VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Sinduscon-Rio recomenda não utilizar amianto em obras


22/06/2010 - 23h11

por Conceição Lemes

Manuseio, comercialização e utilização de produtos contendo amianto, ou asbesto, estão proibidos há quatro anos no Rio Janeiro. O motivo é o risco à saúde. Já está cientificamente comprovado que todos os tipos são cancerígenos ao ser humano, inclusive a crisotila, extraída e comercializada no Brasil.

“Nós resolvemos reforçar essa decisão e recomendamos aos nossos associados que não utilizem produtos à base de amianto nas obras”, afirma ao Viomundo Roberto Kauffmann, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio de Janeiro, o Sinduscon-Rio. “O nosso foco principal é a construção com sustentabilidade e inovação tecnológica. Evidentemente isso exclui o amianto. Ao mesmo tempo, a gente protege o meio ambiente, a saúde do trabalhador do setor e da população.”

“Aqui, a maioria das empresas já não utiliza amianto há um bom tempo”, acrescenta Kauffmann. “Há um consenso de evitá-lo e utilizar outros materiais.”

UM DOS MAIS POTENTES CANCERÍGENOS AO SER HUMANO

O amianto está proibido também em São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco.

Banido atualmente em 58 países, causa prejuízos sérios à saúde humana, provocando asbestose (endurecimento do órgão, que leva lentamente à morte), câncer do pulmão e mesotelioma, que é 100% fatal. O mesotelioma é um tumor maligno que acomete o pericárdio (camada que reveste externamente o coração), o peritônio (camada que reveste internamente a cavidade abdominal) e pleura (camada que reveste o pulmão). O amianto é  a maior causa conhecida de causar o mesotelioma.

É reconhecido com um dos mais potentes cancerígenos industriais ao ser humano. O efeito cancerígeno não é dose-dependente.

É a posição unânime das mais importantes instituições científicas e/ou relacionadas à saúde do mundo. Entre elas, a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (a IARC, com sede em Lyon, na França), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (INSERM), da França, e Instituto Nacional de Saúde e Segurança Ocupacional (NIOSH), dos Estados Unidos. No Brasil, assinam embaixo o Instituto Nacional do Câncer (Inca)  e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ambos no Rio de Janeiro e ligados ao Ministério da Saúde.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


33 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Loja de materiais de construção fora da lei: anuncia e vende produtos de amianto | Viomundo - O que você não vê na mídia

19 de agosto de 2011 às 10h15

[…] Sinduscon-RJ recomenda não utilizar amianto em obras   […]

Responder

Urbano

24 de junho de 2010 às 02h04

Produtos fabricados com asbesto quem utiliza são 'asbestas'.

Responder

    Gerson Carneiro

    24 de junho de 2010 às 08h54

    Ou os asbestados.

Gerson Carneiro

23 de junho de 2010 às 17h16

Os efeitos maléficos do amianto são idênticos/mesmos dos provocados por cerâmica?

Na região de Pedreira-SP há casos de câncer de pulmão em pessoas que trabalharam na indústria de cerâmica, e os efeitos da manipulação da cerâmica (não sei exatamente o nome do produto) me parece ser tão grave quanto.

Responder

    Conceição Lemes

    23 de junho de 2010 às 20h50

    Gerson, a dra. Fernanda Giannasi responderá mais tarde. Ela é engenheira civil especializada em segurança do trabalho. Abs

Leider_Lincoln

23 de junho de 2010 às 16h50

Infelizmente aqui em Goiás o lobby do amianto conquistou muitas cabeças com base do "nós contra eles", do discurso dos "interesses malignos e camuflados das multinacionais", como se a Sama não fosse ela mesma, propriedade de uma multinacional.

Responder

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 17h36

    É verdade Leider, como aí em Catalão, que se desenvolveu com as multinacionais Mitsubishi, John Deere….

    Leider_Lincoln

    23 de junho de 2010 às 20h47

    Mais: Anglo American, Vale, Cargill… Mas somos também a "capital da calcinha" [moda íntima feminina]! E isso é 100% capital goiano!

Rodrigo Alonso

23 de junho de 2010 às 15h03

A mais de 20 anos não temos novos casos de doença causada pelo amianto no Brasil, apenas casos remanecentes dos outros tipos de amianto que não sejam o Cristila. Os senhores poderiam visitar a SAMA minerações ou então alguma fábrica de telhas.
E então verificar como funciona o processo produtivo e ter maiores informações para tomar partido na discussão.

Responder

    clemes

    23 de junho de 2010 às 18h16

    Rodrigo, quem garante que todos os tipos de amianto, inclusive a crisotila, são cancerígenos ao ser humano são instituições científicas de peso e respeitadas no mundo inteiro. Abs

    FABIO BAHIENSE

    20 de agosto de 2011 às 20h24

    Perfeito Rdrigo !! o Lobby do amianto no Brasil é fortissimo !!
    Por que sera que o CANADÁ é um dos maiores exportadores de amianto,o mineral cancerigeno, e PROIBE no seu proprio país a utilização deste??!?!
    FABIO BAHIENSE Eng Civil Ambiental
    RJ -RJ

Davi

23 de junho de 2010 às 15h46

Caixas d'água de amianto são perigosas, podem causar doenças?

Responder

    clemes

    23 de junho de 2010 às 18h12

    Davi, a engenheira Fernanda Giannasi responderá pra vc mais à noite. Abs

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 17h11

    Como Engenheiro Civil, Davi, digo que não causam. O que causam doenças, e pode ser por qualquer material que seja feita a caixa, é a falta de limpeza da mesma. Este material, o amianto, é sim cancerígeno, mas in natura. Depois de processado(e na mineradora SAMA, ele é retirado, triturado, separado e embalado de forma automatizada e informatizada, ao contrário das minas de carvão mineral, que é tudo feito manualmente), ele não causa nenhum malefício à saúde, tanta as caixas d'água, quanto as telhas. O que há é um poderoso interesse economico por trás disso.

    Conceição Lemes

    23 de junho de 2010 às 20h47

    Davi, vá a uma loja de material de construção. Leia o que está escrito na telha. Terá a prova do que eu estou falando. Se vc tiver alguma dúvida, acesse o site do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Là vc terá a certeza de que tudo o que o VIOMUNDO informa sobre amianto está cientificamente comprovado. Aqui, lobby econômico não tem espaço. O nosso compromisso é com a verdade factual. Abs

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 22h16

    Conceição, eu não estou colocando em dúvida a seriedade do Viomundo..se duvidasse, faria o que faço com sites como o da Veja, Isto É, entre ouitros…nem entro, passo longe. O que ocorre na verdade, é que o pó da retirada do amianto in natura na mineradora se espalha no ar em Minaçu. Tanto, que os mais atingidos são os moradores locais. Longe de querer colocar em xeque a seriedade de voces.

    FABIO BAHIENSE

    20 de agosto de 2011 às 20h35

    Como Eng Civil , Davi , digo que podem causar doenças sim.A falta de higienização e limpeza podem causar doenças ,porem especificamente do caso em questão ,sabe-se que microfibras de amianto que com o tempo de uso e mesmo em decorrencia das limpezas das caixas ,soltam-se do recipiente e são ingeridas pelo consumidor ,podendo causar canceres no aparelho digestivo.Farto material é encontrado na literatura ,bem como em Laudos emitidos pelo INCA. Posso te enviar por email material que possuo e estudo .

    Fabio Bahiense
    Eng Civil Ambiental

    Carla

    13 de janeiro de 2012 às 18h46

    Desculpe-me, mas você não sabe o que está falando. Dizer que o amianto só é perigoso in natura mostra ignorância. O interesse econômico é exatamente daqueles que insistem em dizer que o amianto não causa cancêr.

Jairo_Beraldo

23 de junho de 2010 às 15h58

O que existe sobre o amianto, é uma grande falácia…ou seria o carvão mineral menos maléfico à saúde que o amianto…que se feche, então, as minas de carvão em Santa Catarina.

Responder

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 14h14

    Conceição,
    Eu moro em Goiás, conheço Minaçu, conheço a SAMA e tenho amigos que trabalham lá. As ocorrrencias de câncer nos trabalhadores da empresa mineradora, é inferior a 2%. Nas minas de carvão de SC, a incidencia é de 20%, 10 vezes mais.

    clemes

    23 de junho de 2010 às 18h09

    Jairo, vc acaba de nos revelar um dado importante. O Grupo Eternit/Sama diz que, desde 1980, não há registros de doenças causadas pelo amianto entre os trabalhadores da empresa. Vc diz que os casos de câncer são inferiores a 2%. O que significa há casos de câncer, sim. E agora? Teus amigos não vão gostar do que vc acaba dizer. Abs

    clemes

    23 de junho de 2010 às 18h21

    Jairo, não se trata de gincana pra ver qual o mineral que causa mais malefícios à saúde humana. O amianto crisotila é cancerígeno ao ser humano. E ponto. Abs

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 17h34

    Eles passam estes dados a quem quiser. Toda e qualquer categoria de trabalhadores tem incidencia de malefícios à saúde. O problema, é que estão indo na onda de uma certa Dra Fernanda. Só não entendo porque a Dra Fernanda não faz um estudo nas minas de carvão de SC, já que ela está tão preocupada com o bem estar e da saúde dos trabalhadores do extrativismo mineral.

    francisco.latorre

    24 de junho de 2010 às 02h08

    argumento falacioso.

    uma coisa é uma coisa. a outra.. etc..

    isso é isso. aquilo é outra conversa.

    igual chamar cuba pra desviar. sem essa.

    ..

    minas de sc?.. legal.. vamos discutir.

    amianto?.. veneno.

    mais.. desnecessário. superado técnicamente.

    ..

    Gerson Carneiro

    23 de junho de 2010 às 20h47

    Beraldo,

    O Marconi Brasil indicou até a lei que proíbe o uso desse produto. Se há proibição legal não há o que discutir. E o que deve ser levado em consideração é a saúde dos trabalhadores. Ainda que haja apenas um único caso.

    Vi certa vez (há muito tempo) uma reportagem sobre trabalhadores que adoeceram em consequência do pó da cerâmica e é terrível cara. Imagina não ter forças nem para respirar, e ao faze, ao dilatar e contrair, o pulmão doe.

    Então rapaz, independentemente de qualquer coisa o que deve ser levado em consideração em primeiro lugar é a saúde do trabalhador.

    Gerson Carneiro

    23 de junho de 2010 às 21h03

    E mais: esse pessoal (trabalhadores) quando fica doente é simplesmente afastado, recebe uma mísera aposentadoria (quando o INSS reconhece) e fica em casa sofrendo. Então esse é o tipo da coisa que deve mesmo ser erradicada, não importando aonde nem quem mandou.

    Jairo_Beraldo

    23 de junho de 2010 às 22h18

    Carneiro, o que estou tentando colocar, é que tem extrativismo mineral, que é mais perigoso para os trabalhadores que o amianto. Só isso!

    Gerson Carneiro

    23 de junho de 2010 às 22h00

    Berardão, vamo com calma que nem eu nem você somos gabaritados pra dizer o que é ou não mais perigoso para os trabalhadores. Vamos partir do seguinte princípio: trabalhador desse setor (principalmente) está no lado mais frágil do polo. Então tudo que vier para beneficiá-lo será sempre bem vindo. Ainda mais quando cientificamente fundamentado. Combinado? Abs. E você vai me pagar uma no Encontro dos Blogueiros por essa.

Marconi Brasil

23 de junho de 2010 às 14h44

Extração, produção, industrialização, utilização e comercialização de asbestos/amiantos estão proibidos pela Lei Federal nº 9.055, de 1º de junho de 1995. Não se trata de volutarismo do Sinduscon, eles DEVEM se abster desse uso, por ilegal!

Abraços fraternais.

Responder

    FERNANDA GIANNASI

    23 de junho de 2010 às 13h01

    Prezado Marconi, infelizmente a lei citada por você (9055/95) proíbe os outros tipos de amianto, que representam menos de 5% de todo o amianto utilizado no mundo e que no Brasil nunca representou mais de 1%. Portanto, o que proíbie a lei 9055/95 é nada, já que liberam o amianto branco ou crisotila, que é 100% da utilização em nosso país. Esta lei é uma aberração pois garante a produção, comercialização e utilização do mineral cancerígeno. Tanto é que a ANPT-Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho e a ANAMATRA-Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho ajuizaram um ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade a de n. 4066/2008) para que seja declarada inconstitucional esta aberração jurídica. Agora aguradamos que entre na pauta do STF a votação desta ADI o quanto antes para pôr fim a esta lei que autoriza a matar no país inocentes expostos à fibra assassina.

    Marconi Brasil

    01 de julho de 2010 às 17h57

    Prezada engª Fernanda, entendo perfeitamente o que disse e concordo.

    Porém, as categorias de amianto indicadas na lei são, de fato, as que mais oferecem riscos à saúde. Desde meu curso técnico de química (lá nos anos 1980, então anterior à lei de que falamos) já se mencionava os riscos. Aliás, nos laboratórios já se usava muito pouco aquela placa de amianto (me perdoe, já faz tempo que não lido com isso) que era colocada entre a chama do Bico de Bunsen e o balão de ensaio, por potencialmente danoso.

    Abraços fr.

blogdacoroa

23 de junho de 2010 às 11h47

Uma aula de história e bons modos a Dunga
http://blogdacoroa.wordpress.com/2010/06/23/uma-a

Responder

blogdacoroa

23 de junho de 2010 às 11h32

Em cinco anos, desnutrição infantil cai 62% no Brasil
http://blogdacoroa.wordpress.com/2010/06/23/em-ci

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!