VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

Gleisi detona professor que debocha da Lei Maria da Penha: Banaliza e estimula violência contra a mulher; veja a leviandade

24 de setembro de 2017 às 21h41

Humanizar é preciso!

Gleisi Hoffmann, especial para o Viomundo

Gerou muito debate e diversas manifestações de repúdio um vídeo que circulou nas redes sociais neste final de semana, no qual um professor de curso preparatório para concursos de Curitiba, Victor Augusto Leão, debocha da Lei Maria da Penha e dos direitos assegurados às mulheres em situação de violência.

Assinei junto com lideranças dos movimentos sociais e organizações de mulheres uma nota também repudiando o deboche e a inconsequente manifestação de machismo e misoginia do professor no ambiente em que ele se coloca como dono da razão: a sala de aula.

Não existe justificativa para abordar esse tema de maneira irresponsável, superficial ou debochada. Ainda mais em se tratando de um educador, formador de opinião, dentro de uma sala de aula.

Muito infeliz e repulsiva a atitude do professor, que pode, sim, da forma que foi feita, estimular ou reforçar esse tipo de crime.

Como bem se sabe, existe uma lei, a Maria da Penha (11.340/2006), sancionada pelo presidente Lula em 7 de agosto de 2006. Portanto, a violência doméstica e familiar contra a mulher é crime, uma barbárie, que leva ao feminicídio e à morte de milhares de mulheres.

Se temos uma das leis mais avançadas do mundo, referência em prevenção e proteção contra esse tipo de crime, temos mais é que nos orgulhar disso.

Não “brincar” e nem reforçar esse tipo de banalização do preconceito e da violência.

Não existe justificativa para essa leviandade ou conservadorismo nocivo à sociedade. É machismo e misoginia!

O professor deve não apenas às mulheres, mas à sociedade como um todo, um exame de consciência, uma retratação e um pedido público de desculpas.

Reconhecer o erro e partir para uma mudança sincera de comportamento é uma atitude digna de um educador e de qualquer cidadão promotor do desenvolvimento social.

Caso contrário, só banaliza e estimula a violência, o que é repulsivo, indignante e cruel diante do drama vivido, sofrido na pele por milhares de famílias ao longo de séculos no nosso país.

A violência contra as mulheres é um drama que amputa direitos, aniquila sonhos, perspectivas, esperanças, laços de afeto e mutila toda a sociedade. Temos de nos importar. Sermos cuidadosos e responsáveis com tanta dor e sofrimento.

Vamos virar essa página. É preciso evoluir e não tripudiar sobre algo tão grave e tão perverso. Humanizar é preciso!

Gleisi Hoffmann é senadora da República e presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT).

Abaixo, a nota assinada por movimentos feministas, organizações de mulheres e ativistas

NOTA DE REPÚDIO

Professor debocha em sala de aula de mulheres vítimas de agressão

PartidA Curitiba PR

“Gosta de apanhar ou não? Levar uns murros na boca de vez em quando? Uma joelhada, não gosta? Quebrar umas costelas, não gosta? Mulher gosta de apanhar. Mulher gosta de levar porrada, não é verdade?”

Parece inacreditável, mas as frases foram ditas por um professor dentro de uma sala de aula. Trata-se de Victor Eduardo Leão.

Um vídeo que está circulando nas redes sociais mostra o momento em que tudo foi dito.

O episódio aconteceu em Curitiba, em 2/9/17, quando ele ministrava aula no Curso Luiz Carlos sobre o Estatuto dos Servidores para concorrentes a uma vaga no TRE-PR.

A incitação à violência começou quando o professor decidiu “brincar”.

“Mulheres se acha, né? Essa Lei Maria da Penha aí.”

E, olhando para uma aluna, prossegue com as perguntas ofensivas.

No site do Curso Luiz Carlos, Vitor Leão é apresentado como professor das Faculdades Guarapuava e analista judiciário na Justiça Federal de Primeiro Grau no Paraná. Também como mestre em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí, especialista em Direito Civil pela Associação de Ensino Novo Ateneu e bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Londrina. Trata-se de alguém que conhece as leis e suas implicações.

Não é aceitável que um professor de Direito ignore e deboche em sala de aula da alarmante estatística de violência doméstica no país. Uma em cada três mulheres sofreu algum tipo de violência só no último ano no Brasil. 503 mulheres são vitimas de agressões físicas a cada hora (Datafolha. Março/2017).

Muitas dessas mulheres poderiam estar ali, ouvindo gargalhadas de suas dores. Imagine os sentimentos provocados pelo professor em quem já foi vítima ou viu a mãe, irmã ou filha ensanguentada pelas mãos do companheiro?

Após alegar que estava brincando, Vitor Leão retoma a incitação à violência. “Vamos falar agora de penalidades. Vai vir a Lei João da Lapa e revogar a Lei Maria da Penha e nós vamos voltar a descer bordoada na mulherada, tá? Porque lá em casa é assim, nesse esquema.”

Nós, mulheres brasileiras, repudiamos a postura do professor Vitor Augusto Leão. Não podemos mais aceitar que a dor e a morte de tantas mulheres ainda sirvam de motivação para piada.

Assinam este manifesto:

ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais

Associação Ciranda das Mulheres

CAAD – Advogadas e Advogados pela Democracia

CLADEM – Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher

Coletivo Arte é Vida

Coletivo de Jornalistas Feministas Nísia Floresta

Coletivo Feminista da APP-Sindicato

Coletivo Voz Materna

Comissão Regional do Oeste Metropolitano de São Paulo

CONDSEF – Confederação Servidores Federais

CUT – Central Única dos Trabalhadores

Deputada Federal Jandira Feghali (relatora da Lei Maria da Penha)

Deputada Federal Jô Moraes

Federação de Mulheres do Paraná

FENAJUD – Federação Nacional dos Servidores Judiciários

Fórum Popular de Mulheres

GETRAVI – Grupo de Pesquisa, Trabalho, Gênero e Violência Doméstica e Familiar

Fórum Nacional de Políticas Públicas para Mulheres – Coletivo Rose Nogueira

Marcha Mundial das Mulheres – PR

Marcha Mundial das Mulheres – Guarapuava

MNU – Movimento Negro Unificado

Mulheres da CUT

Mulieribus – Núcleo de Estudos das mulheres e Relações de Gênero da UEFS

NEPEM/UFMG – Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher da Universidade Federal de Minas Gerais

NUPRO – Núcleo de Proteção de Direitos de Mulheres e Infância

PartidA Feminista Nacional

PartidA Feminista Curitiba

PartidA Feminista DF

PartidA Feminista Florianópolis

PardidA Feminista Jataí

PartidA Feminista Minas

PartidA Feminista Palmas

PartidA Feminista Recife

PartidA Feminista Rio de Janeiro

PartidA Feminista RS

PartidA Feminista São Paulo

Rede Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Reprodutivos

Rede Não Cala

Rede Mulheres Negras do Paraná

Senadora Gleisi Hoffmann

SISPPMUG – Sindicato dos Servidores Públicos e Professores Municipais de Guarapuava.

Todas Marias

UBM – União Brasileira de Mulheres

Vereadora Professora Josete – Curitiba/PR

Leia também:

Pepe Escobar: Doutrina Trump mira em Venezuela, Irã e Coreia do Norte

 

10 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Fernando Lopes dos Santos

26/09/2017 - 15h25

Fui aluno do Professor Victo Augusto Leão e, durante os 05 anos de faculdade , ele sempre se mostrou uma pessoa extremamente companheiro de todos os alunos, independente se homem ou mulher. Tive inclusive a honra de tê-lo como orientador na banca, e, como não foi postado o video na integralidade, não consigo, nem em remotas condicionantes imaginar que ele tenha dito tais absurdidades nos moldes em que se mostra no fragmento do video. Entendo às pessoas que postam suas indignações e, somente tenho a dizer, que, conheço Victor Augusto Leão, sua esposa e suas filhas, e, sob nenhuma hipótese é o pensamento do mesmo. Não somos próximos, apenas o conheço, mas, é uma pessoa MUITO DO BEM. Se for postado o vídeo na íntegra, imagino que reste claro.

Responder

Selma

25/09/2017 - 19h20

Esse vagabundo que zomba da Lei com certeza já bateu em mulher…ninguém merece apagar…nem homem e nem mulher. ..idiota e sem noção. ..sem nada de bom pra passar aos seus alunos…fica calado!!

Responder

lulipe

25/09/2017 - 18h35

Ela já devolveu os dois milhões cobrados pelo MPF???

Responder

Ali

25/09/2017 - 17h38

Ue estão apagando os comentários? Só deixam o que beneficia vocês?as pessoas que realmente conhecem oprofessor e estão se manifestando vocês apagam? Aaaaa esqueci é PT ne, São acostumados a fazer tudo por debaixo dos panos e mentir

Responder

Fernando

25/09/2017 - 12h59

O problema é que tem muita mulher folgada, que fica folgando, depreciando, pondo chifre em homem e depois quer respeito. Mulher assim nao merece nenhuma consideração.

Responder

25/09/2017 - 12h57

“Porque lá em casa é assim, nesse esquema.” Gente, não cabe investigação?

Responder

Tomas Turbano

25/09/2017 - 12h16

E sobre o Gaievski, senadora, alguma palavra?

Responder

    dante

    25/09/2017 - 15h24

    e bumbum com as calças, idiota?

Antonio/Maceió

25/09/2017 - 11h08

Tudo agora é brincadeira, desde a morte do índio pelos jovens de classe média! Para rir, prefiro Carlito, Os Trapalhões, Os Três Patetas.
Como diria Drummond, que século, meu Deus!

Responder

a.ali

25/09/2017 - 10h18

são os “formadores de opinião” que pululam por esse brasil à fora escancarando o que estava, de certo modo, represado em suas mentes, falas, atitudes doentias mas que se enchem de razão qdo. acontece dentro de sua “célula” familiar, de amizades…

Responder

Deixe uma resposta