VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

A campanha dos professores para denunciar Paes e Cabral

30 de setembro de 2013 às 06h51

Charge do Vitor Teixeira, via Facebook

30/09/2013

do site do SEPE, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação/RJ

Depois da agressão na noite de sábado (dia 28) contra os profissionais da rede municipal que ocupavam pacificamente a Câmara de Vereadores para lutar contra a aprovação do Plano de Carreira do prefeito Eduardo Paes, que não atende àvontade da categoria, o Sepe convoca os profissionais, pais e a populaçao em geral a se juntarem à luta em defesa daescola pública de qualidade.

Reproduza este material e denuncie a população o que os governos estadual e municipal vem fazendo contra a escola pública no Rio de Janeiro. esta luta é de todos nós.

Nesta segunda (dia 30), o Sepe convoca profissionais, pais, alunos e o conjunto da sociedade do Rio de Janeiro para um ato na prefeitura, a partir das 12h.

Logo depois do ato, faremos uma passeata até a Câmara de Vereadores para protestar contra a desocupaçao violenta doprédio do Legislativo ocorrida na noite de sábado.

Imprima o panfleto à população! Entregue a um vizinho! Entregue no seu ônibus! Não podemos deixar que eles vençam!

A direção do nosso sindicato é constituída de pessoas de carne e osso. Profissionais como você. A maioria trabalha em alguma escola, é claro! Tem família. Problemas…

Numa situação emergencial como essa não devemos esperar que adireção faça tudo! Precisamos tomar essa luta como uma luta de todos. Fazer ações que contribuam para que apopulação nos apoie e venha conosco lutar pela educação.

Converse com seu vizinho. Explique as pessoas que estão nosônibus ou metrôs com você. Você pode imprimir esse panfleto e até fazer algumas cópias para entregar nessas situações.Toda ajuda agora é necessária. Abra aqui o panfleto, repasse-o para todos os seus contatos, e-mails, redes sociais aquem você puder entregar.

Acesse no link abaixo o arquivo do panfleto e reproduza o máximo possível, distribuindo para a populaçao e para oconjunto da categoria nas escolas, na sua rua, no seu bairro e nos transportes públicos. A defesa da educaçao é uma lutade todos nós.

Leia também:

Repórter do Estadão é detida em universidade dos Estados Unidos

 

9 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Adilson Filho: Nós não precisamos de violência para sermos ouvidos - Viomundo - O que você não vê na mídia

03/10/2013 - 21h55

[…] A campanha dos professores para denunciar Paes e Cabral […]

Responder

Fabio Passos

30/09/2013 - 22h15

É com muita violência contra os trabalhadores que a “elite” branca construiu um Apartheid Social no Brasil. Alguns ainda acham possível sufocar demandas sociais mandando a polícia descer o cacete em quem ousa protestar… mas a maioria da população vai mandar estes representantes do atraso para uma justa e prematura aposentadoria.

Responder

Magaly Pazello: Arrogância e prepotência ilimitadas de Cabral e Paes - Viomundo - O que você não vê na mídia

30/09/2013 - 18h54

[…] A campanha dos professores para denunciar Paes e Cabral […]

Responder

von Narr

30/09/2013 - 18h52

Garotinho foi governador por 4 anos e não criou uma única escola. Essa irrelevância não o impediu se reeleger por meio da Rosinha.
Então, vamos botar as coisas nos devidos termos: educação não é, por enquanto, uma reivindicação forte da classe trabalhadora. Onde está a turma que queria educação “padrão Fifa”? Ah, esses aí vieram das escolas particulares. Agora, têm mais o que fazer com o iphone.
A brutalidade da polícia revela que aos poucos o governo se acomoda, parece convencido que o jorrar do sangue já não incomoda tanto.
E assim, os professore continuarão a apanhar, o salário continuará baixinho e as classes populares continuarão convencidas de que a escola pública serve apenas para conferir um diploma útil para arrumar o primeiro emprego de peão.
Os professores que invadiram o plenário estão errados. Não podem querer decidir no lugar dos vereadores. Por mais justa que seja a causa, e é, os professores não possuem o direito de vetar votações. Nem os professores nem nenhum outro grupo representativo da sociedade. Quem tem? Quem está lá pelo voto popular.

Responder

    Diogo Romero

    03/10/2013 - 10h47

    Apesar da veracidade de alguns argumentos, lamentável é a sua postura de desqualificar a ocupação da câmara. Professores não possuem o direito de vetar votações???? Que afirmação mais reacionária!!!

    Posicione-se ao lado dos trabalhadores, amigo. A sua categoria.

maria edith ferrarezi

30/09/2013 - 13h18

Em Minas está a mesma coisa.Só com o silêncio da mídia.Os professores acampados em frente ao Palácio Mangabeiras e não se publica nenhuma uma linha ou se diz uma única frase na TV. Tudo comprado e alienado ao Anestisia ,Ecim I,o neto e a neta.

Responder

Paulo Henrique Tavares

30/09/2013 - 10h32

Temos de apoiar as greves, pois professor ganha mal e o sistema de educação no Brasil inteiro é um lixo, com raras ilhas de qualidade.
Porém, o que está acontecendo no RJ é apenas, os meia dúzia de sempre do psol, desesperados atrás de algum fato político para elegerem dois deputados federais no ano que vem.
Como eles estão vendo que os “protestos” têm cada vez menos gente, estão partindo para o desespero que é se unir à direita (extrema direita) para sair quebrando o que encontrarem pela frente.
Estão aproveitando a fraqueza política tanto do prefeito quanto do governador para implantar o caos, porém, os conservadores, que antes votavam neles por falta de opção, agora votarão no Garotinho, Maia e Gabeira, este é o desespero do psol. Este protesto não é de professores, mas sim do psol, em desespero, pois são muito poucos.

Responder

Julio Silveira

30/09/2013 - 09h43

Vou dizer uma coisa aqui que certamente não servira para ninguém mas arriscarei assim mesmo. Os professores não sabem a força que tem, vou mais além, os trabalhadores não sabem a força que tem. A começar pelo numero, se cada um deles fizesse seu dever de casa pelo menos trabalhando politicamente os seus desafetos, ou aqueles que mais lhes são afim aqueles que mostram inteligência ao lidar com um assunto tão importante quanto a educação, mas não passada a pressão receberão mais um quinhãozinho para adoçar suas miseráveis e cairão na acomodação. É assim em todo o país, as dificuldades são maquiadas por lideres sindicais aliados, cargos em comissão que compram consciências, e a mesmice e o atraso vão tomando conta do País neste aspecto fundamental, mas a ignorância é a estratégia da politica nacional. Vejam por exemplo o Rio Grande do Sul, tem como governador do estado um politico que foi Ministro da Educação que levantou a bola do piso nacional e no gestão do estado briga na justiça para não pagar o que propunha quando não tinha que pagar. E esse cidadão ainda é visto como opção politica no Brasil. Fala sério, somos ou não somos tapados? merecemos ou não merecemos nossas vicissitudes, os sprays de pimenta da truculência.

Responder

Mardones

30/09/2013 - 09h22

Nos meus delírios, a polícia defende os direitos dos cidadãos. Então delírio com agentes policiais invadindo mansões e coberturas onde moram os donos de construtoras, acionistas de bancos, donos de grandes fazendas, os credores da dívida não auditada, empresários da grande imprensa entre outros caciques exigindo que respeitem as leis e trabalhem para o bem viver da popular em vez de comprar parlamentares para manipular e explorar a população.

Nos meus delírios…

Responder

Deixe uma resposta