nacional dos Professores. Qual o prestígio?

Isso sem falar na absurda dificuldade que passamos até que o afastamento venha ser liberado e, pior ainda, para prorrogar o prazo.

Além disso, foi baixado um decreto por vossa senhoria, que não reconhece o período de elaboração da dissertação como passivo de afastamento integral. O que é um absurdo, e um desestímulo a todo servidor que se “atrever” a ingressar na pós-graduação.

Dessa forma, ninguém na rede estadual se sente motivado a cursar mestrado ou doutorado, pretendendo ficar na rede, pelo contrário; os que fazem ficam até pagar o tempo que ficam devendo e saem assim que podem.

Ao contrário do que ocorre em municípios como Ipojuca, na região metropolitana do Recife, que paga muito mais aos professores e dispõe de estímulos para que os que têm mais qualificação acadêmica não saiam da educação básica.

Campos – “que possa abrir a possibilidade de o professor fazer reciclagem e capacitação continuada”.

Primeiramente, é bom ressaltar que gente não se recicla. O que deveríamos ter era um suporte pedagógico estruturado nas escolas e gerências.

Pelo contrário, faltam educadores de apoio na maioria das escolas, e as formações, quando acontecem, raramente dialogam com a necessidade real das escolas e focam geralmente na produção de resultados.

Defendemos que os resultados não representam necessariamente a qualidade da escola, e sim apenas um indicador da mesma. E que os resultados devem ser a decorrência do funcionamento do currículo e do processo de ensino-aprendizagem, e não da conversão do currículo à lógica dos cursinhos e simulados.

Isso para nós significa burlar o processo, é uma fraude velada, revestida de verniz pedagógico.

Campos – “Não posso substituir salário pela remuneração variável. Seria uma agressão ao bom senso e ao professorado. É preciso haver salário e carreira para que o professor possa crescer. E ele tem de ter o bônus”.

Em termos de agressão ao bom senso e a categoria o Exmo. é um perito, mas poderia ser menos incoerente com os fatos e assumir a sua verdadeira posição nessa resposta.

Segundo o Prof. Luiz Carlos Freitas, a remuneração variável é um experimento social, pois não há larga comprovação empírica da sua eficiência na educação.

A escola não é uma linha de produção, não podemos responder diretamente pelo resultado do aluno, pois há diversos fatores que interferem no resultado, sobretudo as condições socioeconômicas dos alunos, o nível de interesse e mesmo a estrutura que está disponível na escola.

Essa política provocou o apostilamento do currículo e a corrupção dos processos avaliativos nos lugares onde foi implementada, especialmente nos Estados Unidos, como atestou Diane Ravitch.

Além disso, Pernambuco paga um dos piores salários do Brasil, e a nossa carreira foi pilhada e carcomida pela sua Gestão.

Compreendemos o bônus como uma chantagem para a “fabricação” de resultados, isso não é valorização da categoria.

Tanto que as avaliações demonstram o fracasso retumbante dessa política, mesmo no ensino médio, incluindo as tão divulgadas escolas de referência.

O Sr. Governador tem que lembrar que sua função não é a de criar ilhas de excelência, sua obrigação é qualificar a educação para todos, e contar com a avaliação da rede como um todo.

As escalas de proficiência demonstram o fracasso da política gerencialista associada à desvalorização da categoria e na supressão de direitos.

É por isso que a sua propaganda tem se concentrado em “perfumarias” como a distribuição de tablets, o envio de alunos para intercâmbio no exterior; inclusive o próprio portal do SAEPE [Sistema de Avaliação Educacional de Pernambuco] não está disponibilizando todas as escalas de proficiência de 2012. Por acaso o governo só publica os dados quando são vantajosos aos seus propósitos?

ÉPOCA – O professor ganha mal no Brasil?
Campos – Ganha mal. Acumulou-se a gestão malfeita no passado, e muitos lugares ficaram condenados a remunerar mal.

Não há uma fatalidade, nem uma lei da natureza. A má remuneração, que é só um elemento da esfacelada carreira docente, é uma CONSTRUÇÃO POLÍTICA, e como tal pode ser desfeita, assim como é tão natural que os políticos, aumentem os seus próprios salários ou o de sua categoria de origem para ter benefício próprio.

Como foi aumentado o seu próprio salário, no mesmo período em que achatou o nosso PCC.

Campos — Se houver diálogo com os professores, e se houver disposição, construiremos uma travessia de resgate de autoestima, fundamental para o resultado no aprendizado.

Diálogo com os professores? Quando foi isso?

Em Pernambuco os professores só são chamados para legitimar o que está feito e sair na foto para a propaganda.

Não tem como haver diálogo com quem alardeia a riqueza auferida pelo crescimento do Estado e ao mesmo tempo se nega a discutir qualquer mísera melhoria para a categoria.

Se o Sr. fosse generoso com os trabalhadores da educação como foi com a licitação dos tablets, os professores de Pernambuco teriam pouco a reclamar.

Campos – “Se o professorado ficar deprimido, não haverá resultado.”

O que deprime o professor é a falta de dignidade dos agentes públicos, que além de não valorizarem os profissionais da educação ainda se mobilizam para derrubar ou sabotar as leis que apresentam melhorias, como foi e está sendo com a lei do piso e o novo PNE.

O que deprime os professores é falta de sensibilidade e o extremo rigor do Sr. Governador em ignorar solenemente a categoria, concedendo uma entrevista para o país inteiro falando de um PCC que foi pilhado por sua gestão, de um diálogo que o senhor nunca teve, ou de um repeito que nunca nos foi facultado.

Toda sua política é baseada na produção de indicadores, via pressão, fiscalização, perseguição e supressão de direitos.

Aqui vale o adestramento, bônus para quem atingir a meta (não importa como) e a represália e o escárnio público para quem não atingiu (não importa por que).

Somos tratados como os cachorros de Pavlov, pois você não trata “gente como gente”, e sim como instrumentos adestráveis para produção de capital eleitoral, ou seja, indicadores favoráveis à sua “tara presidencial”.

Muitos colegas tem motivo para ficarem deprimidos diante da sanha absurda de fechar escolas e jogar sua responsabilidade com o ensino fundamental para os municípios, mediante um acordo de compadres com os prefeitos de municípios que, na grande maioria, tem como fonte maior de receitas o FPM [Fundo de Participação dos Municípios].

E pior, sem provar à sociedade que  essa responsabilidade assumida pelos municípios irá comprometer a Lei de Responsabilidade Fiscal, ou que trará benefícios à educação.

Onde está sua visão de longo prazo? Onde está o gestor moderno? O novo na política? Não seria a municipalização uma estratégia para fabricar estatísticas positivas para exibir no pleito de 2014?

Por exemplo, que Pernambuco tem tantos por cento de alunos matriculados no ensino integral e semi-integral?

De fato, é bem mais fácil jogar alunos para o município do que criar realmente boas escolas e produzir esses indicadores.

Ou seja, vemos uma absurda vontade de fabricar um pioneirismo que não passa da repetição das formas mercadológicas já aplicadas em Minas, São Paulo e Rio de Janeiro, mas com um verniz socialista (e bota verniz nisso)

E já que o Sr. falou em depressão, o que não faltam são colegas doentes pela pressão e a desvalorização com que são tratados. Atitude que agora também parte dos alunos, em casos de violência verbal e física que são cada vez mais recorrentes.

Além disso, quem estiver depressivo ou com qualquer outra doença está difícil para se tratar devido à precariedade do SASSEPE  [Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Pernambuco], e que está para piorar já que o Sr. “benfeitor” da educação, acha pouco que 70% dos custos do plano são assumidos pelos servidores públicos.

E além do governo não cumprir bem o seu papel, vem com uma proposta absurda para “salvar” o plano, que implica em aumento de até 160% no valor das contribuições, mesmo considerando que quem tem dois vínculos contribui duas vezes, e que o ônus maior tem sido do servidor.

Não me admira que o serviço seja terceirizado quando quebrar de vez, já que privatizar serviços virou moda em Pernambuco, vide o sistema de saúde.

Os donos das empresas devem adorar e serem muito gratos por suas privatizações.

Em contrapartida, os trabalhadores da educação não tem muito o que comemorar,  tem motivos para estarem “deprimidos” com a sua gestão, que tem sido extremamente cruel com os professores.

A suposta revolução na educação de Pernambuco é uma peça de publicidade, um simulacro.

O seu Programa de Modernização da Gestão Pública fracassou em seus objetivos para educação, o Pacto pela Educação parece estar em fase de testes, o SIEPE é um sistema instável e que tem sido utilizado mais como um instrumento coerção e exploração dos docentes do que em suas qualidades para a gestão.

Mesmo com todos os reforços para produzir resultados (vide o aprender mais, um programa limitado a treinar os alunos para a prova do SAEPE), as escalas de proficiência da rede demonstram o fracasso de tentar transformar a escola em uma linha de produção, ignorando as absurdas desigualdades existentes dentro da rede, inclusive amplamente promovidas pelo SEU governo, que elege escolas para serem de referência duvidável e outras para serem de excrescência contínua.

O legado do seu governo para educação foi o de tentar produzir uma maquiagem modernizadora, uma reforma da aparência, da estrutura, do alimento, ao mesmo tempo que culpabiliza os professores, priorizando a chantagem da meritocracia à uma política real de valorização por desempenho, conforme consta no PCC e nunca foi regulamentado.

O legado do seu governo foi o da educação como fabricação de capital eleitoral a partir de resultados e programas vitrine, para obter voto, intercâmbio no exterior, quando a grande maioria não tem aulas de inglês adequadas, quando não se preocupa em garantir professores ensinando disciplinas da sua área de formação.

Distribui tablets para os alunos (com preços bastante generosos), enquanto a maioria das escolas tem bibliotecas que não funcionam, inclusive por falta de funcionário — e da mesma forma são os laboratórios.

A escola que tem um tablet por aluno, mas que tem livros (inclusive novos) mofando por desuso, também não possui internet wi fi, e quando tem, não suporta a demanda.

E o pior, os professores que deveriam saber utilizar essa tecnologia, além de não receberem o equipamento, não receberam nenhuma formação de como utilizá-lo para potencializar o trabalho didático.

A escola que distribui tablets e manda alunos para o exterior, ainda enfrenta falta de professores, de porteiros, de educadores de apoio.

Aliás, a estrutura pedagógica das escolas é pífia, já o controle “burrocrático” é absurdo, resultando inclusive na cobrança do preenchimento das cadernetas (faltas, notas e registros de aula), do SIEPE (faltas diárias), e do Sistema de Monitoramento de Conteúdo para os professores de Língua portuguesa e matemática, implicando numa excelência na burocracia, associada à indigência da pedagogia.

Por esses e outros motivos sua entrevista é uma demonstração de completo cinismo com relação aos professores, que fique certo não ficarão calados sempre que suas falácias forem difundidas para o Brasil como se fossem o milagre da educação em Pernambuco.

O tal milagre, assim como sua imagem política vendida para o país, constituem uma obra de ficção, um embuste para inglês ver.

Queremos ressaltar que nossa queixa não é só salário, que nossa queixa não se reduz à pauta corporativa.

Muito mais que isso, vemos que Pernambuco vive um momento bastante favorável à quitação da dívida histórica que tem com a grande maioria da sua população, em termos de serviços públicos de qualidade.

No tocante à educação, defendemos uma escola pública de qualidade social e realmente para todos, e não a produção  de ilhas de excelência para servir de vitrine política, enquanto os de sempre são tratados como excrescência.

Não aceitamos uma responsabilização que não trata de cobrar as responsabilidades de cada agente implementador, na prática se limita à culpabilização dos trabalhadores da educação, especialmente os professores, por problemas que são sistêmicos e responsabilidades que são coletivas.

Não aceitamos a desfaçatez com que o governo ignorou solenemente as pautas históricas da promoção da escola pública com efetiva qualidade social, e não apenas, restrita à uma medida limitada de fluxo e proficiência, como se estas condensassem toda a complexidade inerente ao fazer educativo.

Ressaltamos que nosso grupo não tem “filiação partidária”, o nosso partido é a educação pública. Não temos interesse eleitoral, nem tampouco a pretensão de negar os avanços obtidos nesse período; no entanto, não silenciaremos ante o cinismo.

Cansamos de ser sub-representados e desrespeitados como categoria.

Por fim, convidamos o senhor e o secretário a praticarem efetivamente o discurso feito na entrevista concedida. E também a irem às escolas com os fatídicos “piores resultados” e constatarem o quanto de responsabilidade do governo subjaz o mero indicador.

Convidamos, sobretudo, a todo brasileiro, mídia e outros meios de comunicação, que realmente estejam interessados em conhecer a famigerada modernização da gestão em Pernambuco, para além da vitrine governista.

Dispomos-nos a esclarecer a quem desejar os argumentos que apresentamos como lacunas da política educacional vigente na rede estadual e suas brutais consequências para a garantia do direito à educação.

Ficaremos atentos às próximas falácias, e faremos questão de apresentar ao povo brasileiro a face real da sua política educacional.

SUBSCREVEM ESSA NOTA DE REPÚDIO

MOVIMENTO PROFESSOR DE PERNAMBUCO

GRUPO PROFESSOR DE PERNAMBUCO

ALTERNATIVA SINTEPE

Recife-PE, 15 DE OUTUBRO DE 2013

Leia também:

A maciça manifestação dos professores no RJ

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

27 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

maria

13/01/2014 - 20h52

querem saber que é eduardo compos va uma escola publica convessa com os aluns o que estar faltando para eles no minimo um cadermo para escrever

Responder

maria

13/01/2014 - 20h51

querem saber que é eduardo compos éva a uma escola publica convessa com os aluns o que estar faltando para eles

Responder

Josélio Assunção

09/12/2013 - 12h06

Ninguém melhor que os de casa para falarem com propriedade. ..

Responder

Marcilene

23/10/2013 - 21h58

É muita conversa, enganação, muito dinheiro utilizado de forma bastante equivocada…. e depois é só propagar está sendo gasto mundos e fundos na educação!!! De que forma? Onde? O objetivo é queremos educar e a finalidade é: eles(educandos e educadores) não vão conseguir. Povo culto é povo exigente isso em um país corrupto, onde o que impera é impunidade, EDUCAÇÃO só na travessia e outros programas.

Responder

Elindomar Bessoni

19/10/2013 - 21h38

E o nosso pó de giz q ele incorporou com os quinquênios ao salário? Pense em um governador “transparente”

Responder

FrancoAtirador

19/10/2013 - 21h20

.
.
A Revista Época esqueceu de fazer

uma pergunta a Eduardo Campos:

– No segundo turno das eleições de 2014,
o senhor apoiará Dilma Rousseff, do PT,
‘para dar continuidade ao Governo do PT’,
ou fará campanha para Aécio Neves, do PSDB,
‘para dar continuidade ao Governo do PT’?
.
.

Responder

    Guanabara

    20/10/2013 - 15h07

    Boa.

Nicolau Moura

17/10/2013 - 23h31

Para vocês terem noção do absurdo que é o PCC dos professores da rede estadual de Pernambuco, que foi piorado por Campos, O MÁXIMO QUE UM PROFESSOR DA REDE PODE GANHAR DE VENCIMENTO É O VALOR DE 3.878,83. Isso com 30 anos de serviço e DOUTORADO…isso mesmo…DOUTORADO. Aumento por progressão é pífio, especialização 13%, mestrado 14%, doutorado 15%. O teto da profissão é de 4.116,24, mas a progressão vertical por desempenho não foi regulamentada.
OUTRO DETALHE…ESSE SALÁRIO É O DO PROFESSOR DE 40h semanais. O de 30h, só pode chegar até 3.087,82 de direito, mas de fato (por causa da não regulamentação) chega até 2.909,10.
OU SEJA, UM SOLDADOR COM NÍVEL MÉDIO EM SUAPE (solda mig, tig), INICIANTE, GANHA EM TORNO DE R$ 3.400. Os que tem mais experiência pode chegar a bem mais que isso…..
OU SEJA, UM PROFESSOR DOUTOR NA EDUCAÇÃO BÁSICA SÓ SE FOR UM MÁRTIR DA EDUCAÇÃO, OS MESTRES, DA MESMA FORMA.
Realmente o salário não é o único problema, mas sem um salário decente, nem perspectiva de futuro, quem vai priorizar seriamente a rede estadual.

Responder

Luís Carlos

17/10/2013 - 22h29

Campos é um engodo. Será devorado por Marina dentro do PSB, pois ele é muito fraco, mais que Marina. Eduardo é casca vazia, tanto quanto Aécio. São muito próximos ideologicamente.

Responder

Professores desmontam Dudu, o educador | Conversa Afiada

17/10/2013 - 18h41

[…] Professores de PE rebatem entrevista de Campos: “Maquiagem” […]

Responder

    José

    17/10/2013 - 21h37

    Como no paraná é só propaganda e nada mais, em 3 anos Beto Richa acabou com a Educação estamos indignados com a propagando do mesmo. Falta de vergonha e nós professores temos que tirar esses malandros do governo urgentíssimo…

Robert PR

17/10/2013 - 17h42

Ops. galeguinho.

Responder

Robert PR

17/10/2013 - 17h42

Lembrei daquele personagem do Chico Anisio: “Palavras são palavras, nada mais do que palavras”.
Ah, caleguinho mentiroso!

Responder

Altamiro Borges: Aécio vem aí com agenda do passado - Viomundo - O que você não vê na mídia

17/10/2013 - 17h25

[…] Professores de Pernambuco contestam entrevista de Eduardo Campos […]

Responder

Ivanir

17/10/2013 - 17h12

Cara de pau. Eu já vi o vídeo da escola lá de Cedro. O aluno falou que ele nem sabe tomar conta do quintal da casa dele e quer tomar conta do Brasil.

Responder

André Dantas

17/10/2013 - 14h24

Eu acho o texto irretocável. Eduardo Campos, sem tirar nem por, representa exatamente o que os professores pernambucanos denunciam, bem como faz jus a todas as demais críticas que vem recebendo atualmente.
Todavia, Eduardo Campos não virou Governador em 2013 nem mudou de cara agora. Mas o interessante é que quando ele era “um dos nossos” ninguém (leia-se apoiadores desse Governo e sua política de “governabilidade”) lembrava de dar voz aos críticos do seu Governo. Não raras vezes li que o PSB e Eduardo Campos eram os aliados mais fiéis do Governo Dilma, que compunham o “campo progressista”, que Eduardo deveria “aguardar a sua vez”, etc, etc, etc.
Agora que ele resolveu não esperar mais 04 anos virou mais um “inimigo do lado de lá”, ou melhor, mudou-se, de mala e cuia, para o lado de lá. Até há pouco Eduardo era considerado um Governador com grande aprovação pela população e as categorias pisoteadas por suas políticas “socialistas” (sic) não tinham espaço na mídia progressista e muito menos na mídia hegemônica.
Eduardo realmente representa essa política tradicional brasileira de alianças espúrias, de “toma lá dá cá”, de perfumaria, sob um glacê “socialista”, mas ele já representava isso quando estava no seio desse Governo que também está recoberto de glacê e perfume. Muita gente prefere não levar isso em conta e decide centrar as críticas nos que resolveram mudar de doçura e fragrância.

Responder

    Nicolau Moura

    17/10/2013 - 23h05

    É verdade André. Eu acompanho o grupo do face(professor de Pernambuco)e vejo que esse espaço vem crescendo porque a categoria não se vê representada na direção do sindicato, que é de hegemonia do pt e pc do b. Dudu não ficou ruim agora, ele pilhou o pcc em 2009, e a postura desses partidos foi de silêncio, nenhuma denuncia encontrava apoio político. Mas depois que ele humilhou o pt em recife e agora que rompeu de vez estão começando a elevar o tom. Se defendessem a educação de verdade,

tania maria machado

17/10/2013 - 13h40

É DISCURSO DE TUCANO, DE POLITICO DE DIREITA. qUER SABER SE O POLITICO É BOM? É SÓ VER SE ELE INVESTE EM EDUCAÇÃO, SENÃO, É SO RETÓRICA, PALAVRAS AO VENTO. eLE E A MARINA DE COMPLETAM. FHC NÃO CRIOU UNIVERSIDADES EM 8 ANOS, LULA CRIOU 23 MAIS CENTENAS DE EXTENSÕES UNIVERSITARIAS.

Responder

Jeca Tatu

17/10/2013 - 12h00

Aqui em SP a soma do aumento para quem faz mestrado e doutorado é de até (advérbio adorado pelos tucanos)20%. Ou seja, se você iniciar agora com uma carga de 25 horas/aula o salário é inferior a R$ 1.000,00. Isto quer dizer que se você fizer Mestrado e Doutorado, você receberá uma fortuna de até R$ 200,00, totalizando os dois diplomas, não é para cada um deles. Há mais um porém, se você fizer mestrado na sua área afim, ex. Língua Portuguesa, e doutorado em Filosofia, História, Matemática, etc., você não receberá aumento pelo doutorado, apenas pelo mestrado. Então será inferior a 20%.

Responder

Sergio Luiz

17/10/2013 - 10h57

Os professores estaduais em Pernambuco vivem uma realidade cruel. Na nota de repúdio expõe a política covarde da Educação, suas maquiagem e mentiras forjadas que prejudicam os profissionais, alunos e toda a sociedade. Vivemos na mentira, mentira essa que nos aflige de forma violenta. A sociedade precisa saber das verdades por trás das propagandas. Chega de ilusões, nós professores não aguentamos mais tanta hipocrisia.

Responder

Marina

17/10/2013 - 00h05

AS coisas em Pernambuco realmente não são fáceis para o professor. Entrei em um processo depressivo desde que ingressei na rede, há quase quatro anos. Estou dependente de remédios para dormir e trabalhar. Mas isso não ocorre por causa dos alunos. Adoro conviver com eles. O que me fez adoecer foi a situação de pressão exercida pelo governo de Eduardo Campos, que se contrapõe à realidade das formas de ensino possíveis no estado de Pernambuco. Na semana passada, chegou um comunicado à gestão, via secretaria de educação, informando que, se a escola não tiver um bom índice de desempenho (português e matemática, que são as únicas matérias avaliadas), o gestor será exonerado e os professores de matemática e português, transferidos. Vivemos assombrados com a situação de municipalização e a incerteza de nosso futuro na rede, podendo até sermos cedidos à prefeitura, perdendo tempo de serviço e possíveis gratificações. Mesmo os concursados vivem sob constante pressão. Não há como fazer um trabalho digno, fundado na relação professor-aluno, pois o governador exige o cumprimento de metas, nada mais que isso. Na escola em que ensino, por exemplo, existe uma realidade social que faz muitos alunos abandonarem a sala de aula. Nossos índices, então, caem, e somos obrigados a inventar notas. Não existe nenhuma demonstrado, pelo governo, de apoio ao aluno que saiu da escola. Busca metas, e só. O professor aqui vive para mascarar uma realidade a fim de satisfazer essa ânsia do governador em apresentar os tais índices e cumprimento de metas. Percebendo a situação, não tive como não adoecer. Esse é o único caminho possível para os que pensam a educação como meio de transformação social: os remédios, os terapeutas e as noites sem sono.

Responder

jerry lima

16/10/2013 - 21h50

No estado do Amapá nâo é muto diferente pois o governo do PSB massacra os Educadores com mão de ferro.

Responder

Penélope Lyra

16/10/2013 - 20h44

Aguardo explicações para o que não tem. Os professores da rede Estadual estão doentes. “Sou professora com orgulho e exijo respeito.”

Responder

Geni

16/10/2013 - 20h26

Realidade e dados expostos a respeito de um cidadão que se diz candidato à presidência da República por ter feito um excelente governo e ter ideias revolucionárias, principalmente sobre educação…
Realmente, é espantosa a forma como o líder do PSB faz política…

Responder

Urbano

16/10/2013 - 19h02

É lero-lero demais… E se o cara for empregado exemplar, aí é indo e ‘viendo’. Nem precisa incomodar Papai Noel…

Responder

renato

16/10/2013 - 18h24

Por isso acho que vão malhar tanto ele, que a opção natural será Marina.
Obvio que isto é para o percentual que ele tem.
O resto (“nós”), mais o em branco e nulo, pronto fechou a conta.
Vamos direto para as eleições para nós mantermos democráticos, mas seria de extrema valia (economizar), fechar por aqui mesmo.
É claro se a direita aceitar.

Responder

Deixe uma resposta