VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Valor Econômico: Nicolelis, candidato ao Nobel

05 de janeiro de 2011 às 00h25

Brasileiros ganham projeção internacional

04/01/2011

Cientistas despertam atenção com trabalhos que vão da cura do Mal de Parkinson até a ‘energia escura’

Cibelle Bouças | De São Paulo, no Valor Econômico

O neurocientista Miguel Nicolelis pode receber um prêmio Nobel por seu trabalho sobre o mal de Parkinson. Outro brasileiro, o físico Daniel Vanzella, descobriu que a energia contida no vácuo é capaz de destruir estrelas. Gilberto Ribeiro desenvolve um resistor de memória capaz de mudar radicalmente o mercado de armazenagem de dados.

Ainda é raro encontrar cientistas e pesquisadores brasileiros como os da lista acima, que ocupam o topo da pirâmide acadêmica ou de inovação empresarial. O reconhecimento recente do trabalho deles, no entanto, mostra que há uma percepção internacional positiva sobre o trabalho de profissionais brasileiros, o que pode se traduzir em ganhos para a ciência no país.

Nos próximos meses, hospitais brasileiros podem abrigar a próxima fase do trabalho de Miguel Nicolelis sobre o Mal de Parkinson. Pela primeira vez, o tratamento proposto pelo neurocientista será testado em seres humanos. Em avaliação, estão instituições médicas em São Paulo e nos Estados Unidos.

Atualmente, Nicolelis divide seu tempo entre o Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS) e o Centro de Neurociência da Universidade Duke, na Carolina do Norte (EUA). No ano passado, ele recebeu o prêmio NIH Director’s Transformative R01, que concede US$ 4,4 milhões para aplicação em pesquisa, e o Director’s Pioneer Award, de US$ 2,5 milhões. Os prêmios estão entre os mais cobiçados no meio científico e costumam indicar potenciais candidatos ao Nobel. Nicolelis foi o primeiro cientista a receber as duas premiações no mesmo ano.

Os recursos serão usados na pesquisa para a cura do mal de Parkinson, desenvolvida desde 2006. Nicolelis e sua equipe já haviam desenvolvido uma técnica para tratar a epilepsia, a partir de estímulos elétricos em regiões periféricas do sistema nervoso, quando perceberam que havia semelhanças no padrão de comportamento do cérebro dos portadores das duas doenças, conta o cientista.

Com a constatação, cobaias passaram a receber medicação para apresentar sintomas como os do mal de Parkinson. Depois, a equipe implantou uma prótese na medula espinhal das cobaias, que disparava estímulos elétricos. A paralisia muscular e os demais sintomas desapareceram.

Esse trabalho tem sido realizado tanto na Universidade de Duke como no IINN-ELS. “Já foram feitos testes com camundongos e primatas. Agora buscamos um parceiro clínico para fazer testes em pacientes”, afirma Nicolelis. “Em dois anos será possível ter uma resposta categórica sobre o tratamento”, diz.

Outra pesquisa surpreendente é comandada pelo físico Daniel Vanzella, professor do Instituto de Física Teórica da Unesp e do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP). Vanzella e o doutorando William Lima publicaram, em abril, um estudo sobre a “energia escura” na “Physical Review Letters”, a mais respeita revista de física do mundo.

O artigo teve uma grande repercussão. Embora pareça uma fantasia tirada da série de filmes “Star Wars”, a energia escura intriga o meio científico há muito tempo. Na física, existem duas grandes teorias sobre o universo: a da Relatividade Geral, que descreve a organização do universo em grande escala (estrelas, galáxias etc) e a Quântica de Campos, que focada na chamada pequena escala (ligações químicas, átomos etc). Físicos no mundo tentam, ainda sem êxito, unir as duas teorias. Vanzella e seu aluno se atiraram a esse trabalho com uma análise da “energia escura”. Essa força, que faz o universo se expandir de forma acelerada, exerce uma forte pressão negativa, que seria contrária à gravidade.

Os cientistas partiram do princípio de que o vácuo é preenchido por partículas virtuais, como prótons, elétrons e fótons, que surgem e desaparecem em uma fração de segundo. Imaginava-se que a flutuação dessas partículas, por ser muito rápida, não gerava efeitos nos materiais macroscópicos. Vanzella e Lima descobriram, porém, que sob algumas circunstâncias o crescimento da energia do vácuo pode ocorrer de maneira exponencial e descontrolada, podendo destruir até uma estrela de nêutrons (a matéria mais densa já encontrada no universo).

Vanzella iniciou a pesquisa na Universidade de Wisconsin, nos EUA, mas só chegou à essa conclusão em São Carlos. Agora, ele procura responder, em seu pós-doutorado, o que ocorre com uma estrela quando a energia do vácuo “desperta”. “Essas são questões conceituais sobre os fundamentos da física, mas que vão ajudar a trazer um melhor entendimento sobre a natureza”, afirma Vanzella.

Antes de Vanzella, outro apreciador do espaço ganhou renome. Em 2006, Marcos Pontes, tenente-coronel da Força Aérea Brasileira (FAB), hoje na reserva, participou de uma missão à Estação Espacial Internacional (ISS), com oito experimentos em microgravidade de universidades e institutos brasileiros. “No espaço, [nós, astronautas] somos as mãos e os olhos dos cientistas; executamos os experimentos”, diz Pontes. Atualmente em Houston, na sede da Nasa, ele aguarda nova convocação para missões espaciais. “Espero ansiosamente por essa escalação”, diz.

Para ler o complemento desta reportagem, clique aqui.

Para ler o documento, divulgado em primeira mão pelo Viomundo, em que Nicolelis propõe o desenvolvimento da Ciência Tropical, clique aqui.

Para ouvir uma entrevista de Nicolelis, clique aqui.

Para ler a reportagem da revista Science sobre a ciência brasileira que quase ninguém repercutiu, clique aqui.

 

25 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Wilma Monteiro

06/01/2011 - 02h11

Eu sou fã do Nicolelis como cidadã e como parkinsoniana

Responder

Julio Silveira

05/01/2011 - 21h34

Admiro muito o Nicolelis os demais estou tomando conhecimento agora por você.
Mas acredito que o merito maior por todo esse conhecimento é deles, o Brasil ainda tem pouca participação nesse mérito. De qualquer forma só o fato deles não mudarem suas nacionalidades já é um motivo de orgulho.

Responder

    @yakolev

    06/01/2011 - 00h46

    Concordo e
    diria +: Vamos comemorar e dar valor ao q tem realmente valor, ao trabalho e não à indicação pr'um prêmio façam-me o favor, vamos parar d ficar dando trela pra memes como o prêmio "Nobel", o Oscar dos acadêmicos; é só 1 prêmio, nda +, vide quem eles tem premiado na Economia por ex. …

Maria José Rêgo

05/01/2011 - 19h21

O PIG só não repercute com estardalhaço porque o Dr. Nicolelis manifestou apoio político ao Lula. Imeginem se tivesse apoiado o Serra.

Responder

bene

05/01/2011 - 17h52

O grande problema não é só brasileiro não acreditar em brasileiro, o grande problema é que os protótipos de grandes cientístas brasileiros, só vão se revelar lá fora, porque lá tem verba para pesquisas e apoio universitário. E a grande coseqüência disso é que a maioria dessas verbas vêm de multinacionais, e assim logicamente a condução das pesquisas será orientada por elas, e só no sentido que lhes interessa. É claro que vez ou outra, aparecem alguns heróis tupiniquins, como os dessa reportagem, que usam o aprendizado lá fora e o trazem pra cá. Hoje graças a um operário do ABC, que chegou à presidência, o Brasil voltou a investir em educação superior, e em pesquisas, ainda é muito pouco é claro, mas a continuar pela nossa presidenta, esse trabalho nos dará grandes frutos no futuro próximo. Saliento ainda que investimentos públicos em pesquisas, têm muito mais probabilidade de obter sucesso do que investmentos atrelados a multinacionais, visto que esses têm liberdade de chegar a conclusões mais livres do arbítrio dessas empresas.

Responder

Wolff Gadelha

05/01/2011 - 14h19

O excelente trabalho do Nicolelis em Macaíba/RN não conta com nenhum apoio público do governo do Estado do RN o que se foi e o que inicia nem da municipalidade. Já ouvi dizer que o Nicolelis anda desmotivado com tanta falta de apoio do poder político local. Coitado do meu povo potiguar, com a classe política que tem…

Responder

SôniaG.

05/01/2011 - 14h05

Tenho votado no M.Nicodelis no http://www.whopopular.com/Miguel-Nicodelis. E espero também que ele ganhe o Nobel e continue seu trabalho no Brasil por looongos anos. Precisamos dele.

Responder

Jocélio

05/01/2011 - 14h02

Na minha adolescência sempre comprava a revista superinteressante na banca de revista do município (Santa Bárbara, Bahia), agora o Viomundo está se transformando no quesito ciências, o que foi a revista super interessante no passado.

Parabéns ao pessoal do Viomundo.

Responder

Eugênio

05/01/2011 - 13h42

Da Cidade do Sol à Cidade do Cérebro
Sex, 03 de Dezembro de 2010 11:41
Enviado por Eugênio

Oi Bertolino, você postou hoje "Ciência brasileira é a principal matéria da prestigiosa Science", eu fico pensando… Esse tal de Luis Inácio é muito doido.
Observe que você postou em outubro passado, aquela matéria de 2007 da swissinfo.ch “Da Cidade do Sol à Cidade do Cérebro”, que foi POUCO veiculada por aqui, mesmo na época. Ainda bem que você a postou.

Pois é, quem muito respeita também o professor Miguel Nicolelis é o VI O MUNDO, o Azenha e você, e só. Mais ninguém. E o que poucos lembram é que o IINN é uma AFRONTA ao PIG.
http://www.outroladodanoticia.com.br/component/co

Responder

@Doradu

05/01/2011 - 13h28

isso é motivador ao extremo

Responder

Roberto Almeida

05/01/2011 - 12h31

AH, também tem uma entervista legal na Caros Amigos, cujo número não me lembro mais.

Responder

Roberto Almeida

05/01/2011 - 12h27

Comecei a admirar o Nicolelis depois que assisti a um especial no Sportv, acho que em 2009, sobre o trabalho do IINN-ELS. Tb já vi reportagens na Época e agora o Nicolelis é colunista da Brasileiros. O trabalho com jovens de escolas públicas promovido pelo Instituto no Rio Grande do Norte e recentemente na Bahia deve merecer uma matéria bem bacana aqui no Viomundo, pois é fantástico.

Responder

Julio_De_Bem

05/01/2011 - 12h17

Pra quem quiser (e se tiver relação), tem uma reportagem aqui.
[youtube tty0acINlLc http://www.youtube.com/watch?v=tty0acINlLc youtube]

Responder

Julio_De_Bem

05/01/2011 - 12h16

Azenha, por acaso esse tratamento é aquele que você mostrou numa reportagem com o seu João Baltazar, onde ele é submetido a uma cirurgia no cérebro pra acabar ou abrandar o parkinson? Tem alguma relação? Obrigado.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    05/01/2011 - 12h18

    Acho que são coisas distintas. Não conversei com o Nicolelis a respeito, ainda, mas te manterei informado. abs

Hans Bintje

05/01/2011 - 12h13

Conceição Lemes:

Eu estou feliz pelo Nicolelis e por você.

Sim, o Viomundo tem méritos nessa história, a criação de uma pauta inédita com um personagem muito interessante. É jornalismo em grande estilo, que reconhece que o "lugar do repórter é na rua".

Você procurou o Nicolelis, entrevistou o sujeito, expôs sua matéria às mais pesadas críticas e ganhou elogios rasgados, mesmo de pessoas tão chatas quanto este leitor.

Espero que a gente tenha mais dessas surpresas agradáveis em 2011.

Responder

    Conceição Lemes

    05/01/2011 - 13h19

    Hans, vc sempre gentil e atento. Obrigada pelo estímulo e carinho. Abração, um beijo pra Carolyn

Vitor Eduardo

05/01/2011 - 11h52

Vamos ver quando essa imprensa colonizada nossa vai divulgar isso.
Alguém aposta quando?

Responder

Marco Barreira

05/01/2011 - 11h23

Quem teve a oportunidade de ler a entrevista do Sr. Nicolelis na revista caros amigos vai entender que a sabedoria dele estaá na sua simplicidade. ele só tem um defeito é Palmeirense doênte.

Responder

    Fábio

    05/01/2011 - 12h07

    Ô Marco!
    Você está enganado.
    É a maior virtude.
    Abraços!

Santos

05/01/2011 - 10h13

"…Para ler a reportagem da revista Science sobre a ciência brasileira que quase ninguém repercutiu…"

Isso porque não dá ibope. A nossa sociedade aprendeu a admirar mediocridade, as celebridades que são celebridades por serem celebridades. Se fazem ou não diferença na vida das pessoas não interessa.

Responder

Archibaldo S Braga

05/01/2011 - 08h00

É verdade, imagina que o pig vai repercutir!! Naturalmente se fosse algum gringo ele estaria fazendo um estardalhaço! Chamando especialistas (sic) para opinarem e fazendo programas extras com os pseudos entendidos tupiniquins!!! Braga

Responder

boniboni

05/01/2011 - 01h54

Nicolelis é um dos maiores cientistas vivos, um humanista.

Responder

David R. da Silva

05/01/2011 - 01h14

Nicolelis, é o LULA, na Ciência. Um beijo meu irmão. Vai brilhar mais, que o fenômeno Boeral. Você é o Bicho! de Belo Horizonte.

Responder

Deixe uma resposta