VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rogerio Galindo: Por que vereadores pegos em rachadinhas, assédio sexual e racismo não foram cassados e Renato Freitas será?
Renato Freitas em sessão do Conselho de Ética. Foto: Carlos Costa/CMC
Você escreve

Rogerio Galindo: Por que vereadores pegos em rachadinhas, assédio sexual e racismo não foram cassados e Renato Freitas será?


13/05/2022 - 11h53

Dez crimes que levaram à cassação de Renato Freitas

Negro, pobre, periférico, Renato Freitas acreditou que era possível lutar contra o racismo e a exclusão e sair impune. Mas a Câmara nos mostra mais uma vez que isso é impossível

Por Rogerio Galindo, na Plural

Por que a Câmara de Curitiba vai cassar Renato Freitas?

Punir um colega vai contra tudo que os vereadores da cidade acreditam – e no entanto, ficou claro que dessa vez não há escapatória.

Derrotado no Conselho de Ética, Renato provavelmente sofrerá um resultado ainda mais humilhante em plenário. Perderá não só o mandato como os direitos políticos.

Não exercerá mais o cargo para o qual foi eleito, nem poderá disputar as eleições de outubro.

Mas por quê?

A Câmara de Curitiba é conhecida por seu corporativismo: teve todas as oportunidades para cassar mandatos, e sempre recuou.

Um presidente que mandou por 15 anos a Câmara com mão de ferro foi pego em um escândalo milionário – não foi cassado.

Vereadoras foram pegas fazendo rachadinha em seus gabinetes – não foram cassadas. Um vereador cometeu assédio sexual – não foi cassado. Outro cometeu racismo explícito – e escapou.

Por que Renato Freitas não escapará?

Por que pela primeira vez a Câmara decide que é preciso punir como máximo rigor um de seus pares. Uma vereadora que roubou o erário perdeu apenas o direito de falar ao microfone por uns dias. Renato Freitas será cassado, expulso da Câmara, expelido da vida política de Curitiba – será enxotado como um cão indesejado que entrasse pela porta da Câmara. Por quê?

Há motivos para isso, e não são difíceis de se perceber. Renato Freitas é vereador, e aí acaba toda a semelhança entre ele e seus pares julgados anteriormente. Em todo o resto ele é uma exceção. E ser fora do padrão é seu crime.

O primeiro erro de Renato Freitas foi nascer preto. O segundo foi nascer pobre. O terceiro foi nascer na periferia.

Claro, há outros vereadores negros (poucos). Há quem tenha nascido pobre, e sempre há os representantes da periferia. Mas Renato Freitas é diferente dele também. Porque há outros crimes que o levam a ser alvo dessa cassação.

Ao contrário de outros vereadores negros, ele é um dos dois únicos que fez da raça a causa de seu mandato – a outra é Carol Dartora, e não seria de se espantar se ela for a próxima.

Ao contrário de outros vereadores pobres, Renato Freitas fez da defesa dos pobres um motivo de seu mandato. Não usou seus eleitores para trocá-los por emendas, por cargos e privilégios, e sim realmente tentou mudar suas vidas.

Ao contrário de outros vereadores periféricos, Renato Freitas continuou estando à margem: fez questão de manter seu cabelo afro, para horror da Câmara; e para horror da Câmara, veste camiseta, anda de skate, fala como quem é.

Esse é o quarto crime de Renato – não ter mudado depois da eleição, nem ter decidido que a política era algo que deveria mudar sua vida. Muito pelo contrário, ter tomado a decisão de ser quem é e de usar a política para mudar a vida de seus eleitores.

O quinto crime de Renato Freitas foi achar que não era preciso baixar a cabeça. Que chegando à Câmara seria possível ser encarado como um igual. Isso jamais acontecerá. No mandato, foi chamado de moleque, destratado, detido, preso, arrastado, levado à força pela Guarda Municipal, que subiu em seu corpo negro e algemado, como numa pintura do século 18.

O sexto crime de Renato foi acreditar que a Câmara era um lugar para se fazer política, para lutar por causas, e não para se dobrar ao prefeito, aos empresários, aos donos da cidade.

O sétimo foi sua convicção de que uma cidade pode mudar rapidamente, que é possível convencer as pessoas de que é possível viver sem se sujeitar a regras econômicas injustas, que é dever de um político se rebelar contra o que vê de errado.

O crime de número oito foi ter orgulho. O de número nove foi não ter medo.

Mas o décimo crime, o realmente imperdoável, foi o de revelar com sua coragem o quanto são pusilânimes os vereadores em sua maioria.

Aqueles que se elegem em nome da ambição pessoal; que se realizam ao ganhar loas e cargos; que vivem para si e para navegar em privilégios; e que jamais pensaram em mudar nada com seus mandatos.

Pelo contrário: pois na maioria os vereadores de Curitiba, como a maior parte dos políticos, existe para garantir que tudo permaneça exatamente como está.

Existem para garantir que os pobres continuem pobres.

Que o prefeito possa governar para os privilegiados sem que haja uma revolta.

Existem para garantir que a educação seja frágil e “sem partido”.

Para ter certeza de que a ganância dos empresários do lixo, do transporte, da saúde seja saciada e passe impune.

Ocupam seus mandatos para ser parte de uma máquina que garante a divisão da cidade em mandantes e mandados. Nos que podem tudo e nos que nada podem.

Revelar essa monstruosidade, revelar a cumplicidade da Câmara com tudo isso, é imperdoável.

Lutar contra o racismo quando a maioria dos vereadores é racista; cobrar justiça quando a maior parte da Câmara é injusta; exigir que as coisas mudem quando tudo o que os vereadores querem é que tudo permaneça no seu lugar, principalmente o que está errado; eis o crime imperdoável.

Renato Freitas será expulso da vida pública. Mas surgirão outros Renatos. Porque não é possível que isso permaneça para sempre. É preciso acreditar que as injustiças não perduram indefinidamente, ou perderemos a vontade de ser cidadãos.

A Câmara de Curitiba nos ensinou mais uma vez a eterna lição: não existe mudança que venha fácil.

Mas os eleitores jovens, negros, pobres, periféricos de Curitiba ainda vão prevalecer. E nesse momento, os atuais vereadores vão ser vistos pelo que são – artífices voluntários de uma cidade sempre mais injusta e excludente.

Leia também:

“Processo histórico de racismo”, afirma vereadora que votou a cassação de Renato de Freitas





5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José Ribeiro

16 de maio de 2022 às 06h55

Que Lula o convide pra um cargo em Brasília, no MInC, por exemplo. E q depois se candidate a dep. federal e denuncie o crime cometido pelos vereadores (minúsculos) de Curitiba.

Responder

abelardo

14 de maio de 2022 às 09h55

Contam os arquivos da imprensa, que na suposta República de Curitiba atuou juiz criminoso, parcial, ganancioso e, dizem, até com a suspeita de espião da CIA. Também teve governadores, prefeitos, políticos, policiais e empresários acusados de corrupção, desvios, parcialidade e e outros crimed. Teve policial punido por ser honesto e por não ajudar a encobrir os desvios de condutas de outros policiais. Teve, e ainda tem, como em muitos lugares do mundo, subornos, propinas, desvios, superfaturamento, abuso de poder, chantagens etc. Contra esses e a grande maioria de outras autoridades, nenhum deles foi punido pela lei e pelos políticos. Não preciso dizer que nenhum deles é de cor negra, pobre e da periferia. Apesar do racismo e do preconceito ser generalizado no Brasil e em grande parte do mundo, eu penso que a covardia do abuso em praticar o racismo se tornou, no Brasil, o crime hediondo mais tolerável, ignorado e até certo ponto visto com naturalidade e indiferença por muitos, e principalmente na região sul do país. Curitiba e o Paraná deixa a entender pela denúncia deste caso e os registros de arquivos, que não fazem por menos e se repetem e reincidem sem dó, sem razão e sem piedade, como infelizmente se pode constatar neste caso que indica um complô repugnante contra o vereador Renato Freitas.

Responder

Zé Maria

13 de maio de 2022 às 17h30

Renato será Cassado e Caçado

Primeiro porque é Negro;

Segundo porque representa a
Comunidade Pobre da Periferia; e

Terceiro porque é do PT.

Responder

    Zé Maria

    13 de maio de 2022 às 17h41

    Ou seja, numa sociedade majoritariamente
    Bolsonarista [leia-se: de Brancos Racistas],
    nem recorrendo ao Papa Francisco (Bergoglio)
    seria possível escapar da Caça/Cassação.

Henrique Martins

13 de maio de 2022 às 12h54

https://www.brasil247.com/blog/golpe-que-golpe
SIM. O nó de uma eventual tentativa de golpe é exatamente isso aqui:

“2) a candidatura Bolsonaro dificulta o golpe. Participar no vértice de todas as etapas de eleições tão gerais como as brasileiras implica mobilizar milhares de candidatos em todos os níveis. Envolve compromissos federais e com governadores em todos os 27 estados, o Distrito Federal e com outros candidatos aos governos estaduais, também com aqueles que concorrem ao terço do Senado ou às 513 vagas da Câmara Federal. O mesmo vale para as milhares de candidaturas às assembleias estaduais, sem falar dos partidos aliados, federados e coligados em todos os níveis. Cada uma dessas candidaturas é uma máquina social voltada para o resultado que depende das urnas eletrônicas. VALE PERGUNTAR: NA EXISTÊNCIA DE UM GOLPE ANTIFRAUDE, VÃO SER ANULADAS OU INTERDITADAS AS ELEIÇÕES E SEUS VENCEDORES, INCLUSIVE OS ALIADOS DO BOLSONARISMO, EM TODOS OS ESTADOS E NÍVEIS ATESTADOS PELAS URNAS ELETRÔNICAS? OU SÓ SERÃO VETADOS OS VENCEDORES DA OPOSIÇÃO?”

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding