VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

FUP denuncia: Parente obrigou a Petrobras a construir com o setor privado térmicas investigadas por corrupção; uma das empresas era do filho de FHC

14 de outubro de 2016 às 23h09

Parente 5

FUP: Além de ministro da Casa Civil e do apagão, Pedro Parente era o homem de confiança de FHC no Conselho de Administração da Petrobras, onde atuou de março de 1999 a dezembro de 2002

Ligações perigosas

da FUP

A Polícia Federal abriu inquérito no dia 20 de setembro para apurar esquemas de corrupção na Petrobrás durante o governo Fernando Henrique Cardoso, entre 1999 e 2001. O alvo das investigações são as termelétricas que Pedro Parente, na época ministro do apagão, obrigou a estatal a construir em parceria com o setor privado.

O esquema investigado, segundo Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, envolveu as empresas Alstom/GE e NRG, fornecedoras de turbinas e outros equipamentos para as usinas. Ele mesmo afirmou ter recebido regularmente propinas e que teve ordens para beneficiar uma empresa do filho de FHC nos contratos fechados com a Termorio, uma das termelétricas criadas com participação da estatal.

A denúncia foi confirmada em delações feitas pelo lobista Fernando Baiano e pelo ex-senador Delcídio do Amaral, que na época era diretor de Gás e Energia da estatal e teria recebido US$ 10 milhões como suborno para beneficiar o filho de FHC.

Nesse período, Pedro Parente, além de ministro da Casa Civil e do apagão, era também o homem de confiança de FHC no Conselho de Administração da Petrobrás, onde entrou em março de 1999 e permaneceu até o final do governo, chegando, inclusive, a ocupar a presidência do CA, entre março e dezembro de 2002.

A roubalheira acontecia debaixo de suas barbas, já que todos os negócios feitos pela estatal precisavam do crivo dele. Sob sua chancela, a Petrobrás foi obrigada a assinar contratos de parcerias para construção das usinas termelétricas que são alvo agora da investigação da Polícia Federal.

Os contratos impostos por Pedro Parente garantiram a remuneração das concessionárias, até mesmo quando não houvesse lucro. As “compensações” feitas geraram prejuízos à estatal de mais de US$ 1 bilhão e foram denunciadas ao Ministério Público Federal por especialistas do Instituto de Energia da USP, que acusaram o então ministro de improbidade administrativa.

É esse o Pedro que tenta aliciar os trabalhadores, se passando por salvador da Petrobrás. Sua máscara cai um pouco a cada dia, evidenciando o caráter político da posição que ocupa no governo golpista e suas relações perigosas com os entreguistas do passado, os mesmos que novamente ditam as regras do desmonte da companhia. Os petroleiros já viram esse filme e não querem reprise.

Veja também:

Conceição Tavares: Nem o FMI recomenda medida como a PEC do arrocho 

 

15 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abolicionista

04/11/2016 - 06h35

FHC quer trazer de volta, junto com sua boca murcha, a ALCA, o que decretaria oficialmente que o Brasil não é mais uma nação soberana. No mundo todo, esses acordos comerciais têm criados instâncias superiores aos governos nacionais, que podem mesmo multar os países que “saiam da linha”. O detalhe é que os membros dessas comissões não são eleitos pelo povo. Trata-se, na prática, de uma ditadura corporativa mundial que realiza o projeto político-econômico dos teóricos fascistas dos anos 30. Nosso futuro não nos deixa outra opção: é submeter-se à escravidão corporativa ou lutar contra ela.

Responder

Julio Silveira

16/10/2016 - 23h47

A questão é, agora é tarde, parece vingança. Se calou antes foi cúmplice.

Responder

Luis Carlos Saldanha

16/10/2016 - 22h33

“A roubalheira acontecia debaixo de suas barbas, já que todos os negócios feitos pela estatal precisavam do crivo dele. Sob sua chancela, a Petrobrás foi obrigada a assinar contratos de parcerias para construção das usinas termelétricas que são alvo agora da investigação da Polícia Federal.”

Bom…

Se vale contra Pedro Parente, vale contra Dilma!

Bora processar os 2?

Responder

ARNALDO SANTOS DE SOUZA

15/10/2016 - 22h27

o processo já começou !

Eles votaram contra a Petrobrás e o Brasil, ” tirando da empresa o peso de ter que operar todas as áreas do pré-sal “, já que ela está passando por momentos de dificuldades financeiras, no modo de ver deles.

Agora, abaixam o preço dos combustíveis nas refinarias, sem nenhuma base econômica, apenas política para que a inflação caia ainda este ano.

É a mesma política que a Dilma fez e que foi duramente criticada pelo mercado e pela mídia. Diziam que prejudicava a empresa e os acionistas.
A tv globo (golpista) ainda tem a “cara de pau” de dizer que as ações da Petrobrás subiram devido a esta manobra.

Eles estão preparando o terreno para quando houver a privatização da BR e de algumas unidades da Petrobrás, os compradores sejam beneficiados e tenham lucros exorbitantes.

As ações da Petrobrás subiram não por isso, foi pela expectativa futura, devido a este comunicado:

Diretoria Executiva aprova Política de Preços

Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2016 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras informa que sua Diretoria Executiva aprovou, ontem, a implantação de uma nova política de preços de gasolina e diesel comercializados em suas refinarias.

Essa política, a ser praticada pela Companhia, terá como princípios:
1. O preço de paridade internacional (PPI), que já inclui custos como frete de navios, custos internos de transporte e taxas portuárias;
2. Uma margem para remuneração dos riscos inerentes à operação, tais como, volatilidade da taxa de câmbio e dos preços, sobreestadias em portos e lucro, além de tributos;
3. Nível de participação no mercado;
4. Preços nunca abaixo da paridade internacional.

A política que será posta em prática prevê avaliações para revisão de preços pelo menos uma vez por mês. É importante ressaltar que, como o valor desses combustíveis acompanhará a tendência do mercado internacional, poderá haver manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias.

A aprovação da política de preços e estruturas básicas de preço dos produtos da Petrobras é competência da Diretoria Executiva, segundo o artigo 34 do Estatuto Social da Companhia. Conforme aprovado pela Diretoria Executiva, a avaliação sobre as necessidades de ajustes nos valores dos combustíveis nas refinarias será tomada por um comitê, denominado Grupo Executivo de Mercado e Preços, composto pelo presidente da empresa, pelo diretor de Refino e Gás Natural e pelo diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores.

Para permitir maior flexibilidade na gestão comercial de derivados e estimular o aumento de vendas, a Petrobras também avaliará conceder descontos pontuais para o diesel e a gasolina em mercados específicos. Em hipótese alguma, esses descontos implicarão em preços abaixo dos custos da empresa.

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de petróleo e derivados, as revisões feitas pela Petrobras nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de petróleo, especialmente distribuidoras e postos de combustíveis.

O Grupo Executivo de Mercado e Preços, em sua primeira reunião, decidiu reduzir o preço do diesel em 2,7% (média Brasil) e da gasolina em 3,2% (média Brasil) na refinaria. Esses preços entrarão em vigor a partir da zero hora de sábado, dia 15/10.

A decisão do grupo gestor levou em conta o crescente volume de importações, o que reduz a participação de mercado da Petrobras, e também a sazonalidade do mercado mundial de petróleo e derivados.

Futuros ajustes de preços de combustíveis serão comunicados via nota à imprensa e canais internos de comunicação aos clientes

FORA PARENTE !!

Responder

Souza

15/10/2016 - 18h21

VALE LEMBRA – Um resumido texto de um dossiê FHC

DOSSIÊ FHC

Um estudioso de São Paulo, Altamiro Borges, recuperou brevemente a
nossa memória política da década recente e a colocou na rede. O
Sociólogo Rogério Chaves enxugou o texto que está sendo enviado, na
esperança de possa contribuir com o debate – e para que não esqueçamos
dos anos tucanos (ainda tão recentes e precocemente esquecidos) e de
que a campanha presidencial já começou.

1 – SIVAM: Logo no ínicio da gestão de FHC, denúncias de corrupção e
tráfico de influência no contrato de U$$ 1,4 bilhão para a criação do
SIVAM, derrubaram 1 ministro e 2 assessores presidencial, mas a CPI
instalada no Congresso, após intensa pressão foi esvaziada pelos
aliados do governo.

2 – Pasta Rosa: Pouco depois, em agosto de 1995, eclodiu a crise dos
Bancos Econômico (BA), Mercantil (PE) e Comercial (SP), através do
PROER, FHC beneficiou com R$ 9,6 bilhões o Banco Econômico numa jogada
política para favorecer o seu aliado ACM. A CPI não durou 5 meses,
apenas foi justificado o “SOS” aos bancos quebrados e nem se quer
houve averiguação do conteúdo de uma PASTA ROSA, que trazia o nome de
25 Deputados subornados pelo Econômico.

3 – Precatórios: Em novembro de 1995 veio á tona a falcatrua no
pagamento de títulos no DNER. Os beneficiados pela fraude pagavam 25%
do valor destes precatórios para a quadrilha que comandava o esquema,
resultando no prejuízo a União de quase R$ 3 bilhões. A sujeira
resultou na extinção do órgão, mas os aliados de FHC impediram a
criação da CPI para investigar o caso.

4 – Compras de Votos: em 1997, gravações telefônicas colocaram sob
forte suspeita a aprovação da emenda constitucional que permitiria a
reeleição de FHC. Os Deputados Ronivon Santiago e João Maia, ambos do
PFL do Acre, teriam recebidos R$ 200 mil para votar a favor do projeto
do governo. Eles renunciaram ao mandato e foram expulsos do partido,
mas o pedido de uma CPI, foi bombardeado pelos governistas.

5 – Desvalorização do Real: Num nítido estelionato eleitoral, o
governo promoveu a desvalorização do real no início de 1999. Para
piorar, socorreu com 1,6 bilhões aos Bancos Marka e FonteCidam – ambos
com vínculos com Tucanos de alta plumagem. A proposta de criação de
uma CPI tramitou durante dois anos na Câmara Federal e foi arquivada
por pressão da bancada governista.

6 – Privataria: Durante a privatização do sistema Telebrás, grampos no
BNDES flagaram conversas entre Luís Carlos Mendonça de Barros,
Ministro das Comunicações e André Lara Resende, dirigente do banco.
Eles articulavam o apoio a Previ, caixa de previdência do BB, para
beneficiar o consórcio do Oportunity, que tinha como dono o Tucano
Pérsio Árida. A negociata teve o valor estimado em R$24 bilhões,
apesar do escândalo, FHC conseguiu evitar a instalação da CPI.

7 – CPI da corrupção: em 2001 chafurdando na lama o governo ainda
bloqueou a abertura de uma CPI para apurar todas as denúncias contra a
sua triste gestão. Foram arrolados 28 casos de corrupção na esfera
federal, que depois se concentraram nas falcatruas da SUDAM, na
privatização do Sistema Telebrás e no envolvimento do ex-ministro
Eduardo Jorge. A imundice no ninho Tucano ficou impune.

8 – Eduardo Jorge , Secretário-Geral do Presidente, foi alvo de várias
denúncias no reinado Tucano: esquema de liberação verbas no valor de
R$ 169 milhões para o TRT-SP; montagem do caixa 2 para reeleição de
FHC; Lobby para favorecer empresas de informática com contratos no
valor de R$ 21,1 milhões só para a Montreal. Uso do recurso dos fundos
de pensão no processo das privatizações. Nada foi apurado e FHC ainda
aprece na mídia para criticar a “falta de ética” do governo Lula.

9 – FHC impediu qualquer apuração e sabotou todas as CPI’s. Ele contou
com a ajuda do Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, que
por isso foi batizado de “engavetador geral”. Dos 626 inquéritos
instalados até maio de 2001, 242 foram engavetados e outros 217 foram
arquivados. Estes envolviam 194 Deputados, 33 Senadores, 11 Ministros
e ex-ministros e em quatro o próprio FHC, nada foi apurado. A mídia
evitou o alarde e os Tucanos ficaram intactos.

Lula revelou que há pouco evitou reabrir tais investigações – deve
estar arrependido.

Responder

FrancoAtirador

15/10/2016 - 15h35

.
.
https://twitter.com/sophiahuxley/status/787352251694284800
.
.

Responder

FrancoAtirador

15/10/2016 - 11h44

.
.
“Essa Garotada do Ministério Público
Não Tem a Mínima Noção de Economia.
Não sabem como isso funciona.
Simplesmente botaram na cabeça
uma Idéia Falso-Moralista
de que o País tem de ser Limpo.
Corrupção existe em Todas as Partes do Mundo.
Não é um Problema Moral, é sobretudo
um Problema Estrutural Simples.”

Eugênio Aragão
Procurador da República
.
Entrevista à CartaCapital, via GGN:

http://jornalggn.com.br/noticia/essa-garotada-do-mpf-nao-tem-a-minima-nocao-de-economia-diz-eugenio-aragao
.
.

Responder

FrancoAtirador

15/10/2016 - 10h38

.
.
DÍVIDA DA PETROBRAS NÃO É PROBLEMA

Somando Amortizações de juros, de 2016 a 2018,

a Dívida da Petrobras não passa de R$ 196 Bilhões.

Nesse Período, a Petrobras vai faturar R$ 848 Bilhões,

considerando o faturamento do 1º trimestre de 2016.
.
Valor
.
.

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

15/10/2016 - 10h17

Alguém ainda duvida que o esquema na Petrobrás vem de longa data? Só o Moro não quer enxergar o óbvio.

Responder

FrancoAtirador

15/10/2016 - 09h17

.
.
MiSchell Temer pôs o Raposão do PSDB

pra Cuidar da Galinha dos Ovos de Ouro.
.
.

Responder

Palhano

15/10/2016 - 06h50

Fora de Pauta

Excelente matéria de Mauro Santayana, reproduzida no blog do Nassif

As convicções e o fascismo

http://jornalggn.com.br/noticia/as-conviccoes-e-o-fascismo-por-mauro-santayana

Convicções arraigadas, quando não nascem da informação, da razão, do conhecimento, costumam ser fruto do ódio, do preconceito e da ignorância.

Não é por acaso que entre as características do fascismo, a mais marcante está em colocar, furiosamente, a convicção acima da razão.

Foi por ter a forte convicção de que os judeus, os comunistas, os ciganos, os homossexuais, eram espécimes de diferentes raças sub-humanas, que os nazistas fizeram coisas extremamente “razoáveis”, como guardar centenas, milhares de pênis e cérebros arrancados dos corpos de prisioneiros em vidros de formol, esquartejar pessoas para fazer sabão, adubar repolhos com cinzas de crematório, ou recortar e curtir pedaços de pele humana para colecionar tatuagens e fazer móveis e abajours, em um processo que começou justamente nos tribunais, com a gestação da jurisprudência racista e assassina das Leis de Nuremberg.

De tanta mentira, distorção, hipocrisia, servidas – ou melhor, impostas, cotidianamente – à população, nos últimos quatro anos, o Brasil tem se transformado, paulatinamente, em um país em que a realidade está sendo substituída por fantásticos paradigmas, que são absorvidos e disseminados como as mais sagradas verdades, e adquirem rapidamente a condição de inabalável convicção na cabeça e nos corações de quem os adota, a priori, emocionalmente, sem checar, minimamente, sua veracidade ou sustentação.

Senão, vejamos:

Responder

Palhano

15/10/2016 - 06h45

Fora de Pauta

Excelente matéria de Mauro Santayana que todo brasileiro deveria ler:

As convicções e o fascismo, por Mauro Santayana
O Jornal de todos Brasis
As convicções e o fascismo, por Mauro Santayana

SEX, 14/10/2016 – 13:21

As convicções e o fascismo

por Mauro Santayana

Em seu site

(Revista do Brasil) – Os países, como as pessoas, precisam tomar cuidado com as suas convicções.

Convicções arraigadas, quando não nascem da informação, da razão, do conhecimento, costumam ser fruto do ódio, do preconceito e da ignorância.

Não é por acaso que entre as características do fascismo, a mais marcante está em colocar, furiosamente, a convicção acima da razão.

Foi por ter a forte convicção de que os judeus, os comunistas, os ciganos, os homossexuais, eram espécimes de diferentes raças sub-humanas, que os nazistas fizeram coisas extremamente “razoáveis”, como guardar centenas, milhares de pênis e cérebros arrancados dos corpos de prisioneiros em vidros de formol, esquartejar pessoas para fazer sabão, adubar repolhos com cinzas de crematório, ou recortar e curtir pedaços de pele humana para colecionar tatuagens e fazer móveis e abajours, em um processo que começou justamente nos tribunais, com a gestação da jurisprudência racista e assassina das Leis de Nuremberg.

De tanta mentira, distorção, hipocrisia, servidas – ou melhor, impostas, cotidianamente – à população, nos últimos quatro anos, o Brasil tem se transformado, paulatinamente, em um país em que a realidade está sendo substituída por fantásticos paradigmas, que são absorvidos e disseminados como as mais sagradas verdades, e adquirem rapidamente a condição de inabalável convicção na cabeça e nos corações de quem os adota, a priori, emocionalmente, sem checar, minimamente, sua veracidade ou sustentação.

Senão, vejamos:

Muitíssimas pessoas, no Brasil de hoje, têm convicção de que o PT quebrou o país.

Assim como têm convicção de que o Governo do Sr. Fernando Henrique Cardoso foi um tremendo sucesso do ponto de vista econômico, certo?

Errado.

Os números oficiais do Banco Mundial provam que o PIB e a Renda per Capita em dólares recuaram no Governo do Sr. Fernando Henrique Cardoso, com relação ao de Itamar Franco (de 534 para 504 bilhões e de 3.426 para 2.810 dólares), e aumentaram mais de 300% no governo do PT, de 504 bilhões para 2.4 trilhões de dólares, e de 2.810 para 11.208 dólares, entre 2002 e 2014; com o salário mínimo subindo também mais de 300% em moeda norte-americana nesse período, de 88 para 308 dólares no ano passado, com um dólar nominal mais ou menos equivalente, que chegou a 4,00 reais tanto em 2002 como em 2015.

A queda atual da economia é um ponto fora de curva que irá se recuperar, mais cedo do que tarde, se não forem adotadas medidas recessivas, que mandem, mais uma vez, a vaca para o brejo.

A maioria das pessoas – incluídos ministros do atual governo, que exageram os problemas, para vender a sua “competência” e seus projetos, muitos deles ligados, direta e indiretamente à iniciativa privada – têm convicção que o Brasil está endividado até o pescoço, certo?

Errado.

Nona economia do mundo em 2016 – éramos a décima-quarta em 2002 – o Brasil ocupa, apenas, o quadragésimo lugar entre os países mais endividados do planeta.

Temos uma Dívida Pública Bruta com relação ao PIB (66%) mais baixa que a que tinhamos em 2002 (80%); e menor que a dos EUA (104%), Zona do Euro (Europa) (90%), Japão (220%), Alemanha (71.20%), Inglaterra (89.20%), França (96,10%), Itália (132.70%), Canadá (91.50%).

Além de possuirmos mais reservas internacionais (370 bilhões de dólares) que qualquer uma dessas nações e de não estar devendo – somos credores do FMI – um centavo para o Fundo Monetário Internacional.

E, mesmo assim, ninguém fica fazendo, nesses países que citamos, o mesmo carnaval – verdadeiro massacre – que se faz aqui, com relação à questão da dívida pública.

Uma grande pilantragem midiática que ajuda a justificar, entre outras coisas, o absurdo teto de despesas públicas proposto pelo atual governo – que não existe em nenhum país desenvolvido e irá engessar e tolher o desenvolvimento nacional nos próximos 20 anos – os juros pornográficos que a nação paga, a cada 12 meses, aos bancos, e a privatização e entrega de empresas estatais brasileiras a países estrangeiros.

Muitas pessoas também aparentam ter desenvolvido a convicção, no Brasil de hoje, de que o PT é um partido que é contra as Forças Armadas, bolivariano e comunista, certo?

Errado.

O PT sempre trabalhou com o tripé capital estatal, capital privado nacional e capital estrangeiro, e apoiou – a ponto de estar sendo execrado por isso – as maiores empresas privadas do país, e não apenas as de controle brasileiro – expandindo para elas o crédito subsidiado do BNDES, aumentando a oferta de crédito na economia, melhorando a situação do varejo e da indústria, fomentando a indústria automobilística, triplicando a produção e as vendas de caminhões, automóveis e equipamentos agrícolas, com linhas especiais de financiamento, e fortalecendo o agronegócio injetando bilhões de reais no Plano Safra, duplicando, praticamente, a colheita de grãos depois que chegou ao poder, sem atrapalhar o mercado financeiro, que teve forte expansão após 2002.

E, na área bélica, prestigiou o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, lançando e bancando, por meio da adoção da Estratégia Nacional de Defesa, o maior programa de rearmamento das Forças Armadas na história brasileira.

Nem nos governos militares ousou-se investir, ao mesmo tempo, em tantos projetos estratégicos como se fez nos últimos anos, como é o caso do programa de construção de 36 caças-bombardeiros com a Suécia.

Ou o do submarino atômico – além de outros quatro, convencionais – como se está fazendo em Itaguaí, no Rio de Janeiro, com parceria francesa.

Ou o da construção de mais de mil blindados multipropósito Guarani, em um único contrato, com a IVECO, com design e projeto de engenheiros do Exército Brasileiro.

Ou o do maior avião já construído no Brasil, o KC-390 da EMBRAER, produzido para substituir os Hércules C-130 norte-americanos, capaz de realizar missões também múltiplas, como o transporte de paraquedistas e blindados e o reabastecimento de outras aeronaves em voo.

Para não falar da família de radares SABER, dos novos mísseis da AVIBRAS, do programa Astros 2020, da nova família de rifles de assalto IA-2 da IMBEL, capaz de disparar 600 tiros por minuto, e de outros projetos como o do míssil ar-ar A-Darter desenvolvido por uma subsidiária da Odebrecht, com a Denel, sul-africana.

Da mesma forma, muitíssimas pessoas têm convicção, nos dias de hoje, que o PT é o partido mais corrupto do Brasil, certo?

Errado.

Em ranking publicado pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em 2012 – que, estranhamente, parou de publicar rankings anuais por partido depois disso – o PT aparece apenas em nono lugar, em uma lista encabeçada pelo DEM.

Na lista de 50 políticos investigados na Lava Jato que estão com processos no STF, cuja maioria pertence ao PP, só 6 nomes são do PT, e do total de 252 candidatos impugnados por serem ficha-suja nas eleições de 2014, por exemplo, apenas 20 são do Partido dos Trabalhadores.

Dados que não mudam em nada o fato de que o discurso anticorrupção, no Brasil de hoje, só existe na proporção que ocorre, porque pertence e serve, como bandeira, desde o início – na tradição golpista da UDN – à direita e à extrema direita em nosso país.

A esquerda, que costuma cair com facilidade nessa esparrela moral dos imorais, principalmente quando pretende utilizá-la, como seus adversários o fazem, como arma política, precisa tratar de outros temas, sem deixar – prudentemente – de colocar suas barbas de molho.

Como, por exemplo, o futuro do projeto nacional-desenvolvimentista brasileiro, com foco, principalmente, nas áreas social, científica, da educação, da indústria bélica, naval e de petróleo e de infraestrutura.

Ou a defesa da Democracia, do Estado de Direito e da Soberania Nacional, em tempos de risco – quase certeza, a depender do avanço da imbecilidade vigente – de inserção subalterna do país em um processo de globalização que não deixará outras opções, a não ser o fortalecimento ou a capitulação.

Tudo isso, no contexto do urgente estabelecimento de uma aliança que permita manter a estabilidade da República e evitar a vitória da Antipolítica com a ascensão do fascismo – em aliança com partidos conservadores tradicionais – à presidência da República em 2018.

É nesse país ridículo, mal informado, rasteiramente manipulado, por segmentos da mídia mendazes e deturpadores, que alguns procuradores do Ministério Público Federal vieram a público, há alguns dias, para dizer que tem “convicção” de que o ex-presidente Lula é o Chefe Supremo, o “Capo di tutti capi” da corrupção nacional, neste Brasil “casto” e “ilibado”, nunca dantes atingido – como diziam no Caso do “Mensalão”, estão lembrados? – por semelhante tsunami antiético.

Que ele, que nunca teve contas no exterior, como, digamos, Eduardo Cunha ou Maluf, teria recebido “virtualmente”, para o padrão de consumo de nossa impoluta elite, acostumada a apartamentos em Paris, Miami e Higienópolis, um modesto apartamento de 215 metros quadrados, de cooperativa – no qual nunca dormiu e do qual não sem tem notícia de escritura em seu nome.

Além de um sitiozinho mambembe, até mesmo para o gosto de nossa pseudo classe média paneleira, que também não está em seu nome.

E de uma ajuda para a guarda de seus documentos presidenciais – de inestimável valor histórico, por abarcarem oito anos de história nacional – tudo isso apresentado como a parte do leão, do “Pai”, do “Comandante”, de um suposto esquema de propina que o mesmo MPF afirma – ainda sem provas cabais – ter movimentado a extraordinária soma de 42 bilhões de reais em desvios da Petrobras (antes eram 6 bilhões, segundo “impecável” “auditoria” da “competentíssima”, jamais multada, “honestíssima”, “imparcialíssima”, consultoria norte-americana Price Watherhouse).

Cinismo por cinismo, poderíamos dizer que, na hipótese, difícil de provar, que tivesse recebido os alegados 3.7 milhões em propina pelos quais foi acusado, em um negócio de mais de 40 bilhões, Lula seria o mais “ingênuo” senão um dos mais “modestos”, políticos brasileiros, considerando-se a quantidade de empregos, negócios, projetos, obras, programas, que ajudou a proporcionar à economia nacional nos anos em que esteve à frente da Presidência da República.

E o PT, que teria pedido apenas miseráveis 5 milhões de reais para pagar contas atrasadas devidas a publicitários, em um contrato de aproximadamente 1 bilhão de dólares para a construção de duas plataformas de petróleo pela empresa do Senhor Eike Batista – um sujeito que resolveu depor “espontaneamente”, depois de ter recebido bilhões do BNDES, durante anos, em apoio às suas empresas falidas – teria sido, diante das franciscanas proporções da solicitação, de uma tacanhice digna de fazer corar outras legendas e personagens do espectro político nacional.

Ora, nos poupem.

Ninguém está aqui para santificar o Partido dos Trabalhadores ou o Sr Luís Inácio Lula da Silva, que, se tiver cometido algum crime, deve purgá-lo – respeitada sua condição de réu primário – na mesma proporção de seus erros.

O que nos indigna e nos tira do sério, trabalhando na área em que trabalhamos, é a desfaçatez, a caradurice, a hipocrisia institucionalizada, com que estão tratando a verdade, a maior vítima desse atual “surto” de “convicções” brasileiro.

Não nos venham com estórias da Carochinha e mirabolantes apresentações que vão ridicularizar, pelo exagero, ausência de lógica, de proporcionalidade, razoabilidade e verossimilhança – como já mostram as matérias e editoriais dos jornais estrangeiros – o Ministério Público e o Judiciário brasileiros junto à opinião pública internacional.

Correndo o risco, seus “convictos” acusadores, de verem o tiro sair pela culatra, transformando Lula em uma espécie de símbolo, ou de herói, se for impedido de concorrer à presidência da República.

Ou em um mártir – caso alguma coisa ocorra a ele, eventualmente, na prisão – para boa parte do planeta.

Responder

Cláudio

15/10/2016 - 04h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando: A grande mídia (mérdia) é composta por sabujos sujos e sabujas sujas a serviço dos ianque$ e do $ionismo de capital especulativo internacional e outras máfias (como a ma$$onaria) dos e das canalhas direitistas…
.
* * * * Parabéns para [email protected] @s professores e professoras, pelo seu Dia, na data de hoje ! ! ! ! . . .
.
PARA A ENÉSIMA PUTARIA DA DIREITA:
Foi com muito cálculo que se preparou mais essa para o PT (e/ou as esquerdas, o progressismo/trabalhismo). E, ao que parece, o partido não contava nem se preveniu para essa eventualidade. Aliás, é estranho o número de vezes que o PT é pego de calças curtas, desprevenido e perplexo. E, o que mais espanta, é que seus inimigos nem parecem ser tão espertos assim.
.

Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/distopia [consultado em 01-10-2016].)

::
O fetiche da mercadoria
ou
dA coi$ificaçãØ do ser humano
……………………………………………………………para o poetamigo e Doutor em Comunicação Laerte Magalhães
.
.
………………………………………………ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã0
…………………………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000
……………………………………….ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã00000
……………………………………ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã0000000
………………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000
…………………………….ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã00000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã00000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã0000000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã00000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã000
…………………………..ma$$ificaçãoma$$ificaçãoma$$ificaçã0
…………………………………………………………………………………………………………(Cláudio Carvalho Fernandes)
.
O poema acima (O fetiche da mercadoria…) apresenta-se, no original, em forma de cubo, o protótipo da mercadoria.
::
Desalienando a ma$$ificação coi$ificante
.
É melhor
Ser um, mesmo que zero, à esquerda
Do que, títere-palhaço, a-penas (só) faz-ser nú-mero$$ à direita
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
Poema Z
…………………………………………….Para Dilma, Lula e o PT e todas as forças progressistas brasileiras (e mundiais). Sinta-se homenageado/a, também.
.
Penso
Logo(S)
ReXisto
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
Sempre
.
A vida
Entre duas pedras:
Sobre
Viver
Ou
Morrer
Sob…
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
Tão duro mas tão terno
.
É preciso
Não ter esperança alguma
Para se construir
Da necessidade (de viver, do viver)
Algo melhor
Do que não ter esperança alguma
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
Doce conformismo ?
Ou
Da “queda” da poesia para a história
.
As coisas são como são
E não como deveriam ser
Penar por elas é em vão (ou não)
(S)E ultrapassa o próprio viver
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
ReXistência
.
Não deixe que aluguem o seu pensamento:
Simplesmente mude de canal ou desligue a TV
Diga “NãO” à Rede Goebbels
…………………………………………….(Cláudio Carvalho Fernandes)
::
(Em la lucha de clases)
.
Em la lucha de clases
Todas las armas son buenas
Piedras
Noches
Poemas
…………………………………………….(Paulo Leminski)
::
(Não é a beleza)
.
Não é a beleza
Mas sim a humanidade
O objetivo da literatura
…………………………………………….(Salamah Mussa)
::
A existência precede a essência.
…………………………………………….(Jean-Paul Sartre)
::
.:.

* 1 * 2 * 13 * 4
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) !!!! Lula (sem vaselina) 2018 neles (que já tomaram DE QUATRO) !!!!
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

Serjão

15/10/2016 - 00h35

¨Os petroleiros já viram esse filme e não querem reprise.¨
A velha e surrada reprise já é.

Responder

mls

14/10/2016 - 23h30

Como a Privatização da Petrobras já esta bem encaminhda pelo Parente do FHC , o usurpador Tender esta agora de olho no Banco do Brasil já esta ocorrendo o mesmo filme que passou a poucos meses na Petrobras restruturação de Diretorias ( acabaram com financiamento de imovel ) e a cereja do bolo é a demissão por PIDV para pelo menos 18 mil funcionarios .. Muitos foram bater panela na Paulista agora vão ver quem são os verdadeiros PATOS …

Responder

Deixe uma resposta