VIOMUNDO

Declaração de princípios da Globo, versão 1984

01 de abril de 2013 às 14h49

 

72 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

SIDNEI DE OLIVEIRA

20/03/2015 - 21h35

Princípio norteados por 06 malas de dolares,um general traidor do amigo e presidente deposto,JK.
Quem pagou?São os mesmos que desde então ,norteiam os saques nos bolsos do povo brasileiro: banqueiros e empresarios (incompetentes e especuladores).

Responder

Mané

03/03/2015 - 14h16

Já vi várias declarações de principios da Globo. Agora quero ver a do Imposto de Renda.

Responder

Caso Tim Maia não é o primeiro em que a Globo reescreve a História em seu benefício ou no de parceiros - Bem Blogado

07/01/2015 - 10h40

[…] o apoio das Organizações Globo à ditadura militar, como porta-voz do regime. Os exemplos abundam. Um editorial escrito por Roberto Marinho em 7 de outubro de 1984, DEPOIS do comício das diretas, em que ele diz que a Revolução — isso mesmo, Revolução, não golpe — foi bem sucedida, é […]

Responder

Azenha: como a Globo reescreve a história | Conversa Afiada

06/01/2015 - 19h56

[…] o apoio das Organizações Globo à ditadura militar, como porta-voz do regime. Os exemplos abundam. Um editorial escrito por Roberto Marinho em 7 de outubro de 1984, DEPOIS do comício das diretas, em que ele diz que a Revolução — isso mesmo, Revolução, não golpe — foi bem sucedida, é […]

Responder

Caso Tim Maia não é o primeiro em que a Globo reescreve a História em seu benefício ou no de parceiros « Viomundo - O que você não vê na mídia

06/01/2015 - 12h15

[…] o apoio das Organizações Globo à ditadura militar, como porta-voz do regime. Os exemplos abundam. Um editorial escrito por Roberto Marinho em 7 de outubro de 1984, DEPOIS do comício das diretas, em que ele diz que a Revolução foi bem sucedida, é um […]

Responder

Adriano Medeiros Costa

11/12/2013 - 04h23

Será q um dia este país se recupera do mal que Roberto Marinho lhe fez?

Responder

    Luiz A A do Sacramento

    09/01/2014 - 22h28

    Acho difícil , muito difícil; os mentores do projeto arquitetado para capturar os corações e as mentes da população brasileira,trabalharam desde o início , para que de forma subliminar atraísse e seduzisse as consciências de todos quanto se deixassem levar pelos símbolos audiovisuais do “plim-plim”. Como se sobre o efeito de uma monumental fagócitos, a população brasileira , na sua quase totalidade, vive sob o efeito embriagador das alegorias profissionais da mídia dominante. A esperança é que num futuro próximo, já cansado de ser ludibriado,o povo brasileiro desperte inspirado e tome para si a construção de um país melhor.

Rede Globo e a natureza do escorpião | Ficha Corrida

19/10/2013 - 09h00

[…] Declaração de princípios da Globo, versão 1984 – Viomundo – O que você não vê na … […]

Responder

Daniel

05/10/2013 - 12h11

Ratificaram o que todo mundo já sabia.

Responder

Urbano

04/09/2013 - 19h12

Com a groubostonoma é com princípio, meio e fim; e sem saltos nem cortes, mas de forma perene.

Responder

O Palheiro | Para entender o papel da Globo.

12/07/2013 - 09h14

[…] [2] Extraído do “Baú Falatório – Viomundo – Declaração de princípios da Globo, versão 1984, Declaração de princípios da Globo, versão 1984, publicado em 1 de abril de 2013 às 14:49; em: http://www.viomundo.com.br/bau/declaracao-de-principios-da-globo-versao-1984.html […]

Responder

Marco

27/05/2013 - 13h53

Morreram dois golpistas empedernidos no cenário nacional,com espaço pequeno entre as duas mortes.Atenção demônios,fiquem atentos que ai,tentarão dar golpes,como aqui!

Responder

edson

15/02/2013 - 13h57

Eu a tempos não assisto mais essa tvzinha da ditadura, nem futebol. Porém somos obrigados a ver a globo cabo, pois compra tudo que é campeonato. Soma-se a isso a incopetencia na cobertura futebolística das outras emissoras. Lei de medios já!!!!!!!!!!

Responder

Paulo Nolasco

13/02/2013 - 21h03

A Globo só tem um lado, o dela. Que se dane o povo, o país e o que mais vier, se ela estiver bem é o que interessa. A Globo sempre estará do lado dos que estiverem no comando, ou tentará demonstrar isto.

Responder

H. Back™

05/02/2013 - 15h29

Não entendo o que o governo está esperando prá cassar a concessão dessa “democrática” rede de tv!

Responder

Marmelada do Cacau

03/02/2013 - 16h21

Aqui em Santa Catarina temos a RBS/GLOBO. Esta rede gaucha( gremista-avaiana) está ao lado da elite podre catarinense: Amins , Avaí ( dos bandidos da mancha azul, apoiados pelo seu apresentador Cacau Menezes). A RBS manda no futebol, com o Bvaí sempre ajudado em detrimento do Figueira mais querido. A RBS manda também no carnaval e a sua escola de samba está sempre ganhando. O nosso governador é cria do Bornhausen. Os bandidos estão queimando tudo aqui.

Responder

roberto

24/01/2013 - 17h20

Jornaléco de Las Bananas.

Responder

Luciano Baia

03/08/2012 - 17h02

A Globo só se mantém por grana forte daqueles cujos interesses ela sempre defendeu ( ou você acredita que vender espaço em jornal dá tanto lucro assim !). Ao pé da letra não existe O Globo, mas com ensinou-nos Leonel de Moura Brizola, nos bons tempos, seu título deveria ser The Globe. Ainda que seja escrito em portugues, seu sotaque é fortemente estadunidense. Toda vez que nosso povo é rifado é uma felicidade só naquele jornalão. É difícil imaginar porque ? Não esqueceremos jamais o caso Proconsult ! Democracia nunca foi a praia da Globo !

Responder

Ferreira

28/07/2012 - 12h06

A Globo nasceu da lama (parceria-Time Life), e na lama (Ditadura).
Anti-Brasil: sempre aliada a interesses estrangeiros.
Anticutura:só produz conteúdos alienantes, amorais e aéticos, aculturados, que destróem a cultura nacional.
Antieducativa: produz ensino plástico s/ valor educativo, cognitivo e humanista.
Antidemocrática:apoiou ditadura,frauda debates e eleições.
Anti-Informação: jornalismo manipulador e mentiroso, aliado com elites corruptas, neoliberal e vendilhã.
Antinacional: praticam o cúmulo da destruição e da traição à nação.

Responder

neopartisan

11/05/2012 - 18h12

Aqui segue um videoclipe que vai ao encontro do “Julgamento da Revolução” de Roberto Marinho.
São apenas dois minutos e meio.
http://www.youtube.com/watch?v=n6HV-Jpc3I8

Responder

Paulo

10/05/2012 - 18h43

As Organizações Globo são escandalosamente parciais em todas as editoriais, inclusive as de Esportes: lá, Flamengo é PSDB-DEM-bonzinho; o Vasco é PT-PC do B-o mal. Não há um único dia que o torcedor vascaíno não se sinta atacado e/ou desrespeitado. Mesmo nas vitórias percebe-se a maldade nas entrelinhas…

Responder

    Vinícius

    14/05/2012 - 00h36

    Disse tudo Paulo. Só quem acompanha o jornalismo praticado pelas Organizações Globo no RJ, seja na área política ou esportiva, sabe o como ela trabalha com manipulação de dualidade do tipo “o lado bom e o lado mau”. Aqui no Rio tem um clara tendência de criminalização do PT e movimentos sociais, e de exaltação dos representantes da elite (Índio da Costa é um deles).
    E no esporte é a mesma coisa, me sinto profundamente ofendido com a forma como a globo trata o Vasco, eles ultrapassam os limites do achincalhe.

    jorge geovane

    23/01/2015 - 23h33

    e nao e so o vasco da gama que eles odeiam a globo odeia tambem o botafogo,tanto que eles colocaram o motenegro IBOPE na presidencia do clube e ele em vez de incentivar a pessoa torcer pelo clube incentivava a torcer pelo flamengo e seus sucessores ate quando clube desceu para a 2ªdivisão a primeira vez que destruiram o clube eles eram funcionarios executivos da emissora,e ela tentou mante-lo na segunda divisão inventando uma divida para o time não subir mais na epoca e mesmo com o bebeto de freitas presidente do clube eles o sabotaram tentaram joga-lo novamente o seu montenegro IBOPE a mando dos marinhos se meteu e atrapalhou inclusive com uma história mal contada de um anel roubado e ai depois me aparece o mauricio assumpçao e sabota novamente o clube a mando da dona rede globo de sonegaçao que tambem manipula todos os dirigentes dos clubes

Cláudio

05/05/2012 - 05h50

“exarcebação” ? . . . “Revolução de 1964″ ou “revolução de 1964″ ? . . . Não é de hoje que o pig não tem nem a propalada qualidade . . .

Responder

Rafael, BHte

03/10/2011 - 21h51

2) E nem falar nos frutos ruins do Tancredo, hoje o povo mineiro aos poucos vai acordando da letargia e descobrindo o que foi q elegeu para desgoverná-lo, é a greve dos professores q acabou com o ano escolar de muitos alunos (deveria haver uma lei 20, 30 dias de greve deviam ser suficientes para exonerar secretario de educação e diretoria de representantes dos professores, todos ficando inelegíveis por um bom tempo, os alunos sim é q são prioridades e a chance de futuro) ontem foi a vez da perícia da polícia ser motivo de chacota em programa nacional de tv (até os locais tb por incrivel q pareça tb estão falando das vergonhosas deficiencias) e os bombeiros? Aécio criou até um imposto para eles e quase até queima a sede da rede bandeirantes em plena avenida raja gabaglia na área nobre da capital… LOL cômico se não fosse trágico

Responder

Rafael, BHte

03/10/2011 - 21h50

1) O velho Tancredo caro Morvan era da situation (qualquer uma!), era sobreviver na política, o regime militar tirou o pão da boca dele mas logo ele se arrumou no 'MDB consentido pela ditadura' (não somos tão ruins e malvados como as outras ditaduras assim, até deixamos existir uma 'oposição') Meu falecido paí gostava de dizer por ironia que Tancredo era o 'braço direito' de Getúlio Vargas, ou seja, GV suicidou-se e foi a mão direita dele a q apertou o gatilho e por extensão o braço direito… e talz.

Responder

Comando da Aeronáutica repudia reportagem do Fantástico sobre voar no Brasil | Viomundo - O que você não vê na mídia

09/08/2011 - 19h36

[…] Declaração de princípios da Globo, versão 1984   […]

Responder

Luiz Reis

09/08/2011 - 15h32

Deu nojo ler isso… argh!!!! E o pior: pense em quantas pessoas Brasil afora apoiam essa "idéia". Algumas por acreditarem e outras, infelizmente ainda maioria em nosso povo, por não se preocuparem com política, por acharem política "uma coisa suja"… na verdade, creio que ELES CONSEGUIRAM!

Responder

Luciana Tavares

09/08/2011 - 10h01

E diante de tantas informações ainda há pessoas que acreditam piamente em tudo que a tv diz!!!!Francamente!!!Santa inocência!!!!

Responder

Cristhian Gärtner: A falta que os princípios editoriais fizeram | Viomundo - O que você não vê na mídia

09/08/2011 - 00h12

[…] Leia aqui uma espécie de declaração de princípios das organizações, de 1984 […]

Responder

Bernardino

08/08/2011 - 22h17

ENquanto nao vem a lei dos Medios e nao aparece um estadista para peitar essa Imprensa CANALHa e entreguista deveremos adotar o SLOGAN: REDE GLOBO, RAINHA DA CANALHICE e hoje FILHA PRODIGA da DITADURA militar. O PIG esta como Cobra quando perde o VENENO em desespero Total e lamentando o que esta acontecendo com o PATRAO Estadunidense..AQUI se faz Aqui se Paga!!

Responder

@robsonfr

08/08/2011 - 22h12

Interessante que o título de post tem duplo sentido: o fato da declaração ter sido lançada em 1984 e a relação da emissora com práticas que nos remetem à 1984, o livro de George Orwell. Coincidência? Não, é a ley de medios chegando, nem que seja via fórceps…

Abraços

Responder

Regina Braga

08/08/2011 - 15h20

Com princípios e intenções tão verídicas, eles lotaram o inferno…E colocaram os demotucanos prá correr de volta a terra.

Responder

samira

08/08/2011 - 14h17

A Globo com esses Principios tá parecendo Pum em uma roda de moleques o autor sempre é o primeiro a dizer "Não fui eu". A Globo tá sentindo o fedor do PIG Brasileiro e se apressa em dizer "não fui eu". Será que a emissora virou refèm de jornalistas malvados e ardilosos que fazem matérias,reporcagens e até programas sem aprovação da emissora????

Responder

pegadasdamarcha

08/08/2011 - 13h28

Todos sabem o quão sujo eles são, isso não me surpreende mais.

Marcio Vieira http://pegadasdamarcha.wordpress.com/

Responder

Polengo

08/08/2011 - 12h00

Pérola no fim do texto:
"…em plena liberdade de imprensa".
O Marinho teve, sim, total liberdade de imprensa pra falar bem dos milicos.
Essa é a liberdade de imprensa deles, até hoje. Inclusive nos últimos acontecimentos, é isso que eles têm em mente.

Ou seja:
"Que saudade da ditadura!"

Responder

Lana

08/08/2011 - 11h41

Pra mim a Globo está com medo dos ultimos acontecimentos:

#ForaRicardoTeixeira associado ao seu nome (assunto que indigna e que pode atingir todas as camadas sociais – Futebol é sagrado, né não?)
+
Caso Murdoch (assunto que referenda a necessidade da regulação dos meios de comunicação pelo governo)

Estaria a Globo se sentindo ameaçada e temerosa dessa insatisfação internautica sair da esfera virtual e ganhar as ruas?

Sob que pretexto; a troco de quê a Globo – do nada, resolve lançar esses "Principios Editoriais"? Aí tem!

Não deixemos esse assunto em segundo plano…Talvez seja o momento de começarmos uma campanha, um embate com a Globo, usando as armas que ela própria nos forneceu.

Quando a Globo diz que não é apartidaria, lembremos a ela:

1) De sua associação com a ditadura, sendo a porta-voz dos militares. Graças a essa associação, a Globo cresceu absurdamente em comparações às outras
emissoras, sendo que algumas tiveram, inclusive, suas concessões canceladas e fecharam suas portas.

Declaração emblemática de Médice, em 1972: “Sinto-me feliz todas as noites quando assisto ao noticiário da TV Globo, porque nele o mundo está um caos, mas o Brasil em paz”. (MELLO, Geraldo Anhaia, 1994);

2) Do escandalo da Proconsult (tentativa da Rede Globo de fraudar as eleições de 1982, para evitar a vitória de Leonel Brizola);

3) Do mico que foi o Jornal Nacional noticiar como mera comemoração pelo aniversário de SP, o primeiro grande comício da campanha pela Diretas que aconteceu no dia 25 de janeiro de 1984, na Praça da Sé, com cerca de 300 mil pessoas. Foi por esse fato que surgiu o famoso bordão: "O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo".

4) Da vergonhosa edição do debate entre Lula e Collor, exibida pelo Jornal Nacional, que foi manipulada em benefício de Collor e decisiva no processo eleitoral de 1989.

5) Da diferença no tratamento entre Dilma e José Serra, quando da entrevista dos principais presidenciáveis no Jornal Nacional, nas eleiçoes de 2010.

6) Do Escandalo da Bolinha de Papel.

Twitteiros, MSNeiros, Facebookeiros, Orkuteiros, UNI-VOS!
Acho que este é um bom momento para incomodarmos a ja incomodada Globo.

Responder

    Lana

    08/08/2011 - 12h55

    retificando: "Quando a Globo diz que não é apartidaria, lembremos a ela" Leia-se PARTIDARIA

Antonio

08/08/2011 - 11h20

A Globo entende mídia como instrumento de uma organização social que viabilize a felicidade. Penso que as Organizações Globo entendem Felicidade como a felicidade dos ultra liberais norte-americanos, que ainda dão as cartas, fazem as guerras e geram a miséria e morte no mundo.

Responder

Ivanah

08/08/2011 - 11h18

Alguém sabe o que aconteceu com o site do Rodrigo Vianna, que está fora do ar?

Responder

Bonifa

08/08/2011 - 09h58

Hoje no Bom-Dia, o Alexandre Garcia disse que os militares não teriam escolhido Celso Amorim, por seu apoiamento a diversos ditadores em redor do mundo e por sua posição duvidosa em relação às FARC da Colômbia. Evidente que não é isso. Evidente que a única razão que move o próprio Alexandre Garcia a ser contra Celso Amorim é que ele não tem um alinhamento automâtico com os interesses dos Estados Unidos. E Alexandre Garcia, ele mesmo, quer que as Forças Armadas se alinhem sempre e completamente aos interesses dos Estados Unidos, mesmo que sejam eles até contra os reais interesses do Brasil. Nem ocorre ao Alexandre Garcia que os Estados Unidos também apoiam diversas ditaduras em redor do mundo e também têm uma posição bastante duvidosa em relação à Colômbia.

Responder

    José Adebaldo Xavier

    16/01/2016 - 21h35

    Bonifa, não é EUA é maçonaria americana sionista, a maçonaria brasileira obedece. Cegamente a maçonaria dos Estados Unidos através dos cooptados macons brasileiros dos três poderes, a maçonaria se faz presente em toda história brasileira, história essa de exploração, opressão e miséria do povo, todo o fardo que carregamos é graças a essa instituição demoníaca.

Marat

08/08/2011 - 08h23

Nojento! A Globo é uma das escórias do Brasil!!!

Responder

spin

08/08/2011 - 07h33

Este editorial pode ser não uma ordem a ser cumprida pelos funcionários da emissora mas uma senha de que os 3 Robertos Marinhos vão jogar pesado contra Dilma. Inclusive nesta noite o Fantástico ressuscitou o caos aéreo que, como se sabe, foi sepultado pelo pig no dia da posse de Jobim. Tem coelho nessa toca. Inclusive estes editoriais que são lido e relidos desde a instauração do golpe militar de 64, note-se que, sempre que isso aconteceu os dias que se seguiram a tais leituras foram bem sombrios, com tramas, golpes e tudo mais.
Como caldo escaldado tem medo de água fria, estou meio cabreiro com a tal "Carta de Princípios" das Organizações Globo.

Responder

    Bonifa

    08/08/2011 - 09h45

    Com um testamento como esse, impresso em chumbo, fica difícil uma emissora de televisão compreender que é apenas um veículo de cultura, informação e entretenimento. Evidente que ela pensa que o Estado é quem deve a ela sua existência e não o contrário, que ela é apenas uma concessão do Estado para servir ao povo inteiro e não a uma família todo-poderosa.

    Fran

    08/08/2011 - 12h10

    Exatamente isso q me ocorreu,tive a mesma impressão q a sua,essa carta de principios parece ser mais uma ação preventiva a um posterior ataque .Vamos ter q nos preparar

Arthur Schieck

08/08/2011 - 02h43

CARACOLES!!!

Responder

Yarus

08/08/2011 - 03h37

Se a Globo está anunciando suas virtudes aos berros, é porque o mercado consumidor está questionando a qualidade do produto. Será que está estragando?

Responder

    valeri

    20/11/2011 - 14h49

    concordo plenamente !

cristiano

07/08/2011 - 23h58

tô co mal presentimento sinto que vem por ai um ataque ''como nunca antes na historia desse pais'' pior que 2005 com o ''mensalão
o pig agora agonizante quer da seu ultimo golpe ou melhor tentar da né rs
fiquemos de olhos bem abertos…

(brasil-livre-se do pig)

Responder

LuisCPPrudente

07/08/2011 - 23h11

Roberto Marinho disse que participou do Golpe Militar de 1964.

A Ditadura Militar premiou esse jornalista reacionário com a concessão de várias emissoras, assim esse desonesto defenderia sempre o Golpe de 1964.

Responder

    Gersier

    08/08/2011 - 09h39

    E de gorjeta os de verdes* que eram marionetados pelo governo norte americano via CIA, lacraram os transmissores da TV Tupi que era a líder na audiência,não renovando a concessão para a mesma não fazer concorrência ao lambe botas roberto marinho.
    *Com certeza eram ridicularizados nos escritórios da CIA e quarteis norte americanos.

FrancoAtirador

07/08/2011 - 22h58

.
.
Globo: princípios suspeitos, utilizando-se de meios fraudulentos, para atingir fins nefastos.

Livros

AFUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

e

AFUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO II – UMA BIOGRAFIA DA CORRUPÇÃO

de Roméro da Costa Machado.

(O maior livro sobre corrupção já editado no Brasil)

http://www.fazendomedia.com/globo40/romero16.htm

Entrevista com o escritor em:

http://www.reflexoes.diarias.nom.br/CIDADANIA/OSL

Responder

spin

07/08/2011 - 22h37

Note-se que em 1984 antecedeu o que deveria ter sido a ruptura com a ditadura militar.

Responder

luis

07/08/2011 - 21h31

Seria cômico se não tivesse sido trágico!

Responder

Marcio H Silva

07/08/2011 - 21h11

Roberto Marinho tinha que babar o ovo da revolução, construiu seu imperio mamando nas tetas da ditadura.
Utilizou as torres da recem criada Embratel ( 1968 ) para instalar suas repetidoras e enviar sinal da rede globo aos confins deste país. Foi o maior cancer deste país, pior que assis Chateaubriand.

Responder

    Gersier

    08/08/2011 - 09h49

    Foi o maior câncer não, "É" o maior câncer do Brasil.

FrancoAtirador

07/08/2011 - 20h51

.
.
"Princípios editorais": Globo recusa transparência (Parte 1)

Por Weden, no Luis Nassif OnLine

Lugar de texto ficcional é na novela.

Ao tratar com o jornalismo, o ideal é se ater à realidade. Isso evitaria a elaboração pelas Organizações Globo de uma "carta de princípios" que a todo momento é desmentida pela prática. O assunto foi trazido aqui para a comunidade pelo blog de Adriano S. Ribeiro, de onde retirei as citações do texto.

O que se pede a um órgão de imprensa é que seja transparente nas intenções, nas práticas e na conduta. Isenção, objetividade são mitos que, mantidos pelos veículos, apenas servem para tentar enganar o leitor.

A Globo deve se assumir como empresa de jornalismo partidário, ideológico, e que, muitas vezes, pratica uma imprensa de opinião disfarçada de informação. Quando assim o fizer, passará a ter mais respeito até dos seus maiores críticos.

Com isso, perdeu a grande chance de contribuir para uma melhor relação entre a grande imprensa nacional e o público.

Ora, muitos grandes jornais europeus explicitam suas posições, e nem por isso perdem sua credibilidade. Ao contrário, sua credibilidade e sua confiabilidade vêm justamente da transparência com que lidam com seus posicionamentos.

A afirmação de um diretor da empresa (ver texto no blog do Adriano) de que "o sucesso do grupo" está ligado ao atendimento a estes "princípios" não encontra base racional. Murdoch, aliás, um ex-parceiro das Organizações, faz sucesso sem qualquer princípio.

Negar que há posicionamentos (políticos, ideológicos, religiosos etc) é tentativa de engodo. E enganar consumidor é incorrer em falta de ética. Não fica bem para uma carta de princípios ferir o que deveria ser o seu maior compromisso.

Responder

    FrancoAtirador

    07/08/2011 - 21h25

    .
    .
    "Princípios editorais": Globo recusa transparência (Parte 2)

    Por Weden, no Luis Nassif OnLine

    Eis alguns "princípios" sobre a "informação de qualidade", segundo as Organizações.
    Numerei para melhor demonstrar as contradições com a prática.

    Os atributos da informação de quaIidade

    1. ISENÇÃO

    1.1. "O contraditório deve ser sempre acolhido".

    Recentemente, numa reportagem sobre a falta de "indignação" dos brasileiros, a opinião do MST, embora ouvida, foi censurada na redação. Isso foi grave e afeta diretamente este "princípio".

    1.2. "Não pode haver assuntos tabus".

    È bem conhecida a dificuldade da Globo em lidar com temas como o racismo. Principalmente, depois da chegada ao poder do editor chefe Ali Kamel. A Globo evita ao máximo noticiar casos de racismo no Brasil que, sabe-se, são muitos. Com isso presta um desserviço á sociedade e ao debate público.

    1.3. "O trabalho jornalístico é essencialmente coletivo, e errarão menos aqueles que ouvirem mais".

    O caso do livro didático acusado de conter erros desmente este princípio. Os jornalistas da Globo mantiveram a "tese" sobre "os erros de português", e evitaram ouvir linguistas e educadores que realmente leram o livro e sabiam que a afirmação era falsa.

    1.4. "Os jornalistas das Organizações Globo devem evitar situações que possam provocar dúvidas sobre o seu compromisso com a isenção".

    Esse é o quesito mais questionado na Globo. Os jornalistas, principalmente, os de política e economia carregam a tinta do posicionamento do grupo sobre questões de suas áreas (jornalistas que talvez sejam obrigados, talvez compactuem).

    A Globo não contraria em nenhum momento algumas de suas posições, como, por exemplo, no engajamento ao discurso neoliberal, cujas teses sempre foram tratadas como "postulados".

    1.5. "Todo esforço deve ser feito para que o público possa diferenciar o que é publicado como comentário, como opinião, do que é publicado como notícia, como informação".

    Outro erro. O Globo, por exemplo, é mister em elaborar manchetes com suas opiniões. O exemplo mais gritante foi a do dia da posse da presidenta Dilma: "“No adeus, Lula deixa para Dilma crise diplomática com a Itália”.

    Em nenhum momento esta seria a informação mais importante. E a crise, fora alguns protestos isolados, nunca aconteceu realmente. Era pura aposta.

    2. CORREÇÃO

    2.1. "Erros devem ser corrigidos, sem subterfúgios e com destaque. Não há erro maior do que deixar os que ocorrem sem a devida correção" e que "os veículos das Organizações Globo têm obrigação de se fazer entender".

    A insistência nos "erros de português" do livro didático mostram que este princípio não é seguido. A dificuldade de dar o direito de resposta na mesma seção, e nas mesmas dimensões da informação falsa também é outro exemplo. Se não for por decisão judicial, Globo mantém o princípio, inverso, de minimizar a divulgação do erro.

    3. AGILIDADE

    3.1. "a rapidez necessária ao trabalho jornalístico não se confunde com precipitação: nenhuma reportagem será publicada sem que esteja apurada dentro de parâmetros seguros de qualidade".

    O apontamento das causas do maior acidente aéreo de 2007, com um avião da TAM no aeroporto de Congonhas foi um caso típico: em menos de 24 horas, a falta de ranhura na pista foi apontada como a causa maior do acidente. Questionado depois sobre a precipitação, o editor Ali Kamel saiu-se com uma pérola: "Estávamos testando hipóteses".
    .
    .

    FrancoAtirador

    07/08/2011 - 21h54

    .
    .
    "Princípios editorais": Globo recusa transparência (Parte 3)

    Por Weden, no Luis Nassif OnLine

    4. LEALDADE COM A NOTÍCIA E SEM SENSACIONALISMO

    4.1. "Fazer e manter boas fontes é um dever de todo jornalista. Como a isenção deve ser um objetivo permanente, é altamente recomendável que a relação com a fonte, por mais próxima que seja, não se transforme em relação de amizade. A lealdade do jornalista é com a notícia", diz o texto.

    Ora. Fontes viciadas parecem ser uma regra na empresa. No caso, por exemplo, das cotas raciais em Universidades, a Globo se restringe às opiniões de "especialistas" como Demétrio Magnoli e a antropóloga Yvonne Maggie, os dois absolutamente contrários a qualquer iniciativa de ação afirmativa. Ou seja: são aqueles que a empresa espera que concordem e reafirmem a sua própria posição.

    4.2. "Nenhum veículo das Organizações Globo fará uso de sensacionalismo, a deformação da realidade de modo a causar escândalo e explorar sentimentos e emoções com o objetivo de atrair uma audiência maior. O bom jornalismo é incompatível com tal prática. Algo distinto, e legítimo, é um jornalismo popular, mais coloquial, às vezes com um toque de humor, mas sem abrir mão de informar corretamente".

    A capa do Extra na tragédia da Região Serrana que repetia a frase de uma criança vítima das enchentes (Papai, Papai, não me deixa morrer!) foi um exemplo de mau gosto e exploração da tragédia humana para manter vendagem. Nisso o jornal não foi diferente dos aproveitadores que subiram seus preços na região para faturar com o despero.

    "A regra de ouro é divulgar tudo, na suposição de que a sociedade é adulta e tem o direito de ser informada. A crença de que os veículos jornalísticos, ao não fazerem restrições a temas, estimulam comportamentos desviantes é apenas isso: uma crença", diz.

    O exemplo, já citado acima, dos "casos de racismo" ocultados pelos veículos das Organizações são uma prova de que este princípio é ignorado sistematicamente pelas duas maiores redações do grupo: a do Globo e a da TV, embora encontremos ótimos exemplos de cobertura desta questão no Extra.

    5. INDEPENDENTE, APARTIDÁRIA E LAICA

    É bem conhecida a tentativa dos veículos das Org. Globo em interferir em eleições, com uma cobertura partidária e engajada. Esse talvez seja o pior dos "princípios". A empresa se tornaria mais confiável, se assumisse suas posições políticas. Infelizmente, perdeu a chance de ser mais transparente com o público. O que seria uma demonstração de maturidade.

    Da mesma forma, o preconceito em relação aos evangélicos já foi evidente. Ao perder audiência neste setor para a Record, a Globo tem sido menos enfática no modo negativo como lidava com, por exemplo, as manifestações dos evangélicos, seja em eventos, seja no tratamento das práticas litúrgicas.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/principi

    vinicius

    07/08/2011 - 23h11

    por principio eles ouvem as partes…ouvrm, mas não poublicam o que não interessa

spin

07/08/2011 - 20h45

Note-se que em 1984 antecedeu o que deveria ter sido a ruptura com a ditadura militar.
Sei lá, estes editorias da Globo antecedem momentos que, ela sabe, vem pela frente
O que será que a Globo tá tramando agora com os milicos para ocupar grande parte do JN com um editorial idêntico a este, ao de 1964, ao de 1989…
Eu heim

Responder

Odair

07/08/2011 - 20h41

Valeu Azenha!

Nada mas didatico e pedagogico para nos fazer entender as entrelinhas dos "principios da Globo".

Esta emissora, segundo teoria juridica Americana adotada para sepultar a operação Satiagraha (para ficar só no campo juridico da decisão) "é fruto da arvore envenenada", vide sua origem e continuidade de suas posturas. Deveria, pelo principio da isonomia, ter o mesmo tratamento dado àquela operação policil.

Responder

Morvan

07/08/2011 - 19h48

Boa noite.
"Julgamento da Revolução" – Jornalista (sic!) Roberto Marinho.

Tudo neste mundo se cambia. Até o câncer evolui; exceto o pessoal do PIG.
Nada nesta confissão de golpe me surpreende. Revolta-me o fato de saber que, dentro dos quarteis, ainda é usada a palavra "Revolução". E que não parece haver pensamento dissonante.
Interessante o trecho que fala sobre o político Tancredo Neves (sabia que ele era vacilão e reaça, mas nem tanto):
"A determinação governamental foi 'além do esperado'"…

Aqui no Ceará nós tínhamos uma piada, com relação ao Castelo Branco. Dizia-se dele ser impossível morrer de duas maneiras:
a) enforcado, pois "não tinha pescoço (pessoas do pescoço atarracado); e
b) afogado – pois "M&@3#" não afunda.

Impossível passar ileso ante a crítica gaiata de um cearense ("ôoo raça"!). Único povo do mundo que se sabe ter vaiado o sol.
Ah, ah, ah…

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

Alexei_Alves

07/08/2011 - 19h43

patético

Responder

João PR

07/08/2011 - 19h38

Como diriam os gaúchos: "mas bah tchê!!"

Ler este editorial do Globo é imperdível. As organizações Globo assumiram que foram co-partícipes da ditadura (que chamam de Revolução, e que na verdade foi um golpe de estado).

E saber que publicaram isto!!

Obrigado Azenha, por nos trazer de volta (eu não conhecia, confesso) este libelo da Globo à "Redentora",

Responder

Andre paulo

07/08/2011 - 19h31

Esta bem claro eles foram desde o inicio artifices, fomentadores e socios "privados" da ditadura,
Alias todo mundo sabe disso!
E mais … eles pelo geito nao conseguem ter autosustentacao sem uma ligacao intima com o e seus previlegios (money, money,money…)

Responder

Francisco

07/08/2011 - 19h19

A concessão de rádio e TV ele, Roberto Marinho, a recebeu de um governo ilegalmente instituído. Portanto a sua concessão de rádio e TV é ilegalmente instituída.

Complicadíssimo, não?

Responder

    Gersier

    08/08/2011 - 09h54

    Afora os SEIS milhões de dólares (corrigidos seriam valores astronômicos hoje) recebidos de empresa norte americana,burlando as leis brasileiras.A globo foi montada em cima de falcatruas,farsas,hipocrisia e um boa dose de cinismo.E se acham no direito de cobrar o que nunca tiveram, TRANSPARÊNCIA e ÉTICA.

Francisco Hugo

07/08/2011 - 19h18

A chamada da matéria:
"Declaração de princípios da Globo, versão 1984
Sobre o regime militar"

Chamar a Ditadura de "regime militar" não é tucanês?

Responder

Globo lança “princípios editoriais” mas não cumpre o que escreve | Herdeiro do Caos

07/08/2011 - 17h56

[…] 1984, ao se aproximar o fim da Ditadura Militar, Roberto Marinho escreveu um editorial no dia 7 de outubro intitulado “Julgamento da Revolução”. No texto, Marinho disse que o apoio da Rede Globo ao Golpe Militar foi acertado pois refletia a […]

Responder

Deixe uma resposta