VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Newton Lima: Microsoft tem de esclarecer ajuda à espionagem dos EUA

14 de julho de 2013 às 11h48

Documentos fornecidos por Snowden revelam a estreita colaboração da Microsoft com os órgãos de segurança e espionagem dos Estados Unidos

do site da Liderança do PT na Câmara dos Deputados

O jornal inglês The Guardian reportou, nesta sexta-feira (12), que Edward Snowden, ex-agente da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA), forneceu documentos que revelam a estreita colaboração da Microsoft com os órgãos de segurança e espionagem dos Estados Unidos.

De acordo com as informações disponibilizadas por Snowden, a gigante mundial do setor de softwares teria, inclusive, quebrado o seu próprio sistema de criptografia de e-mails, usado para proteger correspondência eletrônica no programa Outlook e nas contas do serviço Hotmail.

O software de conversação em áudio e vídeo Skype, adquirido pela Microsoft em 2011 e com cerca de 660 milhões de usuários no mundo, também foi usado para cooperação com as agências governamentais, permitindo a coleta de videochamadas para o sistema Prism, uma das principais ferramentas do esquema de espionagem revelado por Snowden.

Para o deputado Jorge Bittar (PT-RJ), integrante da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara, as denúncias são “gravíssimas” e demandam a elaboração de legislações específicas.

“A cada dia que passa, as revelações feitas demonstram a enorme gravidade das denúncias. A Câmara, o Senado e a Presidência da República têm se manifestado em repúdio a estas práticas, mas precisamos acelerar a votação do Marco Civil, para proteger com mais rigor os direitos dos cidadãos, assim como é necessária uma legislação específica que garanta a privacidade das empresas”, propôs Bittar.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que desde fevereiro de 2012 vinha alertando sobre os perigos iminentes diante a nova política de privacidade adotada pela empresa Google nos seus diversos serviços, avalia que os “global players” da Internet e das telecomunicações, especialmente dos Estados Unidos, não têm nenhum pudor em desrespeitar os direitos civis dos usuários da rede mundial de computadores.

“Graças a um ex-espião que conhece muito bem a máquina de espionagem dos Estados Unidos, estamos comprovando cada vez mais algumas práticas das quais já suspeitávamos e já vínhamos denunciando em parte. A internet e as redes de telecomunicações não podem estar a serviço de uma polícia global e muito menos dos interesses políticos e comerciais de um único país”, protestou o parlamentar gaúcho.

O deputado Newton Lima (PT-SP), também integrante da CCTCI, informou que vai apresentar requerimento para reforçar o convite à Microsoft para que esta compareça à audiência pública que a comissão realizará sobre o assunto, em data a ser confirmada. “Com estas novas revelações, é absolutamente imprescindível que a Microsoft compareça à Câmara dos Deputados para prestar esclarecimentos acerca das denúncias nas quais está envolvida”, argumentou Lima.

Software livre e nacional – Para Jorge Bittar, a colaboração da Microsoft e de outras empresas com o aparelho de espionagem dos EUA reforça a necessidade de ampliação de softwares não proprietários e produzidos por empresas nacionais, especialmente pela gestão pública.

“Os softwares não-proprietários, pela sua natureza, são mais imunes à inserção de dispositivos que violem a privacidade e a segurança dos usuários. Somado a isso, devemos reforçar o princípio de preferência aos softwares nacionais. Havendo produtos similares produzidos por empresas brasileiras, estes devem prevalecer sobre aqueles produzidos no exterior nas contratações do poder público”, defendeu Bittar.

Rogério Tomaz Jr.

Leia também:

Todd Gitlin: O que fazer com a classe política trancada em seu universo?

Estados Unidos espionaram “comunicação de lideranças” em Brasília

Ivan Valente: Quais empresas colaboram com a espionagem?

Ramonet: Serviços de espionagem já controlam a internet

Tijolaço protesta contra a bandidagem eletrônica: Somos ratos?

 

47 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lula: A democracia não é um pacto de silêncio - Viomundo - O que você não vê na mídia

17/07/2013 - 15h27

[…] Newton Lima: Microsoft tem de esclarecer ajuda à espionagem […]

Responder

Samuel Pinheiro Guimarães: Democratizar a mídia é defender a soberania nacional - Viomundo - O que você não vê na mídia

16/07/2013 - 22h59

[…] Newton Lima: Microsoft tem de esclarecer ajuda à espionagem […]

Responder

Túlio Muniz: Inteligência coletiva da rede desafia a mídia tradicional - Viomundo - O que você não vê na mídia

16/07/2013 - 17h38

[…] Newton Lima: Microsoft tem de esclarecer ajuda à espionagem […]

Responder

Antonio

15/07/2013 - 23h34

Esclarecer o que se o mundo todo, desde o tempo das diligências, sabe que alguns códigos do windows servem para rastrear e dirigir cópias a alguns servidores específicos.
Sabe-se disto a anos desde a Airbus perdeu uma concorrência para a Boeing.
Em uma noite de pausa, ambas deveriam redigir suas novas propostas.
Bingo!
A da Boeing era ligeiramente menor e cobria as facilidades que eram oferecidas pela Airbus.
A própria Europa nada fala pois há interesses comerciais e na situação em que está o euro não passam de vassalos dos americanos como demonstraram claramente no episódio envolvendo o presidente boliviano.
O Grande Irmão chegou antes do esperado!

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

15/07/2013 - 22h39

Segunda-feira, 15 de julho de 2013
Publicado em Brasil de Fato

86 deputados federais são favoráveis à espionagem dos EUA contra o Brasil
Parlamentares do DEM, PMDB, PSDB, PMN, PP, PR, PRP, PSB, PSC, PSD e PTB votaram contra a moção de repúdio à espionagem estadunidense de cidadãos, empresas e instituições brasileiras apresentada no último dia 9

15/07/2013

A Câmara dos Deputados aprovou, na última terça-feira (9), uma moção de repúdio ao governo dos Estados Unidos em razão da denúncia de espionagem de mensagens eletrônicas e telefonemas brasileiros.

A proposta apresentada por José Guimarães (PT), no entanto, foi rejeitada por 86 deputados federais. Os votos contrários à moção foram registrados por deputados dos partidos DEM, PMDB, PSDB, PMN, PP, PR, PRP, PSB, PSC, PSD e PTB, pertencentes às bancadas evangélica e ruralista, como aponta o mapeamento da votação realizado pelaDiálogos do Sul.

Em números percentuais os partidos que se mostraram mais favoráveis à continuidade das ações de espionagem dos Estados Unidos contra o Brasil foram o DEM – 20 dos 23 deputados; o PSD – também 20 dos 32 deputados; o PP – 17 dos 24 deputados; e o PSC – 8 de 10 deputados. Merece registro que 14 deputados do PMDB votaram contra a moção, o que representa cerca de 20% da bancada do partido na Câmara dos Deputados.

Já as principais lideranças tucanas na Câmara se abstiveram na votação. Líderes do PSDB, tais como Mendes Thame, Duarte Nogueira, Eduardo Azeredo, Antonio Imbassahi, Jutahi Junior e Nelson Marchezan Júnior votaram pela abstenção. De acordo com a Diálogos do Sul, “tal fato reforça as denúncias de que desde o governo FHC, empresas e o próprio governo brasileiro colaboram com as autoridades e práticas imperialistas dos Estados Unidos”. (com informações da Revista Diálogos do Sul).

Confira abaixo o texto da moção de repúdio.

MOÇÃO DE REPÚDIO:

Nós, parlamentares da Câmara dos Deputados da República Federativa do Brasil, manifestamos:
O nosso repúdio à espionagem e o monitoramento de bilhões de e-mails, telefonemas e dados de empresas e cidadãos brasileiros, bem como do governo do Brasil, supostamente realizados por agências de inteligência dos Estados Unidos da América, que violam direitos de empresas e cidadãos brasileiros e atentam contra a soberania nacional.

Ao mesmo tempo, externamos o nosso apoio às iniciativas do Estado brasileiro, que pretende levar este grave caso à consideração da Organização das Nações Unidas (ONU) e da União Internacional das Telecomunicações (UIT).
Declaramos, ademais, nossa concordância com as iniciativas destinadas a criar uma agência multilateral, no âmbito do sistema das Nações Unidas, para gerir e regulamentar a rede mundial de computadores, poderoso instrumento de uso compartilhado da humanidade.

Por último, externamos a nossa apreensão com a segurança do cidadão estadunidense Edward Snowden, que está refugiado, há dias, no aeroporto de Moscou.

Confira também a lista de parlamentares que são favoráveis à continuidade da espionagem dos EUA e contra o respeito à privacidade de cidadãos, empresas e instituições brasileiras.

Abaixo, segue a lista dos parlamentares que votaram contra a moção:

DEM – 16 votos

Abelardo Lupion – PR
Alexandre Leite – SP
Augusto Coutinho – PE
Claudio Cajado – BA
Davi Alcolumbre – AP
Eli Correa Filho – SP
Jairo Ataíde – MG
Jorge Tadeu Mudalen – SP
Júlio Campos – MT
Luiz de Deus – BA
Mandetta – MS
Mendonça Filho – PE
Onyx Lorenzoni – RS
Paulo Cesar Quartiero – RR
Rodrigo Maia – RJ
Ronaldo Caiado – GO
Total de Bancada: 20

PMDB – 12 votos

Aníbal Gomes – CE Obstrução
Darcísio Perondi – RS
Edio Lopes – RR
Fernando Jordão – RJ
Lucio Vieira Lima – BA
Marçal Filho – MS
Marcelo Almeida – PR
Mauro Mariani – SC
Osmar Terra – RS
Silas Brasileiro – MG
Valdir Colatto – SC
Wladimir Costa – PA
Total da Bancada: 64

PMN – 3 votos

Francisco Tenório – AL
Jaqueline Roriz – DF
Total da Bancada: 3

PP – 17 votos

Arthur Lira – AL
Dilceu Sperafico – PR
Esperidião Amin – SC
Iracema Portella – PI
Jair Bolsonaro – RJ
Jerônimo Goergen – RS
Lázaro Botelho – TO
Luis Carlos Heinze – RS
Luiz Fernando Faria – MG
Missionário José Olimpio – SP
Renato Andrade – MG
Renzo Braz – MG
Roberto Balestra – GO
Roberto Britto – BA
Roberto Teixeira – PE
Sandes Júnior – GO
Vilson Covatti – RS
Total da Bancada: 24

PR – 5 votos e 1 abstenção

Bernardo Santana de Vasconcellos – MG
Henrique Oliveira – AM
Maurício Quintella Lessa – AL
Paulo Freire – SP
Vicente Arruda – CE Abstenção
Total da Bancada: 24

PRP – 1 voto

Jânio Natal – BA
Total da Bancada: 2

PSB – 2 votos e 1 abstenção

Fernando Coelho Filho – PE Abstenção
Júlio Delgado – MG
Paulo Foletto – ES
Total da Bancada: 21

PSC – 8 votos

Andre Moura – SE
Costa Ferreira – MA
Deley – RJ
Lauriete – ES
Nelson Padovani – PR
Pastor Marco Feliciano – SP
Takayama – PR
Zequinha Marinho – PA
Total da Bancada: 10

PSD – 20 votos

Ademir Camilo – MG
Arolde de Oliveira – RJ
Átila Lins – AM
Carlos Souza – AM
César Halum – TO
Danrlei De Deus Hinterholz – RS
Eduardo Sciarra – PR
Eleuses Paiva – SP
Fernando Torres – BA
Guilherme Campos – SP
Hélio Santos – MA
Hugo Napoleão – PI
Jefferson Campos – SP
João Lyra – AL
José Carlos Araújo – BA
Júlio Cesar – PI
Manoel Salviano – CE
Onofre Santo Agostini – SC
Sergio Zveiter – RJ
Walter Ihoshi – SP
Total da Bancada: 32

PSDB – 2 votos e 10 abstenções

Alfredo Kaefer – PR
Andreia Zito – RJ
Antonio Carlos Mendes Thame – SPAbstenção
Antonio Imbassahy – BA Abstenção
Duarte Nogueira – SP Abstenção
Eduardo Azeredo – MG Abstenção
Jutahy Junior – BA Abstenção
Nelson Marchezan Junior – RS Abstenção
Nilson Leitão – MT Abstenção
Plínio Valério – AM
Reinaldo Azambuja – MS
Vaz de Lima – SP Abstenção
William Dib – SP Abstenção
Total da bancada: 39

PTB – 2 votos

Arnaldo Faria de Sá – SP
Sérgio Moraes – RS
Total da Bancada: 13

Responder

Cassio

15/07/2013 - 22h13

Não usei ainda nenhum dos programas alternativos da reportagem por isso queria informações sobre o que vocês acham!!!!!!!! São Seguros????????

Guia de Segurança da Internet

http://www.apublica.org/2013/07/guia-de-seguranca-na-internet/

Responder

hc

15/07/2013 - 21h53

Se não me engano a microsoft fechou alguns contratos com governos Estaduais. Inclusive o MSN vem com reportagens oposicionista ao Governo Federal.

Responder

Roberto Locatelli

15/07/2013 - 17h16

É por isso que temos que usar, cada vez mais, softwares livres. São softwares de código aberto, ou seja, qualquer um que entenda um mínimo de programação pode examinar e constatar que não há programas espiões embutidos.

Exemplos de software livre de EXCELENTE QUALIDADE:

LibreOffice – substitui com vantagens o Office da Microsoft. Salva em formato .doc, .xls, etc, ou seja, se você quiser, pode salvar os arquivos em formato microsoft. Por outro lado, o Office da Microsoft também pode salvar os arquivos em formato LibreOffice – http://pt-br.libreoffice.org/

InkScape – excelente ferramenta de desenho vetorial – http://www.inkscape.org/

Gimp – poderoso software de tratamento de imagens – http://www.gimp.org

Blender 3D – o celebrado software de ambientação 3d, que inclui modelagem, renderização, sonorização, etc – http://www.blender.org

E, é claro, há os famosos softwares da fundação Mozilla: Firefox (navegador), Thunderbird (e-mail), Sunbird (agenda completa) e Filezilla (servidor FTP).

Além de ser gratuitos, têm excelente qualidade. E não têm dispositivos de espionagem!

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

15/07/2013 - 13h40

Li e gostei da preocupação quanto ao nosso descaso no investimento tecnológico.

Agora, pergunto: Teremos tecnologia e segurança nacional calcadas na educação atual?

Nosso país já alcança os 200 milhões de habitantes. Temos uma nação sendo construída para 30 a 40 milhões de pessoas.

Como ficam os demais 160 milhões?

Temos que pensar na inclusão de todos os brasileiros! Que segurança teremos, sem um mínimo de justiça social?

Como desenvolver tecnologia, sem primeiro termos uma educação que dê essa sustentação?

UM PROJETO PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL.

Desde meados de 2012 venho publicando este tópico, com pequenas revisões. Não tenho a pretensão de estabelecer métodos de ensino. Procuro alertar sobre a necessidade de um aumento substancial no investimento do ensino básico.

Esse projeto surgiu, depois de observar que necessitamos de uma base para a construção de um Brasil altamente desenvolvido, com justiça social e que, na conjuntura atual, possa unir o nosso povo em torno de algo que supere a pulverização de ideias e ideologias que não têm conseguido aglutinar o nosso povo, possibilitando aos inimigos externos que não desejam ver esse gigante desenvolvendo tecnologia, com uma indústria pujante, própria, lado a lado com os povos irmãos latino-americanos. Essa base necessária chama-se educação!

Na Finlândia, por exemplo, um dos primeiros passos para o seu desenvolvimento foi a valorização dos professores. Hoje, para ser professor da rede básica é exigido curso superior e mestrado. Ser professor passou a ser a carreira mais cobiçada, valorizada. Há uma preparação especial e só os melhores alunos conseguem chegar lá. A quantidade de matérias é ampla, propiciando a formação técnica e crítica dos estudantes. Da escola, não sai, apenas, um técnico, mas uma pessoa com preparo para definir suas opções na vida.

Antes de 1960, a Finlândia era, praticamente, um país madeireiro. Hoje, as pessoas falam duas línguas estrangeiras e o país é conhecido pela Nokia, uma das maiores fábricas de celulares do mundo, produto que importamos e em troca exportamos, entre outros produtos primários, o café. Em nosso país querem suprimir matérias como Geografia e História, talvez, como consequência da supressão de professores. Educação que para essa gente é gasto e não investimento!

No Brasil, o que precisamos?

São inaceitáveis as seguintes afirmações:

1. É uma sobrecarga o grande número de matérias obrigatórias no currículo escolar.
2. O Brasil vai quebrar, caso haja um grande aumento do investimento público na educação.
3. Aqueles que necessitam lutem sozinhos pelos seus direitos.

Na INFOERA; com o avanço exponencial dos componentes integrados, em consequência da miniaturização, já alcançando o nível atômico, ao lado do vasto uso da nanotecnologia, do vertiginoso desenvolvimento do software e das comunicações; passa a ser mais importante, cada vez mais, o ser humano pensante, com um amplo conhecimento geral que permita o seu desenvolvimento, quando estiver fora da tradicional cadeira escolar. O trabalho rotineiro será, então, executado pelas máquinas e robôs, como está acontecendo, até no Brasil. O mundo da WEB tende a ser incomensurável.

Precisamos preparar nossas crianças para esse mundo que se avizinha a uma velocidade alucinante, com mais e mais competição, em qualquer tipo de sociedade que se apresente.

No futuro que se avizinha as pessoas passarão a ter suas atividades em casa ou viajando. Quem não estiver preparado, sofrerá as consequências do ócio.
A verdade mostra que a nossa educação é, faz décadas, pífia! O Brasil necessita de uma escola pública; em tempo integral, de qualidade; que permita fornecer o básico às nossas crianças, para que elas se encaixem nesse mundo que se descortina.

Observem que poucas são as escolas a obter um nível de avaliação razoável no IDEB.

Outra observação é que os piores índices, em geral, são verificados nas regiões onde predominam altos níveis de violência. Quanto maior índice de violência, tanto menor o IDEB!

Guardo cerca de 1000 testes aplicados; nos últimos 10 anos (redação de pelo menos 15 linhas, matemática e conhecimentos gerais); em jovens entre 18 a 25 anos, todos com secundário completo, muitos já frequentando faculdades particulares. É uma calamidade!

O caminho para resolver os problemas estruturais e amenizar as injustiças sociais do Brasil está, basicamente, atrelado à EDUCAÇÃO.

Precisamos, com urgência, investir, pelo menos 15% do PIB no orçamento da educação. Deve ser disponibilizada escola com tempo integral às nossas crianças, oferecendo, com qualidade: o café da manhã, o almoço, a janta, esporte e transporte, nas cidades e no campo. Como é uma medida prioritária, inicialmente, faz-se necessária uma mobilização nacional. Podemos, por certo tempo, solicitar o engajamento laico das Igrejas, associações, sindicatos e das nossas Forças Armadas (guerra contra o analfabetismo e o atraso) para essa grande empreitada inicial.

A construção civil deve ser acionada para a construção de escolas de alta qualidade, com quadras esportivas, espaços culturais, áreas de refeição e cozinhas bem equipadas etc. Tudo isso exigindo qualidade, porém sem luxo. Durante esse período, o governo deve investir na preparação de professores para atender à grande demanda.

Como esse projeto é de prioridade nacional, os recursos deverão vir, entre outros: de uma nova redistribuição da nossa arrecadação; de uma renegociação da dívida pública; com a inclusão do bolsa família; com a criação de uma CPMF exclusiva para educação etc.

Para a construção inicial dos centros educacionais e formação de professores, sugiro que se invista cerca de 40% das nossas reservas. Alerto, que sem a federalização esse projeto não terá sucesso.
O objetivo desse projeto não é, apenas, a formação indivíduos tecnicamente muito bem preparados, mas seres humanos que enxerguem com clareza o mundo que os cerca.

Não temos tempo para ficar aguardando a época do pré-sal.

Observações e consequências previsíveis:

1. O tráfico perderá sua grande fonte de recrutamento, pois todas as crianças estarão, obrigatoriamente, em tempo integral, das 07 às 18 horas, na escola. Serão desnecessários tantos investimentos em presídios e no efetivo policial. É uma fonte de recursos que migrará para a educação.

2. Para aqueles adolescentes que já participam de contravenções graves, podem ser planejadas escolas albergues, dando mais ênfase ao esporte e à cultura.

3. A saúde será, também, uma grande beneficiária, pois teremos crianças bem alimentadas, sinônimo de bem-estar para elas e seus pais. Toda escola deverá ter um posto de saúde.

4. O setor financeiro deve saber que isso levará o país, em médio prazo, a outro nível de prosperidade. Será bom para todos que desejam uma nação economicamente forte.

5. A federalização da educação é uma necessidade, evitando aumentar as diferenças nas diversas regiões do Brasil. A educação deve ter o mesmo nível em todo país.

6. Fiscalização rigorosa, prevista em lei, controlada pela sociedade; com a participação dos pais, dos professores, dos sindicatos, com poderes e recursos para denunciar erros, desvios de verba e de rumo.

7. Recursos adicionais: os pais pagarão 5% do salário / entradas pela mensalidade de cada filho matriculado. Isso é muito menos do que arcam, hoje, nas escolas particulares que, na sua maioria, não adotam o tempo integral.

8. O pequeno agricultor deve ter prioridade no fornecimento dos produtos alimentícios dessas escolas. Surgirá, então, um mercado pujante, nesse vasto Brasil, aumentando nosso mercado interno. Tornando-se, também, numa importante política para manter o homem no campo. A formação de pequenas cooperativas agrícolas deve ser incentivada para permitir a aquisição de maquinário destinado ao cultivo da terra, armazenagem da colheita e entrega dos produtos nas escolas.

9. A EMBRAPA deverá receber recursos adicionais para dar todo apoio a essa gente do campo, aproveitando para ensinar como praticar uma agricultura sustentável e como cuidar das matas ciliares. As escolas estabelecidas no campo devem ter no currículo aulas teóricas e práticas de como recuperar as áreas degradadas. O governo, por intermédio da Embrapa, fornecerá mudas e orientação de como proceder. As escolas localizadas dentro do perímetro urbano devem adotar a sistemática de, uma ou duas vezes por mês, participar, em conjunto com suas irmãs do campo, de mutirões para recuperar áreas degradadas, proporcionando uma maior integração da cidade com o campo. As crianças da cidade não ficariam tão alienadas, quanto à vida do interior.

10. O Brasil deixará de ser, apenas, um país exportador de produtos primários. No campo da agricultura, teremos uma maior diversidade e qualidade. Como está, cada dia, temos menos variedades de frutas e verduras, pois ao grande produtor não interessa essa variedade. Neste ritmo, só pensando na exportação, muitas espécies desaparecerão!

11. Com o advento dessa geração bem educada, passaremos a ter produtos manufaturados, desenvolvidos e produzidos, aqui, com alta tecnologia. Nossa indústria crescerá, em função do mercado interno e da exportação de produtos com melhor qualidade.

12. O futuro da energia: Pequenas usinas de energia solar, eólicas e hidroelétricas devem proliferar para atender às novas exigências dessas escolas e dos pequenos agricultores. A sobra dessa energia será integrada à rede nacional, evitando possíveis apagões.

13. A energia nuclear, ainda, é cara e perigosa. Devemos pesquisá-la, intensamente.

14. Outras fontes de energia, como a eólica, a solar e a biomassa poderão aumentar a nossa independência.

15. Não é com a devastação da Amazônia que vamos abastecer o mundo com carne. Precisamos desenvolver tecnologia para multiplicar as cabeças de boi por metro quadrado. Um povo educado e culto saberá combinar o desenvolvimento com a preservação ambiental.

16. Os psicopatas sempre olham o presente; não se importam com o futuro! Estudos bem elaborados confirmam que no meio da sociedade há cerca de 3% a 5% dessa praga. Num país com uma população de 190 milhões, temos, assim, pelo menos, 5.7 milhões praticando todo tipo de ato daninho à sociedade; inclusive contra a educação. Quanto mais permissivo o ambiente, mais os traficantes, os corruptos e lavadores de dinheiro atuam. Com um povo educado essa gente não desaparece, porém o grau de atividade será bem menor. Eles estarão, com certeza, na linha de frente, em oposição a um plano como este!

17. Para alcançarmos tudo isso, quiçá, vamos necessitar de uma nova forma de praticar a política: mandato único em todos os níveis, partidos sem caciques, país unitário (seria o ideal), lei única, câmara única e, consequentemente, deputados estaduais e vereadores só para a fiscalização. Os incomodados dirão: Que blasfêmia! Quem não dá a devida atenção à educação, deseja o status quo. Surgirão com uma infinita quantidade de argumentos contra, lançados pelos psicopatas e por muitos que não se dão conta que estão adotando os argumentos dessa gente.
Muitos irão dizer que só precisamos melhorar a gestão, num faz de conta que não estão vendo os milhões de crianças perambulando pelas ruas ou trabalhando para ajudar no sustento familiar. Não querendo, ainda, tomar conhecimento dos milhares que estão sendo recrutados pelo tráfico. Muitos ou estão dominados pela propaganda ou simplesmente têm receio de contrariar banqueiros, construtoras, empreiteiras e grandes empresas com potencial de participar do execrável financiamento privado para as eleições.

18. A nossa federação tem sido o berço esplêndido dos caciques, dos modernos coronéis, alojamento de mafiosos, fonte das guerras fiscais e muitas outras mazelas. Dentro desse quadro federativo a educação, dificilmente, terá guarida. Lutam desesperadamente pelos royalties do petróleo. Planejam implantar o Trem Bala num país que não possui uma rede ferroviária para escoar sua produção. Para a educação sobra o engodo.

19. Com um projeto como esse, as nossas Forças Armadas, repensariam seus projetos de importação, voltando sua atenção para o desenvolvimento tecnológico próprio. Não temos ameaças de vizinhos. Importar tecnologia militar de ponta é dar continuidade à nossa dependência. Um alto índice de educação será a base da nossa segurança. Daqui, sairão nossos pesquisadores, jovens que dedicarão seu tempo ao estudo, sem os desvios e vícios dessa sociedade doentia. Jovens que terão orgulho do pedaço de torrão onde nasceram e daqueles que pensaram neles. Jovens que não irão para as ruas queimar a bandeira do seu país e praticar todo tipo de vandalismo. Isso é utopia? Para quem não pensa em tal futuro, sim.

20. Essa escola deve acolher as crianças a partir dos 04 anos de idade com o objetivo de termos um bom nivelamento. Poucos são os pais, dentro dessa vida estressante, que têm condições de educar seus filhos durante os 04 aos 07 anos. Há uma tendência de deixarem essas crianças na frente da televisão, mesmo quando sob o cuidado de algum adulto. Dentro da classe média isso acontece, também. Que alternativa sobra para as camadas menos favorecidas que, muitas vezes, necessitam usar os precários meios de transporte, já antes do sol nascer? Há estudos que comprovam ser essa faixa etária a mais importante como base para o aprendizado futuro.

21. As atuais escolas de pequeno porte devem ser reformadas e usadas como creches.

22. Lendo um artigo sobre a escola na China, chamou-me à atenção o fato de 02 crianças; filhas de brasileiros, que lá estão estudando; externarem o desejo de retornar à escola brasileira, alegando que a professora, no Brasil, passava uma folha para o dever de casa e que na escola chinesa ela recebia quatro folhas, com a obrigação de entregar o trabalho de casa totalmente feito. Para as crianças chinesas, aquele procedimento era normal. Elas não cresceram sentadas ou deitadas no sofá, só vendo desenhos animados e novelas.

Já morei num condomínio, com 108 apartamentos, onde havia uma quadra de futsal que, praticamente, não era usada. Nos fins de semana, quando encontrava um menino solitário no térreo e perguntava onde estavam os coleguinhas que não desciam para brincar um pouco; a resposta não era que estavam estudando e sim que a meninada gostava mesmo era do videogame, estavam jogando, por isso não desciam. A obesidade começa a se tornar a companheira inseparável do péssimo desempenho escolar! É por isso que o entrevistador obteve aquela resposta na China. Tornemos a saúde a companheira do conhecimento!

23. Há um programa internacional de avaliação de estudantes (PISA), no qual, em teste recente, entre 65 participantes, o Brasil obteve o desagradável 54° lugar. A China, representada por Xangai, foi a primeira colocada. Existe um projeto para expandir o sistema adotado em Xangai, com cerca de 15 milhões de habitantes, para todo país. É, apenas, um exemplo, mas precisamos saber o que acontece no mundo para facilitar imitar o lado bom e evitarmos o negativo.

24. Imaginem o salto quantitativo e qualitativo que teríamos nos esportes. Em todas futuras olimpíadas estaríamos nas primeiras colocações. Em Londres, obtivemos desempenho inferior a países infinitamente menores em dimensões territoriais e populacionais, como Jamaica e Cuba.

25. Está disponível na internet uma grande gama de informações esclarecedoras; muito bem fundamentadas e algumas foram comprovadas com os vazamentos de documentos sigilosos pelo Wikileaks; de que nosso desenvolvimento tecnológico sofre sabotagens de todo tipo, daqueles que não desejam ver o nosso país no cenário internacional com produtos de alto índice tecnológico. O interesse é que sejamos, exclusivamente, fornecedores de comodities!
Vejam, só, como exemplo, os revezes e sabotagens praticados ao PROJETO ESPACIAL BRASILEIRO, tendo seu ápice na explosão da base de Alcântara, quando tudo foi destruído e as vidas de 21 cientistas foram ceifadas, em 22 de agosto de 2003.
Até nossos satélites para uso nas telecomunicações, na vigilância do desmatamento, no monitoramento do clima estão sendo lançados no exterior, apesar de Alcântara ser um local privilegiado para essa atividade. Os interesses mesquinhos entrelaçam-se. A sabotagem indireta é um ataque silencioso e muito perverso que o Brasil e o seu Programa Espacial vêm sofrendo, sem tréguas, já faz mais de 20 anos. Tudo isso acontece porque recebem a ajuda e cooperação dos mesmos que lutam contra a educação no Brasil.

Responder

Carlos Lima

15/07/2013 - 11h09

Se a MICROSOFT fez isso e é possível de provar, não tem alternativa processo, de preferência aqueles processos que tomam muito dinheiro e banir a empresa dos órgãos públicos, ontem por exemplo no programa CANAL LIVRE de uma TV de extrema direita brasileira fora entrevistado um diplomata o Sr. Rubens Antonio Barbosa que passeou em Washington por longos anos da era FHC, falou tanto que não falou nada a não ser acusar o PT de espécie de “CULPADO” por todo atraso tecnológico e cibernético por que não permitiu e nem continuou aquela loucura de entregar a base de Alcântara para os EUA, não podemos acusar o diplomata más em falar de um suposto grampo que havia sofrido como embaixador nos EUA o infeliz grampeado foi lembrado e perguntado por um entrevistador que o FHC disse que nunca soube de grampo algum durante o nosso sofrimento nos seus oito longos anos de entrega de quase todo patrimônio do povo brasileiro, o dito diplomata passou a se esquivar de agressões ao PT e seus governos e passou a falar de tal forma que parecia que o BRASIL já fora tomado pelos EUA o problema de subserviência internacional que o Brasil viveu em sua época de diplomata se transformaram em livros sobre a perspicácia americana em grampear o mundo, para ele, como afirmava com eloquência os EUA são uma maravilha e que o BRASIL na sua visão de dos entrevistadores é o total desgraça por causa do PT, Porque não entregou a base de Alcântara como FHC e ele tinham vontade, para receber a tecnologia tínhamos que entregar a soberania, para eles não entregar a soberania foi um caos para futuro do Brasil, só não entendo onde o Itamaraty acha esses diplomatas, são todos alienados.

Responder

JOTACE

15/07/2013 - 00h28

Sugestão

Puxa! É tanta gente patriota e capacitada no mundo da informática que aparece por aqui, com informações tão precisas, que me leva a fazer uma indagação: por que vocês não acertam os ponteiros para discutir a instalação de uma empresa brasileira na área? Deixo claro que não se trata de piada…Um abraço amigo, do Jotace

Responder

Nelson

14/07/2013 - 22h22

Os meios que esse Estado (o governo dos EUA) vai usar para garantir mercados cativos a suas mega corporações são muito bem conhecidos:

Para começo de conversa, chega a diplomacia, que, não raro, vem acompanhada por maletas contendo aquelas verdinhas em que está inscrito o “In God we trust”. Ou seja, corrupção, suborno e outros quetais.

Se a diplomacia emperrar em algum governo incorruptível – muitos crêem firmemente que não exista governo incorruptível, mas não é bem assim; eles são poucos, mas existem – então é hora de começar a pressionar por todos os meios, quaisquer que sejam, para fazer o recalcitrante ceder;

Se ele continuar teimando, então é hora da difamação final e de constituir condições políticas (formar opinião pública favorável) para derrubá-lo, via golpe de Estado ou mesmo pelos bombardeios “humanitários”.

Então, essa mega corporações não estão somente envolvidas na espionagem que, no fim das contas, é feita pelo Estado dos EUA para benefício delas mesmas. Estão envolvidas, até o pescoço, em todos os morticínios e destruição perpetrados, tanto pelas invasões e ocupações que as forças armadas estadunidenses têm realizado há décadas, quanto pelas ditaduras que os governos daquele país vêm instalando, apoiando e financiando há muito tempo, não só na nossa América Latina como pelo restante do mundo.

Responder

Nelson

14/07/2013 - 22h22

“Elementar, meu caro Watson”, diria aquele famoso detetive.

O Estado retira dinheiro dos contribuintes estadunidenses e de outros rincões do planeta – via lucros, roubos, pirataria e outros tantos artifícios -, e repassa parte do butim para as mega corporações investirem em pesquisa. Assim, se turbina a capacidade empreendedora de indivíduos como Gates e vários outros.

É ninguém menos que o lingüista e filósofo estadunidense, Noam Chomsky, quem afirma que, do monumental orçamento destinado ao Pentágono (Defesa), parte significativa é destinada para subsidiar mega corporações. O objetivo é garantir que elas possam, com pouco ou sem custo algum, continuar na vanguarda da tecnologia no mundo inteiro.

E este mesmo Estado vai garantir a essas mega corporações mercados cativos nos rincões já citados. Assim, de modo algum podemos estranhar ou nos surpreender com o íntimo relacionamento, o conluio mesmo, mantido pelo Estado (governos) nos EUA com as mega corporações.

Lembro de uma entrevista que o mesmo Chomsky concedeu a uma revista brasileira, quando de sua vinda ao Brasil, no ano de 1996. A certa altura, Chomsky afirmou que durante trinta anos a Internet havia sido pesquisada com dinheiro público e, quando vislumbrou-se a possibilidade de que a coisa pudesse dar lucro, ela foi “entregue a parasitas tipo Bill Gates”.

Continua.

Responder

Pisquila

14/07/2013 - 22h17

O governo tem urgentemente, em nome da segurança nacional, reestatizar a Embratel e o seus satélites. Sem satélites controlados pelo Brasil, de que adianta o resto? Agradeçam a esse crime de lesa-pátria de entregar a nossa segurança aos gringos, ao traíra do FHC.

Responder

Edmar

14/07/2013 - 19h34

Não é preciso voltar à máquina de escrever, como disseram que fez o governo Russo. Mas eu que sempre fui contrário ao uso indiscriminado da internet pra tudo (comunicação, tansações financeiras, emissão de documentos fiscais, geração de processos eletrônicos) porque NÃO TEMOS O MÍNIMO CONTROLE SOBRE ESSA REDE, acho que precisamos limitar o uso desse troço. Afinal podem simplesmente nos “desligar” e parar tudo, já que o governo estadunindense não respeita NENHUMA NORMA DE CONVIVÊNCIA INTERNACIONAL. Podem embaralhar dados bancários. Podem provocar fenômeno como o “boato de propagação expontânea” sobre o ‘Bolsa Família’. Acho que a velocidade de processamento dos computadores podem e devem ser utilizados, mas nos ambiente sensíveis, essas máquinas devem ser vantidas DESLIGADAS DAS REDES mantidas por empresas de telecomunicações. Processem os dados, gravem e transitem com eles fisicamente, para acessar em outros locais ou armazenagem. É um puta retrocesso mas não tem outra forma. Ou isso ou parem com esse papo de CPI sobre o assunto.

Responder

    Bruno Moura

    14/07/2013 - 22h11

    De fato, não é preciso voltar à máquina de escrever. Um computador cujo único cabo é o que o liga à tomada, sem nenhuma conexão física com nenhuma rede, e sem conexão wi-fi, é tão seguro quando uma máquina de escrever.

    Enviar um pen-drive com dados por um portador é tão seguro quanto enviar uma pasta com páginas datilografadas pelo mesmo portador.

    Computadores desplugados de toda e qualquer rede são completamente seguros.

    Lafaiete de Souza Spínola

    14/07/2013 - 22h50

    Correto!

    Porém, nossa maior falha e que nos deixa ainda mais dependentes: A falta de investimento em educação.

    flavio jose

    15/07/2013 - 01h41

    De fato nos não temos, porem os EUA sim.

paulo

14/07/2013 - 19h16

Os EUA monitoram o mundo há quanto tempo? Se foi antes de 2001, to começando a acreditar na teoria que diz que o 11 de setembro foi realmente um trabalho da CIA.

Responder

    ccbregamim

    14/07/2013 - 21h10

    investigue o assunto.
    muitos denunciam
    veja zeitgeist.
    e pare de usar a palavra teoria
    em casos de conspiração explícita..

    Bruno Moura

    14/07/2013 - 22h17

    O Echelon já existia bem antes de 2001.

    Não tenho a menor dúvida de que foi um “inside job”.

    Você acha mesmo que 19 caras armados com “boxcutters” (faquinhas de abrir caixas de papelão) conseguiriam ter feito tudo aquilo sozinhos, sem uma ajudinha da CIA e outros órgãos do próprio governo americano?

    Nelson

    14/07/2013 - 22h36

    Paulo.

    Há vários outros textos e, inclusive, vídeos, que expõem muito do que foi, na verdade, o 11S.

    Mas, se é que você ainda não leu, vou te indicar o artigo do professor David Ray Griffin, escrito ainda em fevereiro de 2006. No artigo, “A destruição do World Trade Center:
    Porque a descrição oficial não pode ser verdadeira”, o professor simplesmente “deita por terra” as explicações do governo dos EUA para a queda das torres do WTC. Griffin deixa claro ainda que os prédios, de mais de 400 metros de altura, só poderiam ruir da forma como ruíram por meio de demolições controladas, as chamadas implosões.

    Portanto, tudo leva a crer que os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 em Nova York foram, sim, resultado de um trabalho interno levado a cabo pelo próprio governo dos EUA.

    O artigo do professor Griffin foi publicado em 8 de fevereiro de 2006 no sítio português http://www.resistir.info e pode ser acessado diretamente clicando em http://resistir.info/11set/griffin_11set.html.

José Sena

14/07/2013 - 19h01

Caros leitores do Viomundo,

Estamos vendo a consequencia de termos abdicado o desenvolvimento da eletrônica nacional. Tivemos um disparate dito por um ex-presidente que não devemos desenvolver a industria eletrônica (estou dizendo desenvolvimento e construção de processadores, memórias e demais circuitos integrados e softwares de sistema, principalmente sistemas operacionais) pois não podemos competir com os donos do mundo. Este exemplo mostra para todos nós que devemos recuperar a eletrônica nacional, tanto em hardware quanto em software.

Senhores, o Brasil é um gigante de joelhos, com uma arma apontada para a sua cabeça, diante dos donos do mundo (EUA, China, etc.).

Nosso hino nacional nos pede: “Mas, se ergues da justiça a clava forte,/ Verás que um filho teu não foge à luta,/Nem teme, quem te adora, a própria morte.”

Portanto, sejamos filhos que não fogem à luta.

Abraço a todos,
José

Responder

    Bruno Moura

    14/07/2013 - 22h06

    O Brasil teria todo potencial para desenvolver sua indústria de semicondutores. O potencial dos garotos formados em engenharia eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) é desperdiçado quando não temos um projeto nacional de fomento ao desenvolvimento da indústria de semicondutores, de microchips, de CPUs, de memórias RAM e Flash. Esse é um setor extremamente estratégico, onde temos todo o potencial para avançar tanto quanto a Coréia do Sul, Taiwan, Singapura e Malásia avançaram. Cérebros pra isso nós temos. Só falta uma política séria de fomento à pesquisa e desenvolvimento.

    Luiz AA do Sacramento

    14/07/2013 - 22h23

    Caríssimo José, concordo integralmente com suas colocações. Qualquer nação que se queira independente, autônoma e soberana , não pode prescindir de mecanismos originalmente próprios em benefício da sua autodefesa e segurança. Contudo, no nosso caso, nossas instituições que deveriam ser as principais guardiãs da nossa integridade , não nos parece que estejam a altura dos desafios que o mundo presente nos impõe.Foi necessário um agente estrangeiro escancarar toda nossa vulnerabilidade!

    Lafaiete de Souza Spínola

    14/07/2013 - 23h05

    Há cerca de 40 anos os PIBs da China e do Brasil eram cerca de 1.2% do PIB mundial.

    Hoje, o da China é cerca de 8% do PIB mundial e o do Brasil cerca de 1.3%!

    Precisamos investir alto em educação!

    JOTACE

    15/07/2013 - 00h15

    Caro José Sena,

    A Web é demasiado vasta e por isso traz muitíssimas informações importantes que podem nos escapar. É a segunda vez que leio (com prazer) os seus comentários e fico em dúvida com uma conclusão sua. De fato, que informação (ões) voce leu e em que fonte você as encontrou, que lhe leva a dizer que o Brasil está de joelhos para uma China ameaçadora de pistola na cabeça dele? Algum ex-espião chinês está denunciando isso? Cordial abraço,

    Jotace

    flavio jose

    15/07/2013 - 01h48

    jotace você só citou a china isto é grave

    Nelson

    15/07/2013 - 00h57

    Meu caro José Sena.

    Já afirmei, aqui mesmo no Viomundo, algo parecido com o que tu afirmas. Considero o governo FHC o mais deletério da história do nosso país e aquela que talvez seja a razão principal para tanto é o fato de que tal governo deixou nosso Brasil de joelhos frente ao grande capital, nacional e estrangeiro.

    E dessa posição de genuflexão, Sena, creio que só conseguiremos escapar daqui a um bom punhado de décadas, se é que vamos conseguir. O porquê dessa minha dúvida?

    Bem, é que vamos precisar de muito espírito de entrega, muito espírito patriótico, de muita solidariedade para chegarmos a tal intento. E, como esses atributos andam um tanto escassos ultimamente, temo que nunca mais consigamos nos colocar efetivamente em pé.

Manoel Teixeira

14/07/2013 - 15h34

O prolema é maior. Os chips da Intel, possivelmente possuem instruções que permitam ao Governo estadunidense ativar qualquer máquina como centro de envio de dados.
A arquitetura ARM, por ser aberta, pode ser uma alternativa.
O Java, homologado pelo Governo brasileiro, é da Oracle. Por que não tornar a linguaem LUA, desenvolvida no Brasil na PUC Rio, coma a Linguagem de Programação padrão?
Sem falar que nem satélites de comunicação nós temos.
Em resumo, estamos longe de sermos uma país independente.

Responder

    José Sena

    14/07/2013 - 18h47

    Prezado Manoel Teixeira,

    Os processadores ARM são de propriedade de uma empresa com o mesmo nome. Este empresa licencia estes processadores para empresas fabricantes de circuitos integrados, portanto, a arquitetura ARM não é aberta e pode ter o mesmo problema que você afirmou sobre qualquer processador desenvolvido por empresas americanas. Minha sugestão é que sejam usados processadores desenvolvidos aqui mesmo no Brasil, a USP tinha desenvolvido um de 32 bits a muitos anos atrás, porque não retomar este projeto?

    Atenciosamente,
    José

    renato

    14/07/2013 - 19h27

    São nestes impasses que nascem as necessidades.
    Estamos com uma demanda por “COISAS”, que não faziam
    falta.
    MAS….agora somos na média uma classe média, e queremos
    mais. Um PC para jogar, já não satisfaz, uma net com 2MB
    já era, tinhamos fusca, agora temos Renault (não comprem),
    o onibus cabia gente, agora nem o articulado.
    Quero ver quando a água começas a faltar e a luz também.
    Acho que estamos atropelando algumas coisas que nos são caras
    Meu filho ficou revoltado porque o Playstation era tão caro aqui
    no Brasil, por que tinha muitos impostos e isto encarecia o BICHO.
    Que tal lembrarmos que um governo, tem que abastecer com agua, luz,
    lixo,transporte, translado,cemitério, prisões, escolas,pavimentação
    casas, pontes, tratamento de esgoto,praças,predios públicos, prédios
    tombados, calçadas,policia,bombeiro,IML,lar para idosos, para crianças
    ajuizadas,para cachorros,bibliotecas,restaurante 1R,albergues,casas onde
    posam pessoas com cancer em tratamento, ambulancia, pronto socorros, hospitais,ONGs,postos de saude,ginasios,professores,enfim uma quantidade
    enorme de coisas que eu desconheço.
    Achar que toda cidade esta sendo dirigida por corruptos pode ser a desculpa de gente que não paga impostos.
    Desculpa de aleijado é muleta.
    Quanto mais se paga de impostos mais rica a cidade, e com isto poderemos
    nos dar ao luxo de alguma coisa a mais, quem sabe trocar de Marca do carro.

    Lafaiete de Souza Spínola

    14/07/2013 - 22h55

    Um país que nem os satélites são seus!

    Primeiro, precisamos mudar radicalmente na educação, investindo alto.

Julio Silveira

14/07/2013 - 15h02

O Brasil tem que fazer um esforço para se livrar das tecnologias que possam ser utilizadas no enfraquecimento de nossa soberania.
Isso vai de softwares aos Aviónicos, tecnologias sensíveis que são passiveis de serem manipuladas para servir ao chamado interesse proprietário e serem fontes da vulnerabilidade de nosso país. Temos que fazer como os grandes emergentes, China e Rússia, que não se contentam em serem investidores do progresso alheio, que investem e educação e tecnologia vitais para sua soberania. Essa percepção dão-lhes a exata noção de seu espaço como grandes países no contexto Global os alavancam na direção de sua independência tecnológica. Diferentes de nós que somos diligentemente instruídos a acreditar, num verdadeiro bombardeio cultural midiático, que sempre poderemos contar com nosso norte “nosso grande irmão no norte”.

Responder

Marcio

14/07/2013 - 14h23

A China já utiliza Linux a muito tempo em todos os setores! Deve ser por que gostam do Pinguim….

Responder

anac

14/07/2013 - 13h28

Todas as multinacionais com sede nos USA estão envolvidas, incluindo a Microsoft, Facebook, Yahoo, etc. A Russia já comprou maquinas de escrever para guardar seus segredos. Voltaremos a idade da pedra. Uma coisa não dá mais para confiar: nas empresas multinacionais norte-americanas.

Responder

flavio jose

14/07/2013 - 13h08

Pelo escrito acima leva a crer que só foi a Microsoft que fez a sujeira, e as outras foram omitidas. Existe alguma explicação plausível para esta omissão ou foi o mau caratismo de quem escreveu esta reportagem. Tenho acompanhado os feitos de Snowden, onde contem sempre uma relação das grandes. Newton Lima necessita esclarecer esta omissão.

Responder

    Lafaiete de Souza Spínola

    14/07/2013 - 23h10

    Entendo que ele quis frisar a nossa dependência dessa gigante que domina o mercado brasileiro!

    JOTACE

    15/07/2013 - 18h01

    Caro Flávio José,

    Não sei porque você considerou ‘grave’ a minha indagação quanto à genuflexão do Brasil perante a China. Pois foram citados Estados Unidos e China, ambos com um pistola na cabeça do Brasil. Isto é que é ser grave, pois jamais vi essa acusação contra a China por aqui nem em lugar nenhum, enquanto aparecem muitas e de todo tipo contra os Estados Unidos. Assim, repito a minha indagação, caso se apresentem fontes insuspeitas que corroborem o que foi escrito no comentário do Sena, serei o primeiro a concordar. Cordial abraço, Jotace

Bruno Moura

14/07/2013 - 12h27

Existe uma distribuição do Linux muito boa, 100% nacional, chamada BRLix. Deveria receber maior apoio do governo brasileiro. O Linux é muito bom, mas até com ele é preciso ter cuidado, dependendo da “distro”. Existem inclusive suspeitas em relação à distribuição Ubuntu, que é controlada por uma empresa americana chamada Canonical Ltd. Temos, aqui no Brasil, uma distribuição Linux excelente, que é o BRLix, e não damos valor, nem apoiamos o seu desenvolvimento.

Responder

    Panino Manino

    14/07/2013 - 13h11

    A Canonical é de um Sul Africano e fica na Inglaterra.
    O problema do Ubuntu é apenas na interface recente que começou a integrar pesquisas de empresas terceiras por motivos financeiros.

    Paul Young

    14/07/2013 - 17h28

    O Linux é um software de fonte aberto, qualquer um pode verificar as fontes e verificar possíveis ameaças. E o Ubuntu tem toda a fontes disponível.
    Mas ainda assim, existem ameaças como plugins fechados como flash,
    e drivers fechados.
    Para uma especificação de segurança, seria necessário estabelecer hardware com drivers abertos, e até mesmo bios e firmware abertos.

    Edson bh

    14/07/2013 - 20h26

    E os satélites e cabos infra-marinhos? É preciso agência de regulamentação.

    Ezek

    14/07/2013 - 22h53

    O Brasil tinha uma excelente distribuição de Linux, chamada Kurumim, que o seu idealizador resolveu interromper o seu suporte. Existem dezenas de boas distribuições e não acho que uma como esta Brlix com cara de Windows não acrescente alguma coisa. O Ubuntu é uma excelente escolha, mas para os purista o Debian seria a escolha ideal.

    flavio jose

    15/07/2013 - 01h38

    Talvez por falta de uma divulgação maior.

Deixe uma resposta