VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Patrick Mariano: Nas praças de Brasília, desprezo pelos Galdino
Você escreve

Patrick Mariano: Nas praças de Brasília, desprezo pelos Galdino


26/08/2013 - 13h01

Nas praças de Brasília, o desprezo pela vida

por Patrick Mariano, especial para o Viomundo

O monumento estampado em foto neste artigo, talvez seja hoje, em Brasília, o mais importante de todos os pontos turísticos a ser visitado. O Palácio do Itamaraty com seu jardim de Burle Marx, as estupendas torres do Congresso Nacional e a ponte JK, entre tantas outras obras, belos templos da arquitetura moderna, nenhum deles supera, em relevância atual, este da foto.

Quase esquecido numa praça movimentada, representa o repúdio e a memória da cidade ao trágico e repugnante episódio da morte do índio Galdino, ocorrido na madrugada do dia 20 de abril de 1997, em um ponto de ônibus da 703/704 sul, da via W3 (movimentada avenida comercial da cidade).

Como todos sabem, Galdino dormia enquanto jovens da classe média brasiliense, derramaram gasolina em seus cobertores e atearam fogo. Disseram que queriam fazer uma brincadeira e que imaginavam se tratar de um mendigo.

É bom que se diga, que a capital do Brasil com suas agradáveis entrequadras, ruas largas e avenidas de belo traço urbanístico, já produziu ícones da juventude como a Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial, todos num contexto de contestação e de afirmação da juventude, como capaz de revolucionar os costumes e as ideias.

A Universidade de Brasília, projeto educacional fantástico concebido por gênios como Darcy Ribeiro e Roberto Salmeron, foi símbolo da resistência contra a indigência moral e intelectual do conservadorismo no Brasil, personificada, à época, pelo regime ditatorial.

Honestino Guimarães, estudante desaparecido por lutar contra a truculência estulta dos militares é lembrado até hoje pelos jovens idealistas da UNB. Ou seja, embora sendo uma capital jovem, não faltam heróis para cultuar.

No entanto, o monumento que representa a não aceitação dos brasilienses à morte do índio Galdino está abandonado pelo poder público. Pichado, com pintura descascando, representa também o pouco caso, infelizmente, com importante fato histórico. As torres do Congresso sempre estão com a pintura em dia, assim como o acervo do Itamaraty, mas o memorial do índio Galdino padece.

Pobre do povo que não reflete sobre o seu passado. Pobre dos cidadãos cujos governantes, pela inércia, abandonam às intempéries da chuva, seca e poeira, monumentos de reflexão, partes da história de uma sociedade. O risco é que as novas gerações, por não saber o que se passou, insistam nos erros do passado.

“Vou ensinar como se põe fogo em mendigo”

Na madrugada de 1 de agosto deste ano, jovens de classe média da mesma Brasília, numa cidade satélite próxima ao lugar em que o índio foi assassinado, despejaram gasolina sobre o corpo de  Edvan Lima da Silva, 49, e atearam fogo. Edvan faleceu três dias após, em decorrência das queimaduras.

A “razão”, se é que se pode encontrar racionalidade nesta ação, teria sido dada por uma jovem de 17 anos: por ter sofrido tentativa de assalto praticada pelos moradores de rua, resolveu se vingar. Inexiste qualquer registro policial desta ocorrência.

A frase acima foi proferida pelo autor do fato, um jovem de 18 anos.

O desprezo com que é tratada a população em situação de rua nas grandes cidades brasileiras, somado à banalidade da vida e a ausência de valores como alteridade e solidariedade, constituem a marca de uma sociedade doente.

Dados consolidados pelo Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos das Pessoas em Situação de Rua, nos dá a dimensão do problema: em onze meses de 2012, foram registrados 165 assassinatos.[1]

A invisibilidade de alguns seres humanos ocorre em cada semáforo, estacionamento ou praça e é estimulado dia a dia pelo medo incutido pelos grandes meios de comunicação de massa, fruto de uma sociedade injusta, desigual, baseada no consumo e egoísmo desenfreado.

A resistência da sociedade

Acho louvável a atitude da igreja em ajudar os pobres, e a gente colabora sempre que possível, mas aqui ao lado vai atrair pessoas indesejáveis.[2] 

Recentemente, no bairro de Santa Cecília, cidade de São Paulo, moradores se insurgiram contra ação do poder público em construir um Centro Social de acolhimento para as pessoas em situação de rua.

A frase acima, dita por uma das moradoras do bairro, representa bem o distanciamento entre o Brasil que consome e os outros Brasis. E o que é mais preocupante, retrata o preconceito que ainda, infelizmente, se faz presente em alguns setores da sociedade.

A desinformação e o preconceito sobre as pessoas em situação de rua levam, na maior parte dos casos, a ações de esquecimento e anulação do outro, como se a vida dessas pessoas fossem indignas de serem vividas. Seriam então, seres humanos sem direitos. Essa falta de alteridade e solidariedade com a vida humana termina por justificar pensamentos e ações bárbaras que, vez ou outra, assistimos estarrecidos.

Quando se quer melhorar urbanisticamente um bairro é comum usar o termo revitalização. Por ironia, a primeira ação que se faz, para tanto, é retirar para bem longe, a vida daqueles indesejáveis. Quando isto não se faz possível, se pratica violência contra seus corpos. Ou seja, não se revitaliza nada! Apenas se nega a vida em plenitude para estes seres humanos.

Ainda há esperança

Em Montevideo, na última onda de frio polar que atingiu nosso continente, três dias antes da previsão de neve pela meteorologia, autoridades saíram a las calles para atender pessoas em situação de rua. Na TV, o fato era constantemente repetido e o termo era esse mesmo: “pessoas em situação de rua”.

O cuidado com o outro estimulado por autoridades públicas e divulgado em rede nacional de televisão representa o valor da solidariedade e alteridade e, claro, nos chama a atenção.

No próprio Distrito Federal, a Secretária de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda-CEDEST tem feito trabalho importante nesta área. Assim como várias iniciativas em âmbito federal, como o Consultório de Rua.

A Pesquisa “Renovando a Cidadania”, realizada pela Universidade de Brasília, verificou que, das 2.512 pessoas que vivem em situação de rua no DF, 71% dos adultos trabalham para o próprio sustento, sendo que os casos de drogadição são minoria, sendo o maior percentual (23,3%), de pessoas que romperam vínculos familiares. [3] 

No entanto, muito ainda há que ser feito. Infelizmente, estereótipos como mendigo, morador de rua, traficante, criminoso e bandido reforçam a separação entre a sociedade que consome e “paga seus impostos” daqueles que vagam excluídos pelo capitalismo, em busca de uma vida digna e plena.

Talvez, se déssemos mais atenção ao nosso passado, poderíamos evitar tragédias como as que vitimaram e vitimam essas pessoas. Quem sabe, se o monumento acima estivesse mais bem cuidado e melhor localizado, os jovens de hoje refletissem sobre os erros do passado.

Quem sabe desejariam se tornar um Renato Russo ao invés de, covardemente, atear fogo em seres humanos que, inofensivamente, dormem sobre os bancos de praças e pontos de ônibus, em grande parte das cidades brasileiras.

Patrick Mariano Gomes é mestre em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília e integrante da Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares – RENAP.

[1] http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-03-15/dados-do-cnddh-mostram-que-165-moradores-de-rua-foram-mortos-no-pais-desde-abril-de-2011

[2] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/06/1289361-centro-social-para-morador-de-rua-provoca-discordia-em-santa-cecilia.shtml

[3] http://noticias.r7.com/distrito-federal/noticias/71-dos-adultos-moradores-de-rua-do-df-trabalham-para-o-proprio-sustento-20121119.html

Leia também:

Governo Alckmin contrata por R$ 2,7 bilhões empresas acusadas de envolvimento no propinoduto tucano

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Patrick Mariano: O pior caminho para Dilma é a apatia de parar na esquina | Ceilândia em Alerta

22 de novembro de 2014 às 15h44

[…] abordamos aqui neste Viomundo  o número preocupante de assassinatos de pessoas em situação de rua, pelo “motivo” de […]

Responder

Patrick Mariano: O pior caminho para Dilma é a apatia de parar na esquina « Viomundo - O que você não vê na mídia

22 de novembro de 2014 às 08h47

[…] abordamos aqui neste Viomundo  o número preocupante de assassinatos de pessoas em situação de rua, pelo “motivo” de serem […]

Responder

Urbano

27 de agosto de 2013 às 13h34

Por onde andam os infames?…

Responder

Mardones

27 de agosto de 2013 às 09h16

É o famoso caso do país vivido pelo olhos dos vencedores. Aos vencidos resta o descaso.

E não há projeto democrático de país sendo gestado. O que é pior.

Responder

Ivan Clides da Costa

26 de agosto de 2013 às 23h31

Nossos herois morem de ouver dose de intolerância, mais grave que qualquer desumanidade conhecida!

Responder

Ceiça Araújo

26 de agosto de 2013 às 22h04

E os criminosos foram punidos?

Responder

    renato

    27 de agosto de 2013 às 09h46

    Parece que uns deles, mas agora tem alguns que são funcionários pùblicos.
    Se a internet não me engana…

flavio muniz

26 de agosto de 2013 às 20h13

Não somos podres, mas, como qualquer coisa, podemos sim apodrecer em determinadas situações.
Cuidado, com essas palavras pessimistas você não alavanca solução, é uma bacia furada vazando fracassos.
O grande problema do país é o ABANDONO.
Humanos abandonados são piores que animais.

Responder

    renato

    27 de agosto de 2013 às 09h47

    E a solução?

    Adriana

    27 de agosto de 2013 às 14h57

    Pois eu acho que em termos de civilidade somos podres sim. Eu não tenho medo de palavras pessimistas. E começar do zero é uma boa ideia, desde que se comece.

Caracol

26 de agosto de 2013 às 19h28

Não se iludam: não há limite para a perversidade de uma cultura imunda que foi forjada por mais de 500 anos. Os pequenos – sim, pequenos – movimentos e iniciativas tais como bolsa família, FIES, médicos do exterior e que tais, colocaram a nu a verdadeira face das elites “cheirosas” desse nosso Brasil. O que vivia escondido atrás das máscaras dos brasileiros “cordiais” de repente apareceu. Uma face horrenda, podre, na verdade mal cheirosa. Apareceu finalmente o ódio mal-contido.
Como sociedade, somos podres. Alguém duvida que é podre uma sociedade que precisa de quebra-molas nas ruas e estradas para que os “marginais” pedestres e habitantes ao largo das estradas tenham suas vidas protegidas? Alguém duvida que uma sociedade que não respeita sinais de trânsito é uma sociedade falida? Uma sociedade que troca o conceito de mutirão pela do Big Brother não é uma sociedade putrefata?
Somos podres sim!
Não me venham com hipocrisias, estou farto!
Vão à merda e refocilem-se na porcaria auto-produzida!
Porcos!
Temos que começar do zero para que sejamos mais civilizados do que nossos índios, o único núcleo realmente “cívico” ainda mal-existente neste território.
Desculpem o desabafo, mas, realmente…estou farto.

Responder

    renato

    27 de agosto de 2013 às 09h50

    Tá desculpado, agora, mochila nas costas, caneta nas mãos vamos em frente.

renato

26 de agosto de 2013 às 18h34

Ao iniciar a leitura, já tinha algo a dizer.
Tenho 54 anos, portanto já cumpri 2/3 da pena.
Mas depois,me deu vontade de continuar vivo.

Responder

    Mário SF Alves

    27 de agosto de 2013 às 13h14

    É… a gente vive assim. Nesse lusco-fusco. Ora revolucionários, ora o avesso disso, ou totalmente apáticos.
    ___________________________
    Às vezes penso que educação política é o que mais nos faz falta. Ainda somos medíocres. Ainda somos inexplicavelmente covardes. Ainda somos meio que meros “tubos de processar detritos”.
    _______________________________________
    “E por isso mesmo ainda somos humanos”, diriam alguns. Será? Ainda que no contexto do “nas-pracas-de-brasilia-desprezo-pela-vida”?

    Mário SF Alves

    27 de agosto de 2013 às 13h20

    E ainda que no contexto fotográfico, com o belo jacarandá mimoso explodindo em flores logo imediatamente atrás. Ainda assim, será? Seremos?


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.