VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Golpe na Fiocruz: Governo Temer nomeia para a presidência candidata derrotada. Será mesmo que a doutora Tania se aliou aos golpistas? A troco de quê?

30 de dezembro de 2016 às 13h18

Fiocruz 2

Nísia Trindade (acima, à esquerda)  teve 59,7% dos votos; Tania Araújo-Jorge (abaixo, à direita), 39,6%

por Conceição Lemes

Há 25 anos a presidência da Fundação Oswaldo Cruz é escolhida por eleição direta junto a seus trabalhadores, pesquisadores e professores.

De 23 a 25 de novembro, 4.415 servidores  de todas as unidades no Brasil  elegeram a doutora Nísia Trindade, atual vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação, para o mandato 2017-2020.

Houve um comparecimento às urnas de 82,1% da comunidade.

Nísia recebeu 2.556 votos em primeira opção, ou seja, 59,7%.

Em segundo lugar, ficou a doutora Tania Araújo-Jorge, pesquisadora e ex-diretora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC). Obteve 1.695 votos em primeira opção (39,6%).

Em 28 de novembro, a comissão eleitoral apresentou o resultado ao Conselho Deliberativo da Fiocruz, que o homologou.

O resultado foi enviado ao ministro da Saúde, o engenheiro Ricardo Barros, que decidiu nomear a candidata derrotada.

É um golpe contra a Fiocruz.

Hoje, às 14h, realizará coletiva de imprensa, para se manifestar sobre a crise institucional que se instalou por conta da possível nomeação da candidata derrotada nas eleições para a presidência da Fiocruz.

Estarão presentes o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, e diretores de unidades técnico-científicas da fundação.

nisia_principal

Respeite a Democracia na Fiocruz

 por Ana Maria Costa, especial para o Viomundo

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é uma instituição que nos orgulha pela excelência de trabalho nos campos da pesquisa, ensino e tecnologia em saúde.

Há 25 anos a Fiocruz elege seus dirigentes e com isso confere legitimidade e sintonia a um projeto que engrandece e ajuda na soberania do Brasil.

Neste 30 de dezembro de 2016, amanhecemos com a amarga notícia de que o governo ilegítimo, usurpador, golpista, irá nomear a candidata derrotada à presidência da Fiocruz.

Demonstração inequívoca de que o golpe de 2016 à nossa democracia chegou agora à Fiocruz.

Há dois meses, Nísia Trindade foi eleita para presidir a instituição.

Hoje, soubemos que o cargo democraticamente conquistado por Nísia será ocupado pela candidata derrotada no processo eleitoral.

Não acreditamos que uma pesquisadora e acadêmica do porte de Tania tenha se aliado aos golpistas.

Ainda esperamos que, de forma digna e democrática, Tania decline desta designação.

Lamentavelmente, a informação que circula no meio é de que a derrotada trabalhou bastante por essa nomeação, mesmo contra a vontade da maioria dos eleitores.

Só um posicionamento ético, comprometido e democrático de Tania Araújo Jorge poderá desfazer esta nefasta apreciação da comunidade da Fiocruz.

Mas, afinal, o que pode estar em jogo além do profundo desrespeito à democracia ao processo interno da Fiocruz, que é um golpe contra a instituição?

De um lado, o precedente criado por essa arbitrariedade praticada contra a Fiocruz fere a   autonomia universitária conquistada por nossas instituições de ensino e pesquisa .

De outro lado, e não menos importante, os possíveis acordos quanto ao próprio papel almejado para a Fiocruz no bojo da política setorial pretendida pelo atual governo.

A Fiocruz tem tido um papel estratégico na implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) tanto como formadora de recursos humanos como na produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento tecnológico.

Por conta disso, o Brasil tem suficiência de insumos estratégicos em saúde, condição essencial para a soberania e sobrevivência do projeto universalista constitucional definido para a saúde.

Mas as evidências recentes demonstradas no discurso e nas práticas do atual governo não convergem para a consolidação do SUS como sistema universal, integral e de qualidade.

O dramático momento vivido pelo projeto político desenhado para o país expõe a vulnerabilidade  dos princípios do SUS.

Nesse cenário já se falou que a Fiocruz deve voltar-se para o mercado, abandonando sua vocação de produtora de serviços e insumos para o setor publico da saúde.

Difícil acreditar que alguém que fez carreira na instituição, como é o caso de Tania, possa concordar  com o projeto do governo de subverter a missão da Fiocruz  diante da sociedade nacional.

Apenas alguém legitimamente eleito poderia estabelecer um contraponto que mantenha e fortaleça sua vocação institucional.

Adotar a contramão da tradição democrática da Fiocruz construída desde a redemocratização do país desmonta a fortaleza que conduziu a Fiocruz a se tornar o que é hoje: uma instituição virtuosamente nacional e comprometida com a ciência, tecnologia e a saúde pública.

Um orgulho nacional.

Não sobram dúvidas de que estamos diante da ruptura de todas as nossas instituições democráticas. A caixa de Pandora está dilacerada e o País mergulha em incertezas  e obscuridade.

Ana Maria Costa é diretora do Cebes e professora de Medicina da ESCS/DF (Escola Superior de Ciências da Saúde,do Distrito Federal). 

Leia também:

Julian Rodrigues: 2017, um ano novo de lutas

 

11 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Felipe

01/01/2017 - 14h30

TEXTO MARCELO MENDES
Votamos em uma lista tríplice, onde o candidato que obtiver 30% dos votos em primeira opção, o nome será encaminhado ao ministro da saúde após a homologação do resultado das eleições e isso foi feito como se faz sempre e cabe ao ministro da saúde escolher o melhor candidato após analise de proposta e curriculum. Sempre foi assim, não votamos em candidatos e sim numa lista, tanto que temos as opções na cedula de 1º, 2º e 3º lugar (lista tríplice), onde podemos votar quem quisermos como primeira ate o terceiro lugar para que seja apreciada pelo ministro, mas todos tem o voto ou não e no caso a segunda candidata obteve votos como primeira e como segunda, totalizando mais de 50% dos votos, Gostaria muito de saber porque a atual presidência que lançou a candidata do primeiro lugar, nesses 16 anos no poder e com o apoio explícito também do sindicato não tentaram mudar o estatuto!? Duvido se fosse ao contrário teriam o nome de golpistas. Temos que respeitar os votos sim, afinal ele contou para que o ministro escolhesse. Golpe seria se isso não estivesse previsto no estatuto. Todos sabiam que isso poderia acontecer, o ministro nomeou a melhor. Fato!

Segue o link do regulamento eleitoral da Fiocruz. A população precisa conhecer para que se desconstrua essa cantilena de “golpe” que estão tentando ludibriar nas redes sociais e em site/blogs.

http://googleweblight.com/?lite_url=http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/estatuto-e-regimento&ei=3QTnjUNM&lc=pt-BR&s=1&m=98&host=www.google.com.br&ts=1483287282&sig=AF9NedmPIQmVrxn0carnQpgDjdKhVM3tCQ

Responder

    Conceição Lemes

    01/01/2017 - 19h21

    Felipe, infelizmente é golpe, sim. sds

    Mauricio

    02/01/2017 - 12h10

    “Cantilena de golpe” é dose. No mínimo você também acha o mesmo do golpe na presidência, vai ver acredita na cantilena da ameaça comunista pra justificar as baboseiras que escreve ou então está mancomunado com essa impostora perdedora e quer uma boquinha na Fiocruz. É o famoso moralista sem moral.

CICLAMIO BARRETO

31/12/2016 - 11h06

A Tania não pode jogar fora sua carreira acadêmica desse jeito. Ou ela se posiciona claramente contrária à sua nomeação e em favor da 1a. colocada na eleição, ou para ela será o triste fim de uma imagem de ética e profissionalismo. É o que toda a comunidade espera e sem demora.

Responder

Direita

31/12/2016 - 00h15

Comunas pilantras

Responder

Venâncio

30/12/2016 - 23h07

Os mortadelas piram

Responder

    Mauricio

    31/12/2016 - 17h08

    Pirados devim estar os seus pais ao botarem um verme como você no mundo, um verdadeiro atentado à natureza!

Schell

30/12/2016 - 15h28

Ora, cargos acadêmicos, cursos acadêmicos, formação acadêmica, sabemos todos, em nada acrescenta à falta de ética de certas pessoas: afinal, quem sai aos seus não (se) regenera. É o caso dessa tal Tânia, pelo visto, metida até o pescoço nesse embrulho GOLPISTA. Bando é pouco: quadrilha!

Responder

Fernando

30/12/2016 - 15h15

Qual a surpresa ? Não deram o golpe até na nossa aposentadoria.
O pessoal só vai acordar qdo tiverem todos sem emprego vivendo de bicos.

Responder

JULIO CEZAR DE OLIVEIRA

30/12/2016 - 13h42

meu sonho e me candidatar a vice de alguma coisa.

Responder

Mauricio

30/12/2016 - 13h27

Se o Lula algum governo do PT faz isso, haveria uma manada de bucéfalos fascistas aqui latindo contra o “aparelhamento petista”, ditadura bolivariana, e outras pérolas dos babaquaras paneleiros tupiniquins. Simplesmente vergonhoso.

Responder

Deixe uma resposta