VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


UPA da Zona Leste teve de transferir pacientes às pressas por falta de pressão no oxigênio
Reprodução
VIOMUNDO na Pandemia Você escreve

UPA da Zona Leste teve de transferir pacientes às pressas por falta de pressão no oxigênio


20/03/2021 - 22h17

Alerta de falta de oxigênio em SP e no DF amplia mapa do colapso nacional

Pelo menos 76 municípios de 15 estados estão com o estoque do produto prestes a acabar, diz Frente Nacional de Prefeitos

Por Cristiane Sampaio, Brasil de Fato

A tragédia que marca o desenrolar da pandemia no Brasil ganhou um novo capítulo neste sábado (20), com a emergência de notícias sobre falta de oxigênio em alguns pontos do país.

A UPA Ermelino Matarazzo, localizada na Zona Leste da capital paulista, por exemplo, precisou transferir dez pacientes na noite de sexta (19) por conta da carência do gás.

A informação veio à tona neste sábado em reportagem do jornal O Globo, segundo o qual esta é a primeira vez em que há escassez do insumo no local.

De acordo com entrevista dada à imprensa pelo secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, o motivo do problema parte do próprio fornecedor, a empresa White Martins, principal fabricante de oxigênio hospitalar no Brasil.

Procurada pelo Brasil de Fato, a empresa negou à reportagem que tenha ocorrido esse tipo de problema.

O fabricante alega que as UPAs não têm estrutura necessária para o aumento do consumo de oxigênio, um dos principais efeitos colaterais do descontrole da pandemia.

“Essas condições interferem na pressão necessária para alimentar os ventiladores utilizados em pacientes críticos, o que leva à percepção equivocada de que há falta de gás”, disse, em nota.

A UPA em questão, por exemplo, vem registrando aumento exponencial na utilização do produto, que saltou 16 vezes entre dezembro e março.

O Brasil de Fato tentou contato direto também com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, mas ainda não obteve resposta sobre o caso.

Caos nacional

O problema gera preocupações em outras regiões do país. A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) projeta que pelo menos 76 municípios de 15 estados estão com o estoque de oxigênio hospitalar prestes a acabar.

Acre, Ceará, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rondônia estão no roteiro de unidades federativas com alerta de escassez do produto.

As cidades de Ibiapina (CE) e Delfim Moreira (MG), por exemplo, informaram à entidade que já registram falta do gás e hoje contam com a solidariedade de municípios vizinhos para atender a demanda.

Agentes policiais em atuação no transporte de oxigênio durante auge da crise do produto em Manaus (AM), em janeiro deste ano / SSP-AM
Roraima

Neste sábado, o Ministério Público Federal (MPF) divulgou o envio de um ofício ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na noite de sexta (19), para alertar sobre a escassez dos kits em Rondônia.

A instituição destaca informações concedidas pela empresa que fornece o insumo para 33 municípios do estado e algumas unidades da capital, Porto Velho.

No documento, o MPF menciona que a quantidade de 5 mil m³ enviada ao estado na sexta não atende às necessidades do momento. “Se nenhuma providência for tomada, dia 24 de março de 2021 o estado sofrerá com desabastecimento”, projeta.

Ao dar ao MS prazo de resposta até segunda (22), o MPF destaca ainda que a empresa projeta que serão necessários 160 mil m³ de oxigênio hospitalar além dos 80 mil m³ que a fornecedora tem condições de garantir.

DF

A diretora de Práticas de Enfermagem da Associação Brasileira de Enfermagem, Karine Rodrigues, aponta que o problema exige maior atenção neste momento.

Ela ressalta a preocupação com a utilização de “gambiarras de oxigênio” montadas, por exemplo, em unidades de saúde do Distrito Federal (DF).

A prática surgiu a partir da necessidade de divisão dos kits do produto entre vários pacientes por conta da carência do insumo.

“Quando você coloca [o doente] a uma distância muito grande do ponto do oxigênio, o produto dispersa, então, você não está oferecendo oxigênio adequado pro paciente”, explica a profissional, ao realçar que, na quarta (17), um hospital de Planaltina (DF) entrou em colapso temporário por conta da demanda.

“Tiveram que interromper o oxigênio por um intervalo de tempo porque começou a ter ameaça de princípio de incêndio porque foi muita demanda. O suporte que fica na parede não estava dando conta. Tiveram que desligar todos os aparelhos desse suporte. A associação tem percebido que os hospitais estão muito cheios”, acrescenta Karine Rodrigues.

O secretário-geral do Sindicato dos Enfermeiros do DF, Jorge Henrique, pontua que o problema da escassez de oxigênio em unidades de saúde distritais passou a chamar a atenção duas semanas atrás. Foram registrados episódios do tipo em diferentes pontos de atendimento.

A entidade está envolvida numa força-tarefa de fiscalização que reúne ainda Conselho de Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF), Conselho Regional de Enfermagem e entidades de psicólogos e assistentes sociais.

“Sempre a gente está recebendo denúncias de profissionais sobre as condições de trabalho, oxigênio, etc. Hoje a gente ainda não recebeu nenhuma denúncia, mas as pessoas têm reportado muito esses problemas de sobrecarga [no uso do oxigênio]”, diz Jorge Henrique, ao citar os riscos de curto-circuito e falta de energia.

O Brasil de Fato tentou ouvir a Secretaria de Saúde do DF a respeito da falta do insumo, mas não conseguiu contato neste sábado.

O DF está em lockdown parcial por determinação do governador, Ibaneis Rocha (MDB), mas as políticas de isolamento têm sido marcadas pela instabilidade.

Atualmente, igrejas, academias e escolas, por exemplo, têm autorização para operar. Dados deste sábado mostram que a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes com covid no SUS está em 97% no DF.

Edição: Lucas Weber





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding