VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Tranquilizar os endinheirados, deixando o povo para trás, não pode estar no radar das forças de esquerda
Avenida Paulista, 24J. Foto: Luiz Carlos Azenha
Você escreve

Tranquilizar os endinheirados, deixando o povo para trás, não pode estar no radar das forças de esquerda


12/09/2021 - 20h26

Com quem estamos na luta contra Bolsonaro?

Por Jair de Souza*

Não há dúvidas de que estamos atravessando um momento de suma gravidade na história brasileira.

O país está à beira de uma definição que pode ser determinante para nosso rumo no futuro.

O neofascismo bolsonarista, que chegou ao governo no processo fraudulento prévio às eleições de 2018, está dando mostras de que não pretende abrir mão de seu projeto de poder e, por isso, está empenhado em eliminar os entraves que lhe impedem de montar as estruturas de um estado totalitário sob seu comando.

Para que possamos entender melhor as dificuldades do presente e prepararmo-nos para agir em conformidade com as exigências do contexto, convém revisar os acontecimentos históricos relacionados com o fascismo nos países onde ele surgiu e adquiriu suas formas clássicas, a Itália e a Alemanha, e traçar um paralelo com o que estamos vivenciando no Brasil na atualidade.

Ao fazer isto, podemos constatar que a questão relacionada com a necessidade ou não-necessidade de uma aliança entre forças sociais diversificadas sempre esteve na pauta de discussões dos que se opunham ao fascismo.

Não tanto em razão de os fascistas constituírem a maioria da população, uma vez que, revendo os fatos históricos, no momento em que assumiram o governo, nem Mussolini nem Hitler contavam com o apoio majoritário das populações de seus respectivos países.

Os estudos indicam que as raízes do fascismo não se estendem muito além de certos setores de classe média baixa e de grupos desclassificados da sociedade que, embora sofram os efeitos severos das crises capitalistas, não conseguem identificar os verdadeiros motivos causantes de seu sofrimento.

Ou seja, o número de adeptos de base do fascismo não costuma ser muito expressivo.

O que realmente pesa e lhes dá maior relevância é sua disposição para a prática da violência intimidatória contra seus adversários.

O fascismo costuma se transformar em uma força significativa quase que somente naqueles momentos de caos social em que a grande burguesia teme o avanço político das forças populares, mas os partidos e instituições que tradicionalmente a representam não conseguem mais dar conta do recado.

Em tais situações, essa burguesia deixa de lado seus pruridos e aceita entregar a defesa de seus privilégios às forças fascistas, por mais degeneradas que estas sejam.

Foi assim que Mussolini chegou ao governo na Itália, foi desse jeito que Hitler chegou ao governo na Alemanha e, de maneira muito semelhante às dos processos anteriores, Bolsonaro chegou ao governo no Brasil em 2018.

Em curiosa analogia com o que ocorre atualmente no Brasil em relação a Bolsonaro, as grandes burguesias que emprestaram seu apoio para a tomada de poder por Mussolini e Hitler também acreditavam que teriam condições de domesticar as bestas que estavam engendrando.

No entanto, agora como então, o monstro do fascismo demonstrou ser quase que indomável.

Apesar de estar totalmente identificado com os interesses econômicos das grandes burguesias dominantes (em nosso caso, especialmente a financeira e a do agronegócio), Bolsonaro não quer ceder a batuta de comando de volta a seus representantes tradicionais, e seu jeitão de arruaceiro não inspira a confiança desejada pelos cânones do mercado.

Bolsonaro vem atendendo em sua plenitude as reivindicações econômicas do grande capital, sendo capaz de avançar até mais na implementação desses interesses do que seus representantes clássicos estariam dispostos a ir.

Tanto assim que ele não hesitou em aprofundar o processo de desmantelamento da Petrobrás e entrega do pré-sal, não vacilou na privatização da Eletrobras e dos Correios, etc.

Por outro lado, para os trabalhadores só tem havido desgraças: retirada de direitos da CLT, inviabilização da aposentadoria, desmonte de programas sociais (Bolsa-Família, Minha Casa Minha Vida, Pro-Uni, etc.), manutenção por 20 anos do congelamento dos recursos para saúde e educação públicas, entre outras perdas.

Consequentemente, os trabalhadores têm muitos motivos para unir forças com outros setores sociais para enfrentar o governo neofascista.

No entanto, o que desgraça a vida dos trabalhadores não é o jeitão imbecilizado de Bolsonaro, não é seu palavreado chulo, nem sua falta de civilidade.

O que realmente conta para os trabalhadores é que a política econômica implementada pelo governo Bolsonaro e a retirada dos direitos trabalhistas fundamentais estão levando a classe trabalhadora a uma situação de miséria e penúria nunca antes experimentada.

Para as grandes burguesias, Bolsonaro aparece como uma figura de pouca serventia nesta fase do processo.

Ele provou ser-lhes muito útil na hora em que precisavam de alguém que não titubeasse diante dos trabalhos sujos que desejavam executar, mas não dispunham de ninguém de seus próprios quadros em condições de realizá-los.

Nesse instante, Bolsonaro lhes foi de muito valor e importância.

Mas, o momento agora é outro.

Na fase atual, o que as classes dominantes querem é encontrar alguém que lhes ofereça condições de previsibilidade para tirar proveito de tudo o que conseguiram desde o golpe de 2016.

O santo mercado abomina as incertezas.

Ele precisa e exige que sua lucratividade tenha perspectivas seguras.

Isto de que “empreendedorismo é aceitar riscos” só vale para enganar bocós.

É claro que é possível aceitar acordos de aliança entre as forças políticas que representam os interesses dos trabalhadores e as que representam os interesses burgueses com base no Fora Bolsonaro.

Mas, precisamos explicitar os fundamentos do que isto significa.

Lutar para preservar ou recuperar a democracia não deveria significar simplesmente retirar da presidência um monstro escroto e degenerado, deixando intacta a base da política econômico-social que o tal monstro escroto e degenerado implementou contra os trabalhadores.

Se em lugar de estar atendendo as reivindicações econômicas das classes dominantes, Bolsonaro estivesse oferecendo melhores salários para os trabalhadores, melhores condições de atendimento médico para os trabalhadores, melhores condições de moradia para os os trabalhadores, etc., nós também poderíamos aguentar sua presença no governo por mais algum tempo sem grandes problemas.

Se as classes dominantes tivessem condições de livrar-se de Bolsonaro por sua própria conta, não estariam buscando apoio no campo popular.

Se o fazem, é porque dependem de nosso apoio.

E nosso apoio tem de ter preço.

É claro que se a esquerda trabalhista também fosse capaz de derrotar o governo fascista sozinha, não teria nada a tratar com a burguesia.

Como todos dependem da contribuição mútua para poder sair do atual estado de penúria, é preciso que seus representantes se juntem para negociar os termos da aliança a ser formada.

E o campo popular não pode abrir mão dos pontos essenciais de sua luta.

Nossa reivindicação não é só a retirada da figura nefasta de Bolsonaro, mas também de sua política que nos é nefasta.

Os entendimentos precisam ser negociados por representantes legítimos de todas as forças sociais.

Deixar de levar em conta os interesses e necessidades imediatas das maiorias para não assustar os representantes do grande capital é inadmissível.

No mais, que a aliança seja o mais ampla possível.

*Economista formado pela UFRJ; mestre em linguística também pela UFRJ





17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique Martins

13 de setembro de 2021 às 12h03

Ainda para os navegantes da oposição:

A comparação que eu faço é a seguinte: o carnaval é uma festa coletiva com a participação do povo e das escolas de samba nas avenidas. Cada escola desfila com seus participantes e um samba enredo, mais a festa é uma só.
No nosso caso, o carnaval é o FORA BOLSONARO.
Obviamente que, o ideal mesmo é que houvesse uma união genuína entre direita e esquerda em oposição ao governo Bolsonaro. Mais se não houver jeito, talvez essa seja a solução. Daí, quem quiser fazer política para os seus candidatos em 2022 que faça matando dois coelhos com uma só cajadada.

Responder

Henrique Martins

13 de setembro de 2021 às 11h34

URGENTE PARA OS NAVEGANTES DA OPOSIÇÃO,

No dia 07 de setembro – dia em que comemoramos a independência do Brasil – a extrema direita tentou um segundo golpe militar no Brasil para preservar a conquista do primeiro golpe que começou na deposição de Dilma Roussef.
Soube que o PT marcou protestos para o dia 02 de outubro e 15 de novembro. Digo que o dia 15 de novembro é perfeito para um segundo ato porque neste dia comemoramos o dia da proclamação da república e a turma da extrema direita é monarquista e quer fazer de Bolsonaro o rei do Brasil. O ato do dia 02 de outubro poderá funcionar como ensaio geral para um cheque mate em 15 de novembro.

Caso não seja possível mesmo uma frente democrática ampla com o PT e os setores da direita e centro esquerda, eu sugiro que os atos da direita e esquerda sejam marcados para os mesmos dias e horários, porém em locais diferentes, e de preferência, próximos. De sorte que, a composição numérica nas ruas seja a mesma de uma frente ampla.

Responder

Henrique Martins

13 de setembro de 2021 às 11h05

Correção comentário anterior:

Inclusive, eu tenho a impressão que até a viagem que Bolsonaro fez a Israel em 2016 para o tal batismo estava dentro do plano para ARREBANHAR depois os evangélicos. Vão somando os pauzinhos que a soma decididamente é GOLPE.

Responder

Luciana Souza

13 de setembro de 2021 às 09h33

Que a Aliança seja o mais ampla o possível, o nosso objetivo não é só tirar o Bozo do poder, é tb acabar com esse plano de governo desgraçado que está nos destruindo, acabando com os nossos direitos trabalhistas.

Responder

Henrique Martins

13 de setembro de 2021 às 09h05

Complementando comentário anterior:

Li na internet que Adélio Bispo tem um transtorno delirante.

Responder

    Moacir R. de Pontes

    13 de setembro de 2021 às 17h16

    Transtorno perfeito para bolsonaristas/golpistas terrívemente delirantes!

José Espare

13 de setembro de 2021 às 09h04

Em vista do exposto neste artigo, como explicar a participação de algumas pessoas de esquerda no ato do MBL? Se o MBL é a própria incorporação do imperialismo estadunidense, como justificar um apoio a sua manifestação? Não pode ser que o frenteamplismo considere que para derrotar o fascismo se faça aliança com a essência do próprio fascismo. O MBL e o morismo fazem parte do mesmo pacote. Será que também tem gente de esquerda propondo que nos somemos a Moro para derrotar Bolsonaro? E ainda mais, quanto ao ato de ontem, como aceitar que ajudem com sua presença a chancelar com o carimbo democrático uma manifestação das forças mais antipopulares do país? Como disse Breno Altman, precisamos ler com atenção o novo livro de Lênin, Frenteamplismo, a doença senil do comunismo, que foi escrito espiritualmente.

Responder

    Henrique Martins

    13 de setembro de 2021 às 11h03

    Tudo indica que você entendeu quando eu disse que ‘existem mais coisas entre o céu e a Terra do que julga a nossa vã filosofia’.

Luiz Rocha

13 de setembro de 2021 às 08h25

Excelente analise! Parabéns! Se a pessoa que leu, e a ficha não caiu, sugiro voltar ao parágrafo para perceber as engrenagens do que pode ser nossa total destruição, oxalá, nossa salvação. O que está por vir já foi escrito nas historias políticas de outros países. O FIM DO BRASIL É UMA DESGRAÇA ANUNCIADA MAS PODEMOS MUDAR O RUMO. O colapso já é. Engraçado é uma lucidez que se apresenta com o nome; Jair. Jair louco X Jair São.

Responder

Henrique martins

13 de setembro de 2021 às 00h42

Complementando comentários anteriores:

Inclusive, eu tenho a impressão que até a viagem que Bolsonaro fez a Israel em 2016 para o tal batismo estava dentro do plano para arrebentar depois os evangélicos. Vão somando os pauzinhos que a soma decididamente é GOLPE.

Responder

    Henrique Martins

    13 de setembro de 2021 às 11h04

    #arrebanhar

Marco Vitis

13 de setembro de 2021 às 00h18

Todo esquerdista costuma repetir que devemos aproveitar os ensinamentos da História. Então, vamos lá.
A História mostrou que Hitler só foi derrotado quando Churchill, Roosevelt e Stálin fizeram uma aliança.
Apesar da pequena participação na Paulista neste 12/9, houve um saldo positivo; líderes de diversos partidos estiveram unidos (apesar das diferenças) e isto demonstra a possibilidade de uma Frente Ampla pra derrotar o nazifascistas ignorante de Bolsonaro. Mas há quem queira preservar Bolsonaro pra se viabilizar em 2022.

Responder

    Moacir R. de Pontes

    13 de setembro de 2021 às 17h25

    Hitler já estava derrotado. Só era urgente garantir que os soviéticos não assumissem tudo sozinhos!

Henrique martins

13 de setembro de 2021 às 00h10

Quando eu digo que foi a extrema direita que deu o golpe no país, não quer dizer que figuras políticas da direita como o senhor Aécio Neves – aquele que é ‘100% Bolsonaro’ – nao estivessem com ela.

Responder

Henrique Martins

12 de setembro de 2021 às 23h55

https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/aldemario-araujo-castro-o-terraplanismo-constitucional-do-general-heleno-que-inspira-bolsonaro-e-os-seus.html

Os generais de pijama deram o golpe com a eleição de Bolsonaro. Eles – com certeza – já tinham planejado vir com a tese de intervenção militar usando o artigo 142, da CF, isto é, caso fosse preciso.

Responder

Henrique martins

12 de setembro de 2021 às 21h59

Que eu saiba Adélio Bispo é doente mental. Pergunta que nao se cala: que tipo de doença mental será que esse homem tem?

Responder

Zé Maria

12 de setembro de 2021 às 20h59

BolsoCorno&Temer publicaram a Nota para o Mercado,
no dia 09/9, e o Lira imediatamente pautou para 14-16
a Defórma Anti-Administrativa do Guédes (PEC 32).

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding