VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Zarattini desafia Lava Jato a investigar o trensalão

30 de setembro de 2016 às 21h25

Captura de Tela 2016-09-30 às 21.24.24

Zarattini desafia Lava-Jato a apurar propinas em obras de metrô de São Paulo

Do PT na Câmara, 29/09/2016

Mais um capítulo é incluído na lista de irregularidades envolvendo as obras do Metrô de São Paulo, administrado, há mais de 20 anos, pelo governo do PSDB. Desta vez a Operação Lava Jato descobriu 32 mensagens trocadas entre executivos da Odebrecht com fortes indícios de que a empreiteira pagou propina a políticos para a realização das obras do metrô paulista (linha 2 — Verde e Linha 4 — Amarela), executadas pelo governador tucano Geraldo Alckmin.

Ao comentar o fato, o vice-líder da Minoria, deputado Carlos Zarattini (PT-SP) se mostrou descrente com os rumos das investigações. Segundo o parlamentar, as denúncias de corrupção envolvendo o metrô paulista já se arrastam por muito tempo sem que se chegue à responsabilização dos agentes envolvidos.

“Mais uma vez a gente vê evidências de ato de corrupção no metrô de São Paulo, administrado pelo governo do PSDB. Já vimos isso acontecer diversas vezes e, por diversas vezes, as investigações se iniciam e não são concluídas”, lamentou Zarattini.

O deputado citou a compra dos trens da empresa Alstom e inúmeros casos de desvios de recursos em obras que já aconteceram no metrô de SP e que ainda não tiveram solução. “Vamos ver se, desta vez, a Lava-Jato demonstra que não se preocupa exclusivamente com o PT e em buscar a criminalização do partido. Vamos ver se os promotores, a Polícia Federal e o Juiz Sérgio Moro se dedicam a aprofundar a investigação sobre o governo do Estado de São Paulo”, desafiou o petista.

Reportagem do jornal O Estado de São Paulo revela que dos 32 e-mails listados pela Polícia Federal, 20 tratavam especificamente das obras do Metrô de São Paulo. As mensagens partiam de diretores da empreiteira Odebrecht, responsáveis pela obra, para executivos do “departamento de propinas” e para Benedicto Barbosa Júnior, então presidente da Odebrecht Infraestrutura.

Ainda, segundo a reportagem, nas mensagens aparecem nove codinomes, destes, seis ligados às obras da Linha 2, onde o percentual de pagamentos de propinas e a porcentagens de pagamentos variam de 0,5% a 4%, e dois ligados às obras da Linha 4. A Odebrecht participou do consórcio que fez os lotes 1 e 2 da Linha 4 e também atuou na expansão da Linha 2, ligando as estações Ana Rosa e Imigrantes.

Entre os codinomes listados estão “santo”, “corintiano”, “santista”, “vizinho”, “cambada em SP”, que constam na planilha de pagamentos mensais da empreiteira para as obras do metrô de São Paulo. As investigações apontam que “santo” recebeu um montante no valor de R$ 500 mil em 2004.

O delegado da Polícia Federal responsável pelo caso, Filipe Hile Pace disse que alguns pagamentos eram solicitados “a título de contribuição para campanhas eleitorais”.

No entanto, o delegado aponta que, ao contrário da alegação de caixa 2, os pagamentos “encontravam-se diretamente atrelados ao favorecimento futuro da Odebrecht em obras públicas da área de interferência dos agentes políticos”.

Questionado sobre as possíveis ações que o parlamento poderia adotar para contribuir no aprofundamento das investigações, o deputado Carlos Zarattini reiterou a sua descrença.

“Normalmente nós temos tentado fazer isso e, mesmo quando não tínhamos maioria na Câmara, o PSDB se articula com partidos que eram da base do nosso governo, mas que em São Paulo são da base do governo Alckmin e consegue impedir o avanço da investigação”, disse Zarattini, se referindo a CPMI do Metrô de São Paulo instalada em agosto de 2014. O colegiado, entretanto, sequer realizou eleição para escolha do presidente e relator.

“Eu acredito que seria muito difícil a gente conseguir abrir uma investigação em Brasília, ainda mais agora que o governo federal é aliado do Governo do Estado de São Paulo”, ponderou Zarattini.

Benildes Rodrigues

Leia também:

Uma lição prática de “dois pesos, duas medidas”

 

4 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria Thereza

01/10/2016 - 16h09

Não consegui compartilhar. O face book informa que essa mensagem “contém conteúdo” (péssima redação. queria que o conteúdo contivesse o que?) que foi bloqueado pelos nossos sistemas de segurança.

Responder

FrancoAtirador

01/10/2016 - 12h05

.
.
Os Métodos da Força-Tarefa do Juiz Moro,

Muito Além de Polêmicos, São Absurdos

“Simplesmente Assustador”

Por Antonio Alberto Machado,
Promotor de Justiça de São Paulo,
No Sítio “Avesso e Direito”

https://avessoedireito.wordpress.com/2016/09/26/simplesmente-assustador/
.
.

Responder

FrancoAtirador

01/10/2016 - 00h12

.
.
O Deputado Paulista Carlos Zarattini acaba de entrar para o Rol de Petistas

a serem Condenados à Prisão Perpétua, sob Tortura, na OLJ (OC-PPP) da PGR.
.
.

Responder

Edgar Rocha

30/09/2016 - 22h30

Está explicado (em partes) o porquê de o Governo Federal não ter feito enfrentamento algum contra o Governo Alckmin. Somado a ligações perigosas desta natureza, o fato de o PSDB ser o terceiro partido em cargos comissionados do Governo Federal (atrás somente de PMDB e PT), o Alckmin podia nadar de braçada contra a cidadania, contra as lutas sociais e contra o próprio Governo Federal. A condição para manter a aliança no federal era garantir a impunidade no estadual. É a prova de que a política de conciliação foi, sem dúvida, uma roubada em que a esquerda se meteu. Baita erro de cálculo: ter em mãos o poder federal às custas de ter de alimentar opositores nos governos estaduais, ainda tendo que calar a boca de quem fazia o enfrentamento local. Abriu-se mão de tudo – mas, tudo mesmo – pra se ter uma conquista temporária que, ao esfacelar-se levaria consigo muito mais do que foi conquistado, entregando o futuro a um retrocesso inapelável e com poucas chances de enfrentamento.
Sem judiciário, sem estados, sem polícia, sem base parlamentar, sem mídia, sem nada… Dilma enfrentou tudo sem uma única arma.

Responder

Deixe uma resposta