VIOMUNDO

Exclusivo: Ao formar consórcio, Agropecuária que controla mansão de Paraty deu como endereço sede de empresa do genro de João Roberto Marinho

01 de março de 2016 às 20h12

Captura de Tela 2016-03-01 às 19.38.44

por Luiz Carlos Azenha e TC

Na página 15 do registro de número 1030822/3150021641-5 da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais, de 25.10.2010, o empresário Alexandre Chiappetta de Azevedo se declara testemunha da formação de um consórcio.

Alexandre era genro de João Roberto Marinho, vice-presidente do Grupo Globo, casado com uma das netas de Roberto Marinho, Paula.

O consórcio formado em Minas Gerais uniu duas empresas.

De um lado, a Agropecuária Veine Patrimonial. Está em nome dela a Paraty House, a mansão de concreto construída de forma irregular na praia pública de Santa Rita, no litoral do Rio de Janeiro.

Foi a engenheira florestal Graziela Moraes Barros, do Instituto Chico Mendes, que ligou o triplex de Paraty à família Marinho, em entrevista que deu à Bloomberg, publicada em 8 de março de 2012: Ricos brasileiros não têm vergonha de construir em área de preservação ambiental.

Em notificação a blogs através de sua advogada, João Roberto Marinho informou que “a notícia é inverídica”, pois a casa e as empresas ligadas a ela “não pertencem, direta ou indiretamente, ao notificante ou a qualquer um dos demais integrantes da família Marinho”.

Voltando ao consórcio: do outro lado do contrato registrado na JUCEMG estava a Santa Amália Administração e Participações Ltda.

Ela tem como endereço a rua Margarida Assis Fonseca, 171, na capital mineira. O Viomundo esteve lá. É a sede da Brasif, que já operou free shops em aeroportos brasileiros e hoje aluga máquinas pesadas. Pertence ao pecuarista e empresário Jonas Barcellos.

A Brasif, de Jonas, admitiu recentemente ter contratado a jornalista Mirian Dutra, ex-amante de Fernando Henrique Cardoso, para prestar serviços no Exterior. Mirian, repórter da TV Globo, exilou-se quando, grávida, ouviu do então senador FHC que poderia ter o filho de qualquer um, menos dele, que era casado com a antropóloga Ruth Cardoso e pretendia chegar ao Planalto, como chegou.

O caso será investigado pela Polícia Federal, já que FHC ainda ocupava o Palácio do Planalto quando o contrato foi assinado e a Brasif era à época concessionária do governo federal.

O objetivo do consórcio Brasif-Santa Amália-Veine, estabelecido em 2010, foi trazer para o Brasil um helicóptero.

“As partes pretendem conjugar esforços para realizar uma operação de arrendamento operacional de um helicóptero Agusta A109E Power, com número de série 11764, com importação da Aeronave para o Brasil pelo regime de admissão temporária para utilização da mesma pelas Consorciadas e seus executivos”.

A mansão de Paraty tem heliporto. Um vôo entre a Lagoa Rodrigo de Freitas — de onde decolam, inclusive, os helicópteros da Globo — ou o aeroporto de Jacarepaguá e a Paraty House dura menos de duas horas.

O contrato que formou o consórcio teria duração de 5 anos.

A participação da Veine era de 70%. Por isso, a empresa tinha prioridade no uso do helicóptero, que ficou baseado no Rio de Janeiro.

“Todas as notificações e comunicações feitas de acordo com este Contrato de Consórcio devem ser feitas por escrito”, diz o contrato na página 14.

O endereço de entrega da correspondência da Agropecuária Veine, a dona da mansão de Paraty, aparece como: Avenida Borges de Medeiros, 1424, na Lagoa Rodrigo de Freitas.

No documento, Lúcia Cortes Pinto aparece como a sócia da Veine que nomeia uma procuradora, Rita de Cássia de Oliveira Wirth, à época funcionária da empresa Lagoon, sobre a qual falaremos adiante.

Lúcia é uma das sócias originais da Veine, a dona da mansão de Paraty.

Ela teria entrado no negócio com 10% das ações. Os outros 90% eram da Blainville, empresa panamenha que tinha como procurador o contador Jorge Lamenza.

Lúcia mora no Grajaú, um bairro de classe média do Rio. Ela desligou o telefone quando consultada se foi mesmo sócia da Veine.

O ENDEREÇO DE CORRESPONDÊNCIA

Captura de Tela 2016-03-01 às 20.43.29O endereço de correspondência da Agropecuária Veine no Rio que aparece no documento de formação do consórcio — avenida Borges de Medeiros, 1424 — é onde funciona a empresa do genro de João Roberto Marinho, que os cariocas conhecem como Lagoon.

É um controverso empreendimento que montou cinemas, restaurantes e estacionamento no estádio de remo da Lagoa Rodrigo de Freitas.

A Lagoa é um dos endereços mais valorizados do Rio.

No dia 22 de setembro de 1997, o governador e o prefeito do Rio, Marcello Alencar e Luiz Paulo Conde, concederam ao genro de João Roberto Marinho, sem licitação, o uso do estádio de remo para fins comerciais.

Era para ter sido a “título precário”, conforme está escrito no contrato inicial (leia abaixo). Em 2017, o acordo “precário” completará duas décadas.

Captura de Tela 2016-03-01 às 23.34.56

O contrato foi renovado por outros governantes, sempre sem concorrência pública. Em 15 de junho de 1998 foi celebrado o primeiro aditivo.

Pelo governo do Estado assinou Anthony Garotinho. Pela empresa permissionária, Alexandre.

Como fiadora, assinou Paula Marinho de Azevedo, a filha de João Roberto Marinho.

Naquele primeiro aditivo foi mantida a mesma cláusula de compensação financeira: pagamento mensal de 10% do valor faturado ou, no mínimo, 25 mil reais.

Porém, segundo ação movida pelo Ministério Público Estadual, entre 1997 e 2003 a empresa nunca recolheu o aluguel, tendo dívida calculada então em mais de R$ 3 milhões!

Captura de Tela 2016-03-01 às 14.24.41

Como era e como ficou: arquitetos protestaram contra o fim dos pilotis

O remo é um esporte muito tradicional no Rio. Tombado pelo patrimônio histórico, o estádio é um ícone para os praticantes.

Muitos deles passaram a reclamar que a empresa permissionária se voltou para atividades comerciais desligadas do objetivo de incentivar o esporte.

Em dezembro de 2006, em preparação para os Jogos Panamericanos de 2007, a arquibancada do estádio de remo foi demolida.

Um oficial de Justiça levou uma ordem judicial que deveria ter paralisado a implosão, por conta de tratar-se de prédio tombado. Mas os engenheiros foram orientados a prosseguir.

O Estado alegou que a ordem deveria ter dado entrada na Procuradoria.

Novas arquibancadas foram erguidas com dinheiro público. Com um detalhe: foram feitas já com a capacidade de abrigar as salas de cinema que hoje funcionam no empreendimento do genro de João Roberto Marinho.

Praticantes do remo ficaram inconformados com as mudanças feitas. Um dos mais ativos é Zezé Barros, neto do arquiteto que projetou o estádio de remo, Benedicto de Barros. Ambos foram remadores. Em um dos desabafos, ele escreveu:

“Hoje, o remo usa quase de favor uma área, sendo cada vez mais espremido. É inacreditável que isto está acontecendo nas nossas caras e não conseguimos impedir esta apropriação indébita. Isto é real e palpável. Não está sendo publicado em nenhum jornal, como se a comunidade do remo não se importasse, como se nem existisse mais. O que fazer?”.

Captura de Tela 2016-03-01 às 21.39.38

A ação movida pelo MPE para extinguir o contrato foi julgada procedente em 9 de novembro de 2005 pelo juiz Eduardo Gusmão Alves de Brito Neto.

Mas a empresa do genro do dono da Globo recorreu.

Ao longo do tempo, o jornal O Globo, da família Marinho, ao tratar de temas relativos ao estádio, nunca mencionou que a empresa concessionária era de Alexandre, o marido de Paula, filha de João Roberto e neta de Roberto Marinho. Nunca denunciou a falta de licitação.

Pelo contrário.

Captura de Tela 2016-03-01 às 14.30.19No dia 24 de abril de 2006, um notinha escondida na página 14 tratou de uma manifestação contra as obras da Lagoon.

Terminou com a declaração de uma porta-voz da concessionária, que acusou os manifestantes de serem “ligados a uma outra empresa que não conseguiu emplacar seu projeto no estádio de remo”.

Os organizadores do protesto denunciaram a reprodução de uma declaração que disseram ser completamente mentirosa.

O Globo não mencionou que a porta-voz falava em nome da empresa de Alexandre, o genro de João Roberto Marinho, dono do jornal.

Em outubro de 2015, o empresário e a filha de João Roberto se divorciaram. Ela voltou a usar o nome de solteira: Paula Marinho.

Nossas tentativas de encontrar os responsáveis pela Vaine na sede da Lagoon até agora foram infrutíferas.

Abaixo, o helicóptero no aeroporto Roberto Marinho, em Jacarepaguá, no Rio e a assinatura da neta do magnata como fiadora de concessão obtida sem concorrência pública:

Captura de Tela 2016-03-01 às 20.50.33

Leia também:

Lula pede à Globo que investigue dono da mansão de Paraty

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
55 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marat

08/03/2016 - 22h48

Se alguém quiser descobrir de quem é a casa, basta dizer que é do Lula. Aparecerão 896 juízes, 1389 agentes federais, cinco ministros do STF, 4449 “jornalistas” do PIG, 2174 delegados, 876 fiscais e 284 dondocas paneleiras, esposas de empresários sonegadores, para provar que a casa é dele… E olha que eles conseguem, se quiserem!!!

Responder

carlos

03/03/2016 - 08h25

A autorização para construir e abrir ao tráfego aéreo helipontos privados exige licença ambiental, manda a lei brasileira. Porém, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou o heliponto privado Praia de Santa Rita, em 2009, localizado dentro do terreno em que foi construído o chamado tríplex de Paraty, sem licença ambiental – conforme registra o processo 02629.000090/2010-67 no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Pior, a Anac renovou a autorização de funcionamento deste heliponto em abril de 2015, mesmo tendo o Ibama aberto processo administrativo por falta da licença ambiental.

O registro do heliponto também está em nome da Agropecuária Veine Patrimonial Ltda., mesma empresa que aparece na Secretaria de Patrimônio da União como ocupante das terras onde está a mansão na praia de Santa Rita, em Paraty (RJ), cuja construção foi atribuída pela Bloomberg a herdeiros de Roberto Marinho, fundador das Organizações Globo.

A reportagem de 2012 da Bloomberg diz: “Herdeiros de Roberto Marinho, que criou as Organizações Globo, o maior grupo de mídia da América do Sul, construiu uma casa de 1.300 metros quadrados, heliporto e uma piscina na parte da Mata Atlântica que, por lei, é supostamente protegida por causa de sua ecologia”.

Herdeiro direto do patrono, João Roberto Marinho declarou a este blog, por meio de sua advogada, que nem a mansão nem as empresas que aparecem como suas proprietárias pertencem a algum membro da família Marinho.

A trama é razoavelmente complexa. Os processos no Ibama e na Justiça Federal de Angra dos Reis (RJ) também têm como responsável a Agropecuária Veine, que por sua vez tem como sócia uma empresa offshore em Las Vegas chamada Veincre LLC que, também por sua vez, é controlada por uma offshore do Panamá, a Camille Services no Panamá, e foi registrada por uma empresa do grupo Mossack Fonseca, investigado nas operações Lava Jato e Ararath, ambas da Polícia Federal.

Como os misteriosos donos da Agropecuária Veine conseguiram burlar normas da Anac é outro escândalo dentro do escândalo Mossack Fonseca em torno da mansão em Paraty. Há evidências de que documentos ambientais fraudados possam ter sido utilizados para obter a licença. Em tese, toda a documentação necessária ao processo pode ter sido falsificada. Ou ainda, funcionários públicos podem ter sido corrompidos.

Fato é que o chamado tríplex de Paraty está se mostrando um caso difícil de ser explicado, dadas as inúmeras controvérsias e “coincidências” que envolvem a propriedade.

Responder

Messias Franca de Macedo

02/03/2016 - 21h52

Perdão pelo fora de pauta

***

O amigo do senador José Agripino Maia, presidente do DEM – o nome do amigo é… Sim, ‘Zé DEMoTucano’ da Justiça da [IMUNDA] Casa Grand’!
O ex-‘miniSTRO’ que agora é o chefe da AGU!
A presidente Dilma Rousseff o considera confiabilíssimo!
Ele que a defenda sozinho!

E a militância de esquerda?!
Infartando de raiva em uma UTI de um SAMU qualquer!

***

O amigo do senador José Agripino Maia, presidente do DEM

2 de March de 2016

Por conspícuo e impávido jornalista Renato Rovai

O blogue do Moreno, da Globo, deu uma notícia estranha ontem. De que o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, havia ligado para o presidente do DEM implorando para que eles não questionassem a posse do novo ministro, Wellington César. Hoje, Moreno publica uma entrevista ainda mais reveladora com Cardozo. Veja um trecho:
– Então por que o senhor ligou para o senador Agripino?
(…)
– Mas logo para o presidente do DEM?
– Porque ele é meu amigo pessoal e o Mendoncinha não. Eu sou muito amigo do Zé Agripino. Quase fui padrinho de casamento do filho dele, o Felipe Maia.
(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2016/03/02/o-amigo-do-senador-jose-agripino-maia-presidente-do-dem/

Responder

    Messias Franca de Macedo

    02/03/2016 - 21h57

    E aqui uma fotografia do amigo do ‘Zéduardo’ !
    “Em plena campanha!”

Edimilson

02/03/2016 - 21h02

Meu, manda estes documentos para a procuradora americana que esta no caso FIFA!

Responder

Italo

02/03/2016 - 20h40

Sem anúncio Institucional ou grana do governo, como dizem os coxinhas que idolatram Reinaldo ‘o azedo’, Fernando ‘oculto’ que sentou numa lista de 6 mil brasileiros com fortunas em Paraísos fiscais só porque os patrões estavam na lista, que ainda incluem, o patrão do azedo, o patrão do Imortal, todos limpinhos e soltos curtindo um Triplex que MPTucano ignora. O JN deve alguma explicação à sociedade, a gente merece saber, até coxinha tá em estado de choque.

Responder

Messias Franca de Macedo

02/03/2016 - 19h09

Como Bonner dará a notícia?
Marinho vai em cana antes do sítio do Jacó Bittar

A Casa de Paraty caiu!

https://www.youtube.com/watch?v=dG55ersLpEQ

Responder

Marcelo

02/03/2016 - 19h05

Azenha, esta Míriam leitão que agora defende com unhas e dentes as prerrogativas do MP e do Poder Judiciário, é a mesma que nos programas de televisão da Rede Globo defendeu a criação de um mecanismo para impedir a concessão de liminares que suspendiam os leilões de empresas públicas na época da famigerada “privataria tucana”.

Responder

FrancoAtirador

02/03/2016 - 18h43

.
.
“Atendi Paula Marinho na Paraty House”
[Depoimento de quem trabalhou
no Paisagismo da Casa da Praia]
.
(https://t.co/BO21DSNuwD)
(https://twitter.com/emirsader/status/705134886059954181)
(https://twitter.com/cartamaior)
.
.

Responder

Ted

02/03/2016 - 18h07

Azenha, reveja, nesta reportagem, o número de registro na Jucemg pois os números de registro nas Juntas Comercias é formado por 11 algarismos. Normalmente são informados na etiqueta de aprovação o número de registro com 11 algarismos (que é o primeiro ato registrado, formando o NIRE) e os demais são números de aprovação (numeração sequencial de registros na autarquia), que pode ter quantidade de algarismos bem menor.

Responder

Antônio

02/03/2016 - 17h31

É ESCÂNDALO DENTRO DE ESCÂNDALO

Anac autorizou heliponto em mansão de Paraty mesmo sem licença ambiental

O Jornal de todos Brasis

Anac autorizou heliponto em mansão de Paraty mesmo sem licença ambiental
QUA, 02/03/2016 – 17:18

Escândalo dentro do escândalo: como Anac foi levada a liberar heliponto sem licença ambiental?

Nova irregularidade soma mais uma controvérsia envolvendo a luxuosa casa ligada à família herdeira das organizações Globo

da Rede Brasil Atual

Anac autorizou heliponto em mansão de Paraty mesmo sem licença ambiental

Nova irregularidade soma mais uma controvérsia envolvendo a luxuosa casa ligada à família herdeira das organizações Globo

por Helena Sthephanowitz

A autorização para construir e abrir ao tráfego aéreo helipontos privados exige licença ambiental, manda a lei brasileira. Porém, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou o heliponto privado Praia de Santa Rita, em 2009, localizado dentro do terreno em que foi construído o chamado tríplex de Paraty, sem licença ambiental – conforme registra o processo 02629.000090/2010-67 no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

MATÉRIA COMPLETA; http://jornalggn.com.br/noticia/anac-autorizou-heliponto-em-mansao-de-paraty-mesmo-sem-licenca-ambiental

Responder

    Messias Franca de Macedo

    02/03/2016 - 19h31

    … A Anac poderia checar e publicizar os roteiros do voos, a natureza das cargas transportadas (sic) e os ‘nominhos’ dos(as) seletos(as) tripulantes e passageiros(as)?…
    ‘Nois’ teremos o maior prazer em aguardar as ‘boas novas’!

    A conferir!

Antonio

02/03/2016 - 17h08

LEIA TAMBÉM:

FIM DE PAPO

FERNANDO BRITO, no Tijolaço, nocauteia a famiglia Marinho com um jab de esquerda;

http://tijolaco.com.br/blog/que-feio-dr-joao-roberto-o-senhor-sabia-de-tudo-e-vai-notificar-blogueiros/

Responder

FrancoAtirador

02/03/2016 - 16h24

.
.
AND THE OSCAR GOES TO…
.
“OS PEDALINHOS DA GLOBO EM PARATY”
.
ASSISTA NO GOOGLE, AO VIVO, VIA SATÉLITE:
.
(https://www.google.com.br/maps/place/Paraty+House+(Mans%C3%A3o+dos+Marinho)/@-23.1917168,-44.6457108,144m/data=!3m1!1e3!4m5!1m2!2m1!1sPRAIA+DE+SANTA+RITA+PARATY+RJ!3m1!1s0x0000000000000000:0x8a3f933f4257d4a4!6m1!1e1)
.
.
A reportagem de O Globo segue acompanhando atentamente
cada movimento dos pedalinhos no sítio de Atibaia.
.
Para conhecimento público, copiamos, abaixo, nova troca de e-mails
entre a reportagem e a assessoria de imprensa do Instituto Lula sobre o assunto:
.
***
Em 1 de março de 2016 16:12, @sp.oglobo.com.br escreveu:
.
Boa tarde
.
Estamos fazendo matéria sobre como se deu a compra dos pedalinhos e que estão no sítio de Atibaia.
Notas fiscais apontam que os produtos foram comprados pelo subtenente
Edson Antonio Moura Pinto, que é funcionário da presidência.
Seria atribuição dele esse tipo de tarefa?
.
Aguardamos uma resposta
.
***
De: @institutolula.org
Data: 1 de março de 2016 17:15
Assunto: Re: Compra de pedalinhos por assessor da presidência
Para: @sp.oglobo.com.br
.
Boa tarde Luiza,
.
Os ex-presidentes brasileiros têm direito a alguns cargos de livre provimento, conforme estabelecido pela lei 7474 de 1986 (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7474.htm).
Logo, ele é um funcionário cedido ao ex-presidente.
.
Como pode ver no link indicado acima, a última alteração dessa lei
aconteceu no governo FHC [1995-2002], em 20 de dezembro de 2002,
ou seja, 11 dias antes de Fernando Henrique Cardoso [PSDB] deixar seu cargo,
quando aproveitou a oportunidade e criou dois cargos extras de servidores de livre provimento para ex-presidentes.
.
O referido subtenente ocupa esse cargo, que é o de um assessor pessoal
do ex-presidente para a função que ele indicar.
.
Resumindo: sim, ele pode fazer esse tipo de tarefa, porque a lei estabelece
que o papel dos funcionários é de segurança e apoio pessoal,
e mais ainda porque FHC [PSDB] criou dois cargos de absoluto livre provimento
para ex-presidentes 11 dias antes de deixar o cargo.
.
Para, no que espero encerrar esse capítulo da história do jornalismo investigativo brasileiro,
digno de um filme que mereceria o Oscar (‘Os Pedalinhos’),
os pedalinhos foram adquiridas por Dona Marisa, que também adquiriu uma canoa de alumínio.
.
Lula e Dona Marisa não são donos do sítio, propriedades de amigos que ofereceram ao ex-presidente e dona Marisa um local e descanso que pudessem frequentar.
.
Não faz sentido guardar pedalinhos ou canoas de alumínio em um apartamento em São Bernardo do Campo.
.
Aproveito para registrar que o Globo não registrou a minha pergunta
sobre a propriedade de Paraty no outro lado da minha resposta anterior.
.
Atenciosamente,
.
(http://www.institutolula.org/o-globo-e-os-pedalinhos-2-jornal-questiona-lula-por-cargo-criado-por-fhc)
.
.

Responder

Julio Silveira

02/03/2016 - 16h20

Azenha, vou me somar aos que enaltecem a você em seu trabalho. Grande trabalho, a verdade esta aí escancarada, só não querem aceitar aqueles que de alguma forma se beneficiam deste estado de coisas que acontece a longa data no Brasil. Este país dominado por especialistas em tornar muitos brasileiros cidadãos de segunda e até terceira classe.

Responder

Marcelo Gaúcho

02/03/2016 - 15h54

Globo é a vergonha alheia brasileira.

Responder

Flavio de Oliveira Lima

02/03/2016 - 15h47

Excelente trabalho Azenha! Mostrando como se faz jornalismo de verdade!

Responder

Re

02/03/2016 - 14h30

Muito bem, que belo trabalho do blog, vocês, Brito, DCM lavaram nossa alma.

Responder

Alex Dias

02/03/2016 - 13h33

Historia completa do escandalo do Estadio de Remo aqui:

https://www.facebook.com/pages/Estadio-de-Remo-da-Lagoa-Rodrigo-de-Freitas/329777947034360

Responder

Cleris Cavalheiro /RS

02/03/2016 - 11h39

Isso sim é Fantástico! Parabéns aos blogueiros da verdade! Tem que haver um jeito de a JUSTIÇA prevalecer! Não é possível que sejam todos “Moros e Gilmar Dantas” nesse país. Avante!

Responder

Helena/S.André SP

02/03/2016 - 11h15

Parabéns, Viomundo! Vamos compartilhar essas informações para que todos vejam a sacanagem que rola na Famiglia Marinho. Pensavam que poderiam enganar todo mundo por muito tempo. Estão redondamente enganados.

Responder

Mineirim

02/03/2016 - 11h03

Eles são mestres em ocultar informação, agora patrimônio, não pagam impostos, avançam sobre o patrimônio público, e o quê mais? Êta família, hein?
Bela matéria, isso sim, é uma reportagem. Parabéns!

Responder

renato

02/03/2016 - 10h53

Tem alguma coisa errada com o BLOG do EDUARDO GUIMARES???
Acesso restrito, e não roda.. desde ontem
Ponta Grossa Paraná..

Responder

    Helena/S.André SP

    02/03/2016 - 11h13

    É verdade. Eu também não consigo ler os posts do Blog da Cidadania, do Edu Guimarães. Será que tem a ver com a denúncia que foi feita sobre a “Vaza Jato”? Só pode ser, não tenho a menor dúvida.

FrancoAtirador

02/03/2016 - 10h06

.
.
pbs.twimg.com/media/CbDgKKLXEAYWj3q.jpg
(http://tijolaco.com.br/blog/34244-2)
(http://www.opalheiro.com.br)
.
.

Responder

Miriam Vieira

02/03/2016 - 09h52

Deixou All Capone no chinelo!
Excelente trabalho jornalístico.
Parabéns!

Responder

Messias Franca de Macedo

02/03/2016 - 09h43

OLÊ OLÊ OLÊ OLÁ ACABOU!
DIA HISTÓRICO!
O “IMPÉRIO GLOBAL ESTÁ RUINDO NO LAMAÇAL DA MANSÃO EM PARATY”!
MÍSSIL CERTEIRO E MORTÍFERO DO ‘TIJOLAÇO’!
UMA ESTÁTUA DE OURO PARA O EMÉRITO E IMPÁVIDO JORNALISTA FERNANDO BRITO!

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Exclusivo: João Roberto Marinho divide endereço com agropecuária da mansão. Fim de papo.

POR FERNANDO BRITO · 02/03/2016

Acabou o mistério da mansão em Parati.

Ela pertencia de fato ao casal Paula Marinho e Alexandre Chiapetta de Azevedo, que se separou em outubro do ano passado, conforme está registrado no Diário Oficial do Judiciário fluminense de 8 de outubro do ano passado. Tenho a imagem e não a publico por respeito pessoal, embora esteja na internet.
O despacho, como todos os casos de Direito de Família, deveria omitir nomes, mas como aconteceu com aquela decisão do Dr. Moro, saiu com as iniciais em cima e, no conteúdo, os nomes completos de ambos, inclusive o fato de que Paula deixa de se assinar Azevedo e volta a ser apenas Marinho.
Não haveria o menor interesse nisso, se todos os envolvidos no caso da mansão em Parati não se encontrassem no mesmo apartamento 601, do Edificio Quaruna, na Rua Bulhões de Carvalho, 296, entre Copacabana e Ipanema.
É lá que funcionam – ou funcionavam – a Agropecuária Veine Patrimonial Ltda, a “representação” da Vaincre LLC, Alexandre Chiappetta de Azevedo, Paula Marinho e seu pai, o próprio João Roberto Marinho, que “notificou” este blog dizendo que “a casa em questão e as empresas citadas na matéria não pertencem, direta ou indiretamente, ao notificante ou a qualquer um dos demais integrantes da família Marinho.”
A seguir, as provas indiscutíveis, bastando clicar nas imagens para vê-las ampliadas.
(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://tijolaco.com.br/blog/que-feio-dr-joao-roberto-o-senhor-sabia-de-tudo-e-vai-notificar-blogueiros/

Responder

    Messias Franca de Macedo

    02/03/2016 - 10h10

    UMA PERGUNTA AO BRASIL DO BEM E DA LEGALIDADE

    Para estes casos, o que estabelece a Lei das Concessões Públicas dos Serviços de Radiodifusão?

    Ou o Ministério das Comunicações do governo da presidente Dilma Rousseff irá cometer o crime de peculato, entre outros?

    ALVÍSSARAS:
    ao punir exemplarmente a Globo, a Lei dos Meios seria, apenas, um ajuste civilizatório!

    IMPORTANTE:
    E nenhum(a) ‘coxinha’ precisa ficar com ‘peninha’ das centenas de desempregados(as) das organizações criminosas Globo dos Marín(ho) proprietários do mansão TRIPLEX em Paraty:situação milhões de vezes pior é a dos milhões e milhões de desempregados(as) em decorrência dos crimes nefastos e hediondos perpetrados – ao longo de décadas a fio – pela ‘famiglia’ Marín(ho)!
    Só resta, pois, à ‘coxinhada nativa e festiva’ rezar no pé do DEMoTucano ‘sérgio’ ‘mor(T)O’!
    Ademais, foi o tal “juiz” “que foi mexer com a vara curta [Risos] na Mossack Fonseca no triplex de Guarujá” – que nunca foi do [eterno] presidente Lula, a bem da verdade – e sob a luz documental!

Gabriel

02/03/2016 - 09h24

Fico impressionado com o trabalho do jornalismo independente. Vocês são incríveis!

Responder

Ideraldo Gomes Silva

02/03/2016 - 08h54

Sensacional Azenha !!! parabéns, merece prêmio de jornalismo investigativo.

Responder

    Julio Silveira

    09/03/2016 - 13h54

    Meu caro Franco, se pesquisar você vai ver que o Brasil está cheio disso. Noutro dia mesmo li uma reportagem que tratava de um bairro (burguês) onde fecharam o acesso a praia para os demais cidadãos, criando um bairro exclusivo, com praia exclusiva. É assim que procedem os mais raivosos defensores da ética para os que vem abaixo na escala social. Mas outra verdade é que somos movidos por emoções, noutro dia mesmo se reportava outra obra em área de preservação feita por um funcionário da emissora. E também não esqueçamos aquela tragédia lá em angra onde uma família praticamente toda morreu quando deslizou parte do terreno em que construíram sua mansão. O Brasil tem dessas arbitrariedades a longa data. Essa aí não será a primeira, e acredito não será a ultima, apesar deu querer que fosse. Mas não é o povo que manda, é essa elite burra que cria a má cultura é a conduz de forma hipócrita acreditando que somos todos idiotas, Sds.

Marcio Gonçalves

02/03/2016 - 06h40

Um detalhe (que não afeta a gravidade da denúncia mas pode ser usada por pessoas de má-fé para criticá-la): Garotinho não pode ter assinado o aditivo em 98, pois tomou posse em 01/01/99.

Responder

Caracol

02/03/2016 - 05h18

Parabéns Azenha e equipe!
Excelente trabalho, o jornalismo profissional subsiste!

Responder

Clemson Otero

02/03/2016 - 02h06

Azenha,

Não teria como obter a relação dos passageiros, datas e destinos dos voos do helicóptero Agusta A109E Power, com número de série 11764, realizada nos últimos anos?

Responder

Anelise

02/03/2016 - 00h34

Talvez seja uma bobagem, mas penso que os ventos de mudança começam a soprar de verdade neste país.Não mexam com Lula, ele não anda só!Fala, Mangueira!

Responder

Marat

01/03/2016 - 23h51

De vez em quando tento conversar com pessoas raivosas (tenho até receio, pois nunca fui vacinado contra a raiva!), cujo objetivo único, ao que parece, é ver o Lula preso. Quando digo a essas pessoas que a Justiça deveria prevalecer sobre todos, sem exceção, inclusos ai o pessoal do PSDB e as famílias detentoras dos meios de comunicação de massa, essa súcia fica ainda mais raivosa… O que mais apodrece e mata o Brasil é que aqui a hipocrisia assumiu contornos que talvez nem na Inglaterra (a terra natal da hipocrisia) sejam tão amplos!

Responder

Messias Franca de Macedo

01/03/2016 - 23h01

[A era ‘Lulinha Paz e Amor Acabou’!
Alvíssaras!]
E a ordem agora é ‘denunciar o *PIMG no PIMG’!
Tremeis, nazifasciterroristas &$ golpistas &$ [mega]corruptos
*PIMG (Partido da Imprensa Mafiosa &$ Golpista)]

***

Globo persegue os pedalinhos das crianças (parte 2)

Por jornalista Carlos Eduardo

O Globo e os pedalinhos 2: jornal questiona Lula por cargo criado por FHC
no Instituto Lula

A reportagem de O Globo segue acompanhando atentamente cada movimento dos pedalinhos no sítio de Atibaia. Para conhecimento público, copiamos, abaixo, nova troca de e-mails entre a reportagem e a assessoria de imprensa do Instituto Lula sobre o assunto:
(…)
Para, no que espero encerrar esse capítulo da história do jornalismo investigativo brasileiro, digno de um filme que mereceria o Oscar (“Os pedalinhos”), os pedalinhos foram adquiridas por Dona Marisa, que também adquiriu uma canoa de alumínio. Lula e Dona Marisa não são donos do sítio, propriedades de amigos que ofereceram ao ex-presidente e dona Marisa um local e descanso que pudessem frequentar. Não faz sentido guardar pedalinhos ou canoas de alumínio em um apartamento em São Bernardo do Campo.
Aproveito para registrar que o Globo não registrou a minha pergunta sobre a propriedade de Paraty no outro lado da minha resposta anterior.

Atenciosamente,

Instituto Lula

Responder

Fabio Nogueira

01/03/2016 - 22h52

E eu me pergunto: será que a tal empresa que fornece helicópteros teria alguma relação com o helicóptero da família Perrella?

Responder

Bacellar

01/03/2016 - 22h37

Inacreditável como são tacanhos…Fortunas bilionárias e ainda assim fazem de tudo pra sempre burlar o fisco.

Responder

Isabela

01/03/2016 - 22h18

Desmascarar essa elite hipócrita e golpista: o mal do Brasil é a Globo, disso me convenci há muito tempo! Que asco! Não se intimidem meus queridos dos “blogs sujos”…!!! Força, estamos acompanhando tudo…

Responder

JULIANO - RJ

01/03/2016 - 21h56

Parabéns, vocês são as trincheiras em defesa do Brasil, o fio de esperança da informação oportuna, precisa e ética.
O que seria de todos nós sem os Blogs? É para se sentir aliviado, pois por este tempo temos algo em que podemos nos agarrar antes a devastadora imprensa nazista, fascista, golpista, e usurpadora da Nação Brasileira.
Parabéns mais uma vez.
Continuem firmes, e como já se sabe, é só ir mexendo que a podridão irá se revelando.
Aí não tem como segurar, temos de por um freio na bestialidade desses grupos que pensam que são os donos do Brasil.

Responder

Miguel Silva

01/03/2016 - 21h46

São esses falsos moralistas que bradam contra a corrupção. Sabem fazer a capa idolatrando juízes e promotores para ficarem inpunes.

Responder

Panino Manino

01/03/2016 - 21h13

Fernando Brito chegou atrasado nessa.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    01/03/2016 - 22h32

    Ele não ganha uma!

Marcos

01/03/2016 - 21h06

GLOBO É CENSURA: ATO EM DEFESA DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO

assinem o manifesto no : http://www.baraodeitarare.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1211:globo-e-censura-ato-em-defesa-da-liberdade-de-expressao&catid=12&Itemid=185

Responder

Deixe uma resposta