VIOMUNDO

Exclusivo: Encontrada em documento da Lava Jato empresa dona da Paraty House; anotação traz o nome Paula Marinho Azevedo; mais duas offshore ligadas ao marido dela

22 de março de 2016 às 01h38

Captura de Tela 2016-03-22 às 01.34.24

O Jornal Nacional esteve em Las Vegas mas não encontrou a Vaincre LLC, uma das donas da Paraty House; ao investigar a empresa, PF pode chegar aos donos da mansão. Eles ocultaram patrimônio, crime do qual é acusado o ex-presidente Lula?

Da Redação, com Garganta Profunda

Documentos apreendidos pela Polícia Federal no “evento 26″ da Operação Lava Jato, a Triplo X, identificam quem está por trás de uma offshore que é dona da Paraty House e envolvem uma certa Paula Marinho Azevedo, que investigadores terão de determinar se se trata da filha de João Roberto Marinho, um dos controladores do Grupo Globo.

A apreensão foi feita na sede da empresa Mossack & Fonseca, na avenida Paulista, em São Paulo.

A Mossack, do Panamá, é um dos maiores laranjais do mundo.

Oficialmente, faz o que define como “proteção patrimonial”: um empresário que queira guardar patrimônio para se proteger da eventual falência de seu negócio monta uma empresa de fachada, por exemplo.

Na prática, não é assim: as fachadas podem servir para sonegar impostos, transferir dinheiro de origem indeterminada ou lavar dinheiro de origem ilegal.

Segundo Ken Silverstein, que escreveu um longo artigo sobre a Mossack, ela serve a ditadores, terroristas e criminosos.

No âmbito da Lava Jato, a Mossack abriu empresas para que o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, o ex-gerente Pedro Barusco e o operador Renato Góes recebessem propina.

Além disso, a empresa Murray, criada pela Mossack, tem em seu nome 14 unidades do edifício Solaris, que se tornou conhecido por conta do triplex que teria sido reformado para o ex-presidente Lula — ele nega ser dono do imóvel.

Segundo o jornal O Globo de 28.01.2016, a Mossack é acusada de financiar ações de terrorismo.

O jornal da família Marinho reproduziu declaração do Ministério Público Federal segundo a qual “há indícios suficientes de que a Mossack pode ser utilizada na estruturação de operações por meio de offshores, visando à ocultação e à dissimulação da natureza, origem, localização, disposição e propriedade”.

A Paraty House, construída de forma irregular na praia de Santa Rita, em Paraty, litoral do Rio de Janeiro, é hoje uma mansão sem dono.

Oficialmente ela está registrada em nome da Agropecuária Veine Patrimonial, que por sua vez tem como sócia a Vaincre LLC, baseada em Nevada.

Nosso investigador descobriu registros oficiais segundo os quais a Vaincre LLC era gerenciada em Las Vegas por outra empresa, a Camille Services, também criada pela Mossack.

É uma forma de blindagem permitida pela lei de Nevada, em que os verdadeiros nomes dos donos nunca aparecem.

Captura de Tela 2016-03-21 às 23.41.36

Como se vê no documento que reproduzimos, a empresa sócia da mansão de Paraty tinha como agente registrado em Las Vegas a empresa MF Corporate Services Limited.

Ironicamente, no dia 28 de janeiro deste ano o Jornal Nacional, da TV Globo, foi à sede da MF, em Las Vegas. Uma sede de fachada, onde funcionam, segundo o telejornal da emissora, 1.046 empresas de papel.

Pois a Polícia Federal, segundo documentos tornados públicos pelo juiz Moro, também encontrou a Vaincre LLC na sede paulistana da Mossack Fonseca.

Captura de Tela 2016-03-21 às 23.51.53

Numa lista de anuidades a receber aparece o nome da empresa controladora da Vaincre LLC: é a Glem Participações, que pertence ao ex-genro de João Roberto Marinho, Alexandre. Ele se separou de Paula, a herdeira global, no final do ano passado.

Nas anotações, a anuidade para manter a empresa dona da Paraty House custou U$ 1.535,00.

Ao lado da menção à Glem aparece o nome Rita e o número 120484.

Como informou o Viomundo anteriormente, a Glem Participações é a permissionária do estádio de remo da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. Ela é uma das sócias da Lagoon, cujo nome aparece na fachada exterior do estádio.

Segundo o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, a permissão dada ao genro de João Roberto Marinho, então casado com Paula, foi irregular: faltou concorrência pública.

O contrato inicial foi assinado pelo então governador Marcelo Alencar, em 1997. A Glem se chamava Glen. Três aditivos foram assinados entre a empresa e o governo do Rio desde então. Quase vinte anos depois, o contrato “a título precário” continua valendo.

Várias ações correm na Justiça pela retomada do patrimônio público. O estádio sediará as competições de remo e canoagem das Olimpíadas de 2016.

Em valores atuais, cerca de R$ 30 milhões em dinheiro público foram investidos em reformas do estádio que beneficiaram, mesmo que indiretamente, a empresa do genro de João Roberto Marinho.

O MP do Rio move uma segunda ação para reaver o dinheiro, argumentando que os investimentos deveriam ter sido feitos pela permissionária — que explora cinemas, restaurantes e um clube noturno num dos endereços mais cobiçados da cidade.

Nos contratos com o governo do Rio, quem assina pela Glen/Glem é Alexandre Chiappetta de Azevedo. A esposa de Alexandre, Paula Marinho Azevedo, assinou o primeiro aditivo como fiadora, ao lado do marido e do então governador Anthony Garotinho.

Captura de Tela 2016-03-22 às 00.13.11Na apreensão feita na sede paulistana da Mossack Fonseca pela Polícia Federal, o nome de uma certa Paula Marinho Azevedo aparece numa anotação.

No item número 11 do auto de apreensão, num papel com anotações manuscritas, o nome de Paula aparece ao lado do número 576764-15. Pode ser o número de uma conta bancária.

Há dois valores associados.

O primeiro, de 3.741,00, ligado à data 27 de julho. Pode ser um pagamento feito por Paula.

A outra quantia, ao lado das anotações Total e Paula Marinho Azevedo, é de 134.238,33, provavelmente o saldo bancário do próprio escritório da Mossack em São Paulo.

Só a Polícia Federal, que agora está se debruçando sobre os papéis, pode determinar o significado exato das anotações.

Os documentos apreendidos na Mossack foram tornados públicos na última sexta-feira, junto com os grampos telefônicos do ex-presidente Lula.

São uma verdadeira mina de ouro para a Polícia Federal, que abriu inquérito específico para investigar a Mossack. Há dezenas de nomes de empresas e controladores de empresas em paraísos fiscais. O primeiro trabalho será chamar aqueles que são citados nominalmente nos documentos.

Depois, a PF terá de identificar as sociedades mantidas pelas offshore com empresas que atuam no Brasil. Chegando aos verdadeiros donos, será possível apurar se houve casos de ocultação de patrimônio, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro, dentre outros.

O fato de nomes de pessoas e empresas aparecerem em documentos da Mossack, em si, não significa atividade ilegal ou criminosa. É assim nos países em que subsiste a presunção de inocência.

Nos documentos apreendidos na Mossack, a Glem, do genro de João Roberto Marinho, do Grupo Globo, aparece associada a uma segunda offshore, a A Plus Holdings.

A empresa, sediada no Panamá, está na cadeia societária do consórcio que controla o estádio de remo da Lagoa.

Ao lado do nome da A Plus Holdings aparece outra vez a anotação Rita.

Os investigadores ainda não determinaram se se trata de Rita de Cássia de ******** *****, moradora de uma casa de fundos no bairro do Grajaú, no Rio de Janeiro.

Rita aparece como procuradora da Agropecuária Veine Patrimonial — uma das donas da Paraty House — na formação de um consórcio.

Do negócio participou empresa ligada à Brasif, do empresário Jonas Barcellos.

Inquérito recém-aberto pela Polícia Federal vai investigar pagamentos feitos através da Brasif à jornalista Mirian Dutra, então funcionária da TV Globo.

Mirian disse que fechou um contrato de fachada com a Brasif a pedido do ex-namorado, Fernando Henrique Cardoso. Quando o contrato foi fechado a Brasif controlava lojas em aeroportos brasileiros e FHC era presidente da República. Ele nega que tenha acionado uma concessionária de serviço público para fazer pagamentos à ex-namorada através de paraíso fiscal.

O consórcio formado entre a Brasif e a Agropecuária dona da Paraty House era para importar um helicóptero.

Procurada através do Facebook, a procuradora Rita de Cássia de ******** ***** negou ter tido participação no negócio. Na rede social, ela se identifica como ex-funcionária do setor administrativo da Lagoon, a empresa do genro de João Roberto Marinho.

Segundo documentos da Junta Comercial de Minas Gerais, Rita recebeu a procuração para importar o helicóptero da empresária Lúcia Cortes Pinto, outra moradora do Grajaú.

Lúcia foi sócia minoritária da Agropecuária Veine, uma das donas da mansão de Paraty.

O nome de Lúcia também aparece em documento apreendido na sede da Mossack Fonseca, em São Paulo.

É na formação de outra offshore, a Juste International, nas ilhas Seychelles. A Juste é outra empresa da Glem, do genro de João Roberto Marinho.

A empresa foi criada no dia 13 de junho de 2014, com um capital de U$ 5 mil. Os sócios que aparecem no documento são duas outras empresas, a Direhold Ltd. e a Shareton Ltd.

Captura de Tela 2016-03-21 às 23.07.04

Como se vê, neste e em muitos outros casos os investigadores terão pela frente um árduo trabalho.

Como as investigações se dão no âmbito da Lava Jato, ficarão sob o guarda-chuva do juiz Sérgio Moro, em Curitiba.

Em tese, a Polícia Federal poderá chamar para depor as moradoras do Grajaú cujos nomes aparecem em documentos de alguma forma associados, direta ou indiretamente, às offshore Vaincre LLC, A Plus Holdings, Juste International, Shareton e Direhold.

Elas poderão dar pistas de quem são os verdadeiros donos das empresas. Como as investigações ainda estão no início, a possibilidade de oferta de delação premiada no inquérito da Mossack Fonseca está longe de ser considerada.

Porém, os documentos e anotações apreendidos pela Polícia Federal demonstram que é apenas uma questão de tempo até que se determine quem se esconde por trás da Agropecuária Veine e da Paraty House — e se de fato é um caso de ocultação de patrimônio.

Por conta do tratamento isonômico garantido pela mídia brasileira no caso da Lava Jato, as descobertas feitas na Mossack em breve ocuparão as manchetes de jornais e longas reportagens nas emissoras de televisão, permitindo à opinião pública que, no molde desejado pelo juiz Sérgio Moro, exerça pressão para que o caso da Paraty House não fique impune.

Investigações como esta são bancadas por nossos assinantes; torne-se um deles

Abaixo você encontra todos os documentos relativos ao caso:

1. Autos de Apreensão da Lava Jato na Mossack Fonseca em SP

2. Importação de helicóptero pela Agropecuária Veine/Paraty House em sociedade com Jonas Barcellos/Brasif

3. Aditivo de contrato do estádio de remo em que aparece a assinatura de Paula Marinho Azevedo

4. Sentença na primeira instância dando ganha de causa ao MP no caso do estádio de remo

5. Formação da Agropecuária Veine/Paraty House

*****
Nosso investigador preparou um gráfico para facilitar o entendimento das relações. Será que algum leitor poderia transformar em meme? Clique na foto para ampliar:

grafico

Leia também:

Uma análise da ação político-judicial do juiz Sérgio Moro

 

39 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

renato

22/03/2016 - 23h49

Só no Viomundo, você ve o Mundo da Globo..
por dentro e por fora..
parabens..

Responder

DORA L TORQUATO

22/03/2016 - 22h26

quando lula discurssor na rampa do planalto.( eu ficarei bem se no final deste mandato coloca o pão na mesa do pobre tres v p/dia )mas ele desafiou o judiciario quando prometeu abrir uma tal cx preta. Os governos anteriores ao contrario do lula faziam chacota dos fracos. Seria covardia nosso ex presidente enfrentar estes fedalgos RANCOROSOS sozinho?

Responder

Mim

22/03/2016 - 18h15

O Moro tomou uma “carteirada” de alguém mais importante que ele. Prendeu quem não poderia prender. Soltou imediatamente, quase pedindo desculpas. Isso precisa estar presente em qualquer texto referente à operação triplex.

Ninguém
22/03/2016 – 07:50
Ué? Mas os procuradores da Mossak não haviam sido presos em flagrante, destruindo documentos, e, depois que se descobriu a ligação da Mossak com a Paraty House, não foram imediatamente soltos? Será que serão presos novamente – agora que tiveram todo o tempo do mundo para destruir mais documentos?
“05/02/2016 – Moro manda libertar a publicitária Nelsi Warken e o empresário Ademir Auada, que havia sido detido sob suspeita de estar destruindo documentos. A justificativa de Moro é surpreendente: “Apesar do contexto de falsificação, ocultação e destruição de provas, (…) na qual um dos investigados foi surpreendido, em cognição sumária, destruindo quantidade significativa de provas, a aparente mudança de comportamento dos investigados não autoriza juízo de que a investigação e a instrução remanescem em risco”, escreveu ele ao justificar a soltura (http://bit.ly/2430pmr). Ora, a possibilidade de queima de arquivos e de atrapalhar as investigações foram o mote para a manutenção de todas as prisões preventivas. Como abre mão desse argumento justamente para um sujeito flagrado eliminando documentos? E aceita a tese da “aparente mudança de comportamento dos investigados” para liberta-lo.
A justificativa colide com informações da própria Lava Jato repassadas à revista Época: “Clientes da panamenha Mossack Fonseca vão ser investigados para averiguar se faziam parte do esquema de corrupção na Petrobras ou se cometeram outros crimes. (…) A empresa panamenha Mossack Fonseca também foi alvo de buscas, porque foi ela quem criou a offshore Murray. Mas representantes da Mossack Fonseca atrapalharam os policiais e deletaram arquivos guardados na nuvem da empresa”.”
Fonte: http://jornalggn.com.br/noticia/o-condominio-solaris-pode-ter-sido-o-riocentro-da-lava-jato

Responder

Rekern

22/03/2016 - 17h32

Vamos pensar mais um pouco

1 – As manifestações contra os aumentos das passagens que começaram a desestabilização política no Brasil, não eram por 20 centavos, mas podem ter sido financiadas com milhões?
2 – Quem financiou o Não vai ter Copa?
3 – Quem pagou para o Brasil tomar 7 da Alemanha? Ninguém achou estranho o placar?
4 – Como não dá para largar bombas no Brasil (por enquanto, né) jogam-se milhões de dólares.
5 – A condenação do Zé Dirceu foi feita por um cidadão que tem apartamento em Miami.
6 – Em que país o juiz Moro esteve fazendo cursos?
7 – Para quem o FH e o Serra queriam vender a Petrobras?
8 – De onde sai o dinheiro que financia o Vem pra Rua e o Movimento Brasil Livre?
9 – Será que temos outra Aliança para o Progresso dos gringos?
10 – Quem financia o Golpe contra a Democracia?

Hoje dá para fazer estas perguntas.

Renato Kern
[email protected]
http://rekern.blogspot.com.br

Responder

FrancoAtirador

22/03/2016 - 13h56

.
.
O Professor Especialista em Oriente Médio
.
e a Resposta ao Convite da GloboNews:
.
https://pbs.twimg.com/media/CeKoz9gW4AEZtxZ.jpg
.
(https://twitter.com/JornalismoWando/status/712317303212417024)
.
.

Responder

FrancoAtirador

22/03/2016 - 13h39

.
.
(http://blogssujos.info)
.
.

Responder

FrancoAtirador

22/03/2016 - 12h36

.
.
“A Liberdade de Imprensa está Privatizada”
.
Jurista Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti
.
#EmDefesaDaDemocracia
.
(https://twitter.com/blogplanalto/status/712291486893793281)
.
.

Responder

Sérgio

22/03/2016 - 12h32

O CONFRONTO TEM QUE SER ANTECIPADO: COMENTÁRIO MAIS REALISTA PARA A ATUAL SITUAÇÃO

Antonio Ferreira • 35 minutos atrás

O golpe anda a todo vapor. O congresso vai declarar o impedimento da Dilma e o Moro prendera o Lula. O supremo autenticara o golpe com total apoio e promoção do PIG. Vai ter confronto e opositores ao golpe serão considerados ilegais e para conte-los será usado a PM e não o exercito. Ai tudo estará consumado. Só uma coisa pode mudar essa história, é o confronto começar agora, antes do Impedimento da Dilma e prisão do Lula.
4 • Responder•Compartilhar ›

Responder

Atenção às tecnologias

22/03/2016 - 12h19

Por favor, redes de pagamento de propina; pois está em todo Brasil e no mundo, em escritórios de advocacia ou em corporações de qualquer área, na política , no judiciário, no braço da lei ou qualquer outro lugar onde estiver o poder; só porque não está estampado nos jornais, não é o mesmo de ser inexistente ou restrita à algum grupo. Um aviso a todos, como sempre estão um passo a frente, não me surpreenderia de várias das figuras do Brasil atual estarem sob vigilância estreita das agencias de espionagem estrangeiras. Já sabem com quem estão cooperando… Pois, esta extensiva operação judicial, a todo tempo faz frear as reações do governo e as alternativas para as dificuldades sociais. Huxley já alertava, as tecnologias deveriam ser usadas para libertar; pelo visto seu temor está concretizado; as tecnologias estão a ser usadas para escravizar. Resistir mais do que nunca, Dilma Rousseff, pela que resta da privacidade e liberdade, não somente no Brasil, mas no mundo.

Responder

Urbano

22/03/2016 - 12h02

A oposição ao Brasil, quando nada, nos rouba a PAZ.

Responder

Jorge Luiz

22/03/2016 - 11h53

Que absurdo! É um BBB!!!!

Responder

jeff Brasil

22/03/2016 - 11h52

OK.. TUDO CERTO.. MARAVILHA… MAS… MAS….

ONDE ESTÁ PRESA A SENHORA EDUARDO CUNHA, JUIZ MORO? SERÁ QUE A PARA A inJUSTIÇA DO LAVA JATO, A SENHORA ESPOSA DO ACUSADO DE CRIMES – DEPUTADO EDUARDO CUNHA, E TAMBÉM DENUNCIADA..

TERÁ ELA FORO PRIVILEGIADO NA REPÚBLICA DO PARANÁ? SERÁ QUE MORO MANDARÁ COLOCAR TAPETE VERMELHO PARA A ESPOSA DO AMIGO? NO VOO PARA CURITIBA ELA TERÁ DIREITO A 1A. CLASSE?

QUE PAÍS É ESSE?

Responder

Messias Franca de Macedo

22/03/2016 - 11h40

Juristas a Dilma: não vai ter Golpe!

Transmissão ao vivo NBR

http://www.conversaafiada.com.br/

Responder

Julio Silveira

22/03/2016 - 11h40

Falemos sério, nesse nosso país fazem de tudo para facilitar a vida dos patifes. A patifaria come solta aqui para quem tem grana. Até agora não consigo admitir que esse corja conseguiu construir tudo isso em área pública e nem pio das pessoas em cargos de autoridade. Certamente todos os órgãos envolvidos comeram bola de uma forma ou de outra, do municipal ao federal. Talvez os políticos envolvidos estivessem preparando uma doação por uso capião, como fizeram com o terreno em São Paulo que se integrou as propriedades do grupo. Aí, nessa história, como naquela, só tem F.D.P. Enquanto o povo come bala de borracha e ainda assiste suas casas demolidas e suas coisas empilhadas em caminhões, quando não morrem como aquele sr. lá no Pinheirinho, por conta dessa canalhada que as suas custas tomam Moet Chandon. Esse nosso país é o país do provincianismo, onde meia dúzia de oligarcas corruptos são seus proprietários e contam a nossa história.

Responder

Messias Franca de Macedo

22/03/2016 - 11h25

‘DIVÓRCIO LARANJA’?! Risos estonteantes

Será que “a dondoca cheirosa” Paula Marinho Azevedo se divorciou logo no final do ano passado justamente calculando ‘vazar-se’ de tantos crimes envolvida, a exemplo vulgar da Paraty House?!

A Verdade Vos libertará! Preceito bíblico

“Meu ‘fi’, não há nada ‘mió’ do que o dia que ‘assucede’ o outro!” Por minha saudosa e sábia avó!

São as Leis [Imaculadas] da natureza, estúpido(a)!

Responder

Messias Franca de Macedo

22/03/2016 - 11h22

… *Deboche, agora, títere “juiz” mequetrefe sérgio ‘mor(T)o’!
Deboche!

“Tome, aí, o Edifício Solaris da mansão TRIPLEX de Paraty dos Marín(ho) em nome de ‘laranjas podres’!”

Viu, estropício maligno desalmado?

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK… KKK

*[Moro debocha e manda gravações para o STF decidir o que ele já decidiu
POR FERNANDO BRITO · 22/03/2016
(…)
FONTE (LÍMPIDA): http://tijolaco.com.br/blog/moro-debocha-e-manda-gravacoes-para-o-stf-decidir-o-que-ele-ja-decidiu/ ]

Responder

abelardo

22/03/2016 - 11h07

Eu não queria estar na pele de Rita e Lúcia, acho que correm sérios riscos por saberem muitas informações de poderosas instituições, que tudo farão para não serem descobertas e/ou envolvidas com a justiça e, em especial, a operação Lava Jato. Um conselho: jamais procure a PF, ela está arisca demais, procure jornalistas confiáveis e responsáveis, como por exemplo: Luiz Carlos Azenha.

Responder

Lukas

22/03/2016 - 10h40

NÃO TÃO EXCLUSIVO: Recibos de obra no sítio de Atibaia estavam em apartamento no triplex do Guarujá.

Bem, ambos os imóveis não são do Lula e, os donos dos imóveis seriam distintos.

Como explicar que os recibos das obras de um imóvel foram encontrados em outro?

Coincidência, talvez.

Responder

Eduardo Guimarães

22/03/2016 - 10h35

Pela técnica e estratégia do Moro e sua força tarefa,aplaudida e premiada pela Globo, ele (Moro) deveria imediatamente prender Paula Marinho e seu ex-marido Alexandre, grampea-los , submetê-los às artimanhas dos procuradores e da PF, constrangê-los e a suas famílias e forçá-los a uma delação premiadíssima! Mas isso não vem ao caso!

Responder

Eduardo Guimarães

22/03/2016 - 10h34

Pela técnica e estratégia do Moro e sua força tarefa,aplaudida e premiada pela Globo, ele (Moro) deveria imediatamente prender Paula Marinho e seu ex-marido Alexandre, grampea-los , submetê-los às artimanhas dos procuradores e da PF, constrangê-lis e a suas famílias e firça-lis a uma delação! Mas isso não vem ao caso!

Responder

Maria do Carmo Gauterio, Cassino, Rio Grande, RS

22/03/2016 - 09h57

Mesmo sendo leitora assídua e reconhecendo a inestimável contribuição que dás à democratização da informação neste país de “escravos” da Rede Globo, não tenho como contribuir financeiramente para a manutenção do blog.Sou
professora estadual aposentada no RS e, desde que assumiu o governo do PMDB (José Ivo Sartori),em 2015, tive meus vencimentos congelados. Além disso,passo todo fim de mês pelo terror de não saber se vou receber minha aposentadoria ou se ela virá parcelada. Este é o PMDB de Temer e que, em 2014, aqui no Sul, apoiou Aécio. Imagine-se “isso” governando o Brasil.
Voltando ao blog e à contribuição,por enquanto está restrita a gritá-lo aos quatro ventos, aqui da minha praia ao sul do mundo. Um abraço.

Responder

renato

22/03/2016 - 09h52

Por tres vezes não consegui acessar pagina de assinatura????
Tudo bem deu certo, agora.
Oh, não uso cartão de credito, só debito..
Não é minha politica usar cartão de credito..
Não tenho celular, e não tenho faceboock.
Mas adoro o VIOMUNDO.
As vezes me sinto um intruso, pois não colaboro.

Que faço
Um abraço

Responder

    Urbano

    22/03/2016 - 12h00

    A resposta também me interessa…

carlos

22/03/2016 - 09h01

vejam quando crime compensa,

Ronaldo Caiado, ex-deputado federal e atual senador da República, utilizou dinheiro público para locar veículos da empresa de seu amigo e ainda pagou mais caro que no mercado.

Na contramão de tudo o que diz ser e fazer, Ronaldo Caiado parece não ter se preocupado com o uso do dinheiro público disponível para seu gabinete ao locar veículos da empresa de seu amigo. Há orçamentos que chegam a R$ 2.200,0 de diferença.

A prática de alugar veículos com o dinheiro público da CEAP é corriqueira, principalmente na Câmara Federal. Há parlamentares que chegaram a locar até cinco carros simultaneamente. Mas, no caso do Senador Caiado, o que chama a atenção é o alto valor pago pela locação de uma Amarok High CD 4×4 TDI, ano 2013.

Ronaldo Caiado gastou uma pequena fortuna com locação de veículos entre 2009 e 2015. Porém, ele parece ter se esquecido de que nenhum gestor público pode contratar um fornecedor sem uma completa e responsável pesquisa de mercado, uma vez que misteriosamente, despesas como estas estão dispensadas de licitação dentro do Congresso Nacional, tanto que o Procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes entrou com uma Ação Civil Pública contra a Câmara Federal e o Senado Federal, para que esta aberração financeira seja revista (Leia).

Desde julho de 2009, os valores mensais das locações começaram em R$ 6.500,00, depois R$ 6.900,00, R$ 7.200,00 e nos últimos dois anos, R$ 7.500,00.

Para que um administrador público (lembrando que deputados e senadores também são administradores públicos) não corra o risco de ser denunciado por IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA às autoridades competentes, ele deve tomar todo o cuidado para usar de maneira eficiente o dinheiro de todos nós.

Mas, o ruralista Dr. Caiado, que foi eleito senador graças também ao dinheiro doado por empreiteiras que estão envolvidas na operação Lava Jato, como a OAS e a Odebrecht, não parece ter tido todo este cuidado.

Dados disponíveis no site do TSE
CNPJ RAZÃO SOCIAL Nº RECIBO ELEITORAL VALOR ESPÉCIE DO RECURSO
02.826.436/0001-60 CONSTRUTORA OAS S/A 002510500000GO000023 499.400,00 Cheque
01.633.510/0001-69 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A 002510500000GO000043 400.000,00 Transferência eletrônica
Tomando como base o mês de janeiro de 2015, último mês de pagamento de locação de veículos quando o nobre senador ainda era deputado federal, podemos verificar abaixo que o veículo utilizado pelo parlamentar estava avaliado, à época, em R$ 115.086,00 de acordo com a tabela FIPE, tabela esta utilizada pela própria Câmara Federal para verificar se os valores das locações estão dentro do teto estabelecido.

Este teto foi estipulado pela Câmara Federal depois que denúncias de mau uso do dinheiro público com locação de veículos foram feitas pela OPS, em 2013, e que reverberaram na mídia brasileira.
cotação0
Fonte: http://www2.fipe.org.br/pt-br/indices/veiculos/

Entretanto, outros deputados federais também locam e locaram pick-ups na mesma época, pagas também com o dinheiro público da CEAP, mas por um valor bem menor.

Há inúmeros exemplos, mas cito aqui apenas o do deputado Lúcio Vale (PR/PA), que aluga uma Hilux SR-V, avaliada em R$ 118.954,00 por R$ 5.990,00 mensais e do deputado Assis Carvalho (PT/PI), cuja locação com quilometragem livre de uma GM S-10, ano 2015, avaliada em R$ 109.129,00, sai por R$ 6.000,00.

Em 2013, após publicar este vídeo-tutorial, Ronaldo Caiado me acionou na justiça por considerar que eu lhe ofendi a honra e ainda lançou um desafio à mim e à todos os demais cidadãos brasileiros:

“Desafio o autor desse vídeo, ou a qualquer outro cidadão, a conseguir encontrar no mercado qualquer locadora que forneça uma caminhonete nos padrões da Amarok, com quilometragem ilimitada, nesse valor acertado”.

Além dos exemplos acima, há ainda mais alguns orçamentos que demonstram a falta de cuidado do parlamentar ao contratar a empresa Govesa que pertence a seu amigo de trinta anos, Inácio Goldfeld.

Em janeiro de 2014, Ronaldo Caiado, como dito acima, pagava com o nosso dinheiro R$ 7.500,00 pela locação da Amarok. Naquele mês, eu solicitei um orçamento a uma locadora que possuía veículo do mesmo modelo e ano. O resultado foi impressionante. Foram R$ 2.220,00 de diferença.

cotação3
Clique na imagem para ampliar
Para evitar uma possível tentativa de desqualificar esta importantíssima prova de que houve desleixo com o uso do dinheiro público, pelo fato da empresa LocSan ser do Rio de Janeiro e não de Goiânia, cidade onde permaneceu o veículo locado por Ronaldo Caiado, no dia 09/06/15 foi cotada a locação mensal de uma Chevrolet S-10.

Trata-se de um veículo similar (segundo dizem por aí, bem melhor que a Amarok), mas que, de qualquer forma, supre a necessidade visceral do Dr. Caiado em andar numa caminhonete de luxo. O veículo é uma S10 Pick-Up LT 2.8 TDI 4×4 CD Diesel ano 2014 na locadora Referência Rent a Car de Goiânia.

O valor para locar este veículo, hoje, sem pechinchar, é R$ 6.544,89. Isso quer dizer que o nobre parlamentar pagou, a quase três anos atrás, valores superiores ao praticado no mercado. São quase R$ 1.000,00 de diferença por mês!

cotação2

Mas, como seguramente encontraremos quem questionará a diferença de marca e modelo dos veículos (indevidamente, claro!), uma nova cotação foi feita. Eis aqui o orçamento coincidentemente de uma Amarok, de cor preta e modelo CD, de uma locadora que possui lojas em Brasília, Anápolis e Goiânia. Mas, as coincidências param por aí. No lugar dos R$ 7.500,00 mensais pagos desde 2012 por todos nós brasileiros via Ronaldo Caiado, a karper Rent a Car a oferece por R$ 6.190,00, porém dois anos mais nova e recém-chegada da montadora.

6mil

Na certeza de que os puxa-sacos certamente dirão que a foto no orçamento não é de uma Amarok e sim de uma Hilux e ainda argumentarão que a franquia é de 6000km por mês e não ilimitada como contratada pela Govesa, informo que a imagem inserida no orçamento elaborado pela Karper é de responsabilidade exclusiva desta empresa e mesmo que fosse sugerido locar por este valor, o carro apresentado na foto, tanto melhor, pois a Hilux é, pelo menos, R$ 10 mil mais cara (e infinitamente melhor que a Amarok – Desculpem-me os VWzeiros).

Quanto aos 6000Km de franquia, resta-nos fazer alguns cálculos simples.

O veículo locado pelo então deputado federal permaneceu em Goiânia para suas viagens pelo interior goiano. Como é de praxe, os parlamentares trabalham efetivamente três dias por semana em Brasília, o que dá doze dias por mês. Restam, portanto, dezoito dias para utilizar a pick-up alugada. Além disso, inúmeras viagens de avião, até mesmo fretados, foram realizadas pelo parlamentar no mesmo período em que o contrato de locação estava vigente, como demonstram as notas fiscais abaixo:

Empresa Sete Táxi Aéreo – Valor da Locação R$ 19.033,33;

Empresa Sete Táxi Aéreo – Valor da Locação R$ 14.073,33;

E ainda, viagens para São Paulo e Salvador.

Portanto, a franquia de 6 mil quilômetros mensais me parece mais que suficiente, pois seria necessário rodar mais de 300 km por dia, incluindo finais de semana, feriados e dias santos. Não se deve esquecer ainda de que os orçamentos aqui apresentados não retratam o valor final. Eu os solicitei por e-mail e não houve nenhum “choro” para que os valores fossem diminuídos.

A Assessoria do senador foi procurada para esclarecer o fato e relatou que foram feitos quatro orçamentos antes da escolha da locadora Govesa e que esta sempre apresentou orçamentos mais baratos. Disse ainda que o diferencial do contrato está na quilometragem livre e nos valores de indenizações em caso de acidente.
A Karper oferece os mesmos valores de indenizações oferecidas pela Govesa, conforme pode ser verificado em sua PROPOSTA.

UM NEGÓCIO DA CHINA
Não bastasse a falta de trato com o dinheiro público, o senador Ronaldo Caiado parece ter contribuído para que seu milionário amigo entrasse em um dos mais rentáveis negócios já vistos neste país, e nós num dos piores.

crlv
Clique na imagem para ampliar
Observe ao lado, o documento do carro locado pelo então deputado Caiado a partir de 2013. Na parte inferior do documento é possível ver que a Amarok foi adquirida através de financiamento no HSBC. Sem querer entrar no mérito sobre o motivo que levou uma empresa como a Govesa, concessionária VW e Toyota e com várias lojas no centro-oeste brasileiro, a ter que financiar um veículo, vamos simular a compra desta pick-up.

Observe que estão sendo considerados para esta simulação o mesmo banco HSBC e o mesmo veículo, porém, zero quilômetro.

hsbce

O valor desta Amarok hoje é R$ 145.134,00, conforme Tabela Fipe;

O banco HSBC exige 20% de entrada, portanto R$29.100,00;

No financiando em 48 vezes, a parcela fica por R$ 3.711,63.

Como o valor pago pelo contribuinte brasileiro para a locação deste veículo é de R$ 7.500,00 mensais, conclui-se que a empresa investe R$ 29.100,00 e ao final de quatro anos (duração também de um mandato na Câmara Federal), ela obterá de lucro, uma Amarok com 4 anos de uso (algo em torno de R$ 80 mil, a preços de hoje) e ainda R$ 181.841,76 referentes à diferença entre o valor da locação e o valor da prestação do financiamento.

Ou seja, com um investimento inicial de R$ 29.100,00, o lucro em quatro anos será de R$ 261.841,76, ou 900%, ou ainda 18,75% de lucro ao mês.

Não existe no mundo financeiro de pessoas normais, um investimento tão rentável quanto este. O mais popular dos investimentos, a poupança, rende em média 0,65% a.m. (0,5% + TR).

Ah! E você sabe quem está pagando a conta, né?

PREJUÍZO AO ERÁRIO PÚBLICO
Nos quase seis anos de locação, o contribuinte brasileiro pagou para que o então deputado federal Ronaldo Caiado desfilasse por Goiás em uma caminhonete de luxo, o valor de R$ 417.210,00. Se a contratação da locadora tivesse respeitado os princípios básicos da administração pública e considerando o percentual correspondente entre o orçamento na Karper e pagamentos das locações efetivados, o mesmo contribuinte teria deixado de pagar R$ 72.803,14.

Este caso será enviado ao Ministério Público e esperamos que este distinto órgão aja com firmeza na condução das diligências, não se deixando intimidar frente aos berros e palavras de repúdio que certamente sairão da boca do Dr. Ronaldo Caiado.

Escrito por Lúcio Big

patreon-lucio-bigAdquira os adesivos da OPS, clique aqui

AVISO AOS ‘J’ÊNIOS DE PLANTÃO
As opiniões expressas pelos autores e leitores são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião do Canal do Otário.
Compartilhe

inShare
8

Sobre Lúcio Big

Lúcio Big, jornalista (MTE nº 0010764/DF), ativista no combate à corrupção e músico nas horas vagas.
@luciobig
Anterior
Pela separação do casamento e o estado
Próximo
Resultados dos Sorteios – Junho 2015
Artigos Relacionados
brasil-em-chamas
Brasil, um país em chamas
21 de março de 2016

a-vista-doutorgrana
É à vista?
17 de março de 2016

manifestacoes-paulista-canaldootario
Um Domingo histórico!
15 de março de 2016

6 comentários

Alexandre Martins 4 de julho de 2015 em 22:54
E isso assim, você está considerando que ele, de fato, usa esse carro. Por que o mais provável é que ele jamais utilizou esse carro e na realidade o que ele faz é pagar um salário pro amigo dele.

Faça login para responder

Osvaldo Bade 5 de julho de 2015 em 23:08
INTERVENÇÃO MILITAR JÁ!
Cunha poderá revogar o nefasto Estatuto do Desarmamento
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2015/07/cunha-podera-revogar-o-nefasto-estatuto.html

Faça login para responder

Emerson Von Der Goltz 6 de julho de 2015 em 14:36
Assim como Onyx Lorenzoni, que votou e defendeu o aumento de seu próprio salário tornando o parlamento brasileiro o mais caro do mundo, Ronaldo Caiado é outro péssimo exemplo de opositor oportunista. Aquele que diz uma coisa e faz outra. Querem derrubar esse governo ruim e corrupto não por possuírem valores éticos e morais e sim para próprio proveito. O cidadão precisa de alguém para o representar, e não é esse perfil de opositor que queremos.

Faça login para responder

DeztMusic 17 de julho de 2015 em 18:07
Exatamente Emerson.

Faça login para responder

jrzbraga 10 de julho de 2015 em 13:22
Caramba, deveria ser proibido esse tipo de gasto público.
O fdp ainda quer responder achando que está com razão.

Faça login para responder

Deus ateu 14 de julho de 2015 em 1:04
puts…

Faça login para responder
Deixe uma resposta
Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Se preferir, faça o login através do seu:

Responder

marcio ramos

22/03/2016 - 09h00

Ocupar a Globo.

Responder

    Lukas

    22/03/2016 - 10h33

    Boa ideia. Levem também cartazes contra o Moro e a favor do Lula.

    É tudo o que ele precisa.

crazy horse desiludido

22/03/2016 - 08h59

Uma pena que tudo isso não vai dar em nada.

Responder

FrancoAtirador

22/03/2016 - 08h58

.
.
PAM = Panamá = Paula Marinho
.
.

Responder

Marat

22/03/2016 - 08h25

Creio que de agora em diante vamos descobrir o quão hipócrita é nossa justiça!
Azenha, Conceição e todos seus colaboradores nos enchem de orgulho!

Responder

FrancoAtirador

22/03/2016 - 07h55

.
.
A Globo é Cosa Nostra (http://imgur.com/LGt8QJP)
.
.

Responder

Ninguém

22/03/2016 - 07h50

Ué? Mas os procuradores da Mossak não haviam sido presos em flagrante, destruindo documentos, e, depois que se descobriu a ligação da Mossak com a Paraty House, não foram imediatamente soltos? Será que serão presos novamente – agora que tiveram todo o tempo do mundo para destruir mais documentos?

“05/02/2016 – Moro manda libertar a publicitária Nelsi Warken e o empresário Ademir Auada, que havia sido detido sob suspeita de estar destruindo documentos. A justificativa de Moro é surpreendente: “Apesar do contexto de falsificação, ocultação e destruição de provas, (…) na qual um dos investigados foi surpreendido, em cognição sumária, destruindo quantidade significativa de provas, a aparente mudança de comportamento dos investigados não autoriza juízo de que a investigação e a instrução remanescem em risco”, escreveu ele ao justificar a soltura (http://bit.ly/2430pmr). Ora, a possibilidade de queima de arquivos e de atrapalhar as investigações foram o mote para a manutenção de todas as prisões preventivas. Como abre mão desse argumento justamente para um sujeito flagrado eliminando documentos? E aceita a tese da “aparente mudança de comportamento dos investigados” para liberta-lo.

A justificativa colide com informações da própria Lava Jato repassadas à revista Época: “Clientes da panamenha Mossack Fonseca vão ser investigados para averiguar se faziam parte do esquema de corrupção na Petrobras ou se cometeram outros crimes. (…) A empresa panamenha Mossack Fonseca também foi alvo de buscas, porque foi ela quem criou a offshore Murray. Mas representantes da Mossack Fonseca atrapalharam os policiais e deletaram arquivos guardados na nuvem da empresa”.”

Fonte: http://jornalggn.com.br/noticia/o-condominio-solaris-pode-ter-sido-o-riocentro-da-lava-jato

Responder

Antonio

22/03/2016 - 07h40

FORA DE PAUTA, MAS IMPORTANTÍSSIMO

resposta à pergunta ‘TODOS OS MILITARES SÃO “MARINHEIROS”? OU SEJA, DEFENDEM OS INTERESSES DA FAMIGLIA MARINHO?

Está aqui uma resposta parcial à pergunta.

Nota publicada no Blog do Nassif:

Notícias da Associação Brasileira de Estudos de Defesa

Ricardo Cavalcanti-Schiel
ter, 22/03/2016 – 07:09

Enviado por Ricardo Cavalcanti-Schiel

A Associação Brasleira de Estudos de Defesa (ABED) faz circular duas notícias.

Primeira Notícia

NOTA PÚBLICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DE DEFESA (ABED) SOBRE O AGRAVAMENTO DA CRISE POLÍTICA BRASILEIRA

É com grande preocupação que assistimos aos novos episódios que acirram a atual crise política em nosso país.

Lembrando que apenas há pouco mais de três décadas o Brasil retornou à normalidade democrática, repudiamos ações que, de quaisquer origens, pautem-se pela quebra da legalidade e da democracia.

Enfatizamos, portanto, que a busca pelo fim da crise política passa pela manutenção ininterrupta do Estado Democrático de Direito, pelo respeito às Instituições, pela manutenção do direito democrático a manifestações livres e pacíficas e pela recusa a qualquer ato de força.

A divisão equilibrada dos Poderes é um dos ganhos mais importantes para a sociedade brasileira advindo da Constituição de 1988, e deve ser observada no atual momento político brasileiro.

Diretoria da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (2014-2016)

Niterói, 18 de março de 2016.

[Diretoria:
Presidência: Alexandre Fuccille (UNESP)
Vice-Presidência: Adriana Marques (UFRJ)
Secretaria Executiva: Lucas Pereira Rezende (UFSC)
Secretaria Adjunta: Maria Cecília de Oliveira Adão (Claretiano Centro-Universitário)
Diretoria de Relações Institucionais: Kai Michael Kenkel (PUC-Rio)
Diretoria Financeira: Augusto Teixeira Júnior (UFPB)
Diretoria Financeira Adjunta: Érico Duarte (UFRGS)
Conselho Fiscal: Cláudio de Carvalho Silveira (UERJ) e Paulo Gustavo Pellegrino Correa (UNIFAP)]

Segunda notícia

A Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) promoverá, entre os dias 06 e 08 de julho de 2016, o IX ENABED. O evento acontecerá na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e trará a discussão do tema Forças Armadas e Sociedade Civil: Atores e Agendas da Defesa Nacional no Século XXI, em mesas redondas, painéis, conferências, minicursos, mostra de iniciação científica e lançamento de livros.

Passados vinte anos da edição do primeiro documento sobre defesa nacional, vivemos um momento bastante profícuo para o debate sobre as relações civis-militares no Brasil, já que em 2016 serão atualizados os documentos de Defesa Nacional do país. Para além disto, a estratégia de inserção internacional do Brasil no século XXI também contribuiu para estimular a reflexão acerca das Forças Armadas como instrumento da política externa. Com isto em vista, a ABED convida a comunidade acadêmica, os demais setores da sociedade civil e os agentes públicos a discutir as relações entre as Forças Armadas e a sociedade civil no século XXI no âmbito nacional, regional, em perspectiva comparada com outros países e regiões, e também em âmbito internacional.

Serão aceitas inscrições em duas modalidades de trabalho: painéis e mostras de iniciação científica, divididos nas seguintes áreas temáticas:

(1) Ciência, Tecnologia, Indústria e Gestão de Defesa;
(2) Ensino, Formação Profissional e Pesquisa em Defesa;
(3) Estudos Estratégicos;
(4) Família, Gênero e Forças Armadas;
(5) Forças Armadas, Estado e Sociedade;
(6) História Militar;
(7) Segurança Internacional e Defesa.

As inscrições dos participantes deverão ser feitas até o dia 28/03/2016, pelo site do evento, onde também estão as informações completas do IX ENABED: http://www.enabed2016.abedef.org.

Responder

Renildo

22/03/2016 - 07h24

Engraçado é que não ouvimos nenhuma voz que pronuncie contra as falcatruas da rede Esgoto. Parabéns, mais uma vez, pelo excelente trabalho jornalístico e profissional desse blog.

Responder

jeova

22/03/2016 - 06h57

É muito simples e fácil resolver essa questão sem muto “qui pro có”! Que seja decidido o seguinte: propor a definição de derrubar a mansão, caso não apareça o dono, pois, trata-se de uma área de “Proteção Ambiental”. Uma alternativa para o caso. O governo do Rio de Janeiro assumiria o imóvel como patrimônio e o passaria para o Estado, e a função desse imóvel seria destinado a um Escritório para os Ambientalistas. Fácil, não?! Que assim seja… E a “mansão” ficaria com um bom destino…

Responder

Antonio

22/03/2016 - 06h44

REPRODUZO AQUI O COMENTÁRIO DO INTERNAUTA rdmaestri POSTADO NO BLOG DO NASSIF E COMPLEMENTO COM O MEU COMENTÁRIO

rdmaestri

O antigolpe já está nas ruas e ninguém o enxerga!

A discussão de como o STF vai reagir, se o Moro vai fazer isto ou vai fazer aquilo, se vão surgir factoides ou não são assuntos considerados relevantes simplesmente porque jornalistas vivem em torno de palácios e só escutam informações privilegiadas.

Porém esta mesma imprensa e também os blogs não olham (ou olham muito pouco) para o que realmente acontece a população brasileira está dando uma resposta e ELA NÃO QUER O GOLPE.

Se olharmos os apoios que vão pipocando diariamente, alguns importantes como tanto da Igreja Católica como dos Evangélicos Contra o Golpe, e outros que aparentemente parecem pouco importantes que pipocam dia a dia nos jornais em pequenas notinhas discretas ou mesmo com notícias mais destacadas começam a simplesmente dizer que a população não quer o golpe. É uma manifestação da sociedade brasileira de Psicologia, é a mensagem de atores famosos e consequentes aqui e no exterior, são advogados que fugindo da má eleição que fizeram na OAB se manifestam em grupos, engenheiros, estudantes e principalmente da voz quase muda da população que começa a entender o que virá depois do golpe. Um pequeno e importante detalhe, as forças armadas estão firmes na sua posição de não intervenção.

Aécio, Alckmin, Serra, FHC, Cunha e dezenas de outros golpistas começam claramente a mostrar a sua impopularidade, quando perguntado a qualquer pessoa o que virá depois de uma provável queda de Dilma, as pessoas entram em pânico, sim PÂNICO, pois a resposta mais comum é: Se está ruim com Dilma com qualquer um desses ainda vai piorar!

A própria imprensa estrangeira começa a dar sinais de discordância ao golpe, é algo que está num crescente e se a situação convocar a população contra o golpe terá uma surpresa que nem eles acreditam.

Lula disse certo ao falar que os tribunais estão acovardados, porém ficarão mais acovardados ainda ao verem milhões de pessoas na ruas dispostas a evitar o golpe.

Pode-se simplesmente ter uma noção da mudança com a mudança da definição que todos estão dando para o Impeachment, simplesmente todos já falam de GOLPE.

O que temos que nos centralizar é na mobilização, e mostrar que a ideia é que o povo venha a ser protagonista mais uma vez, deixar as conversas palacianas e voltar a escutar o que se fala nas ruas.

EM COMPLEMENTO AO COMENTÁRIO DE rdmaestri

O povo não aceita o golpe. Todos os militares são ‘Marinheiros” ou existem muitos que que não simpatizam com a família Marinho?

Rdmaestri, você tem toda a razão. As manifestações CONTRA o golpe estão se avolumando a cada dia, é só observar as reações nas conversas de rua e os apoios noticiados pela blogosfera e até pela velha mídia, mas a frente contra o golpe não está percebendo isto com muita clareza. E a principal indignação das pessoas diz respeito ao fato de um corrupto como Eduardo Cunha conduzir na Câmara o processo de cassação de uma governante proba. E a principal pergunta é: quem vai substituir a Dilma? E quando se discute o fato de que não só Eduardo Cunha, mas quase 40% dos deputados federais eleitos estão sendo investigados pela “justiça”, a resposta vira indignação. Isto para não falar nas falcatruas de um Aécio Neves e na traição de um verme chamado Temer.

E o que é mais importante: as pessoas estão perdendo o medo de se manifestarem.

Portanto, a tendência é a coisa degenerar em pancadaria caso o impeachment seja aprovado por esses picaretas ou o supremo (leia-se Gilmar Mendes) crie obstáculos intransponíveis à indicação do Lula para a Casa Civil. E o descontrole vai começar se o impeachment for aprovado ou se tentarem prender o Lula novamente.

Você já pensou o que poderá acontecer a um Gilmar Mendes da vida se ele for capturado pelo povo ensandecido?

Mas é aí que entra a possibilidade de intervenção das forças armadas.E a pergunta é: a família Marinho contará, em caso de convulsão social, com o apoio integral dos militares para defender a sua mansão em Paraty, para manter seus privilégios e a Vênus Platinada intactos? É assim que vai ocorrer? Todos os militares são “Marinheiros”?, Em outras palavras, todos os militares apoiam as trambicagens/sacanagens que os irmãos Marinho têm feito contra o Brasil?

A tensão está no ar. Só não vê quem não quer.

Responder

Sérgio

22/03/2016 - 02h44

Ocupe Paraty House!

Responder

Deixe uma resposta