VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Policiais federais: Algema em pobre pode

19 de agosto de 2011 às 00h17

Nota de Esclarecimento: atuação da Polícia Federal no Brasil

12/08/2011 – 18:31

por sugestão da leitora Jô Freitas, no site da ADPF

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal vem a público esclarecer que, após ser preso, qualquer criminoso tem como primeira providência tentar desqualificar o trabalho policial. Quando ele não pode fazê-lo pessoalmente, seus amigos ou padrinhos assumem a tarefa em seu lugar.

A entidade lamenta que no Brasil, a corrupção tenha atingido níveis inimagináveis; altos executivos do governo, quando não são presos por ordem judicial, são demitidos por envolvimento em falcatruas.

Milhões de reais – dinheiro pertencente ao povo- são desviados diariamente por aproveitadores travestidos de autoridades. E quando esses indivíduos são presos, por ordem judicial, os padrinhos vêm a publico e se dizem “ estarrecidos com a violência da operação da Polícia Federal”. Isto é apenas o início de uma estratégia usada por essas pessoas com o objetivo de desqualificar a correta atuação da polícia. Quando se prende um político ou alguém por ele protegido, é como mexer num vespeiro.

A providência logo adotada visa desviar o foco das investigações e investir contra o trabalho policial. Em tempos recentes, esse método deu tão certo que todo um trabalho investigatório foi anulado. Agora, a tática volta ao cenário.

Há de chegar o dia em que a história será contada em seus precisos tempos.

De repente, o uso de algemas em criminosos passa a ser um delito muito maior que o desvio de milhões de reais dos cofres públicos.

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal colocará todo o seu empenho para esclarecer o povo brasileiro o que realmente se pretende com tais acusações ao trabalho policial e o que está por trás de toda essa tentativa de desqualificação da atuação da Polícia Federal.

A decisão sobre se um preso deve ser conduzido algemado ou não é tomada pelo policial que o prende e não por quem desfruta do conforto e das mordomias dos gabinetes climatizados de Brasília.

É uma pena que aqueles que se dizem “estarrecidos” com a “violência pelo uso de algemas” não tenham o mesmo sentimento diante dos escândalos que acontecem diariamente no país, que fazem evaporar bilhões de reais dos cofres da nação, deixando milhares de pessoas na miséria, inclusive condenando-as a morte.

No Ministério dos Transportes, toda a cúpula foi afastada. Logo em seguida, estourou o escândalo na Conab e no próprio Ministério da Agricultura. Em decorrência das investigações no Ministério do Turismo, a Justiça Federal determinou a prisão de 38 pessoas de uma só tacada.

Mas a preocupação oficial é com o uso de algemas. Em todos os países do mundo, a doutrina policial ensina que todo preso deve ser conduzido algemado, porque a algema é um instrumento de proteção ao preso e ao policial que o prende.

Quanto às provas da culpabilidade dos envolvidos, cabe esclarecer que serão apresentadas no momento oportuno  ao Juiz encarregado do feito, e somente a ele e a mais ninguém. Não cabe à Polícia exibir provas pela imprensa.

A ADPF aproveita para reproduzir o que disse o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos: “a Polícia Federal é republicana e não pertence ao governo nem a partidos políticos”.

Brasília, 12 de agosto de 2011

Bolivar Steinmetz
Vice-presidente, no exercício da presidência

Eliomar Coelho: No Rio, o trator da Copa desrespeita os pobres

Sabesp faz o que condena na população: joga sujeira nos córregos

Ivan Valente: Campanha sou agro omite anunciantes

 

48 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Luciana

24/08/2011 - 07h46

O uso de algemas está para a condução do preso, como as grades da cela estão para contê-lo.
Assim, tirem as grades da celas, já que os investigados pertencem a elite e não oferecem nenhum risco.
Em um país que relativiza os procedimentos de segurança em razão da classe social, somente reafirma que há cidadãos de primeira classe (não-algemáveis) e os de 2ª classe (algemáveis).

Responder

Adilson

21/08/2011 - 03h38

Todo bandido deve ser algemado, simples assim. O resto é invenção de algumas cabeças de jerico do mundo jurídico que não querem ver os meliantes de colarinho branco algemado. Pois nunca vi ninguém ergue a voz em defesa de preto, pobre e p…quando são algemados pela polícia.

Responder

Francisco Souza

19/08/2011 - 19h34

Eu imaginava que uma pessoa para ser dita "criminoso" deveria passar pelo crivo do poder judicial. Nao sabia que delegados ja quando prendem, tem a possibilidade de designar que o protagonista é criminoso. Isto para mim não faz sentido.

Responder

Lucio

19/08/2011 - 19h28

E a discussão no blog continua sendo as algemas.

Sobre a corrupção endêmica que assola o governo… ZZzzzZzzZzzZZ

Responder

    Wildner Arcanjo

    20/08/2011 - 17h01

    Você veio ao mundo nos últimos meses? Amigo, isso já existe desde que Cabral aportou por estas praias, sacaneando primeiros os pobres índios. Ninguém fala mesmo é que, desta vez, a vassoura não varre para debaixo do tapete, nem pela porta dos fundos. Varre é para a porta da frente.

Vlad

19/08/2011 - 18h58

Na PF, como na maioria das organizações, não há um só nível hierárquico.

Interessante que os Delegados NÃO vão na mesma linha da Fenafesp, fazendo cara de paisagem à revelação (ou crítica, ou denúncia, sei lá) que "alguém" (quem será?) vaza informações que permitem às câmeras já estarem posicionadas quando as prisões ocorrem.
http://www.viomundo.com.br/denuncias/policiais-fe
(basta ler os 5 últimos parágrafos, para quem não viu).

Parece que os delegados seletivamente abstrairam a questão da exposição à mídia, batendo apenas na ladainha das algemas, que já perceberam que tem apoio maciço do público, farto de só ver PPP algemado …muito conveniente.

Responder

Wildner Arcanjo

19/08/2011 - 18h12

Vamos fazer o seguinte meu povo. Para que esse "povo cheiroso" pare de tanta frescura:

– Vamos lançar uma campanha para que "rico dos olhos azuis", quando presos, tenham direito a usar algema devidamente desinfetada com álcool 90%.

Felizes assim?

Responder

tiago tobias

19/08/2011 - 17h51

Lembro quando prenderam o Daniel das Antas…o PIG fez um escarcéu quando vazaram as fotos dele algemado.

Responder

Marcelo

19/08/2011 - 17h41

Isso começou após a prisão do banqueiro Daniel Dantas . Na época o presidente do STF ( não vou citar o nome aqui , me da nojo escreve-lo ) bradou contra as algemas , afinal haviam lhe prendido o patrocinador , membros do senado e da camera federal tambem foram a bancada reclamar da violencia da PF na ação . Foi um dos momentos mais vergonhosos que ja assisti como brasileiro , pois na semana anterior dois PM do Rio de Janeiro mataram a tiros de fusil uma criança de 5 anos que estava no banco de traz do carro com sua mãe . Sobre a abordagem desses policiais que mataram uma criança inocente não houve revolta alguma de nossos representantes em Brasilia . Ja prender banqueiro ……..

Responder

Edmilson Fidelis

19/08/2011 - 17h19

Quem começou com a história de algemas foi o STF na voz do seu então presidente Gilmar Mendes. Quem reclamou veementemente da "espetacularização" da PF também foi o então presidente do STF, Gilmar Mendes.
Quem fez lançar uma súmula vinculante regulamentando o uso das algemas foi o então presidente do STF, Gilmar Mendes.
Quando o fez, o entãopresidente do STF, Gilmar Mendes, contou o apoio quase que integral da mídia e da então, e ainda, oposição ao governo.
Se a PF fosse realmente impregnada dos valores republicanos, como alega a APDF, deveria seguir os ditames do STF.
Se a PF fosse realmente impregnada dos valores republicanos, como alega a APDF, não deveria se preocupar somente com a corrupção oficial e vez por outra ir atrás do corruptores privados.

Corrupção há dois lados. Ou não?

A discussão sobre algemas realmente é um meio de tirar o foco do que mais importa, mas já que foi usada para livrar a cara dos amigos, que sirva também para os inimigos. Ou acabem de vez com isto.
Criminoso ou suspeito deve arcar com riscos que o crime deveria trazer. Lembrando que tratar um inocente como criminoso é crime.

Responder

Paulo Cavalcanti

19/08/2011 - 16h45

Uso de algemas (não é invensão) de brasileiro. Trata-se de "norma internacional de segurança" – PONTO.

A aplicação do uso de algemas é "prerrogativa do agente de segurança" – ele é o elemento que está na ponta da operação, a ele compete avaliar o uso ou não. Como ninguém tem uma estrela na testa, e nunca se sabe a reação do elemento preso, por mais calma que ele possa aparentar, na dúvida, o agente sempre "opta" pelo uso das algemas.

Aliás, o uso de algemas, é TAMBÉM, para preservar o elemento preso, que uma vez imobilizado, evita-se por exemplo, que ele cometa suicídio. Nesse caso, "a culpa então será do agente", que pelo fato de ter a prerrogativa de algemá-lo ou não, não tendo algemado, torna-se SOZINHO, responsável pela morte do preso. PONTO FINAL…..o resto são firulas, frescuras de quem nada tem prá fazer.

Responder

Renato Luís Schmitt

19/08/2011 - 14h11

Parabéns a Polícia Federal. Orgão que agiu e age com competência. Grande Instituição, merecedora de aumentos reais pelos serviços prestados para todos os brasileiros de bem. Estou e estarei sempre defendendo todos os delegados e demais agentes da Polícia Federal.

Responder

george

19/08/2011 - 12h17

Ou algema todo mundo ou nao algema ninguem

Responder

FrancoAtirador

19/08/2011 - 12h12

.
.
O mandado de prisão é emitido pelo Juiz.
Cabe à Polícia cumprir o mandado judicial.
O uso da algema se faz necessário, por exemplo,
nos casos em que há resistência à ordem de prisão.

O resto é espetacularização do ato e do fato.
.
.

Responder

    Inácio

    19/08/2011 - 15h42

    E é para espetacularizar mesmo. O povo está cansado da roubalheira. O povo quer ver a canalhada corrupta algemada, já que depois os juízes corruptos vão mandar soltar seus colegas mesmo…

    Paulo Cavalcanti

    19/08/2011 - 18h17

    O chefão do FMI, Dominique Strauss-kahn, candidatíssimo à presidência da França, foi acusado de estruprar uma camareira de hotel, foi apresentado à imprensa mundial de que maneira????

    A L G E M A D O!!!!! Será que havia necessidade? Um preso que (aparentemente), não ofereceria resistência. Isso, num país de 1ª – agora aqui, um país de 5ª, ficamos na eterna lucubração, pautados pelo que tem de pior no país. O judiciário e a imprensa vendida. Façam favor gente, ALGEMA PRÁ TODO MUNDO.

    Aliás, se for colocar mesmo alguma em todo mundo, vai faltar algemas, do mesmo jeito no Brasil, se for colocar todos ladrões na cadeia, vai faltar gente prá trancar a grade!!!

    Lucio

    19/08/2011 - 19h27

    E é para espetacularizar mesmo. O povo está cansado da roubalheira. O povo quer ver a canalhada corrupta algemada, já que depois os juízes corruptos vão mandar soltar seus colegas mesmo…[2]

    FrancoAtirador

    19/08/2011 - 19h44

    .
    .
    O Troll Lucio/Inácio/etc não se preocupou

    nem em trocar o texto do comentário.

    É só copiar, colar e tumultuar.
    .
    .

Wanderson Aguilar

19/08/2011 - 11h45

Concordo com o "o algema todo mundo ou não algema ninguem" mas alto lá na PF só tem cobra criada eles conhecem a Lei sabem das suas fragilidades e sem contar que instituição Republicana tem em seus quadros gente com o perfil politico-ideologico "bem especificado".

Responder

everaldo

19/08/2011 - 11h39

Eles (a PF) adoram as câmeras, e quem convoca a imprensa são eles mesmos, quem arruma aquelas vitrines com distintivos e logotipos com armas objetos e pessoas apreendidas são eles, então a algema é parte do mise-en-scene, símbolo do poder da força de que dispõe e que se dissolve à primeira análise jurídica (quando os juizes anulam essas palhaçadas midiáticas).

Responder

    Lucas

    19/08/2011 - 12h08

    Adoro essas "palhaçadas midiáticas". Já que os juízes corruptos e coniventes vão mesmo soltar os seus colegas de corrupção, pelo menos existe a punição de ser humilhado em rede nacional, para os filhos verem algemado na TV. É isso que merece corrupto canalha que mete a mão no dinheiro dos hospitais, causando a morte dos pacientes.

    everaldo

    19/08/2011 - 12h28

    Vamos apostar num país pautado pela Polícia e quando nos arrependermos será tarde, estaremos presos ou sob ameaça de prisao!!!

Antonio

19/08/2011 - 11h30

Parabéns a Bolivar Steinmetz, vice-presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, pela clareza e honestidade com que trata assunto tão sério e recorrente no cenário brasileiro. A Polícia Federal tem feito um excelente trabalho, que desagrada os bandidos de colarinho branco. Bolivar coloca o dedo na ferida e cutuca a bandidagem que desvia dos cofres públicos milhões, bilhões de Reais, levando à morte milhares de brasileiros, que ficam sem atendimento à saúde, sem educação e a mercê da violência. Parabéns.

Responder

Wildner Arcanjo

19/08/2011 - 11h27

No Brasil o P.P.P. (não nesta ordem e nem obrigatoriamente com todos estes atributos) é sempre culpado, até que não se consiga provar o contrário!

Viva a nossa (IN)Justiça!

Responder

Edivaldo

19/08/2011 - 11h15

Dia 9 de agosto de 2011 no programa "Profissão Repórter", foram exibidas várias prisões de traficantes flagrados com droga no aeroporto internacional de Sâo Paulo.

Não vi uma pessoa sequer algemada. A Polícia Federal foi competente para prender dentro da estrita legalidade sem precisar de qualquer violência. Quero que os traficantes paguem tudo na prisão, mas não quero uma polícia que não se comporte como dona dos outros, nem dos inocentes nem dos culpados, porque assim só serão justos os policiais, bons ou não.

Parabéns aos policiais mostrados na reportagem.

Responder

Julio Silveira

19/08/2011 - 10h21

A PF está correta. Esse papo de algema é diversionismo para benefeciar os corruptos encastelados e seus aliados discretos. Acredito que algema não deveria ofender, mas sim o delito. Essas "vitimas" não são pegas por maldade da PF é por que sempre existem evidências que foram constatadas por Juizo e ordenadas por autoridade do judiciário. São esses papos de brandura que criam atenuantes e fazem tão atrativa a atividade publica para a locupletação, e atividade criminosa de baixo risco. Esquecem-se, esses que se condóem com o criminoso, que isso tem legado ao povo brasileiro a falta de solução, por fatores economicos, de muito de seus problemas sociais e uma cultura de impunidade. Tem gente que gosta, até que a agua lhe bata nas nadegas(para ser politicamente correto).

Responder

tereza

19/08/2011 - 09h58

Dia desses exibiram para a imprensa um assaltante negro – é claro – algemado – é claro – usando avental e sapatilhas do hospital. Ninguém ficou indignado!

Responder

Rogerío

19/08/2011 - 09h58

O final do manifesto é engraçado. Usam uma frase do Thomaz, Bastos, o mesmo que deu um golpe nas investigações da policia federal e conseguiu anular uma operação importante. A pf me desculpe, mas precisa arrumar melhores referencias.

Responder

    Werner_Piana

    19/08/2011 - 13h09

    me desculpem, mas o texto em tela parece manifesto demotucano. com todo o respeito. chavões piguianaos classicos.
    sem mais.

Regina Braga

19/08/2011 - 09h49

Fiquei admirada com o comportamento dos Federais…No Ministério do Turismo, o povo foi preso e as TVs estavam lá…Na quadrilha dos quimicos,só aparece a ilha,os carros,o desvio da grana e nenhum nome,nem uma algema,nadinha!!! Comportamento estranho,né!!!!

Responder

    Marcelo de Matos

    19/08/2011 - 10h45

    Como diz o "velho lobo" Zagalo: "É estranho".

    Lucas

    19/08/2011 - 12h05

    Pelo menos prenderam. Empresário ser preso por sonegação fiscal já é algo a ser comemorado nesse país.

urbano

19/08/2011 - 09h45

Só resta aguardar o pronunciamento dessa associação a respeito da operação Alquimia que parece só conseguiu "algemar" uma ilha na Bahia. Um crime sem criminosos pelo que a PF divulgou ate agora.

Responder

Mário Filho

19/08/2011 - 09h35

Pode e deve ser usada se o elemento oferer risco a si ou ao agente. Mas NÃO PODE é ser usada para buscar 15 minutos de fama. Transformar prisão em espetáculo é coisa para cinema e televisão. O resto deve ser o estrito cumprimento do dever ou então mudar de profissão e se tornar artista ou reporter sensacionalista. Nenhum homem, não importa sua origem deve ser submetido a HUMILHAÇÃO pública, deve ser punido sim, mas dentro dos limites da ética e principalmente da LEI. Não pode ser um simples policial a decidir se alguém é culpado ou inocente. à polícia cabe deter SUSPEITOS.

Responder

    Wildner Arcanjo

    19/08/2011 - 18h19

    Aliás, a prisão quando preventiva já é decretada pela própria Justiça, a prisão em flagrante de delito incorre em comprovação do ato ilícito? Por que então não algemar? Quer dizer que só PPP é que sai algemado e na mala do camburão? Rico tem que ir com o policial dentro do próprio carro e com o motorista do acusado?

Marcelo de Matos

19/08/2011 - 09h08

Policial, mesmo que seja de categoria muito bem remunerada, como os federais, é funcionário administrativo. Não pode e não deve confundir sua função com a de membros do MP ou do Judiciário, que em razão do cargo gozam de algumas prerrogativas. O policial não “decide” se deve algemar políticos corruptos. A atividade policial é hierarquizada: no caso dos federais a autoridade suprema é o Ministro da Justiça, que por sua vez deve fazer cumprir as ordens do Judiciário. Algumas ações da PF criam embaraços para o governo, como o vazamento de fotos dos políticos algemados, ou do dinheiro aprendido em um hotel que pertenceria a um partido político. Parece estar havendo uma politização da atividade policial, o que não é recomendável do ponto de vista republicano e democrático. Diz o texto: “A entidade lamenta que no Brasil, a corrupção tenha atingido níveis inimagináveis”. A PF não tem de lamentar nada, nem emitir juízos de valor. Tem de levar adiante o seu trabalho, que está sendo bem feito, em que pesem as pirotecnias políticas que ocorrem aqui e acolá.

Responder

    Wildner Arcanjo

    19/08/2011 - 18h16

    Eu vejo por outra ótica. Isso tem que ser difundido mesmo para que não caia no esquecimento. O que se exige é que se faça a mesma espetacularização (como se diz) tanto com o traficante do morro X como com o político corrupto, ou banqueiro bandido Y, ou Juiz larápio Z, ou quem quer que seja. Afinal de contas, a justiça neste país não é igual para todos? Ou realmente uns são mais iguais que outros?

    Lucas

    19/08/2011 - 18h47

    A PF é política na medida em que tudo é político. Tem tanto direito de emitir opinião quanto eu ou você. E, pessoalmente, eu acho que ou se proíbe algemas ou algema todo mundo. Se fosse um pobre coitado roubando manteiga seria morto ou torturado por anos em nosso terrível sistema prisional. Agora só porque o suspeito é rico, de repente não pode nem algemar?

Virginia Langley

19/08/2011 - 08h23

espantoso como advogados tem tempo livre pra despejar sua sapiencia em blogs diversos…se tivessem de ganha a vida honestamente como (quase) todo mundo não poderiam fazer isso…vade retro raça ruim

Responder

Policiais federais: Algema em pobre pode?! « Ficha Corrida

19/08/2011 - 08h18

[…] Policiais federais: Algema em pobre pode | Viomundo – O que você não vê na mídia Sirva-se:Like this:LikeBe the first to like this post. Deixe um comentário […]

Responder

Meira da Rocha

19/08/2011 - 00h21

"De repente, o uso de algemas em criminosos […]". Quem decide quem é criminoso ou não é a Justiça. A polícia prende apenas suspeitos.

Responder

    Julio_De_Bem

    19/08/2011 - 00h33

    Quem investiga o criminoso é a polícia…a polícia vai a justiça provar que o tal bandido é criminoso.

    Gerson Carneiro

    19/08/2011 - 02h07

    Isso é relativo também. Há aqueles que já deveriam ir direto para o xilindró de tão flagrante delito. Nunca um criminoso na hora do sapeca iaiá dirá "ok chefia, sou eu o autor da malandragem". Sempre darão desculpas mirabolantes como "acertei duzentas vezes na loteria", "essa assinatura não é minha", "tomei um copo de vinho no almoço", "o veículo é de propriedade da rádio arco-izes", ou até mesmo apagar os registros do Detran no dia seguinte ao delito.

    Esse negócio de ser apenas suspeito tem livrado a cara lisa de tanta gente rica. Cadê o Roger Abdelmassih?

    Já quando é pobre é tapa na orêia, "vai pra dentro do camburão vagabundo que a casa caiu. Mas antes mostra tua cara aqui pro Datena que tá lá no estúdio". Se o infeliz tiver o azar de além de ser pobre possuir o agravante de ser negro então é que a coisa fede.

    P Pereira

    19/08/2011 - 17h46

    Pois é, Gerson, acho que deveríamos exigir que os 3 Ps tivessem as mesmas garantias dos colarinhos brancos. Ninguém deve ser humilhado pela polícia.

    Marcio H Silva

    19/08/2011 - 02h35

    Pelo comentário, creio que vossa senhoria não tenha lido o seguinte parágrafo:

    "Mas a preocupação oficial é com o uso de algemas. Em todos os países do mundo, a doutrina policial ensina que todo preso deve ser conduzido algemado, porque a algema é um instrumento de proteção ao preso e ao policial que o prende."

    Reportagens de jornais estrangeiros já mostraram muitos suspeitos de colarinho branco ser conduzido algemados antes de ser julgado. Queremos o mesmo tratamento para pobres e ricos deste país, e quando vemos um tratamento igual vem sempre um reclamar. Qual seria a conduta? terias uma sugestão?

    Fraino

    19/08/2011 - 09h40

    Então o sujeito que assalta a farmácia e sai algemado também não é criminoso, né? Também não deveria ser algemado, o "coitado"… Algemas, só se for depois de dada a sentença, no transporte entre o tribunal e o presídio, né?

    Luiz Carlos, o velho

    19/08/2011 - 10h06

    "De repente, o uso de algemas em criminosos […]". Quem decide quem é criminoso ou não é a Justiça''.
    A polícia prende apenas suspeitos'' Interpretação jaboticaba; só no Brasil. .A PRÓPRIA INSTAURAÇÃO DO PROCESSO CRIMINAL (E O FLAGRANTE)L AUTORIZA QUE SE PRESUMA A CULPA DO IMPUTADO, E NÃO SUA INOCÊNCIA. Daí em diante é ficção pura (coisa de brasileiro bonzinho)
    A interpretação dos exegetas brasileiros nos conduz a absurdos como, por exemplo; o autor de um homicídio em público ou confesso, ser inocente até o julgamento final.
    ''vide o caso Pimenta Neves''
    E o suspeito pode demonstrar, no ato da prisão, agressividade e periculosidade diante do agente, o que justifica plenamente o uso das algemas.

Deixe uma resposta