VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Gregório Grisa: Existe outro modo de remunerar o trabalho

26 de agosto de 2013 às 11h21

Sicko, de Michael Morre, recomendado por Regina Damasceno, no Facebook (pegando carona no Denner Barros, do You Tube)

DOMINGO, AGOSTO 25, 2013

Mais Médicos e os cubanos

por Gregório Grisa, no Augere

Que belo debate o Brasil está vivendo sobre a saúde pública e o Programa Mais Médicos. Belo porque nasce de uma proposta governamental que tira da inércia as políticas públicas da área e também por expor uma ferida grave do nosso país, qual seja, a falta de atendimento médico que atinge cotidianamente a maioria da população.

Creio que se pode salientar alguns consensos básicos sobre o tema, o Brasil precisa aumentar o investimento em saúde de modo significativo, a infraestrutura tem de ser constantemente qualificada, as 15 profissões da área da saúde precisam de valorização permanente.

Porém, não se vê só beleza nessa discussão, infelizmente ela está sendo palco para raivosos preconceitos, xenofobia, demonstrações de desinformação, superficialidade que nos faz desconfiar se não são intencionais, tamanha a bizarrice de alguns comentários vindo de setores privilegiados da população.

Antes de falar sobre esses comentários é preciso contextualizar o cenário, a polêmica e o desespero de parte da classe médica e dos conservadores se dá quando falam de médicos cubanos, por isso cabe destacar o seguinte.

O Programa Mais Médicos recebeu solicitação de 3.511 municípios apresentando demanda de 15.450 médicos. 1.096 profissionais com diplomas do Brasil e 244 formados no exterior (sendo 99 de nacionalidade brasileira e 145 estrangeiros) confirmaram sua participação no programa. Eles optaram e serão distribuídos em 516 municípios e 15 distritos sanitários indígenas.

Bom, 2995 cidades precisam ser atendidas porque ninguém se inscreveu para elas, nenhum médico brasileiro nem estrangeiro quer ganhar 10 mil reais e instalações para trabalhar nesses municípios. Diante disso o governo fez um acordo com o Estado de Cuba através da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) para trazer nos próximos meses 4 mil médicos daquele país, eles irão se enquadrar nas regras do Programa Mais Médicos. 400 deles chegam nesse fim de semana, abaixo o perfil deles divulgado no site da OPAS.

• 89% têm mais de 35 anos, sendo 65% do total na faixa etária de 41 a 50 anos; 84% têm mais de 16 anos de experiência em medicina; 60% são mulheres e 40% homens; Todos já cumpriram missões em outros países, incluindo participação em missões em países de língua portuguesa; Todos têm especialização em Medicina da Família e da Comunidade e; 20% têm mestrado em Saúde.

Não farei nenhum paralelo de comparação da saúde no Brasil com a de Cuba, esse não é o foco desse debate e os órgãos internacionais como Organização Pan-Americana de Saúde, Unicef, Organização Mundial de Saúde são ótimas fontes para pessoas curiosas sobre isso e bem intencionadas.

Lendo os comentários nas redes sociais, em enquetes, temos alguns padrões nos posicionamento contrários:

— um avalia, de modo maniqueísta, o governo como uma conspiração comunista a serviço de Cuba que deseja enganar a população e perseguir os médicos. Delírio absoluto.

— outro perfil de comentário é mais calcado no senso comum desinformado que afirma que médicos cubanos serão escravos, uns mais ponderados questionam a forma de pagamento do convênio assinado.

Sobre a forma de pagamento, aqui temos um tema bom, nota-se o quão é difícil conceber algo que não se rege pela lógica liberal, como dói compreender que pode existir outro modo de remunerar o trabalho. Cuba tem um regime político diferente do Brasil, goste você ou não, as regras de convênios como esse são claras e legitimadas por dezenas de países.

Os médicos cubanos são funcionários do Estado em Cuba, tem seus trabalhos garantidos, uma carreira. Em missões como essa no exterior eles recebem um adendo em seu salário (4 mil reais provavelmente a depender do custo de vida das cidades para onde serão destinados) e outra parte fica para o Estado que garantiu sua formação gratuita desde sua infância.

Gonzales, um dos médicos cubanos recém-chegados, quando perguntado sobre o quanto vai receber afirmou: “não sabemos ainda, mas será o necessário, pois tenho emprego garantido no meu país e parte dos recursos irá para ajudar o meu povo”.

Concordamos ou não com essa lógica, essa dinâmica, isso é ter contato com outro modo de ver a vida, de olhar para as relações sociais e humanas, assim como temos direito de termos nossas interações trabalhistas pautadas em uma lógica mais mercantil e individual, os profissionais de outros países tem o direito de pensar e agir diferente de nós.

Nesse caso, criticar o PT, ter uma postura arrogante se retirando do debate da urgência de atendimento médico que temos no país, deixar escapar do inconsciente um sério “complexo de superioridade” (que pensa ser 10 mil reais um salário escravo, que não quer permitir que outros profissionais vão aos rincões do país por eles serem estrangeiros) é um desfavor que parte da classe médica presta a sua nação.

Para maioria da população pobre brasileira que, não acessa a internet 53,5% (IBGE, 2011), que não tem acesso a essas polêmicas, que não tem alternativas para seus problemas de saúde, esse debate político e corporativo não interessa. O importante para eles e elas é sobreviver, se curar agora, melhorar minimamente a qualidade de vida e a condição do seu organismo.

Moore mostra “cobertura médica universal” em Cuba e Bush lê “combatente inimigo ilegal”

Em muitos lugares onde serão alocados os médicos cubanos nunca se pensou em medicina preventiva, nunca se executou programas de medicina comunitária com equipes multidisciplinares. Essa ação governamental é emergencial, mas já vem tarde, era para ter sido feita a muito tempo, por qualquer governo. O Tocantins, em 1998 no governo de direita de Siqueira Campos (então no extinto PFL, hoje filiado ao PSDB e novamente governador) teve inciativa parecida ao trazer médicos cubanos por convênio.

Outro grupo de comentários que tratam do Revalida, da questão do idioma, questionam a competência dos estrangeiros, cegamente ainda afirmam que não faltam médicos, não merecem nota diante do real debate que deve ser feito.

Qual é esse real debate? A lógica mercantil da nossa saúde, a formação para uma medicina que concebe a doença como mercadoria e fonte de lucro, as relações nefastas entre médicos e laboratórios farmacêuticos, a cultura da pulverização de medicamentos em detrimento de prevenção e ações integradas, a gestão pública e das fundações, o poder e o lucro dos planos de saúde e seus precários serviços, além daqueles consensos básicos listados no começo do texto que são estruturais.

Tenho um adendo fundamental sobre exigência demagógica pelo Revalida em um programa emergencial com tempo de duração determinado, vou ser didático. É óbvio que a exigência de revalida em um programa como o “Mais Médicos” seria o principal motivo para o seu fracasso. Todo profissional que faz o Revalida no Brasil pode trabalhar em qualquer lugar, com qualquer carga horária, se quiser somente na sua especialidade, e ainda cobrar a quantia que achar adequada pelos seus serviços, além de disputar livremente mercado com os profissionais formados no Brasil.

Isso é tudo o que não prevê o programa, com a licença especial de 3 anos e com avaliação permanente das universidades, se garante o objetivo de segurar os profissionais somente na atenção básica de saúde, por 40 horas semanais, com a bolsa de 10 mil reais e, o principal, trabalhando estritamente nos municípios e regiões que forem alocados, que são as que mais necessitam de médicos. Sem comentar a burocracia e a morosidade que envolve o Revalida.

Por fim, penso que vale dizer que não costuro meu argumento no intuito de me por do lado do governo na rasa dicotomia entre “governo e cidadão de bem” que as entidades representativas da classe médica querem incutir na opinião pública. Sou critico do ponto de vista macro político ao governo do PT, mas creio que este não é o cerne da discussão em tela, apesar de ser um elemento dela.

Todavia, não posso me furtar de marcar meu apoio ao Mais Médicos e a vinda de médicos cubanos para trabalharem nas circunstâncias colocadas. Ainda mais diante dessa onda de preconceito e de alucinações conspiratórias que a direita faz circular nas redes sociais e que infelizmente, por inúmeros motivos, conquista alguns desavisados que, ao invés de aproveitarem esse momento para oxigenar as consciências ao ter contato com princípios de humanidade e solidariedade tão deturpados em nossas rotinas, preferem reproduzir mantras corporativos, medos antiquados e moralismos constrangedoramente elitistas.

Leia também:

Médico que duvida de estrangeiros tem filhos “importados” de Cuba

Mílton de Arruda Martins: “Elitização brutal” ajudou a concentrar médicos

O mau jornalismo da Folha no caso dos médicos “desistentes”

Juan Carlos Raxach: Carta de um médico cubano

Cebes: O SUS precisa de mais médicos. E muito mais!

Dr. Rosinha: Médicos estrangeiros são bem-vindos

Fátima Oliveira: Quem deve lavar as louças sujas são os governos

 

11 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Gabriel

28/08/2013 - 10h47

Prezados,

Gostaria de colocar uma visão um pouco diferente do que tenho visto nesta questão da interiorização da saúde.

1. Será mesmo que o protagonismo médico é tão grande que não haja necessidade de outro profissionais de saúde como enfermeiros etc?. Os vetos da Dilma na lei do ato médico mostram uma visão divergente e favorável à participação de equipe de saúde.
2. Não vou discutir, neste momento, a situação caótica da saúde pública nos hospitais dos grandes centros onde médicos não faltam segundo a proposta do governo.
3. Sou favorável à entrada de médicos de qualquer lugar do mundo no “mercado” brasileiro. Acredito que em Cuba a formação de médicos seja privilegiada do ponto de vista ideológico e, portanto científico. Não vejo como importante a questão da língua.
4. Vejo com preocupação sim a precariedade do emprego oferecido aos médicos brasileiros e não cubanos (pois os cubanos são empregados do governo de Cuba). Qual o critério para pagamento de bolsas, não salário de acordo com a legislação vigente no país? À OPAS está se contratando serviços e aos outros? Seriam profissionais autônomos? Sem direito a legislação trabalhista? Será que cabe ao médico brasileiro aceitar este retrocesso, sempre sonhado pelo patronato e oferecido por um governo que se pretende ao lado do trabalhador?
5. Ainda critério, depois de dois anos (critério?) a bolsa seria extinta. Os cubanos retornariam locais de origem com seus empregos como deveria acontecer. E os outros? Voltariam para suas terras desempregados?
6. Meu objetivo não é contestar o caráter político ideológico, reacionário, desumano e desrespeitoso da reação dos médicos à proposta governamental, mas avaliar estes mesmos aspectos contidos na proposta do governo Dilma.

Responder

dida

27/08/2013 - 12h13

Existe outro modo, é?
Vou propor esse modo que vc propões àqueles que às vezes prestam algum tipo de serviço para mim.
Vou pensar no escambo… No amor à causa… (vou pensar numa suficientemente instigadora) No simples voluntariado… Beleza!

Responder

    Edfg.

    28/08/2013 - 09h52

    Esse outro modo é maravilhoso. Vamos propor isso aos sindicatos (se apropriarem da maior parte dos salários de seus empregados para se financiarem), ao serviço público, ao Brasil inteiro. Menos às empresas privadas, claro, porque ali a esquerda tem que defender os direitos dos trabalhadores. Sacaram a coerência? Será uma revolução. A mais valia praticada pelo Estado para financiar o governo de plantão. Como é que Marx não pensou nisso ? Poucas vezes vi tanto cinismo.

Mardones

27/08/2013 - 09h56

Muito boa a argumentação.

Parabéns!

Responder

O Homem Risonho

26/08/2013 - 22h51

Cubano, Português, Africano … tanto faz, precisamos de médicos em localidades e não temos aqui em terra brasilis então traz de fora. O mais incrivel é ver que a maioria dos que são contra vomitam arco-íris quando se fala em trazer um cientista ou engenheiro de fora para fazer alguma coisa aqui… quando as pessoas vão parar com estereótipos da guerra fria e começar e viver o século XXI …

Responder

Graciete Lima

26/08/2013 - 22h07

Um texto esclarecedor. E com uma visão ampla

Responder

Fabio Passos

26/08/2013 - 18h49

O PiG espuma de raiva com criticas cada vez mais estúpidas.

A casa-grande tenta disfarçar… mas o racismo e preconceito de classe estão explícitos.

A “elite” branca odeia o povo e pouco se importa se os pobres tem ou não acesso a médicos.

O que merece esta “elite” branca que faz de tudo para impedir que a população carente tenha atendimento de saúde?

Responder

Marmeladov

26/08/2013 - 15h57

É verdade que o curso de medicina nas universidades cubanas – acho que são 2 ou 3, poucas – é de apenas 4 anos? Se for assim o curso deve ser muito condensado, pois os médicos são ótimos. Todo mundo do Viomundo e da mídia alternativa fala isso.

Responder

    Conceição Lemes

    26/08/2013 - 16h12

    Só um deles, o da Elam, que dura quatro anos. Os outros 20 e poucos cursos têm duração igual aos cursos do Brasil: a graduação dura 6 anos. abs

Luís Carlos

26/08/2013 - 13h13

Concordo plenamente com os argumento apresentados de porque não o Revalida para os médicos do Mais Médicos. Caso tivessem que fazer o exame, certamente muitos escolheriam trabalhar em outras áreas da medicina no país e não onde temos maior necessidade, que é atenção básica. Mais do que isso, nesse sentido o programa não seria transitório, como se propõem a ser, mas teríamos médicos em caráter permanente, de outros países no Brasil. Por isso o programa tem outro eixo sobre a formação médica, adequando currículos e ampliando vagas em graduações e residências médicas, a fim de que, após esse ciclo, o próprio Brasil tenha médicos formados aqui em número suficiente e com adequação à epidemiologia e sistema locais.
Sobre os ganhos dos médicos do Mais Médicos, vale mebrar que os municípios deverão fornecer ajuda de custo para moradia e alimentação, podendo chegar a cerca de R$1.500,00 a mais/mês.

Responder

Valcir Barsanulfo

26/08/2013 - 13h03

A grande maioria dos médicos brasileiros não passaria no “revalida”, a USP já verificou isso em seus testes. Então, já pensaram os médicos formados nas escolinha privadas dos ANDRADAS em Minas gerais?
As mensalidades dos anos iniciais nas escolas de medicina privadas de Minas é de aproximadamente R$6.000,00(seis mil reais) mensais.
Vocês acham que esse CARAS vão para alguma periferia? Sinceramente, vocês acham que esses “caras” vão aprender medicina ou ganhar dinheiro, vão se formar para médicos ou para fazendeiros.

Responder

Deixe uma resposta